Linn da Quebrada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Linn da Quebrada
Informação geral
Nome completo Linna Pereira
Nascimento 18 de julho de 1990 (29 anos)
Origem São Paulo, SP
Gênero(s)
Ocupação(ões)
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 2015–presente

Linna Pereira, mais conhecida como Linn da Quebrada (São Paulo, 18 de julho de 1990), é uma atriz, cantora e compositora brasileira. Também é ativista social pelos direitos civis da comunidade LGBT e da população negra. Linn inovou ao destoar do estereótipo de travesti, assumindo sua transexualidade apenas modificando sua identidade de gênero e seu nome no registro civil. Ela está entre as artistas mais relevantes do cenário musical LGBT brasileiro atual. Ela ascendeu ao reconhecimento utilizando-se do choque de culturas, tocando em tabus e desconstruindo estereótipos com o seu estilo mordaz e sarcástico bem particular.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Linn iniciou sua carreira como performer. Sua primeira música autoral, intitulada "Enviadescer", foi lançada em março de 2016 através do YouTube.[1] Com o sucesso da canção, a artista lançou-se na carreira musical através do nome artístico Mc Linn da Quebrada (o prefixo "MC" foi removido algum tempo depois)[2] e, durante o ano de 2016, lançou as canções "Talento", "Bixa Preta" e "Mulher". As canções foram ovacionadas pela crítica e pelo público, levando a artista a embarcar na turnê nacional "Bixarya" durante 2016 e 2017.[3] Embora Linn contasse com apenas quatro músicas de estúdio lançadas, o repertório da turnê trazia cerca de 12 músicas completamente autorais. No mesmo ano, foi homenageada pela cantora Liniker através da faixa "Lina X". Liniker e Linn estudavam na mesma escola em Santo André e moraram juntas.[4]

No ano de 2017, a artista lançou um crowdfunding para seu álbum audiovisual de estreia, intitulado "Pajubá", e a campanha acabou superando a meta desejada.[5] Em março, foi convidada especial do programa Amor & Sexo.[6] No mês de junho, participou da faixa "Close Certo", do DJ Boss in Drama.[7] Além disso, no mesmo mês, fora anunciado que Linn estaria no elenco do filme "Corpo Elétrico", que traz em pauta temáticas LGBT [8] A cantora, além disso, foi uma das protagonistas da coleção "Melissa Meio-Fio", da marca Melissa.[9] O primeiro single do álbum de estreia de Linn, intitulado "Bomba pra Caralho", foi lançado em setembro de 2017.[10]

Em 30 de Novembro de 2017, estreou nos cinemas o filme documentário Meu Corpo é Politico dirigido por Alice Riff, que acompanha a vida de quatro militantes LGBT, sendo que uma deles é Linn.[11]

No dia 08 de Dezembro de 2017 o artista Hugo Adescenco, aluno, na época, da ETEC de Artes, apresentou a montagem "Incômodo" baseado na obra de Linn da Quebrada como seu TCC para Arte Dramática. Esta apresentação abordava experiencias de abuso e assédio sofridas pelo artista. Baseado na audição e interpretação do álbum Pajubá, "Incômodo" é um monólogo apresentado por uma pessoa colocada em situação de constrangimento e julgamento jogando com o público, e com si mesmo, pensamentos sobre abuso sexual, abuso moral, discussões de gênero, preconceito e família. Esta montagem mistura teatro, cinema, dança e performance improvisada em cima das faixas do disco.[12] A apresentação teve bastante repercussão nas redes sociais, chegando a ser divulgada pela Mídia Ninja em seu perfil oficial no Facebook.[13]

Em 2019, Linn estreou como atriz na série da Rede Globo, Segunda Chamada, interpretando a transexual Natasha, aluna do colégio Carolina Maria de Jesus. Nos cinemas, protagoniza o documentário premiado BIXA TRAVESTY, que acompanha a trajetória de Linn, enfrentando o machismo e as diversas formas de transfobia. É dirigido por Claudia Priscilla e Kiko Goifman. Linn também assina o roteiro de produção.[14][15]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nascida na periferia da Capital Paulista, numa área pobre da Zona Leste, foi criada no Interior de São Paulo, onde passou a infância e a adolescência nas cidades de Votuporanga e São José do Rio Preto. Foi criada por sua tia, dentro da religião testemunha de Jeová, e no começo achava errado ser gay, mas ao perceber que essa era sua verdade, enfrentou muitos preconceitos da família e da comunidade religiosa ao se assumir homossexual. Posteriormente, passou a se identificar como transexual. Abandonou sua religião, saiu da casa da mãe e voltou para a Cidade de São Paulo. Nesta época passou a dedicar-se a diversos ramos da arte, apresentando-se em boates, em shows performáticos. Também dedicou-se à música, cantando em bares da região. Frequentemente refere-se a si mesma como "bicha, trans, preta e periférica. Nem ator, nem atriz, atroz. Performer e terrorista de gênero".[16] Linn descobriu um câncer nos testículos em 2014, necessitando retirar um deles, enfrentando uma quimioterapia por três anos, alcançando a cura em 2017.[17]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns[editar | editar código-fonte]

Álbum Detalhes
Pajubá
Trava Línguas
  • Lançamento: 1º semestre de 2020[18]
  • Formatos: CD, download digital
  • Gravadora: Independente

Remixes[editar | editar código-fonte]

Lista de álbuns
Álbum Detalhes
Pajubá Remix I
  • Lançamento: 19 de dezembro de 2019
  • Formato(s): CD, download digital
  • Gravadora(s): Independente

Singles[editar | editar código-fonte]

Como artista principal[editar | editar código-fonte]

Lista de singles, com posições nas paradas selecionadas
Título Ano Melhores

posições

Álbum
BRA
"Enviadescer" 2016 Pajubá
"Talento"
"Bixa Preta" 2017
"Mulher"
"Bomba pra Caralho" Pajubá
"Absolutas"
"Coytada" 2018 Pajubá
"Menorme"
"fake dói"
"Alavancô" 2019
"Oração"
"Storm Chaser"

Como artista convidado[editar | editar código-fonte]

Lista de singles, com posições nas paradas selecionadas
Título Ano Melhores
posições
Álbum
BRA
"Close Certo"
(DJ Boss in Drama part. Linn da Quebrada)
2017

Vídeos musicais[editar | editar código-fonte]

Aparições especiais
Título Ano Artista Ref.
"Intimidade" 2019 Liniker e os Caramelows [19]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem
2019 Segunda Chamada Natasha Pereira dos Santos

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Personagem Nota
2017 Corpo Elétrico Simplesmente Pantera
2018 Sequestro Relâmpago Marilda[20]
2017 Meu Corpo é Politico Ela mesma[11] Documentário
2018 Abrindo o Armário Ela mesma[21] Documentário
2019 Bixa Travesty Ela mesma[14] Documentário; também Roteirista

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado
2018 Festival de Brasília[22] Prêmio Saruê de Menção honrosa do Júri
Bixa Travesty
Venceu
Festival Internacional de Cinema de Berlim[23] Teddy Award de Melhor Documentário Venceu
Festival Mix Milano[24] Menção Especial Venceu
New York’s LGBTQ Film Festival[25] Menção Especial Venceu
Festival Internacional de Cinema de Toronto[25] Inovação - Inside Out Venceu
2019 Prêmio Arcanjo de Cultura[26] Cinema
Presença nos palcos e nas telas
Venceu
Prêmio F5[27] Atriz/Ator Revelação
Segunda Chamada
Indicada
2020 Prêmio Platino[28] Melhor Coadjuvante de Série Pendente

Referências

  1. «MC Linn da Quebrada: "o ódio disfarçado de opinião é tão culpado quanto quem mata"». Lado Bi. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  2. «Conheça Linn da Quebrada, multiartista travesti que se apresenta em noite feminista no Opinião». Gaucha ZH. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  3. «Linn da Quebrada é confirmada para o No Ar Coquetel Molotov 2017». JC Online. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  4. «Faixa a faixa: Liniker e os Caramelows - "Remonta"». Red Bull. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  5. http://gente.ig.com.br/cultura/2017-04-11/linn-da-quebrada.html
  6. http://www.huffpostbrasil.com/2017/03/03/5-momentos-do-programa-amor-and-sexo-sobre-diversidade-sexual-qu_a_21872755/
  7. http://www.papelpop.com/2017/06/boss-in-drama-e-linn-da-quebrada-ensinam-o-close-certo-em-novo-video/
  8. http://www.papelpop.com/2017/06/vem-ver-o-trailer-de-corpo-eletrico-filme-nacional-com-linn-da-quebrada/
  9. https://www.sp-arte.com/midias/2017/linn-da-quebrada-e-alexandre-hebert-no-projeto-melissa-meio-fio-arte-1-na-sp-arte2017/
  10. «Linn da Quebrada: novo single». PapelPop. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  11. a b «Em 'Meu Corpo é Político', a vida de quatro transgêneros é normal (mas não fácil)». EL País. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  12. «Incômodo baseado na obra de Linn da Quebrada». www.facebook.com. Consultado em 12 de janeiro de 2018 
  13. «Mídia Ninja». www.facebook.com. Consultado em 12 de janeiro de 2018 
  14. a b «Documentário de Linn da Quebrada terá exibições por R$ 6». Guia Gay. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  15. «Linn da Quebrada é estrela de sua história em 'Bixa Travesty'». Veja. 21 de fevereiro de 2018. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  16. «De testemunha de Jeová a voz do funk LGBT, MC Linn da Quebrada se diz 'terrorista de gênero'». G1. 12 de setembro de 2016. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  17. https://www.facebook.com/mclinndaquebrada/posts/1736010196637545
  18. TEMPO, O. (5 de novembro de 2019). «Linn da Quebrada protagoniza documentário, atua em série e anuncia disco». Magazine (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2019 
  19. «Luiza Possi chama Pabllo Vittar e outras drags para o clipe maravilhoso de Insight». Rolling Stones. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  20. «Marina Ruy Babosa, de pernas de fora, roda cenas de 'Sequestro relâmpago'». EGO. Globo.com. 13 de abril de 2017. Consultado em 13 de abril de 2017 
  21. «Documentário "Abrindo o armário" sobre conquistas LGBTs estreia nos cinemais». Observatorio IG. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  22. «Prêmio Saruê vai para Linn da Quebrada e Jup do Bairro, em 'Bixa travesty'». Correio Braziliense. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  23. «Bixa Travesty, que ganhou o prêmio Teddy em Cannes, encerra competição oficial de Brasília». Jornal do Brasil. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  24. «"Bixa Travesty" ganha mais prêmio internacional para o Cinema Brasileiro». Almanaque Virtual. 25 de junho de 2018. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  25. a b «BIXA TRAVESTY estreia em 21 de novembro. Assista». Parada SP. 7 de novembro de 2019. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  26. «Linn da Quebrada e Ana Cañas brilham no 1º Prêmio Arcanjo de Cultura». Revista Claudia. Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  27. «Prêmio F5: Veja indicados e vote nos principais destaques do entretenimento em 2019». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de novembro de 2019 
  28. «Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2019 anuncia indicações; Chacrinha lidera». Correio do Povo. 16 de fevereiro de 2020. Consultado em 16 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]