Lipotes vexillifer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Disambig grey.svg Nota: Baiji redireciona para este artigo. Para a cidade iraquiana, veja Baiji (cidade).
Como ler uma caixa taxonómicaGolfinho-lacustre-chinês
Lipotes vexillifer.png

Estado de conservação
Status iucn3.1 CR pt.svg
Em perigo crítico (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Família: Lipotidae
Zhou, Qian & Li, 1978
Género: Lipotes
Miller, 1918
Espécie: L. vexillifer
Nome binomial
Lipotes vexillifer
Miller, 1918
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição do Baiji
Mapa de distribuição do Baiji

O golfinho-lacustre-chinês (Lipotes vexillifer), também conhecido como baiji, golfinho-branco ou golfinho-do-Yang-Tsé, é um mamífero de água doce, da ordem Cetacea, encontrado no rio Yang-Tsé na China. É uma das quatro espécies de golfinhos de água doce restantes no mundo (tal como o Boto, na Amazônia), todas elas em sério risco de extinção.[2]

Características[editar | editar código-fonte]

O golfinho-lacustre-chinês possui uma coloração que vai do cinza ao rosa-claro. Possui uma barbatana dorsal triangular e muito vestigial, as suas barbatanas caudais e peitorais são curtas e arredondadas. Têm olhos pequenos e são praticamente cegos. O golfinho-lacustre-chinês têm em média 65 dentes em cada fila de ambas as mandíbulas

Possível extinção[editar | editar código-fonte]

O golfinho-lacustre-chinês foi considerado extinto em agosto de 2007, após uma busca de 6 semanas no rio Yang-Tsé, em dezembro de 2006, em que não foi encontrado nenhum espécime vivo.[2][3][4] No entanto, no dia 19 desse mesmo mês, Zeng Yujiang, um morador de Tonglin, avistou um nas margens do rio e o filmou com o seu telemóvel.[2]

Segundo a Sociedade Zoológica de Londres, caso seja confirmada a sua extinção, será o primeiro cetáceo a desaparecer como resultado direto da influência do homem.[4] As causas principais de sua extinção serão a pesca abusiva (uma vez que a região carece de normas que coíbam os abusos da atividade), a navegação excessiva, a poluição e a construção de usinas hidrelétricas (incluindo a Três Gargantas), que afectaram grandemente o seu habitat natural.[2][3][4]

Referências


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies