Lista de bairros de Bauru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O município de Bauru possui aproximadamente 350 bairros. A lista dos bairros abaixo apresentada representa a grande maioria dos bairros atuais e os mais antigos existentes na cidade.

  • A cidade divide-se em oito administrações regionais:
    • Centro
    • Estoril (Sul)
    • Altos da Cidade (Sul)
    • Bela Vista (Norte)
    • Falcão/Industrial (Oeste)
    • Independência (Sudoeste)
    • Mary Dota (Nordeste)
    • Redentor/Geisel (Sudeste)
    • Parque Paulista (Leste)
    • Ferradura mirim (Leste)
    • São Geraldo/PVA (Noroeste)
    • Distrito de Tibiriçá

Região Central[editar | editar código-fonte]

A região central de Bauru é a que está mais densamente urbanizada, sendo bastante verticalizada e possui a maior concentração de estabelecimentos comerciais, médicos e de serviços.

Nela há tanto prédios e residenciais de alto-padrão, como regiões degradadas e com alguns imóveis abandonados. Também abriga a estação ferroviária de Bauru.

Zona Norte[editar | editar código-fonte]

  • Jd. Bela Vista
  • Gerson França
  • Vânia Maria
  • Sta. Edwirges
  • Vl. Seabra
  • Pq. Roosevelt
  • Pq. Jaraguá
  • Vila Camargo
  • Pq. São Geraldo
  • Nove de Julho
  • Jd. Petropolis
  • Jd. Rosa Branca

Zona Leste[editar | editar código-fonte]

  • Jd.Araruna
  • Pq. Vista Alegre
  • Colina Verde
  • Santa Luzia
  • vila Conceiçao

História do N. Gasparini[editar | editar código-fonte]

[1]

Inicialmente, Bauru e toda a sua região eram denominadas de “Boca do Sertão”. Esse nome existia, pois o homem branco nunca havia explorado estas terras, onde até então habitavam somente povos indígenas, principalmente de etnia Caingangue. Aos poucos, alguns habitantes da “civilização” começaram a adentrar na região, em busca de novas áreas para cultivo de café, de oportunidades, ou ainda para fugir da polícia – o local era ermo e pouca ou nenhuma fiscalização existia ali, tornando aquele espaço alvo fácil de fugitivos.

Com a vinda das linhas férreas, na segunda metade do século XIX, a chamada “Boca do Sertão” começou a ser cada vez mais povoada, sendo que, na cidade de Bauru, se instalou a Companhia Noroeste do Brasil, e em sua região ainda existiam as estradas de ferro Sorocabana e Paulista. A utilidade dos trens era escoar a produção de café com maior facilidade, além de transportar pessoas e trazer a “modernidade” a essas cidades, o que fez com que o número de habitantes crescesse rapidamente, e os municípios se desenvolvessem em torno das ferrovias. No caso da Noroeste, em Bauru, os preços das passagens de trem variavam muito, para assim poder atender a todos os níveis sociais, facilitando a chegada de novos habitantes (imigrantes de outros países, ou migrantes, de outras regiões do Brasil), que aqui desenvolveram uma ampla rede de comércio. Realizavam também os mais variados trabalhos, em sua maioria, manuais, e que requeriam muito esforço, pois a cidade precisava ser construída. Como forma de lazer, foi criado o Esporte Clube Noroeste, time de futebol que fez muito sucesso e ainda existe em Bauru.

Como memória dos tempos áureos da ferrovia, tem-se um vasto patrimônio material. Casas do período, a própria estação ferroviária, hotéis, praças, monumentos, comércios que desempenhavam a função de trabalho e moradia ao mesmo tempo, além de um amplo acervo no Museu Ferroviário Regional de Bauru (imagens, objetos, documentos da NOB, entre outros). Atualmente, luta-se para preservar tudo isso (por meio de tombamentos, acervos eletrônicos, exposições, palestras) e promover o conhecimento da história dos primórdios de Bauru, e de como as linhas férreas trouxeram mudanças extremamente significativas para a região e que influenciam a vida de todos os habitantes do local até os dias de hoje.

O Bairro Gasparini foi fundado e gradualmente construído ao longo década de 1980 e 1990. Mas, mesmo sendo novo, o bairro permeia sua história articulada ao desenvolvimento da cidade de Bauru na expansão de bairros e COHABs. Segundo os moradores, o nome inicial do bairro retoma a um termo indígena Irapuru.

Em decorrência disso, o bairro Gasparini, nome dado em homenagem histórica e patrimonial ao ex-prefeito popular Edíson Bastos Gasparini, possui quatro escolas correspondentes a Escola Estadual Pref. Edíson Bastos Gasparini, E.E. João Pedro Fernandes, EMEI Maria Elisabeth e EMEI Prof. Hubert Rademakers.

O Bairro possui também em sua constituição histórica, a Paróquia São Brás, fundada em 2000, pela qual, teve seu primeiro casamento e batismo a pessoas do distrito de Tibiriça. Mas, tendo em vista, a diversidade constitutiva do Bairro, o mesmo apresenta igrejas como:

  • ·     Igreja Evangélica Quadrangular
  • ·     Assembleia de Deus
  • ·     Missão da Fé
  • ·     Igreja Evangélica Cristã
  • ·     Poder e Maravilha de Jesus
  • ·     Congregação Cristã do Brasil
  • ·     Igreja Batista Betel
  • ·     Igreja Pentecostal Unidos por Amor em Jesus Cristo.

O Bairro possui também atividades e eventos religiosos e comemorativos como a Quermesse da Paróquia, Festa de Dia das Crianças e outras festas juninas.

A presença de um comércio diversificado, mesmo sendo um bairro recente, apresenta uma forte subsistência, uma vez que, há mercearias populares, mercados, lojas, padarias, locadora, loja de matérias de construção, cabelereiros, etc.

As áreas de lazer, mesmo que poucas, são decorrentes de times de futebol para meninos, já que o bairro possui seu próprio time desde 2011, 100% Gaspa, além de um parquinho e campo . Há também um posto de saúde que socorre os moradores do bairro e o Estádio Distrital José Carlos Galvão de Moura.

O que chama atenção no bairro, apesar dos problemas sociais decorrentes de asfalto, segurança pública, são suas ruas. Elas, em maioria, são nomeadas com tipos de profissões que retomam a formação do bairro e da cidade de Bauru, como:

  • RUA DOS FERROVIÁRIOS
  • RUA DOS PINTORES
  • RUA DOS GRÁFICOS
  • RUA DOS PROFESSORES
  • RUA DOS CONTABILISTAS
  • RUA DOS ATLETAS
  • RUA DOS COMERCIÁRIOS
  • RUA DAS SECRETÁRIAS
  • RUA DOS AÇOUGUEIROS
  • RUA DAS COSTUREIRAS
  • RUA DOS PEDREIROS
  • RUA DOS CARPINTEIROS E LAVRADORES
  • RUA DOS CABELEIROS
  • RUA DOS MECÂNICOS

Mas, há também ruas com nomes de pessoas: Rua Joaquim Costa, Rua Alice Yoko N. Locomiso, Rua Fuijo Yoshida (imigrantes japoneses), Antônio Hojas, Manuel Sanches, Antônio Galves, Rua Aparecida Inês Crispim de Matos, Rua Sebastião Navarro Terra, Rua Osvaldo Minarelli, Rua Walter Hugo Barreto Côrrea.

Os tipos populares do Bairro Gasparini podem ser vistos pelas suas referências como o Núcleo Habitacional Vanuíre que faz homenagem à índia cainguangue, que foi intérprete entre indígenas e homens “brancos” durante a expansão do oeste paulista no século XIX e XX, e o processo de aldeamento em 1912. Ela faleceu em 1918 em Icatu/SP.

Outra figura popular que nomeia o bairro é o ex-prefeito e vereador Edíson Bastos GasparinI (1933-1983). Ele foi forte atuante na formação de bairros na década de 80, além de perseguido em 1964 em decorrência da ditadura militar pelo seu viés popular e comunista.


  • Jd. Flórida
  • Pq. dos Eucaliptos
  • Beija Flor
  • Nobuji Nagasawa (Bauru 2000)
  • Quinta da Bela Olinda
  • Mary Dota
  • Chácara São João
  • Isaura Pitta Garmes(Bauru 1)
  • Chapadão
  • Mendonça
  • Jd Tangarás
  • Ferraduma Mirim
  • Jardim Redentor
  • José Regino
  • Vila São Paulo
  • Pq Paulista
  • N. Presidente Geisel
  • N Octavio Rasi
  • Jardim Cruzeiro do Sul

Zona Oeste[editar | editar código-fonte]

  • Chácaras Cornélia
  • Vl. Industrial
  • Vl. Dutra
  • Pq. Real
  • Pq. Sta. Cândida
  • Vl. Pacífico
  • Vl. Paraíso
  • Vl. Souto
  • Vl. Falcão
  • Jd. Prudência
  • Vl. Santa Filomena
  • Nova Esperança
  • Edson Francisco Silva (Bauru XVI)
  • Alto Alegre
  • Pq.val de Palmas
  • Nucleo Leão 13
  • Jardim Petrópoles

Zona Sul[editar | editar código-fonte]

  • Jd. Estoril
  • Vl. Sta. Clara
  • Jd. Europa
  • Jd. América
  • Jd. Aeroporto
  • Jd. Ouro Verde
  • Jd.Prudência
  • Jd. Solange
  • Vl. Aviação
  • Vl. Ipiranga
  • Jd Ferraz
  • Jd. Vitoria
  • Jd. Cidade Universitaria
  • Jd. Infante Dom Henrique

Observações[editar | editar código-fonte]

  • O critério de divisão das regiões é variável - há outras formas, que mudariam a classificação presente. Para esta classificação, considera-se Centro da cidade, tudo que está dentro das seguintes distâncias
  • Alguns bairros que têm o nome de Jardim ou Parque também podem ser referidos sem esse título.
  • Não estão citados todos os bairros, que podem ser acrescentados, mas estão incluídos alguns nomes mais antigos que não constam no mapa da cidade, tais como:
  • A lista dos bairros citados acima está incompleta. São apenas citados os mais conhecidos.
    • Fontes orais dos moradores do Bairro Projeto desenvolvido por graduandos de História pela Universidade do Sagrado Coração do subprojeto "PIBID-História - Bairros, Patrimônio e memória: A História de Bauru por meio de seus espaços urbanos." ZANLOCHI, T. (org.) Quem foi? Bauru, SP: Canal6, 2012. NEVES, C. de. Tipos Populares de Bauru. 1º ed., 1971. https://www.jcnet.com.br/ FERNANDES, Edson. Fronteiras e população: um estudo sobre a formação de famílias no povoamento da região centro-oeste de São Paulo, século XIX. Tese de doutorado. Franca: UNESP, 2008.