Lista de colônias alemãs no Paraná

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Esta é uma lista das colônias alemãs do estado do Paraná:[1][2]

Nome Fundação Procedência Município
Colônia Rio Negro 1829 alemães e luxemburgueses Rio Negro[3]
Colônia Superagui 1852 alemães, suíços, franceses e outros Guaraqueçaba[4]
Colônia Assungui 1860 alemães, ingleses, franceses, italianos Cerro Azul[4]
Colônia Argelina 1869 alemães, suíços, franceses e argelinos Curitiba[4]
Colônia Pilarzinho 1870 alemães, poloneses e italianos Curitiba[4]
Colônia São Venâncio 1871 alemães, poloneses e suecos Almirante Tamandaré[4]
Colônia Abranches 1873 alemães da Prússia Ocidental Curitiba[5]
Colônia Lamenha 1876 alemães e poloneses Curitiba[5]
Colônia Riviere 1877 alemães, franceses e poloneses prussianos Curitiba[4]
Colônia Terra Nova 1877 alemães Castro[6]
Colônia Marienthal 1877 alemães do Volga Lapa[5]
Colônia Octavio[nota 1] 1878 alemães do Volga Ponta Grossa[4]
Colônia Virmond 1878 alemães do Volga Lapa
Colônia Quero-Quero 1878 alemães do Volga Palmeira
Colônia Papagaios Novos 1878 alemães do Volga Palmeira
Colônia Nossa Senhora do Lago 1878 Alemães do Volga Palmeira
Colônia Pugas 1878 alemães do Volga Palmeira[7]
Colônia Sinimbú 1878 alemães do Volga Palmeira[8]
Colônia Johannesdorf 1878 alemães bucovinos Lapa[5]
Colônia Santa Leopoldina 1879 alemães Castro[5]
Colônia Tayó 1880 alemães, holandeses e poloneses Ipiranga[9][10][5]
Colônia João Alfredo 1887 alemães e poloneses Rio Negro[11][12]
Colônia São Lourenço 1887 alemães Rio Negro[11][12]
Colônia Inglesa 1889 alemães (com ingleses e italianos) Foz do Iguaçu[4][13]
Colônia Santa Bárbara 1891 alemães, eslavos e italianos Palmeira
Colônia Nova Galícia 1896 alemães de Lemberg Galícia Prudentópolis
Colônia Ivay 1907 alemães e eslavos Ivaí[14][15]
Colônia Iraty 1908 alemães, holandeses e eslavos Irati[3][16]
Colônia Cruz Machado 1910 alemães e eslavos União da Vitória[3]
Colônia Bom Jardim 1923 alemães Ivaí[3][14]
Colônia São Miguel 1924 alemães e eslavos Joaquim Távora
Colônia Marquês de Abrantes 1926 alemães Tunas do Paraná[4][17][18][19]
Colônia Dantzig 1927 alemães e eslavos Cambé[4]
Colônia Heimtal 1929 alemães e russos-alemães Londrina[20][21][22][23][24]
Colônia Cândido de Abreu 1929 alemães e eslavos Cândido de Abreu[3][4]
Colônia Bratislava 1932 alemães e eslovacos Cambé[25][26]
Gleba Roland 1933 alemães Rolândia
Colônia Jacutinga 1948 alemães Francisco Beltrão[27][28]
Colônia Marechal Cândido Rondon 1950 alemães Marechal Cândido Rondon
Colônia Vitória 1951 alemães suábios do Danúbio Entre Rios, Guarapuava
Colônia Samambaia 1951 alemães suábios do Danúbio Entre Rios, Guarapuava
Colônia Cachoeira 1951 alemães suábios do Danúbio Entre Rios, Guarapuava
Colônia Socorro 1951 alemães suábios do Danúbio Entre Rios, Guarapuava
Colônia Jordãozinho 1951 alemães suábios do Danúbio Entre Rios, Guarapuava
Colônia Witmarsum 1951 alemães Palmeira[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. A Colônia Octavio, foi subdividida em 17 núcleos: Botuquara; Dona Adelaide; Dona Luiza; Floresta; Guaraúna; Guarauninha; Eurídice; Itaiacoca; Moema; Rio Verde; Santa Matilde; Santa Rita; Taquari; Tavares Bastos; Tibagy; Trindade; Uvaranas.[4]

Referências

  1. «Etnias: O Paraná é um dos estados com a maior diversidade étnica do Brasil.». Paraná Turismo. 2 de março de 2018. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  2. Raiane Clair Ramirez dos Santos (2014). «Revista Etnias no Paraná: uma análise sobre as identificações da população paranaense». Revista Vernáculo. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  3. a b c d e Roberto João Eissler (2017). «Aritmética na escola teuto-brasileira: o saber contar como princípio» (PDF). Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Consultado em 13 de maio de 2020 
  4. a b c d e f g h i j k l Romário Martins (1995). «História do Paraná». Farol do Saber. Consultado em 15 de maio de 2020 
  5. a b c d e f Reinaldo Benedito Nishikawa (2015). «As colônias de imigrantes na Província do Paraná, 1854-1889» (PDF). Universidade de São Paulo. Consultado em 16 de maio de 2020 
  6. a b Governo do Estado do Paraná. «Associação dos Municípios da Região dos Campos Gerais - AMCG». Coordenação do Sistema Estadual de Museus. Consultado em 16 de maio de 2020 
  7. Pollianna Milan (18 de outubro de 2008). «Uma colônia reinventada». Gazeta do Povo. Consultado em 12 de junho de 2018 
  8. Marta Auer. «Sinimbu, Colônia». Universidade Estadual de Ponta Grossa. Consultado em 12 de junho de 2018 
  9. «Ipiranga - PR - Histórico» (PDF). IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de maio de 2020 
  10. «História». Prefeitura Municipal de Ipiranga. Consultado em 16 de maio de 2020 
  11. a b Dulce Elena Canieli (2007). «O Paraná Provincial» (PDF). Cadernos PDE - Secretaria da Educação do Paraná. Consultado em 16 de maio de 2020 
  12. a b «Colônia de imigrantes estabelecidas no Brasil» (PDF). Núcleo de Estudos em História Demográfica - USP. Consultado em 16 de maio de 2020 
  13. «Foz do Iguaçu». Rede Cedes. Consultado em 15 de maio de 2020 
  14. a b «Ivaí - PR - Histórico» (PDF). IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 16 de maio de 2020 
  15. «História». Prefeitura Municipal de Ipiranga. Consultado em 16 de maio de 2020 
  16. «A Colônia de Gonçalves Júnior - Irati - Paraná». APCH Editorial. 2011. Consultado em 16 de maio de 2020 
  17. Maria Luiza Tucci Carneiro (2001). «O anti-semitismo na era Vargas: fantasmas de uma geração, 1930-1945». Editora Brasiliense. Consultado em 16 de maio de 2020 
  18. Hans-Jürgen Prien (2001). «Formação da Igreja Evangélica no Brasil: das comunidades teuto-evangélicas de imigrantes até a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil». Vozes. Consultado em 16 de maio de 2020 
  19. Milena Kanashiro (2006). «Paisagens étnicas em Curitiba: um olhar histórico-espacial em busca de entopia» (PDF). Universidade Federal do Paraná. Consultado em 16 de maio de 2020 
  20. «Vale dos alemães evoca aldeia russa». Folha de Londrina. 26 de agosto de 2010. Consultado em 15 de maio de 2020 
  21. Rafael Souza (7 de julho de 2016). «Um passeio pela história do Patrimônio Heimtal». Folha de Londrina. Consultado em 15 de maio de 2020 
  22. Simone Saris (29 de junho de 2017). «Heimtal - mais antiga que Londrina, escola comemora 86 anos». Folha de Londrina. Consultado em 15 de maio de 2020 
  23. «Imigração Alemã em Londrina: análise de fotos da coleção do Museu Histórico de Londrina – Padre Carlos Weiss (1930)» (PDF). Cadernos PDE - Secretaria da Educação do Paraná. Consultado em 15 de maio de 2020 
  24. Claudinei Carlos Spirandelli1. «Luteranos de Londrina (PR) e germanidade: interpretações sociológicas sobre a composição religiosa brasileira do início século XXI» (PDF). Universidade Estadual de Londrina. Consultado em 15 de maio de 2020 
  25. Lucilia Okamura (10 de outubro de 1997). «Bratislava viveu apogeu entre 45 e 55». Folha de Londrina. Consultado em 12 de maio de 2020 
  26. Isabel Francisco de Oliveira Barion (2014). «História e memória da Escola Bratislava de Cambé (1936‐1948): entre a educação e a fé» (PDF). X ANPED SUL. Consultado em 12 de junho de 2018 
  27. Claídes Rejane Schneider (2012). «Comida, história e cultura nas festas gastronômicas de Francisco Beltrão - PR (1996-2010)». Universidade Federal do Paraná. Consultado em 17 de maio de 2020 
  28. Ana Rúbia Gagliotto Galvão (2014). «Possibilidade de valorização multidimensional do território de Francisco Beltrão - PR com vistas ao desenvolvimento local» (PDF). Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Consultado em 17 de maio de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Imigração Alemã no Brasil - série Resumos, No 3 - Governo do Estado de São Paulo - Secretaria de Estado da Cultura - Memorial do Imigrante - Museu da Imigração.
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Brasil é um esboço relacionado ao Projeto História do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.