Lista de deputados acusados no Escândalo do Mensalão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Primeira Lista de Compra de Votos (ou Mensalão) que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) aprovou por unanimidade o relatório preliminar da primeira junção em 1º de setembro de 2005. O relatório acusa 18 deputados brasileiros da participação no escândalo de corrupção:

  1. Carlos Rodrigues (PL - Rio de Janeiro)
  2. José Janene (PP - Paraná)
  3. Pedro Corrêa (PP - Pernambuco)
  4. Pedro Henry (PP - Mato Grosso)
  5. Sandro Mabel (PL - Goiás)
  6. João Magno (PT - Minas Gerais)
  7. João Paulo Cunha (PT - São Paulo)
  8. José Borba (PMDB - Paraná)
  9. Josias Gomes da Silva (PT - Bahia)
  10. Paulo Rocha (PT - Bahia)
  11. Professor Luizinho (PT - São Paulo)
  12. Romeu Queiroz (PTB - Minas Gerais)
  13. Vadão Gomes (PP - São Paulo)
  14. Vanderval Santos (PL - São Paulo)
  15. José Mentor (PT - São Paulo)
  16. Roberto Brant (PFL - Minas Gerais)
  17. José Dirceu (PT - São Paulo)
  18. Roberto Jefferson (PTB - Rio de Janeiro)

No relatório são acusados dos misdeeds incluindo atividades das finanças ilegais da campanha, colocando cronies em posições estratégicas em empresas do governo e recebendo kickbacks no retorno, e recebendo pagamentos de dinheiro na troca para votar com o governo no Congresso Nacional (congresso brasileiro). Com respeito às denúncias feitas inicialmente pelo deputado Roberto Jefferson (PTB) o relatório indica: Tudo que disse poderia ser investigado foi revelado para parecer ser válido, incluindo suas próprias confissões. Tudo que disse quando comparado a outras testemunhas mostrou um grau grande de validez. O relatório indicou que diversos originais estiveram identificados e validados que provam que as somas grandes do dinheiro estiveram retiradas das agências do Banco Rural em Brasília e em Belo Horizonte, os clientes de banco das empresas SMPB e DNA. De acordo com os originais, os beneficiários eram os deputados federais que receberam fundos na pessoa ou através dos parentes, dos conselheiros, ou dos indivíduos escolhidos por Marcos Valério. O relatório afirmou que era possível que alguns pagamentos estiveram feitos em uma base mensal e outra mais ou menos frequentemente. A presença do esquema em tudo, entretanto, era ao julgado para ser de uma importância maior do que o sincronismo dos pagamentos. Os editores do relatório do CPI chamaram a defesa feita por alguns parlamentares que os fundos estiveram usados estabelecer débitos das campanhas eleitorais “uma desculpa coxa”.

Renunciaram para não serem cassados[editar | editar código-fonte]

Vários outros políticos renunciaram para não serem cassados.