Lista de equívocos comuns

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Wiki letter w.svg Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.

Esta é uma lista de equívocos comuns, tais como mitos populares ou interpretações errôneas de fatos. Cada item comunica uma correção e não o fato errôneo em si. Esta lista é feita para ser concisa, porém mais detalhes podem ser encontrados nos respectivos artigos.

Arte e cultura[editar | editar código-fonte]

Comida e culinária[editar | editar código-fonte]

Biscoitos da sorte são associados à culinária chinesa, mas na verdade foram inventados no Japão,[1] e raramente são comidos na China, onde são vistos como parte da cultura americana.[2]
  • Tostar a carne não sela a umidade nela contida. Na realidade, a prática causa perda de umidade em comparação a um pedaço de carne equivalente cozinhado por outro método e é realizada por proporcionar uma caramelização na superfície do alimento e melhorar seu sabor através da reação de Maillard.[3][4]
  • Não há evidência de que glutamato monossódico (MSG) provoca exacerbação de enxaqueca ou outros sintomas do chamado síndrome do restaurante chinês. Apesar de haver relatos de uma porção da população sensível a MSG, isto não foi comprovado em testes controlados por placebo.[5][6]
  • Twinkies (bolinhos americanos de marca popular) têm um tempo de prateleira de aproximadamente 45 dias[7] (25 na sua fórmula original)—bem menos do que diz o mito popular (e de certa forma humorístico) de que os Twinkies continuam válidos por décadas.[8] Eles geralmente ficam apenas de 7 a 10 dias à venda.[9]
  • Biscoitos da sorte, apesar de serem associados à culinária chinesa, foram inventados no Japão e introduzidos nos Estados Unidos por imigrantes japoneses.[1] Eles são muito raros na China, onde são vistos como um símbolo da culinária americana.[2]
  • Lendas urbanas sobre balas e frutas envenenadas que estranhos dão a crianças foram "minuciosamente refutadas". Nunca se provou nenhum caso de adultos matando, machucando ou adoecendo crianças dessa maneira. A preocupação a respeito de balas envenenadas pode ter-se originado de um caso de 1974 em que um pai matou seu próprio filho dando-lhe uma bala com cianeto no Halloween.[10]
  • Com a exceção de alguns perecíveis, a maioria dos alimentos continua comestível por bastante tempo após o seu prazo de validade.[11][12]
  • As sementes não são a parte mais ardente da pimenta. Na realidade, as sementes das pimentas contêm uma quantidade baixa de capsaicina, o componente que causa a sensação de ardência nos mamíferos. A maior concentração do componente é no tecido placental ao qual as sementes estão ligadas.[13]

Fornos de micro-ondas[editar | editar código-fonte]

  • Fornos de micro-ondas não esquentam alimentos operando numa ressonância especial de moléculas de água na comida. O princípio funcional de um micro-ondas é o aquecimento dielétrico, e não ressonâncias de frequência de água. Eles podem operar a várias frequências diferentes e as moléculas de água são expostas a campos eletromagnéticos intensos em micro-ondas fortes e não ressonantes para criar o calor. A frequência ressonante de 22 GHz das moléculas de água isoladas tem um comprimento de onda muito curto para penetrar alimentos comuns a profundidades consideráveis. A frequência típica de 2,45 GHz foi escolhida em parte por conta de sua habilidade de penetrar um alimento de tamanho razoável e em parte para evitar interferência com frequências de comunicação que eram utilizadas quando os fornos de micro-ondas foram lançados no mercado.[14]
  • Fornos de micro-ondas não cozinham alimentos de dentro para fora. Fornos de 2,45 GHz podem penetrar a aproximadamente 1 centímetro (0,39 in) na maioria dos alimentos. As porções internas dos alimentos mais grossos são esquentadas principalmente pelo calor conduzido das porções externas.[15][16]

Lei, crime e forças armadas[editar | editar código-fonte]

Os índices de crimes violentos nos Estados Unidos têm decaído nas últimas décadas
  • Raramente é necessário esperar 24 horas para relatar um caso de uma pessoa desaparecida. Nos casos em que há evidência de violência ou de um desaparecimento incomum, as agências policiais dos Estados Unidos enfatizam a importância de começar as investigações o quanto antes.[17] O site do governo britânico diz, em letras garrafais, "Você não precisa esperar 24 horas para entrar em contato com a polícia."[18]
  • Twinkies não foram citados como a causa dos homicídios do prefeito de São Francisco George Moscone e o supervisor Harvey Milk. Durante o seu julgamento, a defesa de Dan White provou com sucesso que ele era semi-inimputável em razão de sua depressão profunda. O hábito de comer Twinkies foi citado como evidência para esta depressão, mas nunca descrito como a causa dos assassinatos. Apesar disso, muitos acreditam que os advogados de White alegaram que os Twinkies foram a causa dos crimes.[19]
  • As Forças Armadas dos Estados Unidos, em geral, proíbem o alistamento militar como uma opção para condenados evitarem o encarceramento desde a década de 1980. Os protocolos da Marinha desencorajam a prática, enquanto os outros quatro ramos têm regulamentos específicos contra ela.[20][21]
  • Leis de curso forçado nos Estados Unidos não afirmam que uma pessoa, empresa ou organização deve aceitar dinheiro como forma de pagamento.[22][23][24]
  • Enviar um documento para si mesmo por correio não proporciona nenhuma proteção adicional de direitos autorais nos Estados Unidos[25] ou no Reino Unido.[26]
  • Policiais americanos não são obrigados a se identificarem como tal em operações secretas ou disfarçadas e podem mentir.[27] Alegar entrapment (cilada legal) como defesa foca na possibilidade do réu ter sido pressionado indevidamente (mediante, por exemplo, ameaças ou enganação) a cometer crimes que ele não cometeria de outra forma.[28]
  • Crimes violentos nos Estados Unidos diminuíram entre 1993 e 2017. A taxa caiu 49% nesse período,[29] "mas a maioria dos americanos acredita que o número de crimes relacionados a armas de fogo aumentou".[30]
  • A Primeira Emenda à Constituição dos Estados Unidos, em geral, previne restrições às liberdades religiosa, de expressão, de imprensa, de reunião e de petição,[31] mas não restrições impostas por indivíduos, empresas ou organizações privadas,[32] a menos que eles estejam representando o governo.[33] Outras leis limitam a habilidade de empresas e indivíduos privados de restringir a expressão alheia.[34]
  • Os proponentes dos direitos dos animais não desejam conceder aos animais não-humanos os mesmos direitos legais dos seres humanos, como o direito ao voto.[35][36] Eles defendem que os animais tenham direitos equivalentes aos seus interesses. Por exemplo, hominídeos não-humanos não têm interesse em votar, portanto não há porque terem o direito ao voto, mas eles têm interesse em viver, portanto devem usufruir do direito à vida.[37][38]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Budismo[editar | editar código-fonte]

  • O Buda histórico não era obeso. A figura do "Buda gordo" ou "Buda alegre" é, na verdade, um herói folclórico chinês do século X conhecido como Budai. Na cultura budista chinesa, Budai é venerado e considerado a encarnação de Maitreya, o Bodisatva que restaurará o budismo quando os ensinamentos de Sidarta Gautama forem esquecidos.[52]

Judaísmo[editar | editar código-fonte]

Apesar de ser frequentemente retratada como uma maçã, a fruta no Jardim do Éden não é especificada como tal no Gênesis.[53]
  • O fruto proibido mencionado no Gênesis não é identificado como uma maçã,[53] apesar de ser frequentemente retratado como tal na arte ocidental. Os textos hebraicos originais mencionam apenas árvore e fruto. As primeiras traduções ao latim utilizavam a palavra mali, que pode significar tanto "mal" como "maçã", dependendo da duração do A (curta ou longa), ainda que a quantidade vocálica já havia desaparecido do latim falado à época. Nas línguas germânicas mais antigas, a palavra "maçã" e seus cognatos geralmente significavam apenas "fruta". A partir do século XII, artistas alemães e franceses começaram a retratar o fruto como uma maçã, e a Areopagitica de John Milton (1644) também identifica o fruto como uma maçã.[54] Acadêmicos judeus já sugeriram que a fruta pode ter sido uma uva, um figo, trigo, um damasco ou um etrog.[55]
  • Apesar delas serem proibidas pelo Levítico, ter tatuagens não impede alguém de ser enterrado num cemitério judeu. O mesmo se aplica a qualquer outra violação ou descumprimento das leis descritas nas escrituras.[56]

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

  • A Bíblia não especifica que exatamente três magos foram visitar o menino Jesus, que eles eram reis, que viajavam em camelos, nem que seus nomes eram Casper, Melquior e Baltasar. Os textos dizem que magos (no plural) trouxeram três presentes, mas é provável que tenham sido muito mais do que três magos e que havia uma caravana os acompanhando em sua viagem. Os retratos artísticos da natividade desde o século III quase sempre retratam Três Reis Magos.[57] A associação a reis se origina da tentativa de ligar a visita às profecias do Livro de Isaías.[58] A Bíblia também não diz que a visita aconteceu na noite do nascimento de Jesus; é especificado um intervalo máximo de dois anos entre o nascimento e a visita (Mateus 2:16), além de que os retratos e a proximidade das datas tradicionais de 25 de dezembro e 6 de janeiro encorajam a presunção popular de que a visita aconteceu na época do nascimento, mas segundo tradições posteriores pode ter ocorrido até dois anos depois.
Não há nenhuma evidência bíblica ou histórica que indique que Maria Madalena foi uma prostituta.[59]
  • A ideia de que Maria Madalena era uma prostituta antes de conhecer Jesus não é encontrada na Bíblia nem em nenhuma outra das primeiras escrituras cristãs. O erro provavelmente se origina de uma confusão entre Maria Madalena, Maria de Betânia (que unge os pés de Jesus em João 11:1-12) e a "pecadora" de nome não especificado que unge os pés de Jesus em Lucas 7:36-50.[59]
  • Paulo de Tarso não mudou seu nome de Saulo para Paulo. Ele nasceu judeu e tinha cidadania romana herdada de seu pai, portanto tinha tanto um nome hebraico como um nome latino desde o seu nascimento. Lucas indica a coexistência dos nomes em Atos 13:19: "...Saulo, que também se chama Paulo...".[60][61]
  • O termo "Imaculada Conceição" não foi criado para se referir ao nascimento virginal de Jesus e também não se refere à suposta crença no nascimento virgem de Maria, sua mãe. O termo, na realidade, denota a crença católica de que Maria não se encontrava no estado de pecado original no momento da conceição.[62]
  • O dogma católico não diz que o papa é livre de pecados ou sempre infalível.[63] Desde 1870, a Igreja afirma que um ensinamento dogmático contido na revelação divina que é promulgado pelo papa (deliberadamente, e em certas circunstâncias muito específicas; geralmente chamadas ex cathedra) é livre de erros, ainda que a invocação formal da infalibilidade papal seja rara. A maioria dos teólogos afirma que canonizações se encaixam nessa categoria.[64] Com a exceção delas, a maioria dos papas recentes terminaram seu papado sem uma única invocação de infalibilidade. O dogma não afirma que o papa é incapaz de errar, mesmo quando ele fala em sua capacidade oficial.
  • A Basílica de São Pedro não é a igreja matriz do Catolicismo Romano nem a residência oficial do papa.[65] Essas distinções pertencem à Arquibasílica de São João de Latrão, localizada em Roma, fora da Cidade do Vaticano, mas sobre a qual o Vaticano possui jurisdição extraterritorial.[65] Isso também quer dizer que a Basílica de São Pedro não é uma catedral no sentido literal da palavra. A basílica é, no entanto, usada como a igreja principal para muitas funções papais.[65]

Mormonismo[editar | editar código-fonte]

Islã[editar | editar código-fonte]

Afegãs vestidas com burcas
  • A burca é uma peça de vestuário usada pelas muçulmanas, originária da Ásia central, que cobre todo o corpo, cabeça e rosto da mulher, incluindo seus olhos, com uma rede à frente deles para a mulher enxergar. Muitas vezes, o termo "burca" é usado incorretamente para se referir a outras peças de vestuário islâmicas utilizadas pelas mulheres, tal como o nicabe (que mostra os olhos) e o hijabe (que mostra o rosto inteiro mas esconde o resto do corpo, incluindo o cabelo).[73] Muitas burcas são azuis claras ou brancas, enquanto o nicabe geralmente é preto e o hijabe é um véu que pode ser de qualquer cor.
  • Uma fátua é uma decisão legal não obrigatória promulgada por um acadêmico islâmico sob a lei islâmica; assim sendo, é comum que fátuas de diferentes autores entrem em conflito. O mito popular[74][75] de que a palavra significa pena de morte provavelmente deriva da fátua promulgada em 1989 pelo aiatolá Ruhollah Khomeini do Irã a respeito do autor Salman Rushdie, que segundo Khomeini havia sido sentenciado à morte por blasfêmia. Este evento fez fátuas receberem bastante atenção da mídia ocidental.[76]
  • "Jihad" nem sempre quer dizer "guerra santa"; na sua tradução literal, a palavra árabe significa "luta", "contenda" ou "esforço". Apesar de realmente haver o conceito de jihad bil saif ("jihad pela espada"),[77] segundo muitos acadêmicos islâmicos modernos, a palavra sugere um esforço ou luta de natureza espiritual.[78][79] O acadêmico Louay Safi afirma que "conceitos e entendimentos errôneos a respeito da natureza da guerra e da paz no Islã são comuns tanto nas sociedades islâmicas como no Ocidente", desde antes do 11 de setembro.[80]
  • O Alcorão não promete aos mártires 72 virgens no céu. São mencionadas companheiras, as chamadas houri, para todos—sejam mártires ou não—no céu, mas não é especificado nenhum número. A fonte para as "72 virgens" é o hádice em Sunan al-Tirmidhi de Imam Tirmidhi.[81][82] Os hádices são escritos que descrevem os ditos e atos do profeta Maomé de acordo com relatos de terceiros e, sendo assim, não são parte do Alcorão. Muçulmanos não precisam acreditar necessariamente em todos os hádices, especialmente os de origem duvidosa, que é o caso deste.[83] Além disso, a tradução correta deste hádice em particular é objeto de debate.[81] No entanto, na mesma coleção de hádices sunitas, julga-se o seguinte como "forte" (hasan sahih): "Há seis coisas com Alá para o mártir. Ele é perdoado com o primeiro respingo de sangue (que sofre), ele é apresentado ao paraíso, ele é protegido de punição na tumba, defendido do maior dos horrores, a coroa da dignidade é colocada sobre a sua cabeça—e suas gemas são melhores do que o mundo e o que nele há—ele casa com setenta e duas virgens entre Al-Huril-'Ayn do Paraíso, e pode interceder por setenta de seus familiares próximos."[84]

Esporte[editar | editar código-fonte]

Marcos Torregrosa usando uma faixa preta com uma barra vermelha
  • Abner Doubleday não inventou o beisebol. O esporte também não se originou em Cooperstown, Nova Iorque. Acredita-se que ele tenha surgido a partir de outros jogos de taco e bola como o cricket e o rounders e assumiu sua forma moderna na cidade de Nova Iorque.[85][86]
  • A faixa preta não indica, necessariamente, nível de especialista ou maestria em artes marciais. Ela foi introduzida no judô, na década de 1880, para indicar competência em todas as técnicas básicas do esporte. Promoção para além do primeiro nível da faixa preta varia de acordo com a arte marcial. No judô e outras artes marciais, portadores de níveis superiores recebem, alternadamente, painéis vermelhos e brancos, e os níveis mais altos recebem faixas vermelhas sólidas.[87] Faixas de outros estilos possuem um certo número de barras douradas que indicam o dan (nível) do portador.
  • O uso de bandeiras triangulares de escanteio no futebol inglês não é um privilégio reservado aos times que já venceram a Copa da Inglaterra no passado, apesar da ampla crença no contrário[88] que inspirou uma cena no filme Twin Town. As regras da Football Association não dizem nada sobre o assunto e, muitas vezes, a decisão sobre que formato de bandeira usar cabe aos groundskeepers de cada time.[89]
  • A Seleção Indiana de Futebol não se afastou da Copa do Mundo FIFA de 1950 porque seu time jogava descalço, o que era contra o regulamento.[90] Na realidade, a Índia se afastou porque a Associação Indiana de Futebol (AIFF), que regia a equipe, não estava preparada o suficiente para a participação dela e deu vários motivos para o afastamento, incluindo falta de financiamento e priorização das Olimpíadas.[91] No entanto, o mito reaparece frequentemente tanto dentro como fora da Índia, sendo retratado como um fato (especialmente antes da Copa do Mundo começar).[92][93] A própria AIFF pode ter sido a fonte deste mito.[91]

Palavras, frases e idiomas[editar | editar código-fonte]

  • Alega-se, por vezes, que gírias e termos da linguagem coloquial e de dialetos, usados por falantes da língua inglesa ou outros idiomas, não são palavras reais, ainda que eles apareçam em diversos dicionários. Todas as palavras em um idioma são aceitas ao serem comumente usadas por um certo período de tempo; assim, há muitas palavras nativas que hoje não são aceitas na norma-padrão, ou consideradas como inapropriadas na fala ou escrita formal, mas a ideia de que elas não são palavras é um conceito errôneo.[94][95] Exemplos de palavras da língua inglesa que por vezes são descritas como não sendo palavras incluem irregardless,[96][97] conversate, funnest,[98] mentee, impactful e thusly,[99] todas as quais são listadas como palavras em inúmeros dicionários do idioma.[100]
  • A palavra fuck ("foder") não se originou na Inglaterra anglo-saxã (século VII) na forma de um acrônimo para Fornication Under Consent of King ("Fornicação Sob Consentimento do Rei") ou For Unlawful Carnal Knowledge ("Para Conhecimento Carnal Ilegal"). Também não era escrita acima dos adúlteros nos troncos, nem era usada como um indiciamento contra membros das Forças Armadas do Reino Unido; a palavra tampouco se originou na Batalha de Azincourt (século XV) como uma corruptela de pluck yew (uma expressão falsamente atribuída aos ingleses por sacar um arco longo).[101] O inglês moderno só começou a ser falado no século XVI, e palavras como fornication e consent, de origem latina, não existiam no inglês antes da influência do anglo-normando no final do século XII. O primeiro uso registrado certo de fuck na língua inglesa ocorreu por torno de 1475 no poema "Flen flyys", onde é escrito fuccant (conjugado como se fosse um verbo latino; "fodem"). A palavra é de origem protogermânica e é um cognato com fokken (holandês), ficken (alemão) e fukka (norueguês).[102]
  • A palavra crap ("bosta") não se originou do sobrenome do encanador britânico Thomas Crapper e nem o contrário, ainda que o sobrenome possa ter ajudado a popularizar a palavra.[103] O sobrenome "Crapper" é uma variação de "Cropper", que originalmente se referia a alguém que fazia a colheita em uma plantação (crop em inglês).[104][105] A palavra crap, por sua vez, vem de crappa, que em latim medieval significava "palha".[106]
  • A expressão rule of thumb ("regra do polegar") não se originou de uma lei que permitia a um homem bater em sua mulher desde que usasse um graveto que não fosse maior que o seu polegar, e não há evidência de que tal lei tenha sequer existido.[107] A verdadeira origem dessa expressão é incerta, mas vários veículos da mídia relataram essa etimologia falsa, entre os quais The Washington Post (1989), CNN (1993) e a revista Time (1983).[108]
  • A palavra "gringo", que descreve um estrangeiro na perspectiva dos latino-americanos, não surgiu durante a Guerra Mexicano-Americana (1846–48), a Guerra da Independência da Venezuela (1811–23), a Revolução Mexicana (1910–20) ou no Velho Oeste (c. 1865–99) na forma de uma corruptela de green grow, tal como em "Green Grow the Lilacs" (canção folclórica irlandesa) ou "Green Grow the Rushes, O" (canção folclórica inglesa) da forma que era cantada por soldados americanos ou caubóis;[109] nem durante qualquer uma dessas épocas como uma corruptela de Green, go home! ("Verde, vá para casa!"), frase falsamente descrita como proclamada por tropas americanas vestidas de verde.[110] Na sua forma original, a palavra significava apenas "estrangeiro", e é provavelmente uma corruptela da palavra espanhola griego, que significa "grego", de forma semelhante à expressão "estou falando grego?".[111]
  • A palavra wop, que se refere de forma pejorativa aos italianos, não é oriunda de um acrônimo para without papers ("sem papéis") or without passport ("sem passaporte"), como se acredita,[112][113][113][114] mas sim do termo guappo (que pode ser traduzido como "ladrão"), e já estava em uso em 1908,[115][116] antes das leis imigratórias modernas.[117]
  • A expressão pejorativa wetback ("costas molhadas"), que se refere a imigrantes mexicanos ilegais nos Estados Unidos, não tem nada a ver com o suor do trabalho agrícola ou nenhuma outra atividade pós-migração. Na realidade, wetback faz referência unicamente às consequências do método de imigração: atravessar o Rio Grande, o que resulta em costas molhadas.[118]
  • "420" não se originou do código policial ou penal de Los Angeles para fumantes de maconha.[119] Na Califórnia, O Código Policial 420 significa "perturbação juvenil"[120] e a seção 420 do Código Penal proíbe a obstrução de acesso a terras públicas.[119][121] O uso de "420" começou em 1971 na San Rafael High School, indicando o horário, 4:20 da tarde, em que um grupo de estudantes se reunia para fumar a droga.[119]
"Xmas", junto a um Papai Noel moderno, num cartão-postal de Natal (1910)
  • "Xmas", forma alternativa para se referir ao Natal em inglês (sendo a forma mais comum "Christmas"), não é o resultado de um plano secular para "tirar o Christ (Cristo) de Christmas".[122] X está para a letra grega Χ (qui), a primeira letra da palavra Χριστός (Christos), que significa "Cristo" em grego.[123] O uso da palavra "Xmas" em inglês remonta ao ano 1021, quando monges na Grã-Bretanha usaram o X no lugar de "Christ" para fins de abreviação ao traduzirem manuscritos clássicos para o inglês antigo.[122] O primeiro uso registrado de 'Xmas' para "Natal" no Oxford English Dictionary data de 1551.[124]
  • A pronúncia das fricativas coronais em espanhol não surgiu de uma imitação de um rei que ceceava. Segundo o que é documentado, apenas um rei espanhol, Pedro I de Castela, ceceava, e a atual pronúncia surgiu dois séculos após sua morte.[125]
  • O Chevrolet Nova não foi um fracasso de vendas nos mercados latino-americanos; a General Motors não teve que renomear o carro. Ainda que no va possa significar "não vá" em espanhol, também pode significar "nova", assim como em português, e motoristas no México e na Venezuela, onde o automóvel começou a ser vendido, gostaram do produto. Não houve nenhuma razão para mudar o nome do modelo,[126] apesar de alegações do contrário.[127][128]
  • As linguagens de sinais não são as mesmas no mundo inteiro. Com a exceção do pidgin Gestuno, cada país geralmente tem a sua própria linguagem de sinais e alguns têm mais do que uma. Há, no entanto, semelhanças razoáveis entre todas as linguagens de sinais.[129][130][131]
  • Tribos de esquimós, como os inuítes e os aleútes, não possuem um número desproporcional de palavras que significam "neve" em seus idiomas. O mito se origina de uma interpretação equivocada de uma afirmação de Franz Boas de que os esquimós tinham diversas palavras para vários conceitos relacionados à neve; Boas observou que o mesmo também se aplicava à língua inglesa.[132][133]
  • A palavra the (o artigo definido em inglês) nunca foi pronunciada ou escrita "ye" no inglês antigo ou no inglês médio.[134] A confusão, popularizada pelo termo "ye olde," deriva do uso da letra thorn (þ) em abreviações do artigo definido the, que na escrita gótica do inglês médio (Middle English the.svg) se assemelhava a um Y com um E sobrescrito.[135]

História[editar | editar código-fonte]

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

As esculturas da Grécia antiga eram pintadas em cores vibrantes.[136][137][138]
Vomitório para um anfiteatro romano em Toulouse
  • As esculturas da Grécia Antiga eram coloridas, não monocromáticas. Elas só aparecem brancas ou cinzas hoje porque os pigmentos deterioraram com o tempo. Algumas estátuas bem preservadas carregam alguns traços de sua coloração original.[136][137][138]
  • Os gregos antigos não usavam a palavra "idiota" para ridicularizar pessoas que não participavam da vida civil ou que não votavam. Um idiṓtēs (ἰδιώτης) era simplesmente um cidadão comum que não era um oficial do governo. Mais tarde, o termo passou a denominar qualquer tipo de leigo ou pessoa que não era especialista em um assunto, depois quem era ignorante ou inculto, e muito depois quem era estúpido ou deficiente mental.[139]
  • Vomitar não era parte dos costumes alimentares dos romanos.[140] Na Roma antiga, o elemento arquitetônico conhecido como vomitório era a passagem (túnel) pela qual a multidão entrava e saía dos estádios, e não uma sala especial para regurgitar.[141]
  • A morte da filósofa grega Hipátia de Alexandria nas mãos de uma multidão de monges cristãos em 415 foi, em maior parte, resultado do envolvimento dela numa disputa política entre seu aluno e amigo próximo Orestes, o prefeito romano de Alexandria, e o bispo Cirilo, e não de suas visões religiosas.[142][143] Sua morte também não teve relação alguma com a destruição da Biblioteca de Alexandria,[144] que provavelmente já havia acontecido séculos antes de Hipátia.[144]

Idade Média e Renascimento[editar | editar código-fonte]

  • É um fato que a expectativa de vida moderna é muito mais alta, seja qual for a medida, do que a da Idade Média e períodos anteriores;[145] no entanto, o termo "expectativa de vida" é comumente confundido com a idade que se espera que um adulto viva. Por causa desta confusão, pode-se presumir que um adulto, em média, não vive mais do que uma dada expectativa. Na realidade, pela probabilidade estatística, espera-se que um adulto que já evitou várias causas de mortalidade adolescente viva mais do que sua expectativa de vida calculada ao nascimento.[146] Previsões para idades específicas, em particular a expectativa de vida após a infância, podem ser bem diferentes da expectativa de vida ao nascer, especialmente em épocas pré-industriais.[146]
  • Não há evidência de que os capacetes dos Vikings tinham chifres.[147] A imagem dos Vikings com capacetes de chifres deriva da cenografia de uma produção de 1876 do ciclo de óperas Der Ring des Nibelungen, de Richard Wagner.[148]
  • Vikings não usavam os crânios de inimigos derrotados como recipientes para beber, ainda que usassem chifres de animais para tal. Esta noção é baseada numa tradução equivocada do uso poético de ór bjúgviðum hausa (ramos de caveiras) pelos escaldos, em referência aos chifres para beber.[149]
  • Os Vikings não deram à Islândia o nome Islândia (que significa "terra do gelo") para desencorajar o povoamento da ilha. A origem do nome vem de Naddodd e Hrafna-Flóki Vilgerðarson, ambos os quais viram neve e gelo na ilha quando chegaram lá.[150] A Groenlândia, por outro lado, foi batizada como tal ("terra verde") na esperança de atrair colonos.[151][152][153]
  • O Rei Canuto II da Dinamarca não ordenou que a maré se revertesse num episódio de delírio e arrogância.[154] Sua intenção naquele dia, se é que tal evento realmente ocorreu, era provar para os membros do seu concelho privado que nenhum homem é todo-poderoso, e que todos devem se curvar às forças fora de seu controle, como as marés.
  • Não há evidência de que damas de ferro eram usadas para tortura e nem mesmo que foram inventadas na Idade Média. Na realidade, elas foram montadas no século XVIII a partir de diversos artefatos encontrados em museus. Elas foram, assim como vários objetos espetaculares montados da mesma forma, feitas para serem exibidas comercialmente.[155]
  • A armadura de placas de aço dos soldados europeus não os impedia de se mover e nem necessitava de um guindaste para ser colocada em cima de uma sela. Os soldados tinham o costume de lutar a pé e podiam montar e desmontar da cavalgaria com facilidade. Inclusive, soldados equipados com placas de aço se moviam com mais facilidade do que aqueles que usavam cota de malha, pois a malha era mais pesada e, devido à sua natureza flexível, requeria um acolchoamento duro por baixo.[156] É um fato que as armaduras usadas em torneios no final da Idade Média eram mais pesadas que aquelas usadas na guerra,[157] o que pode ter contribuído para este conceito errôneo.
  • Os historiadores modernos não sabem ao certo se cintos de castidade, dispositivos feitos para impedir mulheres de terem relações sexuais, foram de fato inventados na Idade Média. Acredita-se hoje que a maioria dos cintos de castidade conhecidos sejam fraudes ou dispositivos antimasturbatórios do século XIX e início do século XX, criados devido ao mito comum de que a masturbação podia levar à insanidade. Eles eram comprados por pais para seus filhos adolescentes.[158]
Desenho medieval de uma Terra esférica
  • Europeus da Idade Média não acreditavam que a Terra era plana. Acadêmicos sabiam que a Terra era esférica desde pelo menos 500 a.C.[159] Este mito foi criado no século XVII por protestantes com o objetivo de criticar os ensinamentos católicos.[160]
    • Os esforços de Cristóvão Colombo em obter apoio para suas viagens não foram dificultados por uma crença na Terra plana, mas sim pela preocupação válida de que as Índias Orientais estavam mais distantes do que ele imaginava.[161] Na realidade, Colombo superestimou consideravelmente a circunferência da Terra em razão de dois cálculos equivocados.[162] Ele e toda a sua tripulação morreriam de fome, sede ou escorbuto se não tivessem chegado, inadvertidamente, às ilhas do Caribe na costa norte-americana.[163][164][165] O mito de que Colombo provou que a Terra era redonda foi propagado por autores como Washington Irving em Uma História da Vida e Viagens de Cristóvão Colombo.[159][166]
  • Cristóvão Colombo não foi o primeiro europeu a visitar o continente americano.[167][168] Leif Erikson, e provavelmente outros Vikings antes dele, exploraram a Vinlândia, que era ou a ilha da Terra Nova, hoje parte do Canadá, ou um termo para a Terra Nova e partes da América do Norte continental. Ruínas em L'Anse aux Meadows provam que pelo menos um povoado nórdico foi construído na Terra Nova, confirmando a narrativa na Saga de Érico, o Vermelho. Colombo também não chegou a nenhuma região que hoje faz parte dos Estados Unidos da América; a maioria das descobertas que Colombo fez em suas quatro viagens, incluindo a descoberta inicial em 12 de outubro de 1492 (o aniversário que forma a base do Dia de Colombo), foram de ilhas caribenhas que hoje são independentes.
  • O povo Mexica do Império Asteca não via Hernán Cortés e sua tripulação como deuses durante a conquista do império. Esta crença origina-se de Francisco López de Gómara, que nunca visitou o México e criou o mito enquanto trabalhava na Espanha para Cortés anos depois da conquista, quando Colombo já estava aposentado.[169]
  • Marco Polo não importou o macarrão da China,[170] um conceito errôneo oriundo do Macaroni Journal, publicado por uma associação de indústrias alimentícias com o objetivo de promover o consumo de macarrão nos Estados Unidos.[171] Marco Polo descreve uma comida similar à lasanha em suas Viagens, mas ele usa um termo que ele já conhecia. De acordo com o boletim da Associação Nacional dos Produtores de Macarrão, Triticum durum, ou o macarrão como é conhecido hoje, foi introduzido por árabes da Líbia, durante sua conquista da Sicília no final do século IX,[172] cerca de quatro séculos antes das viagens de Marco Polo à China.
  • A Inquisição não exigia a crença no geocentrismo ao invés do heliocentrismo por causa da Bíblia. O sistema Tychonico já era o principal modelo na época e havia evidências para ele, tal como a paralaxe estelar, que não foi observada antes do século XIX. Na realidade, um dos principais fatores que contribuíram para o modelo de Copérnico continuar sem ser aceito era que as evidências do heliocentrismo podiam ser explicadas pelo sistema Tychonico.[173]

Idade Moderna[editar | editar código-fonte]

  • Supremacistas brancos criaram o mito de que brancos irlandeses eram escravizados pelos britânicos apesar disso ter sido confundido com servidão contratual.
  • Contrariamente à imagem popular dos Peregrinos, os primeiros habitantes da Colônia de Plymouth na América do Norte geralmente não se vestiam inteiramente de preto, e seus capotains (chapéus) eram mais curtos e mais redondos do que costumam ser retratados; não eram altos e não tinham uma faixa em volta. O seu estilo era baseado em elementos que estavam na moda no fim do período elisabetano, tais como gorgeiras. Tanto homens como mulheres usavam o mesmo estilo de sapatos, meias, capas, casacos e chapéus de várias cores, incluindo vermelho, amarelo, roxo e verde.[174] De acordo com o historiador James W. Baker, essa imagem tradicional surgiu no século XIX, quando fivelas eram uma espécie de emblema de charme e astúcia.[175][176] (No entanto, os Puritanos, que também colonizaram Massachusetts na mesma época, realmente usavam roupas todas pretas.)[177]
  • As Bruxas de Salém acusadas na América do Norte não foram queimadas em estacas; cerca de 15 delas morreram na prisão, 19 foram enforcadas e uma foi esmagada até a morte.[178][179]
  • Maria Antonieta não disse "que eles comam brioche" quando foi informada que os camponeses franceses estavam morrendo de fome devido à escassez de pão. A frase foi publicada pela primeira vez nas Confissões de Rosseau, quanto Maria tinha apenas nove anos, e a maioria dos historiadores acredita que o próprio Rosseau inventou a frase, ou que ela foi dita por Maria Teresa, esposa de Luís XIV. Como Maria Antonieta era uma líder impopular, o povo teria atribuído essa infame frase a ela, mantendo sua reputação de fria e desconectada de seus súditos.[180]
  • George Washington não tinha dentes de madeira. No entanto, sua dentição era feita de ouro, mármore de hipopótamo, chumbo, dentes de animais (incluindo de cavalos e burros),[181] e provavelmente dentes humanos comprados de escravos.[182]
  • A assinatura da Declaração da Independência dos Estados Unidos não aconteceu em 4 de julho de 1776. Após o Segundo Congresso Continental votar a favor da declaração da independência em 2 de julho, a linguagem final do documento foi aprovada em 4 de julho e impressa e distribuída entre os dias 4 e 5.[183] No entanto, o documento só foi assinado no dia 2 de agosto de 1776.[184]
  • Benjamin Franklin não propôs que o peru-selvagem fosse usado como símbolo dos Estados Unidos no lugar da águia-careca. Embora ele tenha participado de uma comissão que visava criar um selo comemorando a Declaração da Independência, sua proposta foi uma imagem de Moisés. Suas objeções à águia como um símbolo nacional e preferência pelo peru-selvagem foram expressadas numa carta de 1784 para sua filha em resposta ao uso da águia pela Sociedade dos Cincinnati; ele jamais expressou essa opinião publicamente.[185][186]
  • Benjamin Banneker não lembrou de cabeça ou reproduziu o plano de Pierre Charles L'Enfant para a cidade de Washington, D.C., não auxiliou no planejamento ou inspeção da cidade, não implantou ou estabeleceu as localizações das fronteiras originais do Distrito de Columbia, não escreveu um dos primeiros almanaques dos Estados Unidos, não inventou um relógio e não foi uma das primeiras pessoas a registrar observações das cigarras periódicas (nome científico: Magicicada).
  • Nunca houve nenhuma proposta de tornar o alemão o idioma oficial dos Estados Unidos que foi vencida por um voto na Câmara dos Representantes, nem nenhuma proposta parecida a nível estadual. No entanto, em 1794, uma petição de um grupo de imigrantes alemães para o governo publicar algumas leis em alemão foi rejeitada numa votação de 42 a 41. Esta foi a base da Lenda Muhlenberg, que deriva seu nome do então Presidente da Câmara de ascendência alemã, Frederick Muhlenberg, que se absteve dessa votação.[187][188][189]

Idade Contemporânea[editar | editar código-fonte]

Napoleão no Bellerophon, pintura de Napoleão I por Charles Lock Eastlake. Napoleão era mais alto do que o seu apelido, O Pequeno Cabo, sugere.
  • Napoleão Bonaparte não era baixo. Ele era até mais alto que o francês médio de seu tempo.[190][191] Após sua morte em 1821, a altura do imperador francês foi registrada como 5 pés e 2 polegadas em pés franceses, equivalente a cerca de 1,70 metros.[192][193] Seu apelido le Petit Caporal (o Pequeno Cabo) era meramente afetivo.[194] Napoleão muitas vezes era acompanhado de sua guarda imperial, cujos homens eram selecionados conforme sua altura,[195] o que pode ter ajudado a formular essa noção de que ele era baixo.
  • Cinco de Mayo não é o Dia da Independência do México, mas sim a celebração da vitória do Exército Mexicano sobre os franceses na Batalha de Puebla em 5 de maio de 1862. A Declaração da Independência do México ocorreu em 1810 e é celebrada em 16 de setembro.[196][197]
  • A Compra do Alasca, em geral, foi bem vista nos Estados Unidos, tanto pelo público como pela imprensa. O retrato posterior da compra como um fiasco era uma posição minoritária na época.[198][199][200][201][202]
  • Chapéus de caubói, no início, não eram populares no Velho Oeste, e chapéus-cocos eram preferidos.[203] O marketing intenso do chapéu "Boss of the Plains" da John B. Stetson Company após a Guerra de Secessão foi a principal causa do popularidade do chapéu de caubói e a característica depressão na parte superior do chapéu só se tornaria padrão perto do fim do século XIX.[204]
  • Apesar de ser comumente retratada na cultura[205][206] e na sociedade em geral,[207][208][209] a ideia de que médicos da Era Vitoriana inventaram o vibrador para curar a histeria feminina através do orgasmo é oriunda de uma única obra[210] rejeitada pela maioria dos historiadores.[205][209][211]
  • O grande incêndio de Chicago de 1871 não foi causado pela vaca de Catherine O'Leary's ter chutado um lampião. Um repórter inventou a história e depois admitiu a fraude.[212]
  • A alegação de que Frederic Remington, comissionado a Cuba em 1897, telegrafou William Randolph Hearst com a mensagem "Não haverá guerra. Eu quero voltar" e que Hearst respondeu "Por favor, fique. Você abastece as figuras e eu abasteço a guerra" não tem base. Esta anedota foi originalmente incluída num livro de James Creelman, mas não há evidência que esta conversa por telégrafo tenha acontecido, e há evidência do contrário.[213][214]
  • Os sobrenomes de imigrantes não eram "americanizados" (intencionalmente ou não) quando eles chegavam na Ilha Ellis. Os oficiais de lá não mantinham registros que não fossem checar os manifestos criados no ponto de origem, e não havia burocracias, muito menos leis, que pudessem criar tal efeito. Naquela época, em Nova Iorque, qualquer um poderia mudar a grafia do seu nome apenas usando essa nova grafia.[215] Esses nomes são por vezes considerados um "Especial da Ilha Ellis".
  • A imagem comum do Papai Noel (Pai Natal) como um velho alegre em vestes vermelhas não foi inventada pela Coca-Cola para promover seu produto. Embora fosse historicamente representado com diversas características e com vestes de diversas cores, o Papai Noel já tinha assumido sua forma moderna na cultura popular e era usado extensivamente em anúncios de várias outras empresas e na mídia na década de 1930, época em que a Coca-Cola começou a usar sua imagem.[216]
  • O ditador italiano Benito Mussolini não "fez os trens viajarem pontualmente". A maior parte do trabalho de reparo já tinha sido feita antes de Mussolini e os fascistas assumirem o poder em 1922. Relatos da época era também sugerem que a pontualidade lendária do sistema ferroviário italiano era mais propaganda do que realidade.[217]
  • Não houve um amplo surto de pânico nos Estados Unidos em resposta à adaptação ao rádio de Orson Welles do romance A Guerra dos Mundos de H.G. Wells. Apenas uma pequena porção da audiência do rádio estava escutando, e relatos isolados de incidentes diversos e o índice aumentado de ligações a serviços de emergência foram exagerados no dia seguinte pelos jornais, que pretendiam desacreditar o rádio como um concorrente para anúncios. Tanto Welles como a CBS, que inicialmente pediram desculpas, mais tarde perceberam que o mito os havia beneficiado e passaram a adotá-lo em anos seguintes.[218][219]
  • Não há evidência de um ataque montado, ousado porém fútil, da cavalaria polonesa contra tanques alemães usando lanças e sabres durante a invasão da Polônia em 1939. Esta história pode ter surgido da propaganda alemã após o ataque em Krojanty, em que uma brigada de cavalaria polonesa surpreendeu a infantaria alemã a céu aberto, e os atacou e dispersou com sucesso, até ser expulsa por carros blindados. Embora a cavalaria polonesa ainda carregasse o sabre para essas oportunidades, eles eram treinados para lutar como uma cavalaria desmontada e altamente móvel (dragões) e equipados com armas antitanque leves.[220][221]
  • Durante a ocupação da Dinamarca pelos nazistas na Segunda Guerra Mundial, o Rei Cristiano X não dificultou as tentativas nazistas de identificar judeus usando uma estrela amarela em si próprio. O judeus na Dinamarca nunca foram obrigados a usar a Estrela de Davi. A resistência dinamarquesa ajudou a maioria dos judeus a fugir do país antes do final da guerra.[222]
Albert Einstein, fotografado aqui aos 14 anos, não tirava notas ruins em matemática na escola.
  • Albert Einstein não tirava notas baixas em matemática na escola. Quando leu uma coluna afirmando tal coisa, Einstein disse "Eu nunca reprovei em matemática... Antes dos quinze anos eu já dominava cálculo diferencial e integrais."[223][224] Einstein fracassou, no entanto, na sua primeira tentativa de entrar na Politécnica de Zurique (ETH) em 1895, tendo competido com estudantes dois anos mais velhos que ele, mas teve uma nota muito boa nas partes de matemática e ciência e passou na sua segunda tentativa.[225]
  • O ator Ronald Reagan nunca foi considerado seriamente para o papel de Rick Blaine no filme clássico Casablanca, de 1942, que acabou sendo interpretado por Humphrey Bogart. Esta crença vem de um comunicado de imprensa inicial em que o estúdio anunciou a produção do filme e usou o nome de Reagan para despertar o interesse do público. Quando o filme foi lançado, a Warner Bros. sabia que Reagan não estava disponível para nenhum papel no futuro visível pois não podia mais adiar sua participação no serviço militar.[226] Registros de estúdio mostram que o produtor Hal B. Wallis sempre quis Bogart para o papel.[227][228]
  • O senador americano George Smathers nunca proferiu um discurso para um público rural descrevendo seu oponente, Claude Pepper, como um "extrovertido" (extrovert) cuja irmã era uma "atriz" (thespian), na esperança de que confundissem essas palavras com as palavras similares pervert (pervertido) e lesbian (lésbica). A revista Time, por vezes citada como a fonte, chamou a história do suposto discurso de "conversa fiada" na época[229] e nenhum jornal da Flórida relatou tal discurso durante a campanha. O principal repórter que cobriu Smathers na época disse que ele sempre proferia o mesmo discurso pré-definido. Smathers ofereceu 10.000 dólares para quem conseguisse provar que ele realmente fez tal discurso, o que ninguém jamais tentou.[230]
  • As famosa frase "Ich bin ein Berliner", de John F. Kennedy, significa, em alemão padrão, "eu sou berlinense."[231][232] Segundo uma lenda urbana, pelo uso do artigo definido ein, Berliner significaria sonho, referindo-se à sobremesa açucarada com este nome, também conhecida como "bola de berlim". Na realidade, a palavra Berliner não é usada na cidade para se referir ao sonho, que seria ein Pfannkuchen.[233]
  • O intelectual e ativista afro-americano W.E.B. Du Bois não renunciou à cidadania americana enquanto vivia em Gana pouco antes da sua morte,[234] como se costuma alegar.[235][236][237] No início de 1963, por ele ser membro do Partido Comunista e apoiar a União Soviética, o Departamento de Estado não renovou seu passaporte na época em que ele já estava em Gana supervisionando a criação da Encyclopedia Africana. Ao deixar a embaixada, ele expressou sua intenção de renunciar à cidadania americana em protesto. Embora ele tenha aderido à cidadania ganense, ele nunca passou pelo processo de abdicação da cidadania americana[238] e talvez nem tenha tido essa intenção.[234]
  • Quando a barista Kitty Genovese foi assassinada do lado de fora do seu apartamento no Queens em 1964, 37 vizinhos não ficaram olhando sem fazer nada, evitando chamar a polícia até depois dela morrer, como foi relatado inicialmente no The New York Times,[239] o que causou um grande escândalo público que persistiu por anos. Mais tarde, constatou-se que os relatos policiais usados inicialmente pelo Times na publicação eram errôneos, que Genovese tinha sido atacada duas vezes em locais diferentes e que, embora as testemunhas tenham ouvido o ataque, ouviram apenas traços dele e não perceberam o que estava acontecendo, tendo apenas seis ou sete deles visto alguma coisa. Alguns chamaram a polícia; um deles disse "Eu não quero me envolver",[não consta na fonte citada] atitude que acabou sendo atribuída a todos os residentes que viram ou escutaram parte do ataque.[240]
  • Os Rolling Stones não estavam tocando "Sympathy for the Devil" no Altamont Free Concert de 1969 quando Meredith Hunter foi esfaqueado até a morte por um membro da divisão local dos Hells Angels que estava trabalhando como segurança. Embora o incidente que culminou na morte de Hunter começou no momento em que a banda tocava a música, o que causou uma breve interrupção antes da banda terminá-la, ele só se concluiu várias músicas depois, no momento em que "Under My Thumb" estava sendo tocada.[241][242] O mito se origina de um relato equivocado da revista Rolling Stone.[243]
  • Embora tenha sido elogiado por uma revista de arquitetura antes da sua construção (foi chamado de "o melhor apartamento alto do ano"), o projeto residencial Pruitt–Igoe em St. Louis, Missouri, considerado o símbolo do fracasso da renovação urbana nas cidades americanas após sua demolição no início da década de 1970, não recebeu nenhum prêmio pelo seu design.[244] A empresa arquitetônica que projetou os edifícios recebeu um prêmio por um projeto anterior em St. Louis, que pode ter sido confundido com o de Pruitt–Igoe.[245]
  • O telefone vermelho não era uma linha telefônica e os aparelhos usados não eram vermelhos. Sua primeira implementação usava equipamentos de teletipo, que foram substituídas por máquinas de fax em 1988. Desde 2008, é uma linha segura pela qual a Rússia e os Estados Unidos trocam e-mails.[246] Além disso, a linha conecta o Kremlin ao Pentágono, não à Casa Branca.[247]
  • Não há episódios verificados de veteranos americanos da Guerra do Vietnã sendo cuspidos por manifestantes contrários à guerra durante seu retorno aos Estados Unidos.[248]

Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

Astronomia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite de uma parte da Grande Muralha da China, mostrada em diagonal do canto inferior esquerdo para o superior direito (não confundir com o rio, bem mais visível, que vai do canto superior esquerdo para o inferior direito).
  • A Grande Muralha da China não é, como se alega, o único objeto construído pela mão humana que pode ser visto do espaço ou da Lua a olho nu. Nenhum dos astronautas do Programa Apollo afirmou ter visto qualquer estrutura humana específica a partir da Lua, e até astronautas em órbita terrestre só os conseguem ver com lentes de aumento. As luzes das cidades no lado noturno da Terra, no entanto, são facilmente visíveis do espaço.[249]
  • Buracos negros têm os mesmos efeitos gravitacionais que qualquer outra massa equivalente em seu espaço. Eles sugam objetos próximos em sua direção, assim como qualquer outro corpo astronômico, exceto a distâncias muito próximas do buraco negro.[250] Se, por exemplo, o Sol fosse substituído por um buraco negro de massa equivalente, as órbitas dos planetas permaneceriam essencialmente as mesmas. Um buraco negro pode agir como um "aspirador cósmico" e puxar um fluxo significante de matéria, mas apenas se a estrela da qual ele se formou já exercesse um efeito parecido com a matéria ao redor dela.[251]
  • As estações do ano não são causadas pela Terra inteira estar mais próxima do sol no verão do que no inverno, mas sim pela inclinação axial de 23,4 graus da Terra. Cada hemisfério é inclinado em direção ao Sol no seu respectivo verão (julho no hemisfério norte e janeiro no hemisfério sul), o que resulta em dias mais longos e luz solar mais direta, enquanto o oposto ocorre durante os invernos.[252][253]
  • Quando um meteoro ou nave espacial entra na atmosfera, o calor de entrada não é causado (primariamente) pela fricção, mas sim pela compressão adiabática do ar na frente do objeto.[254][255][256]
  • O equilíbrio de ovos é possível em todos os dias do ano, não apenas durante o equinócio de março,[257] e não há relação entre fenômenos astronômicos e a habilidade de equilibrar um ovo.[258]
  • Não há evidência de que a Fisher Space Pen (caneta espacial) foi projetada em decorrência de um gasto desnecessário de milhões de dólares pela NASA quando os soviéticos usavam lápis. A caneta espacial foi uma inciativa independente de Paul C. Fisher, fundador da Fisher Pen Company, com um investimento inicial de um milhão de dólares das suas próprias finanças.[259] A NASA testou e aprovou a caneta para uso espacial e então comprou 400 canetas, cada uma por 6 dólares.[260] Mais tarde, a União Soviética também comprou a caneta espacial para suas viagens da Soyuz.

Biologia[editar | editar código-fonte]

Vertebrados[editar | editar código-fonte]

A cor vermelha não enfurece um touro
  • Elefantes moribundos não abandonam seu grupo e se direcionam instintivamente a um local específico conhecido como cemitério de elefantes para morrer.[261]
  • Touros não se enfurecem pela cor vermelha das capas dos matadores profissionais. Como bovinos são dicromatas, o vermelho não tem para eles o mesmo destaque e brilho que tem para os seres humanos. Não é a cor da capa, mas sim a provocação do matador, percebida como uma ameaça, que incita o animal a atacar.[262]
  • Cães não soam pela saliva.[263] Eles possuem glândulas sudoríparas em várias partes do corpo, não apenas em suas línguas, e soam em maior parte pelas patas. No entanto, é verdade que cães regulam sua temperatura corporal ofegando.[264] Ver também Anatomia canina.
  • Lêmingues não cometem suicídios em massa saltando de penhascos durante sua migração. Este mito foi popularizado pelo filme White Wilderness, da Disney, que mostra várias cenas de migração (feitas com múltiplas filmagens de diferentes grupos de lêmingues) numa grande mesa giratória coberta de neve num estúdio. Fotógrafos empurravam os lêmingues de um penhasco.[265] O mito, no entanto, já existia antes do filme e data do século XIX ou até antes.[266]
  • Morcegos não são cegos. Embora setenta por cento das espécies de morcegos, em especial as da ordem Microchiroptera, usem ecolocação para navegar, todas as espécies de morcego possuem olhos e visão. Além disso, quase todos os morcegos da família Pteropodidae não podem se ecolocalizar e possuem excelente visão noturna.[267]
  • Avestruzes não enterram suas cabeças na areia para se esconder de inimigos.[268] Este mito foi promulgado por Plínio, o Velho (23–79 d.C), que escreveu que os avestruzes "acreditam, quando introduzem suas cabeças e pescoços num arbusto, que seu corpo inteiro está escondido."[269]
  • O "quaque" produzido pelos patos, diferente do que diz a crença popular, é capaz de produzir eco,[270] ainda que o eco possa ser difícil de ser percebido pelo ouvido humano em certas circunstâncias.[271]
  • Rãs morrem instantaneamente ao serem atiradas na água fervente em vez de tentarem pular para fora. Elas tentam escapar da água sempre que percebem que ela está esquentando lentamente e ultrapassando seu máximo termal crítico.[272]
  • A noção de que os peixinhos-dourados têm uma memória de apenas alguns segundos é falsa.[273][274] Ela é bem mais longa, contada em meses.
  • Tubarões não são imunes a câncer. Este mito de que tubarões não pegam câncer foi propagado pelo livro de 1992 Sharks Don't Get Cancer, de I. William Lane, e usado para vender extratos de cartilagem de tubarão alegando que preveniam câncer. Relatos de carcinomas em tubarões existem e os dados atuais não levam a nenhuma conclusão sobre a incidência de tumores em tubarões.[275]
  • Tubarões-brancos não confundem mergulhadores com pinípedes. Seus métodos de ataques a humanos e a pinípedes são bem diferentes. Ao caçar uma foca, o tubarão-branco surge rapidamente das profundezas e a ataca violentamente. Os ataques a seres humanos, por sua vez, são bem mais calmos e lentos: o tubarão ataca num ritmo normal, morde, e vai embora. Tubarões brancos têm uma visão excelente e são capazes de enxergar cores; sua mordida não é predatória, mas serve para identificar um objeto desconhecido.[276]
  • Não há "alfas" em alcateias de lobos. Um estudo antigo que introduziu o termo "lobo alfa" foi baseado num grupo de lobos adultos em cativeiro e sem relação familiar. Na natureza, as alcateias funcionam de modo similar às famílias humanas: não há senso definido de hierarquia, os pais ficam no comando dos seus filhos até eles crescerem e começarem suas próprias famílias. Lobos mais jovens não derrotam um "alfa" para se tornarem os novos líderes, e lutas de dominância social são meramente situacionais.[277][278]
  • Mandíbulas de serpentes não soltam. A ponta posterior dos ossos da mandíbula inferior contém um osso chamado quadrado, que permite a extensão da mandíbula. As pontas anteriores dos ossos da mandíbula inferior são conectadas por um ligamento flexível que as permite se curvar para fora, aumentando o alcance da boca.
  • Suco de tomate não é uma solução eficiente para eliminar o odor de um gambá; ele só parece funcionar devido à fatiga olfatória.[279] A Humane Society of the United States recomenda uma mistura de peróxido de hidrogênio diluído (3%), bicarbonato de sódio e detergente para cachorros vítimas do cheiro.[280]
  • O porco-espinho não atira seus espinhos. Eles podem soltar, mas não se projetam para fora.[281][282]

Invertebrados[editar | editar código-fonte]

  • Uma minhoca não se torna duas minhocas quando cortada na metade. Apenas um número seleto de espécies de minhocas[283] são capazes de regeneração anterior. Quando essas espécies são bifurcadas, apenas a metade posterior da minhoca (onde fica a boca) pode se alimentar e sobreviver; a outra metade morre.[284] Entretanto, algumas espécies de platelmites planários realmente se tornam dois planários quando bifurcados ou divididos ao meio.[285]
  • Moscas-domésticas têm um tempo de vida médio de 20 a 30 dias, não 24 horas.[286] O mito decorre de uma confusão com efemeróptos, que, em algumas espécies, vivem apenas 5 minutos.[287] O ovo de uma mosca-doméstica chocará, gerando uma larva, menos de 24 horas após ser botado.[288]
De acordo com um mito popular, abelhas deveriam ser incapazes de voar
  • As aranhas da família Pholcidae não são as mais venenosas do mundo; embora elas sejam capazes de perfurar a pele humana, a quantidade pífia de veneno que elas injetam causa apenas um sensação moderada de queimadura por alguns segundos.[289]
  • O mecanismo e aerodinâmica do voo das abelhas e mangagás (assim como os de outros insetos) são muito bem compreendidos pela ciência, ao contrário da lenda urbana de que os cálculos mostram que elas não deveriam ser capazes de voar. Na década de 1930, o entomologista francês Antoine Magnan escreveu que abelhas deveriam ser incapazes de voar no seu livro Le Vol des Insectes (O Voo dos Insetos).[290] Magnan, posteriormente, se deu conta de seu erro e retirou a hipótese. No entanto, ela acabou sendo generalizada na falsa noção de que "a ciência acha que as abelhas não deveriam ser capazes de voar".
  • A popular lenda urbana de que uma pessoa engole um grande número de aranhas durante o sono ao longo da vida não tem qualquer base na realidade. Uma pessoa que está dormindo produz vários ruídos e vibrações, tais como respiração, batidas cardíacas, ronco etc., os quais representam perigo para as aranhas.[291][292]
  • Lacrainhas (earwigs em inglês) não têm o hábito intencional de se dirigir a canais auriculares externos, embora existam relatos duvidosos de lacrainhas encontradas em orelhas.[293] Entomologistas sugerem que a origem do nome em inglês seja na verdade pela aparência das suas asas traseiras, únicas e distintas entre os insetos por lembrarem orelhas humanas se desdobradas.[294][295]
  • Há uma crença de que as abelhas-europeias (ou as abelhas em geral) são essenciais para a produção de alimento humano e que, sem a sua polinização, a humanidade iria morrer de fome.[296][297] A citação "Se as abelhas desaparecessem da face da terra, o homem só sobreviveria mais quatro anos" é atribuída erroneamente a Albert Einstein.[298][299] Na realidade, muitos tipos importantes de plantação não requerem nenhum tipo de polinização. Os dez tipos mais importantes de plantação,[300] que representam 60% de toda a energia alimentar humana,[301] pertencem todos a esta categoria.
  • O louva-a-deus fêmea raramente come o macho durante o coito, especialmente no seu meio-ambiente natural. Num estudo de laboratório da Universidade do Arkansas Central, foi observado que a fêmea só comia o macho antes de acasalar a cada 45 vezes e que o macho comia a fêmea na mesma frequência.[302]

Plantas[editar | editar código-fonte]

Girassóis com o sol claramente visível atrás deles.
  • Poinsétias não são altamente tóxicas para seres humanos ou para gatos. Apesar de ser um fato que elas podem causar irritações moderadas na pele ou no estômago,[303] e as vezes até diarreia e vômitos se forem ingeridas,[304] um estudo do American Journal of Emergency Medicine de 22.793 casos relatado ao American Association of Poison Control Centers não registrou nenhuma fatalidade e apenas alguns casos que necessitaram de tratamento médico.[305] De acordo com a American Society for the Prevention of Cruelty to Animals, poinsétias podem causar um leve ou moderado desconforto gastrointestinal em felinos; diarreia e vômito são as consequências mais severas da ingestão.[306]
  • Girassóis nem sempre apontam para o sol. Girassóis maduros ficam posicionados numa direção fixa (muitas vezes ao leste) o dia inteiro, mas nem sempre essa direção corresponde ao sol.[307][308][309] No entanto, num estágio inicial de seu desenvolvimento, antes do surgimento da parte principal da flor, as mudas prematuras realmente seguem o sol (um fenômeno conhecido como heliotropismo) e o alinhamento fixo das flores maduras numa certa direção muitas vezes ocorre em razão disso.[310]

Evolução e paleontologia[editar | editar código-fonte]

Tyrannosaurus rex. Dinossauros não-aviários despareceram na Extinção do Cretáceo-Paleogeno no final do Cretáceo, há 66 milhões de anos.
  • Seres humanos jamais conviveram com dinossauros (com a exceção das aves, que biologicamente são consideradas dinossauros).[328] Os últimos dinossauros não-aviários foram extintos há 66 milhões de anos, durante a Extinção do Cretáceo-Paleogeno, enquanto os primeiros membros do gênero Homo (humanos) surgiram entre 2,3 e 2,4 milhões de anos atrás. Desta forma, há um intervalo de tempo de 63 milhões de anos entre os últimos dinossauros terrestres e os primeiros seres humanos. No entanto, humanos realmente conviveram com mamutes, mastodontes e tigres-dentes-de-sabres—mamíferos muitas vezes retratados em meio a dinossauros e humanos.[329]
  • O petróleo não se origina de restos de dinossauros, mas sim de bactérias e algas.[330]
  • Mamíferos não evoluíram de nenhum grupo moderno de répteis; mamíferos e répteis evoluíram de um ancestral comum. Logo após o surgimento dos primeiros animais semelhantes a répteis, eles se dividiram em dois ramos: os sauropsidas e os sinapsidas.[331] A linhagem que levou aos mamíferos (os sinapsidas) se divergiu da linhagem que levou aos répteis modernos (os sauropsidas) aproximadamente 320 milhões de anos atrás, em meados do Período Carbonífero. Posteriormente (no final do Período Carbonífero ou no início do Período Permiano) os grupos modernos de répteis (lepidossauros, tartarugas e crocodilos) se divergiram. Os mamíferos são os únicos sobreviventes da linhagem sinapsida.[332]

Bioinformática[editar | editar código-fonte]

  • O genoma humano (ou o genoma de qualquer outro mamífero) nunca foi inteiramente sequenciado. Segundo algumas estimativas feitas em 2017, entre 4 e 9% do genoma humano não foi sequenciado.[333]

Computação e a Internet[editar | editar código-fonte]

  • Computadores com macOS ou Linux não são imunes a malwares como cavalos de troia ou vírus.[334] Existem malwares criados especialmente para atacar esses sistemas.
  • A deep web não é cheia de pornografia infantil, sites de narcotráfico e dados bancários roubados. A área que contém esses conteúdos ilegais é uma pequena porção da deep web conhecida como dark web. A maior parte da deep web consiste em bibliotecas acadêmicas, bancos de dados e outros conteúdos que não são pesquisáveis por motores de busca comuns.[335]
  • A navegação privada, como o chamado "modo incógnito", não protege usuários de rastreamento por sites ou pelos seus provedores. Mesmo com a navegação privada, tais entidades continuam usando informações como IPs e contas para identificar precisamente os usuários.[336][337] No entanto, VPNs e a rede Tor podem impedir o rastreamento.

Economia[editar | editar código-fonte]

Este gráfico mostra a proporção da população humana vivendo na pobreza extrema entre 1981 e 2008 de acordo com o Banco Mundial.
  • O número total de pessoas vivendo na pobreza extrema absoluta no mundo inteiro, na métrica bastante usada de um dólar por dia (em dólares americanos de 1990) tem diminuído nas últimas décadas. No entanto, pesquisas de opinião feitas em diversos países mostram que várias pessoas pensam que este número tem aumentado ou permanecido o mesmo. Além disso, a porção de pessoas vivendo na pobreza extrema também tem diminuído, não importa qual limite de renda seja usado.[338][339][340]
  • A desigualdade econômica nos Estados Unidos é consideravelmente mais alta do que a maioria das pessoas pensa.[341][342]
  • O preço não é o fator mais importante para os consumidores quando decidem comprar um produto.[343]
  • Monopolistas não tentam vender itens pelo preço mais alto possível, tampouco tentam maximizar o lucro por unidade. Eles procuram maximizar o lucro total.[344]
  • Para qualquer set (conjunto) de produção dada, não há uma quantidade fixa de input (insumo) de trabalho para produzir esse output (resultado). Esta falácia era usada com frequência no ludismo e mais tarde em outros movimentos relacionados para defender que a automação causava desemprego estrutural e permanente ou que regulações que limitavam o trabalho causavam desemprego. Na realidade, a quantidade de trabalho a ser feito para qualquer input (insumo) não é fixa. Mudanças na alocação de capital, eficiência e economias de aprendizado podem mudar a quantidade de input de trabalho para um dado set (conjunto) de produção.[345][346]
  • A renda não está entre os fatores que determinam o credit score nos Estados Unidos.[347]

Ciências do ambiente[editar | editar código-fonte]

Corpo e saúde humana[editar | editar código-fonte]

Ventiladores elétricos na Coreia do Sul. Um mito popular é que deixá-los ligados durante o sono pode levar à morte
  • Na Coreia do Sul, há uma crença popular, porém errônea, de que dormir com um ventilador elétrico ligado pode levar à morte. De acordo com o governo coreano, "Em alguns casos, um ventilador ligado por muito tempo pode causar morte por asfixia, hipotermia, ou provocar um incêndio por superaquecimento."[353] O Comitê de Proteção ao Consumidor do país emitiu um alerta de segurança recomendando que ventiladores elétricos sejam regulados por timers, que sua direção seja mudada, e que todas as portas do quarto permaneçam abertas. De acordo com Yeon Dong-su, reitor do colégio médico da Universidade de Kwandong, "Se um quarto estiver completamente fechado, a corrente de um ventilador elétrico pode causar uma diminuição de temperatura suficiente para fazer uma pessoa morrer de hipotermia."[354] No entanto, deixar um ventilador ligado numa sala ou quarto desocupada não esfriará o ambiente; na realidade, devido a perdas de energia do motor e viscosidade, um ventilador causará um ligeiro aumento de temperatura no ambiente.
  • Acordar sonâmbulos não é prejudicial a eles. A pessoa pode ficar confusa ou desorientada pouco após ser acordada, mas não há qualquer outro dano que ela possa sofrer pelo despertar. No entanto, sonâmbulos podem machucar a si mesmos acidentalmente se tropeçarem em objetos ou perderem o equilíbrio.[355][356]
  • Comer menos de uma hora antes de nadar não aumenta o risco de cãibras musculares ou afogamento. Um estudo mostra uma correlação entre consumo de álcool e afogamento, mas a evidência não diz nada sobre consumo de alimentos ou dores abdominais.[357]
  • Muitas vezes, o afogamento não é perceptível aos espectadores.[358] Na maioria dos casos, levantar os braços e pedir por ajuda é impossível devido à resposta instintiva ao afogamento.[358] Gestos e gritos (conhecidos como "pedido de socorro aquático") são um sinal de perigo, mas não um sinal confiável: a maioria das vítimas que passam pela resposta instintiva ao afogamento não mostram evidência de perigo.[359]
  • O sangue humano contido nas veias não é azul. O sangue é sempre vermelho por causa da hemoglobina. Sangue desoxigenado (em veias) possui uma aparência vermelha escura, e sangue oxigenado (nas artérias) possui um vermelho leve, similar a uma cereja. O mito provavelmente advém dos seguintes fatos: 1) Veias abaixo da pele aparentam ser azuis or verdes. Isto ocorre por várias razões que têm pouco a ver com a cor do sangue, como o espalhamento subcutâneo de luz pela pele e a percepção humana de cor. 2) Vários diagramas usam cores para mostrar a diferença entre veias (geralmente retratadas em azul) e artérias (geralmente retratadas em vermelho).[360]
  • Se expor ao vácuo ou passar por uma descompressão explosiva extrema não faz o corpo explodir ou os fluídos internos ferverem. (No entanto, fluídos tanto na boca como no pulmão fervem em altitudes acima do limite de Armstrong.) Na realidade, esses eventos causariam perda de consciência quando o corpo consumisse todo o oxigênio presente no sangue, o que provavelmente levaria a morte por hipóxia em poucos minutos.[361]
  • Alongar-se antes ou depois de exercícios não reduz a dor muscular.[362]
  • Dor muscular causada por exercícios não é resultado de acumulação de acido lático.[363] Os níveis musculares de ácido lático antes e depois de exercícios não têm correlação com a sensação de dor;[364] acredita-se que a dor muscular causada por exercícios seja devido a um microtrauma decorrente de exercícios extenuantes com os quais a pessoa não está acostumada, ao qual o corpo pode se adaptar com o tempo se a prática do mesmo exercício continuar.[365]
  • Engolir gasolina não requer nenhum tratamento de emergência especial, contanto que ela não chegue no estômago ou nos pulmões, e induzir o vômito pode piorar a situação.[366][367]

Sentidos[editar | editar código-fonte]

Um mapa incorreto da língua humana mostrando zonas que sentem os sabores amargo (1), azedo (2), salgado (3) e doce (4). Na realidade, todas as zonas podem sentir todos os sabores, e também há o sabor umami, que não é mostrado.
  • Recém-nascidos podem sentir e sentem dor.[368][369]
  • Todos os sabores podem ser detectados por todas as partes da língua pelas papilas gustativas.[370] Ainda que possa haver uma sensibilidade ligeiramente maior em certos locais dependendo da pessoa, a crença popular de que sabores específicos correspondem a pontos específicos da língua é errônea.[371]
  • Não há quatro sabores primários, mas cinco: além de amargo (1), azedo (2), salgado (3) e doce (4), humanos também têm receptores para umami.[372] A gordura não interage com receptores específicos nas células das papilas gustativas, mas ainda não se sabe se ela pode ser considerada um sexto sabor primário.[373]
  • Seres humanos não são capazes de perceber apenas cinco sentidos. Dependendo da categorização, o número de sentidos é de mais de vinte. Além de visão, olfato, paladar, tato e audição, que foram os sentidos identificados por Aristóteles, seres humanos podem perceber equilíbrio e aceleração (equilibriocepção), dor (nocicepção), posição do corpo e dos membros (propriocepção ou sentido cinestético) e temperatura relativa (termocepção).[374] Outros sentidos por vezes identificados são os sentidos do tempo, ecolocação, coceira, pressão, fome, sede, saciedade, necessidade de urinar, necessidade de defecar e níveis de dióxido de carbono (CO2) no sangue.[375][376]

Pele e cabelo[editar | editar código-fonte]

  • Rugas causadas pela água não são resultado da pele absorver água e inchar.[377] Elas são causadas pelo sistema nervoso autônomo, que provoca vasoconstrição localizada em resposta à pele molhada, resultando na aparência enrugada.[378][379] Um estudo de 2014 não demonstrou nenhuma melhora no manuseio de objetos molhados com dedos enrugados pela água.[380]
  • Barbear-se não faz o pelo terminal crescer mais grosso (denso) ou mais escuro. Esta crença vem do fato de que os pelos que nunca foram cortados possuem pontas cônicas e afiadas, característica que eles perdem depois de cortados, quando se tornam mais grossos; o cabelo cortado aparenta ser mais grosso e parece mais áspero que as bordas afiadas e não-desgastadas. O fato dos pelos mais curtos serem menos flexíveis que os longos também causa essa ilusão.[381]
  • Pelos e unhas não continuam crescendo depois que alguém morre. Na realidade, a pele resseca e encolhe, ficando abaixo das bases dos pelos e das unhas, o que provoca a ilusão de que eles cresceram.[382]
  • Cosméticos capilares são incapazes de "reparar" pontas bifurcadas e cabelo danificado. Eles podem prevenir esses danos e também são capazes de "amaciar" a cutícula igual uma cola, de forma que pareça reparada, e no geral fazem o cabelo aparentar uma condição melhor.[383]
  • Puxar ou cortar um cabelo cinza não fará dois crescerem em seu lugar; só fará o cabelo crescer novamente, pois apenas um cabelo pode crescer por folículo.[384]
  • O gene capilar dos ruivos não está em extinção por ser um gene recessivo e o gene dos loiros não irá desaparecer. Ainda que loiros e ruivos possam se tornar mais raros, eles não serão extintos, a não ser que todos os que carregam estes genes (ou, em termos estritos, alelos) morram ou não se reproduzam.[385]
  • O acne é causado na maior parte pela genética, não por falta de higiene, consumo de comidas gordurosas ou outros hábitos pessoais.[386]

Nutrição, comidas e bebidas[editar | editar código-fonte]

  • A dieta tem pouca influência na desintoxicação do corpo e as chamadas dietas de desintoxicação "não possuem base científica".[387] Alguns cientistas descreveram tais dietas como "perda de tempo e dinheiro".[388] Apesar disso, há uma crença comum de que dietas específicas ajudam neste processo ou que podem remover substâncias que o corpo sozinho não é capaz.[389][390][391][392] Toxinas são removidas do corpo pelo fígado e pelos rins.[387]
  • Não há uma quantidade específica de água, como "oito copos" ou "de dois a três litros", que toda pessoa deve beber diariamente para manter a saúde.[393] A quantidade de água necessária varia de acordo com o peso da pessoa, sua dieta, seu nível de atividade, vestimenta, além do calor e umidade do ambiente. A água também não precisa ser bebida na sua forma pura e pode vir de líquidos como sucos, chá, leite, sopa etc. ou de alimentos como frutas ou vegetais.[393]
  • Açúcar não causa hiperatividade em crianças.[394][395] Duplos-cegos não evidenciaram nenhuma diferença de comportamento entre crianças que seguiram dietas sem açúcar e dietas com bastante açúcar, mesmo em estudos feitos especificamente com crianças portadores de TDAH ou sensíveis ao açúcar.[396]
  • Bebidas alcoólicas não esquentam o corpo inteiro.[397] A razão pela qual bebidas alcoólicas criam a sensação de calor é porque elas fazem os vasos sanguíneos dilatarem e estimulam as extremidades dos nervos próximos à superfície da pele com um influxo de sangue quente. Isto pode, inclusive, acabar deixando a temperatura geral do corpo mais baixa, já que facilita a troca de calor com um ambiente externo frio.[398]
  • O álcool não causa, necessariamente, a morte de células cerebrais.[399] No entanto, o álcool pode causar este evento indiretamente de duas manteiras: (1) Em casos crônicos de alcoolismo pesado em que o cérebro da pessoa se adaptou aos efeitos da substância, uma sensação abrupta pode causar excitotoxicidade, levando a mortes celulares em múltiplas áreas do cérebro.[400] (2) Em alcoólatras cuja principal fonte diária de calorias é o álcool, uma deficiência de tiamina pode produzir a síndrome de Korsakoff, que é associada a dano cerebral severo.[401]
  • Uma dieta vegetariana ou vegana fornece o suficiente de proteína para uma alimentação adequada.[402][403] Na realidade, o índice de consumo de proteínas pelos ovolactovegetarianos e veganos satisfaz e até excede os requerimentos.[404] No entanto, dietas veganas necessitam de suplemento de vitamina B12 para uma saúde melhorada.[402]
  • Um chiclete engolido não leva sete anos para ser digerido. Na realidade, o chiclete é um alimento praticamente indigerível e passa pelo sistema digestivo na mesma velocidade que outros tipos de matéria.[405][406]
  • Não há evidência de que café ou comidas picantes levam ao desenvolvimento de úlceras pépticas.[407]
  • Embora o betacaroteno em cenouras ajude a aperfeiçoar a visão noturna naqueles com deficiência de vitamina A, ele não aumenta essa capacidade acima de níveis normais em quem já recebe uma quantidade adequada da vitamina.[408] Esta crença pode ter sua origem de uma desinformação britânica na Segunda Guerra Mundial criada para explicar o sucesso que a Força Aérea Real conquistou em batalhas noturnas, que foi na verdade devido à tecnologia de radar e ao uso de luzes vermelhas em painéis de instrumentos.[409]
  • Não há evidência de que a obesidade tem relação com um metabolismo basal mais lento. O ritmo do metabolismo basal não varia muito de pessoa para pessoa. Perda e ganho de peso são diretamente causados por dieta e exercício. Pessoas acima do peso tendem a subestimar a quantidade de comida que comem e pessoas abaixo do peso tendem a superestimá-la. Além disso, pessoas acima do peso tendem a ter um metabolismo mais rápido devido à maior quantidade de energia necessária para suprir o corpo maior.[410]
  • Comer quantidades normais de soja não causa desequilíbrio hormonal.[411][412][413][414][415]
  • A ordem de consumo de diferentes bebidas alcoólicas não afeta a intoxicação e não gera efeitos colaterais, apesar de crenças no contrário, como a de que a cerveja sempre deve ser consumida antes do vinho e nunca depois.[416]

Sexualidade humana[editar | editar código-fonte]

  • Não há teste fisiológico para a virgindade, e a condição do hímen não diz nada sobre a experiência sexual de uma pessoa.[417][418] O sangramento não é diretamente associado com a primeira relação sexual vaginal e não indica nada sobre a experiência sexual.[417][418] Testes de virgindade físicos não possuem mérito científico.[419]
  • O tamanho da mão de um homem não é equivalente ao tamanho do seu pênis,[420] mas o comprimento dos dedos pode ser proporcional ao do pênis.[421]
  • A gravidez que resulta do sexo entre primos de primeiro grau não carrega um risco sério de doenças congênitas:[422] O risco é de 5 a 6% (similar ao de uma mulher de 40 anos dar à luz),[422][423] comparado com um risco-base de 3–4%.[423] Os efeitos da depressão de consanguinidade, ainda que sejam relativamente pequenos comparados a outros fatores (e consequentemente difíceis de controlar num experimento científico), tornam-se mais visíveis se isolados e mantidos por várias gerações.[424][425]
  • Não há base fisiológica para a crença de que fazer sexo nos dias anteriores a um evento esportivo será prejudicial à performance.[426] Na realidade, acredita-se que sexo antes de atividades esportivas pode elevar o nível de testosterona masculino, afetando a performance positivamente.[427]

Cérebro[editar | editar código-fonte]

Neurônios no tecido hipocampal humano. Segundo um mito popular, novas células cerebrais jamais crescem em seres humanos, mas estudos demonstraram que alguns neurônios na verdade podem se reformular.

Doenças[editar | editar código-fonte]

As protuberâncias nas rãs não são verrugas, portanto não podem causar verrugas em seres humanos.
  • Consumir laticínios não aumenta a produção de muco.[439][440] Assim sendo, eles não precisam ser evitados por quem está sofrendo de congestão nasal, seja de gripe ou resfriado.
  • Humanos não contraem verrugas de sapos ou outros animais; as protuberâncias num sapo não são verrugas.[441][442] Verrugas na pele humana são causadas pelo vírus do papiloma humano, que não existe em nenhuma outra espécie.
  • As ações de estalar as articulações dos dedos ou praticar exercício estando em boa saúde não causam artrose.[443][444]
  • Comer nozes, pipoca ou sementes não aumenta o risco de diverticulite.[445] Na realidade, estes alimentos podem até ter um efeito preventivo.[446]
  • O estresse psicológico desempenha um papel relativamente pequeno na hipertensão.[447] Terapias específicas de relaxamento não possuem evidência científica.[448] O estresse severo pode aumentar temporariamente os níveis de pressão sanguínea.[447] Observações em estudos evidenciaram uma possível associação entre o estresse crônico e um contínuo aumento da alta pressão sanguínea.[447] Da perspectiva médica, o estresse desempenha um pequeno papel na hipertensão, contrário à crença leiga, defendida até em alguns estudos, de que o estresse é de longe a principal causa.[447]
  • Nas pessoas resfriadas, a cor do esputo ou secreção nasal pode variar de transparente a amarela a verde e não indica a classe do agente que está causando a infecção.[449][450]
  • Vitamina C não previne resfriados, ainda que possa ter um efeito protetivo durante exercícios intensos no tempo frio. Se consumida diariamente, pode reduzir ligeiramente a duração e intensidade dos resfriados que surgirem, mas não tem uso nenhum após o início do resfriado.[451][452]
  • Tomar banho não resseca a pele de pessoas com dermatite e pode até trazer benefícios.[453][454]
  • Não há e nunca houve quaisquer programas oferecendo acesso a máquinas de diálise em troca de lacres de latas de metal.[455] Este rumor existe pelo menos desde a década de 1970 e normalmente cita a Fundação Nacional do Rim (National Kidney Foundation) como sendo a organização responsável pelo programa. A própria fundação desmentiu os rumores, observando que 80% do custo de diálise nos Estados Unidos é geralmente bancado pelo Medicare.[456] No entanto, algumas instituições de caridade, tais como a Kansas City Ronald McDonald House Charities, aceitam doações de lacres, os quais eles enviam para um centro local de reciclagem pelo seu valor de ferro-velho.[457]
  • Não se usa chifre de rinoceronte em pó como afrodisíaco na medicina tradicional chinesa, meio no qual seria conhecido como Cornu Rhinoceri Asiatici (犀角, xījiǎo, "chifre de rinoceronte"). É prescrito para febres e convulsões,[458] tratamentos que não são aceitos pela medicina baseada em evidências.
  • Ao contrário do que diz a crença popular, a lepra (ou hanseníase) não é uma doença autodegenerativa, ou seja, ela sozinha não é capaz de danificar partes do corpo ou fazê-las cair.[459] A lepra causa erupções cutâneas e pode degradar a cartilagem. Pode haver inflamações se a doença não for tratada. Também são comuns danos ao tecido nervoso periférico, o que pode levar a cegueira, perda do tato ou da capacidade de sentir dor, aumentando o risco e intensidade de feridas. A lepra é apenas moderadamente contagiosa e com isso presume-se que 95% dos infectados são capazes de combater a infecção naturalmente.[460] Na realidade, a hanseníase é uma das doenças menos contagiosas do mundo.[459] Tzaraat, a doença bíblica muitas vezes identificada como "lepra" e a fonte de vários mitos sobre ela, pode ter ou não ter sido a doença conhecida hoje como lepra.[461][462] O mito também deriva da descontinuidade entre a ciência e as políticas governamentais. Embora haja, na comunidade médica, um consenso de décadas de que a hanseníase é apenas moderadamente contagiosa, a doença permanece na lista de "doenças comunicáveis de importância pública" como uma das razões de saúde para inadmissibilidade no site Cidadania Americana e Serviços de Imigração, mesmo após o HIV ter sido removido em 2010.[463]
  • Ferrugem não causa infecção tetânica. A bactéria Clostridium tetani é encontrada geralmente em ambientes sujos. Embora as mesmas condições que abrigam a bactéria do tétano também promovam o enferrujamento de metais, muitas pessoas associam ferrugem diretamente ao tétano. A C. tetani requer condições anóxicas para se reproduzir, as quais são encontradas nas camadas permeáveis de metal enferrujado desprotegido e que absorve oxigênio.[464]
  • O resfriado é causado por germes, não pela friagem, ainda que temperaturas baixas possam enfraquecer o sistema imunológico.[465][466][467][468][469][470]
  • A quarentena nunca foi um procedimento padrão para aqueles com imunodeficiência combinada grave, apesar da doença ser popularmente chamada de "síndrome do menino-bolha" (bubble boy syndrome) e retratada como tal no cinema. O transplante de medula óssea nos primeiros meses de vida é o tratamento padrão. O caso excepcional de David Vetter, que realmente viveu grande parte de sua vida isolado num ambiente estéril por só receber seu transplante aos 13 anos (e que o acabou matando por não se identificar uma doença rara), foi uma das principais inspirações do mito.[471]

Invenções[editar | editar código-fonte]

  • George Washington Carver não inventou a manteiga de amendoim, ainda que ele tenha supostamente descoberto trezentas utilidades para amendoins e outras centenas para a soja, a nogueira-pecã e a batata-doce.[472][473]
  • Thomas Crapper não inventou a descarga.[474] Durante o período da civilização egeia, o palácio real dos minoicos em Cnossos, Creta tinha um "banheiro que consistia num assento de madeira, uma 'panela' de materiais terrestres e um reservatório no telhado, usado como fonte de água."[475] O precursor do banheiro moderno foi inventado pelo Sir John Harington, cortesão da era elisabetana que foi expulso da corte pois o livro que escreveu sobre o assunto zombava de pessoas importantes da época.[476] No entanto, Crapper teve um importante papel na popularidade do dispositivo e introduziu a ele várias inovações, incluindo um elemento que "prevenia o desperdício de água sem válvula", ou seja, permitia à descarga fluir efetivamente sem deixar a água correndo por muito tempo.[477] A palavra inglesa crap ("bosta") não é derivada do seu nome (ver Palavras, frases e idiomas).[478]
  • Thomas Edison não inventou a lâmpada incandescente.[479] No entanto, ele desenvolveu a primeira lâmpada incandescente de uso prático em 1880 (usando um filamento de bambu carbonizado), pouco antes de Joseph Swan, que inventou uma lâmpada ainda mais eficiente em 1881 (utilizando um filamento de celulose).
  • Henry Ford não inventou o automóvel ou a linha de produção. Ele aperfeiçoou consideravelmente o processo da linha de produção, em alguns casos pelo seu próprio trabalho de engenharia, mas na maioria dos casos através do patrocínio do trabalho de seus empregados.[480][481] Karl Benz (cofundador da Mercedes-Benz) é creditado pela invenção do primeiro automóvel moderno[482] e a linha de produção já existia muito antes na história.
  • Al Gore nunca afirmou ter "inventado" a Internet. O que ele disse foi: "Durante meu serviço no Congresso dos Estados Unidos, eu tomei a iniciativa de criar a Internet", em referência a seu trabalho político de desenvolver a Internet para o uso público geral.[483][484] Gore foi o proponente original do High Performance Computing and Communication Act of 1991, que forneceu financiamento considerável para os centros de supercomputadores,[485] o que levou à atualização de boa parte do backbone da Internet no início da década de 1990 (que já existia), o NSFNET[486] e o desenvolvimento do Mosaic, o browser que popularizou a World Wide Web.[485]
  • James Watt não inventou o motor a vapor[487] e suas ideias sobre a tecnologia não foram inspiradas pela tampa de uma chaleira aberta pela pressão de vapor.[488] Watt aperfeiçoou o motor a vapor de Newcomen, que já era sucesso comercial, nas décadas de 1760 e 1770, fazendo mudanças que seriam críticas a seu uso futuro, em especial o condensador externo, aumentando sua eficiência, e mais tarde o mecanismo que transformava movimento recíproco em movimento rotatório; consequentemente, o novo motor a vapor que ele desenvolveu mais tarde recebeu bastante atenção popular.[489]

Ciência dos materiais[editar | editar código-fonte]

  • O vidro não flui em temperatura ambiente como um líquido de alta viscosidade.[490] Embora o vidro tenha algumas das mesmas propriedades moleculares encontradas em líquidos, o vidro na temperatura ambiente é um sólido amorfo que só começa a fluir acima da temperatura de transição vítrea,[491] ainda que a natureza exata da transição do vidro seja uma questão ainda incerta para a ciência.[492] Janelas de vitrais muitas vezes são mais grossas embaixo do que em cima, fato citado por séculos como um exemplo do fluxo lento do vidro. No entanto, essa discrepância ocorre devido aos processos de fabricação de vidro de antigamente.[491][492] Essa distorção não é observada em outros objetos de vidro, tais como esculturas ou instrumentos ópticos, de idade similar ou até maior.[491][492][493]
  • Diamantes, em sua maioria, não são formados a partir de carvão altamente comprimido. Mais de 99% de todos os diamantes já minerados formaram-se em condições extremas de calor e pressão abaixo de 140 quilômetros (87 mi) da superfície terrestre. O carvão surgiu de plantas pré-históricas enterradas a níveis bem mais próximos da superfície e é improvável que migre abaixo de 3,2 quilômetros (2,0 mi) por meio de processos geológicos comuns. A maioria dos diamantes cuja data foi estimada é mais velha que as primeiras plantas terrestres e consequentemente mais velha que o carvão. Diamantes também podem se formar a partir do carvão em zonas de subducção e em impactos de meteoroides, mas os diamantes surgidos por esses meios são raros e é mais provável que a fonte de carbono seja rochas carbonáticas e carbono orgânico em sedimentos em vez de carvão.[494][495]

Matemática[editar | editar código-fonte]

Pitágoras só foi creditado pela invenção do teorema de Pitágoras séculos após sua morte.[496][497]
  • Embora o filósofo grego Pitágoras seja conhecido hoje pelas suas supostas descobertas matemáticas,[497] há controvérsias entre os historiadores clássicos sobre ele realmente ter contribuído significativamente para a área.[497][498] Sabe-se que Pitágoras não foi o primeiro a descobrir o teorema de Pitágoras, pois o método já era conhecido e usado pelos babilônios cerca de mil anos antes do nascimento do grego[496][497][498] e a descoberta do teorema só foi atribuída a ele séculos após a sua morte.[496][497] O Pitágoras histórico foi provavelmente um sábio místico que propagava a doutrina da metempsicose (reencarnação).[499]
  • Não há evidência de que os gregos antigos projetaram o Partenon propositalmente de acordo com a proporção áurea.[500][501] O Partenon foi completado em 438 a.C., mais de um século antes da primeira menção registrada da proporção por Euclides. Da mesma forma, o Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci não menciona a proporção áurea em seu texto, embora descreva várias outras proporções.[502][503]
  • Na matemática, a dízima periódica escrita 0,999... representa exatamente a mesma quantidade que o número um. Ainda que aparente representar um número menor, 0,999... é um símbolo para o número um da mesma maneira que .333... é a notação equivalente ao número representado pela fração 1/3.[504][505][506]

Física[editar | editar código-fonte]

Ilustração da explicação (incorreta) de igual tempo de trânsito da sustentação do aerofólio
  • A sustentação não é gerada pelo fato do ar levar o mesmo tempo para passar acima e abaixo da asa de um avião.[507] Este mito, por vezes denominado falácia do trânsito e tempo equivalentes, é comum em livros didáticos e em obras de referência não-técnicas, aparecendo até mesmo em materiais de treinamento para pilotos. Na realidade, o ar que se move no topo de um aerofólio que gera sustentação é sempre bem mais rápido do que sugere a teoria do trânsito equivalente,[507] como descrito nas explicações corretas e incorretas da força de sustentação.
  • Assoprar um pedaço curvado de papel não demonstra o princípio de Bernoulli. Ainda que experimentos em sala de aula sejam muitas vezes explicados desta maneira,[508] não é possível estabelecer uma conexão entre o fluxo nos dois lados do papel usando a equação de Bernoulli, pois o ar acima e abaixo são campos de fluxo diferentes e o princípio de Bernoulli só se aplica dentro de um campo de fluxo.[509] O papel levanta pois o ar segue a curva do papel e uma linha de fluxo curvada desenvolve diferenças de pressão perpendiculares ao fluxo de ar.[510] O princípio de Bernoulli prevê que a diminuição de pressão é associada a um aumento de velocidade, ou seja, que no momento que o ar passa sobre o papel, ele adquire velocidade e se move mais rápido do que quando saiu da boca da pessoa. No entanto, isto não fica evidente na demonstração.[511]
  • A força inercial de Coriolis não faz a água escoar consistentemente de bacias no sentido horário ou anti-horário dependendo do hemisfério. Este mito comum refere-se à ação de escoamento de descargas e banheiras. A rotação é determinada pela rotação menor, seja qual for, que esteja inicialmente presente no momento em que a água começa a escoar. A força inercial de Coriolis pode influenciar na direção do fluxo da água, mas apenas em raras ocasiões. A água precisa estar parada a ponto do ritmo de rotação efetivo da Terra ser mais rápido que o da água relativa ao seu recipiente, e os torques aplicados externamente (que podem ser causados pelo fluxo sobre uma superfície inferior desigual) têm de ser bem pequenos.
  • Forças giroscópicas ou rastro geométrico não são necessárias para uma pessoa equilibrar uma bicicleta ou para o veículo demonstrar estabilidade própria.[512][513] Ainda que forças giroscópicas e rastro possam ser fatores contribuintes, foi comprovado que eles não são suficientes nem necessários.[512]
  • A ideia de que um raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar é uma das superstições mais antigas e famosas sobre os raios. Não há nenhuma razão que impeça um raio de atingir o mesmo local duas ou mais vezes. Uma tempestade com raios em uma determinada área provavelmente atingirá os objetos e locais mais prominentes e condutivos. Por exemplo, o Empire State Building em Nova Iorque é atingido por raios cerca de 100 vezes por ano.[514][515]
  • Se um pêni cair do Empire State Building, ele não será capaz de matar uma pessoa ou rachar a calçada, ainda que possa causar ferimentos.[516]
  • Usar a configuração reversiva de um termostato programável para limitar o aquecimento ou esfriamento num prédio temporariamente desocupado não gasta a mesma quantidade de energia que se gastaria ao manter a temperatura constante. Usar tal configuração economiza energia (de 5 a 15%) pois a propagação térmica pela superfície do prédio é mais ou menos proporcional à diferença de temperatura entre seu interior e exterior.[517][518]

Psicologia[editar | editar código-fonte]

  • A dislexia não é um transtorno cognitivo caracterizado pela inversão de letras ou palavras ou escrita especular. É um transtorno cujos portadores, que têm inteligência normal, possuem dificuldades para soletrar e escrever palavras, ler rápido, pronunciar o que foi lido e entender o que está sendo lido. Ainda que alguns disléxicos tenham problemas com inversão de letras, este não é um sintoma determinante. Ele pode ser característico em alguns casos de dislexia, mas a dislexia não é diagnosticada com base nele.[519][520]
  • Não há evidência científica da existência de memória "fotográfica" em adultos (a habilidade de relembrar imagens com precisão similar à de uma câmera),[521] mas algumas crianças pequenas possuem memória eidética.[522] Muitas pessoas já afirmaram ter memórisa fotográficas, mas comprovou-se que elas tinham boa memória em decorrência do uso de métodos mnemônicos, e não capacidade natural de codificar memórias detalhadamente.[523] Há também casos raros de pessoas com memória excepcional, mas nem mesmo estes podem ser comparados à capacidade de uma câmera.
  • Esquizofrenia não é um transtorno de personalidade múltipla ou dividida. A esta outra condição dá-se o nome de transtorno dissociativo de identidade.[524] O termo "esquizofrenia" foi cunhado a partir das raízes gregas schizein ("dividir") e phrēn ("mente"), em referência à "divisão de funções mentais" observada na doença e não à divisão de personalidade.[525]
  • Todos os seres humanos aprendem essencialmente da mesma maneira.[526] Não há evidência de que as pessoas tenham diferentes estilos de aprendizagem,[526] ou que adaptar estilos de ensino aos supostos estilos de aprendizagem melhora a retenção de informação.[527]
  • O paradoxo das amizades é um fenômeno, observado pela primeira vez pelo sociólogo Scott L. Feld em 1991, em que a maioria das pessoas têm, em média, menos amigos do que os seus amigos.[528] Ele pode ser explicado como uma forma de amostra polarizada em que as pessoas com mais amigos têm maiores chances de serem observadas entre os amigos de alguém. Contrariamente a essa observação, a maioria das pessoas acredita ter mais amigos do que os seus amigos.[529]
  • Uma crença comum a respeito da automutilação é que ela é um comportamento para se conseguir atenção; em muitos casos, essa constatação é equivocada. Muitas pessoas que se automutilam têm total consciência das suas feridas e cicatrizes, se sentem culpadas por este comportamento e não hesitam em escondê-lo dos outros.[530] Muitas vezes, eles dão explicações alternativas para as feridas ou as escondem com roupas.[531][532]

Transportes[editar | editar código-fonte]

  • O resíduo dos banheiros de um avião jamais é ejetado intencionalmente. Todo o resíduo é coletado por tanques e depositado em veículos próprios para coletá-los.[533] O gelo azul é causado por um vazamento acidental do tanque de resíduos. Trens de passageiros antigos, no entanto, realmente ejetavam o resíduo nos trilhos; os trens modernos possuem tanques de retenção a bordo e não se desfazem do resíduo dessa maneira.
  • Baterias automotivas armazenadas num chão de concreto não descarregam mais rápido do que em outras superfícies,[534] apesar da preocupação por parte de muitos americanos de que o concreto prejudica as baterias.[535] É possível que baterias antigas fossem suscetíveis à umidade do chão devido a vazamentos nos seus estojos porosos, mas as baterias chumbo-ácido, disponíveis já há bastante tempo, possuem estojos impermeáveis feitos de polipropileno.[536] Embora as baterias automotivas modernas, em sua maioria, sejam seladas e não vazem ácido de bateria desde que adequadamente armazenadas e mantidas,[537][538] o acido sulfúrico vazado em baterias chumbo-ácido convencionais do tipo "inundadas" pode manchar, cauterizar ou corroer superfícies de concreto.[539][540]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Lee, Jennifer (16 de janeiro de 2008). «Solving a Riddle Wrapped in a Mystery Inside a Cookie». The New York Times. Consultado em 10 de maio de 2012 
  2. a b Mikkelson, Barbara. «Inscrutable Cookie». Snopes.com 
  3. «Does searing meat really seal in moisture?». Cookthink.com. Consultado em 29 de agosto de 2009. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2013 
  4. McGee, Harold (2004). On Food and Cooking Revised ed. [S.l.]: Scribner. p. 161. ISBN 978-0-684-80001-1  "The Searing Question".
  5. Tarasoff, L. (Dezembro de 1993). «Monosodium L-glutamate: A double-blind study and review». Food and Chemical Toxicology. 31 12 ed. pp. 1019–35. PMID 8282275. doi:10.1016/0278-6915(93)90012-N 
  6. Freeman, M. (Outubro de 2006). «Reconsidering the effects of monosodium glutamate: A literature review». Journal of the American Academy of Nurse Practitioners. 18 10 ed. pp. 482–86. PMID 16999713. doi:10.1111/j.1745-7599.2006.00160.x 
  7. Choi, Candace (15 de julho de 2013). «New Twinkies weigh less, have fewer calories». USA Today. Consultado em 15 de julho de 2013 
  8. Sagon, Candy (13 de abril de 2005). «Twinkies, 75 Years and Counting». The Washington Post. Consultado em 30 de agosto de 2011 
  9. Kelley, Tina (23 de março de 2000). «Twinkie Strike Afflicts Fans With Snack Famine». New York Times. Consultado em 10 de fevereiro de 2012 
  10. Brunvand, Jan Harold (1 de janeiro de 2012). Encyclopedia of Urban Legends (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 288. ISBN 9781598847208 
  11. See «Expiration dates». Consumer Affairs. Consultado em 11 de novembro de 2011 
  12. «Food_Product_Dating». Consultado em 24 de abril de 2015 
  13. «New Mexico State University – College of Agriculture and Home Economics (2005)» 
  14. Bloomfield, Louis. «Question 1456». How Everything Works. Consultado em 9 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 17 de outubro de 2013 
  15. «Microwave Technology Penetration Depths». pueschner.com (em inglês). Püschner GMBH + CO KG MicrowavePowerSystems. Consultado em 1 de junho de 2018 
  16. Health, Center for Devices and Radiological (12 de dezembro de 2017). «Resources for You (Radiation-Emitting Products) – Microwave Oven Radiation». fda.gov (em inglês). U.S. Food and Drug Administration. Consultado em 1 de junho de 2018 
  17. * Sparks, Preston; Cox, Timothy (17 de novembro de 2008). «Missing persons usually found». Augusta Chronicle. Consultado em 21 de maio de 2011. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  18. «UK government Web site: Report or find a missing person». Gov.uk. 3 de junho de 2013. Consultado em 18 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 22 de janeiro de 2014 
  19. Pogash, Carol (23 de novembro de 2003). «Myth of the 'Twinkie defense'». San Francisco Chronicle. p. D-1. Consultado em 20 de março de 2007 
  20. «Can a Judge Order Someone to Join the Military or Go to Jail?». The Balance. Consultado em 30 de dezembro de 2017 
  21. «Judge said Army or jail, but military doesn't want him». Stars And Stripes. Consultado em 30 de dezembro de 2017 
  22. «Legal Tender Status». Resource Center. [Departamento do Tesouro dos Estados Unidos]]. 4 de janeiro de 2011. Consultado em 27 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  23. «FRB: Is it legal for a business in the United States to refuse cash as a form of payment?». Board of Governors of the Federal Reserve System. Federal Reserve System. 17 de junho de 2011. Consultado em 27 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2017 
  24. «What is A "Legal Tender Law"? And, is It a Problem?». Arquivado do original em 3 de junho de 2018 
  25. Newman, Lily Hay (2 de maio de 2014). «The Poorest Man's Copyright». Slate (em inglês). ISSN 1091-2339. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  26. «How copyright protects your work». GOV.UK 
  27. «Snopes on Entrapment». Snopes.com. Consultado em 29 de agosto de 2009 
  28. Sloane (1990) 49 A Crim R 270.
  29. «5 facts about crime in the U.S.» 
  30. «Gun homicides steady after decline in '90s; suicide rate edges up» 
  31. Willingham, AJ (6 de setembro de 2018). «The First Amendment doesn't guarantee you the rights you think it does». CNN. Consultado em 1 de março de 2019 
  32. McGregor, Jena (8 de agosto de 2017). «The Google memo is a reminder that we generally don't have free speech at work». Washington Post (em inglês). Consultado em 1 de março de 2019 
  33. Dunn, Christopher (28 de abril de 2009). «Column: Applying the Constitution to Private Actors (New York Law Journal)». New York Civil Liberties Union. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  34. Berman-Gorvine, Martin (19 de maio de 2014). «Employer Ability to Silence Employee Speech Narrowing in Private Sector, Attorneys Say». Bloomberg BNA. Consultado em 1 de março de 2019 
  35. Jenkins, Simon (18 de março de 2010). «Votes for dogs appeals, but giving animals rights is moral chaos | Simon Jenkins». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  36. Agency, Doris Lin Doris Lin is the director of legal affairs for the Animal Protection League of New Jersey She previously worked for the Environmental Protection. «What Do Activists Mean By "Animal Rights?"». ThoughtCo (em inglês). Consultado em 9 de novembro de 2019 
  37. «What rights should animals have?». PETA (em inglês). 7 de julho de 2010. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  38. «BBC - Ethics - Animal ethics: Animal rights». www.bbc.co.uk (em inglês). Consultado em 9 de novembro de 2019 
  39. 7 de novembro de 2006. «How Do You Solve a Problem Like Maria?». Cópia arquivada em 27 de abril de 2014  BBC.
  40. Vilain, Robert (2010). Words and Music. [S.l.]: MHRA. pp. 24, 28. ISBN 978-1-907322-08-2 
  41. «Mozart nursery rhymes». Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  42. «FACT CHECK: In the Air Tonight». Snopes.com 
  43. Beales (2006a, 30)
  44. See "Mozart's nationality" for further reading.
  45. [1]
  46. {{{2}}}. "{{{1}}}", Grove Music Online, ed. L. Macy (Acessado em {{{3}}} {{{4}}}), grovemusic.com (acesso pago).
  47. Williams, Peter F.. 2007. J.S. Bach: A Life in Music, p. 158. Cambridge University Press.
  48. Schulenberg, David. 2006. The Keyboard Music of J.S. Bach, p. 448.
  49. Schulze, Hans-Joachim. "Ein 'Dresdner Menuett' im zweiten Klavierbüchlein der Anna Magdalena Bach. Nebst Hinweisen zur Überlieferung einiger Kammermusikwerke Bachs." Bach-Jahrbuch 65 (1979 pp. 45-64), pp. 54-58, 64.
  50. Solomon 1995, p. 587
  51. «Amadeus Movie Reviews, Pictures». Rotten Tomatoes. Consultado em 18 de outubro de 2019 
  52. «The Laughing Buddha». about.com. Consultado em 6 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  53. a b Szpek, Heidi (2002). Voices from the University: The Legacy of the Hebrew Bible. [S.l.: s.n.] p. 92. ISBN 978-0-595-25619-8 
  54. Adams, Cecil (24 de novembro de 2006). «The Straight Dope: Was the forbidden fruit in the Garden of Eden an apple?». Consultado em 15 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 1 de abril de 2014 
  55. Levine, Rabbi Menachem. «Judaism and Tattoos». aish.com. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  56. Schiller, G. (1971). Iconography of Christian Art (English translation from German). I. [S.l.: s.n.] p. 96. ISBN 978-0-85331-270-3 
  57. Schiller, Gertud, Iconography of Christian Art, Vol. I, p. 96, 1971 (English trans from German), Lund Humphries, London, ISBN 0853312702; The New Testament by Bart D. Ehrman 1999 ISBN 0-19-512639-4 p. 109
  58. a b Ehrman, Bart D. (2006). Peter, Paul, and Mary Magdalene: The Followers of Jesus in History and Legend. Oxford, England: Oxford University Press. pp. 189–190. ISBN 978-0-19-530013-0 
  59. Marrow, Stanley B. (1 de janeiro de 1986). Paul: His Letters and His Theology : an Introduction to Paul's Epistles. [S.l.]: Paulist Press. pp. 5, 7. ISBN 978-0809127443 
  60. «Why did God change Saul's name to Paul?». Catholic Answers. Consultado em 31 de agosto de 2014. Arquivado do original em 30 de outubro de 2012 
  61. «Religion & Ethics – Beliefs: The Immaculate Conception». BBC. 2009. Consultado em 5 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2012 
    • Rafe, Simon. «Infallibility versus Impeccability». Saint Michael's Basic Training: Apologetics. Consultado em 17 de junho de 2011. Arquivado do original em 27 de abril de 2014 
    • MacDonald, David; Bonocore, Mark. «Is the Pope Sinless?». The Pope, Bishop of Rome Catholic and Orthodox relations. CatholicBridge.com. Consultado em 17 de junho de 2011. Arquivado do original em 15 de junho de 2011 
  62. «CATHOLIC ENCYCLOPEDIA: Beatification and Canonization». www.newadvent.org 
  63. a b c Noreen (19 de novembro de 2012). «St. Peter's Basilica in Vatican Is Not The Official Church Of The Pope». Today I Found Out (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2019 
  64. «Utah Local News – Salt Lake City News, Sports, Archive». The Salt Lake Tribune. Consultado em 1 de outubro de 2014 
  65. «Religions – Mormon: Polygamy». BBC. Consultado em 1 de outubro de 2014 
  66. «Mormon church explains polygamy in early days». The Big Story. Consultado em 1 de outubro de 2014. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  67. «Mormon Polygamy Misconceptions about Mormon Polygamy». Mormon Polygamy. Consultado em 1 de outubro de 2014 
  68. The Church of Jesus Christ of Latter-Day Saints. «Do Mormons practice polygamy?». mormon.org. Consultado em 1 de outubro de 2014. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  69. «Current practice of polygamy in the Mormon movement». Consultado em 1 de outubro de 2014 
  70. «Modern Polygamy: Arizona Mormon Fundamentalists Seek to Shed Stereotypes». ABC News. 14 de março de 2014. Consultado em 1 de outubro de 2014 
  71. Vyver, James (17 de agosto de 2017). «Explainer: Why do Muslim women wear a burka, niqab or hijab?». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 1 de fevereiro de 2020. Some Muslim women wear niqabs, which are often confused with the burka. 
  72. Isbister, William H. (23 de novembro de 2002). «A "good" fatwa». British Medical Journal. 325 7374 ed. p. 1227. PMC 1124693Acessível livremente. doi:10.1136/bmj.325.7374.1227 
  73. Vultee, Fred (Outubro de 2006). «Fatwa on the Bunny». Journal of Communication Inquiry. 30 4 ed. pp. 319–36. doi:10.1177/0196859906290919 
  74. «In Depth: Islam, Fatwa FAQ». CBC News Online. 15 de junho de 2006. Consultado em 8 de abril de 2009. Arquivado do original em 14 de julho de 2011 
  75. Khadduri, Majid (1955). War and Peace in the Law of Islam. [S.l.]: Johns Hopkins Press. pp. 74–80. ISBN 978-1-58477-695-6 
  76. Buckles, Luke (2004). The Complete Idiot's Guide to World Religions 3rd ed. [S.l.]: Alpha. p. 157. ISBN 978-1-59257-222-9 
  77. «Western definition of "jihad" must be corrected – Italian expert». Kuwait News Agency (KUNA). 29 de março de 2007. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2011 
  78. Safi, Louay M. (2003). Peace and the Limits of War: Transcending the Classical Conception of Jihad. [S.l.]: International Institute of Islamic Thought. p. preface. ISBN 978-1-56564-402-1 
  79. a b Warraq, Ibn (12 de janeiro de 2002). «Virgins? What virgins?». The Guardian. London. Cópia arquivada em 22 de junho de 2013 
  80. Anjali Nirmal (2009). Urban Terrorism: Myths and Realities. [S.l.]: Pointer Publishers. p. 33. ISBN 978-81-7132-598-6 
  81. Salahuddin Yusuf, Riyadhus Salihin, commentary on Nawawi, Chapter 372, Dar-us-Salam Publications (1999), ISBN 978-1-59144-053-6 ,ISBN 978-1-59144-053-6
  82. «Hadith – The Book on Virtues of Jihad – Jami' at-Tirmidhi – Sunnah.com – Sayings and Teachings of Prophet Muhammad (صلى الله عليه و سلم)». sunnah.com 
  83. Cole, Diane (4 de outubro de 1990). «Contrary to myth, baseball may have had no single inventor». US News and World Report. Consultado em 6 de agosto de 2009. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2013 
  84. Fox, Butterfield (4 de outubro de 1990). «Cooperstown? Hoboken? Try New York City». The New York Times. Consultado em 3 de abril de 2009 
  85. «柔道帯の最高位は、何と紅!? "紅帯"所持者に投げられてきた!» (em japonês). R25.jp. 15 de maio de 2008. Consultado em 11 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 19 de maio de 2008 
  86. Corrigan, James (5 de janeiro de 2006). «FA Cup countdown: 1927 and all that». The Independent. Consultado em 8 de abril de 2018 
  87. Williams, Jack (17 de fevereiro de 2017). «You Can Tell an F.A. Cup Champion by Its Corner Flags. Or Not.». The New York Times. Consultado em 8 de abril de 2018 
  88. Adhikari, Somak (6 de junho de 2018). «No, India Did Not Withdraw From The 1950 FIFA World Cup Because They Did Not Want To Wear Shoes». The Times of India. The Times Group. Consultado em 2 de dezembro de 2019 
  89. a b Kapadia, Novy (julho de 2013). «The 1950 FIFA World Cup: A missed opportunity for India». SportsKeeda. Consultado em 17 de março de 2017. Cópia arquivada em 22 de março de 2017 
  90. Lisi (2007), p. 49
  91. «1950 FIFA World Cup Brazil – Overview». FIFA. Arquivado do original em 18 de março de 2012 
  92. «"... "irregardless" is indeed a word. Anne Curzan, a professor of English at the University of Michigan, confirms its legitimacy..." Michigan Radio That's What They Say». Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  93. McIntyre, John (2011). «Don't hang the lexicographers». Consultado em 27 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  94. "Irregardless originated in dialectal American speech in the early 20th century... The most frequently repeated remark about it is that "there is no such word." There is such a word, however." Merriam Webster Dictionary «Definition of IRREGARDLESS». Consultado em 27 de outubro de 2011. Arquivado do original em 8 de maio de 2014 
  95. «Style Guide». University of Notre Dame. Consultado em 18 de setembro de 2012. Arquivado do original em 7 de outubro de 2012 
  96. Fogarty, Mignon (12 de setembro de 2008). «Is "Funnest" a Word?». Consultado em 25 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  97. «Thusly is not a Word?». 21 de março de 2012. Consultado em 25 de setembro de 2012. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  98. * conversate: [2] [3] [4]
  99. «Thomas Crapper». Snopes.com. 31 de maio de 2011. Consultado em 17 de junho de 2011 
  100. Harper, Douglas (2010). «Crap». Online Etymology Dictionary. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  101. «Cropper». Dictionary of American Family Names. Oxford University Press. 2003. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  102. «Crap». American Heritage Dictionary of the English Language. Houghton Mifflin. 2001. Consultado em 17 de junho de 2011. Arquivado do original em 21 de janeiro de 2013 
  103. Henry Ansgar Kelly (Setembro de 1994). «Rule of Thumb and the Folklaw of the Husband's Stick». Journal of Legal Education. 44 3 ed. pp. 341–65 
  104. Sommers, Christina Hoff (1995). Who Stole Feminism? How Women Have Betrayed Women. [S.l.]: Simon and Schuster. pp. 203–07, 296–97. ISBN 978-0-684-80156-8 
  105. Mikkelson, Barbara & David P. (13 de abril de 2011). «Gringo». Snopes.com. Consultado em 17 de junho de 2011 
  106. «How Did the Term 'Gringo' Originate?». Ask Yahoo!. Yahoo! Inc. 21 de agosto de 2000. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2012 
  107. «Gringo». American Heritage Dictionary of the English Language. 2001. Consultado em 17 de junho de 2011. Arquivado do original em 14 de maio de 2013 
  108. «Ingenious Trifling». Etymoline. Consultado em 1 de outubro de 2015 
  109. a b O'Conner, Patricia T. (2009). Origins of the Specious: Myths and Misconceptions of the English Language. New York: Random House. p. 145. ISBN 9780812978100 
  110. Will, George (23 de setembro de 2015). «Yogi Berra, an American Story». National Review. Washington Post. Consultado em 1 de outubro de 2015 
  111. Wop. Merriam-webster.com. Retrieved on 11 de outubro de 2015.
  112. Wop. Dictionary.reference.com. Retrieved on 11 de outubro de 2015.
  113. Michael Matza (25 de junho de 2017). «Your immigrant ancestors came here legally? Are you sure?». The Philadelphia Inquirer. Consultado em 16 de janeiro de 2018 
  114. Norquest, Carrol (1972). Rio Grande Wetbacks: Mexican Migrant Workers. [S.l.]: University of New Mexico Press. ISBN 978-0-8263-0220-5 
  115. a b c Mikkelson, Barbara (13 de junho de 2008). «420». Snopes.com. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2012 
  116. «Radio Codes & Signals – California». National Communications Magazine. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2013 
  117. «California Penal Code Section 420». 15 de janeiro de 2011. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  118. a b "Sugere-se comumente que 'Xmas' é ... uma tentativa dos infiéis desassociar o Natal da figura de Jesus, expulsando a religião do feriado."O'Conner, Patricia T.; Kellerman, Stewart (2009). Origins of the Specious: Myths and Misconceptions of the English Language. New York: Random House. p. 77. ISBN 978-1-4000-6660-5 
  119. Bratcher, Dennis (3 de dezembro de 2007). «The Origin of "Xmas"». CRI / Voice, Institute. Consultado em 10 de junho de 2011. Cópia arquivada em 30 de maio de 2013 
  120. O'Conner, Patricia T.; Kellerman, Stewart (2009). Origins of the Specious: Myths and Misconceptions of the English Language. New York: Random House. p. 78. ISBN 978-1-4000-6660-5 
  121. «QI: Quite interesting facts about Spain». Telegraph. 5 de maio de 2011. Consultado em 29 de março de 2017 
  122. Mikkelson, Barbara and David (19 de março de 2011). «Don't Go Here». Snopes.com. Consultado em 3 de outubro de 2015 
  123. Benady, David (3 de dezembro de 2014). «A rose by any other name». Transform. Consultado em 3 de outubro de 2015 
  124. Richards, Jack C.; Hull, Jonathan; Proctor, Susan (6 de dezembro de 2012). Interchange Level 3 Student's Book B with Self-study DVD-ROM. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 83. ISBN 978-1-107-65269-9 
  125. Lewis, M. Paul; Simons, Gary F.; Fennig, Charles D., eds. (2013), «Deaf sign language», Ethnologue: Languages of the World 17th ed. , SIL International, consultado em 3 de dezembro de 2013, arquivado do original em 26 de novembro de 2013 
  126. Supalla, Ted; Webb, Rebecca (17 de junho de 2013). «The grammar of international sign: A new look at pidgin languages.». In: Reilly, Judy Snitzer; Emmorey, Karen. Language, Gesture, and Space. [S.l.]: Psychology Press. pp. 333–52. ISBN 978-1-134-77966-6 
  127. Omar, Hasuria Che (2009). The Sustainability of the Translation Field. [S.l.]: ITBM. p. 293. ISBN 978-983-42179-6-9 
  128. Geoffrey K. Pullum's explanation in Language Log: The list of snow-referring roots to stick [suffixes] on isn't that long [in the Eskimoan language group]: qani- for a snowflake, apu- for snow considered as stuff lying on the ground and covering things up, a root meaning "slush", a root meaning "blizzard", a root meaning "drift", and a few others – very roughly the same number of roots as in English. Nonetheless, the number of distinct words you can derive from them is not 50, or 150, or 1500, or a million, but simply unbounded. Only stamina sets a limit.
  129. The seven most common English words for snow are snow, hail, sleet, ice, icicle, slush, and snowflake. English also has the related word glacier and the four common skiing terms pack, powder, crud, and crust, so one can say that at least 12 distinct words for snow exist in English.
  130. Brians, Paul (2011). «Common Errors in English Usage – Ye». Common Errors in English Usage. Washington State University. Consultado em 24 de junho de 2011. Cópia arquivada em 31 de maio de 2013 
  131. Harper, Douglas (2001–2010). «Etymology Online». Online Etymology Dictionary. Online Etymology Dictionary. Consultado em 24 de junho de 2011. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  132. a b Brinkmann, Vinzenz (2008). Greek sculptures were actually brightly painted «The Polychromy of Ancient Greek Sculpture» Verifique valor |capítulourl= (ajuda). In: Panzanelli, Roberta; Schmidt, Eike D.; Lapatin, Kenneth. The Color of Life: Polychromy in Sculpture from Antiquity to the Present. Los Angeles, California: The J. Paul Getty Museum and the Getty Research Institute. pp. 18–39. ISBN 978-0-89-236-918-8 
  133. a b Gurewitsch, Matthew (julho de 2008). «True Colors: Archaeologist Vinzenz Brinkmann insists his eye-popping reproductions of ancient Greek sculptures are right on target». Smithsonian.com. Smithsonian Institution. Consultado em 15 de maio de 2018 
  134. a b Prisco, Jacopo (30 de novembro de 2017). «'Gods in Color' returns antiquities to their original, colorful grandeur». CNN style. CNN. Cable News Network. Consultado em 15 de maio de 2018 
  135. A.W. Sparkes, "Idiots, Ancient and Modern", Australian Journal of Political Science 23:1:101-102 (1988) doi:10.1080/00323268808402051
  136. Fass, Patrick (1994). Around the Roman Table. [S.l.]: University of Chicago Press. pp. 66–67. ISBN 978-0-226-23347-5 
  137. McKeown, J.C. (2010). A Cabinet of Roman Curiosities: Strange Tales and Surprising Facts from the World's Greatest Empire. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 153–54. ISBN 978-0-19-539375-0 
  138. Wessel, Susan (2004). Cyril of Alexandria and the Nestorian Controversy: The Making of a Saint and of a Heretic. Oxford, England: Oxford University Press. pp. 36–38. ISBN 978-0-19-926846-7 
  139. Watts, Edward J. (2008). City and School in Late Antique Athens and Alexandria. Berkeley and Los Angeles, California: University of California Press. pp. 195–200. ISBN 9780520258167 
  140. a b Theodore, Jonathan (2016). The Modern Cultural Myth of the Decline and Fall of the Roman Empire. Manchester, England: Palgrave, Macmillan. ISBN 978-1-137-56997-4 
  141. Hawks, John (2009), Human lifespans have not been constant for the last 2000 years. 
  142. a b Wanjek, Christopher (2002), Bad Medicine: Misconceptions and Misuses Revealed, from Distance Healing to Vitamin O, ISBN 047143499X, Wiley, pp. 70–71. 
  143. Kahn, Charles (2005). World History: Societies of the Past. [S.l.]: Portage & Main Press. p. 9. ISBN 978-1-55379-045-7 
  144. Frank, F. (2000). The Invention of the Viking Horned Helmet. [S.l.]: International Scandinavian and Medieval Studies in Memory of Gerd Wolfgang Weber. Cópia arquivada em 13 de abril de 2014 
  145. E. W. Gordon, Introduction to Old Norse (2nd edition, Oxford 1962) pp. lxix–lxx.
  146. Evans, Andrew. "Is Iceland Really Green and Greenland Really Icy?", National Geographic (30 de junho de 2016).
  147. Eirik the Red's Saga. [S.l.]: Gutenberg.org. 8 de março de 2006. Consultado em 6 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 11 de maio de 2011 
  148. "How Greenland got its name" Arquivado em 2012-03-19 no Wayback Machine.. The Ancient Standard. 17 de dezembro 2010.
  149. Grove, Jonathan (2009). «The place of Greenland in medieval Icelandic saga narrative». Journal of the North Atlantic. 2. pp. 30–51. doi:10.3721/037.002.s206. Arquivado do original em 11 de abril de 2012 
  150. «Is King Canute misunderstood?». BBC. 26 de maio de 2011. Cópia arquivada em 20 de abril de 2014 
  151. Schild, Wolfgang (2000). Die eiserne Jungfrau. Dichtung und Wahrheit (Schriftenreihe des Mittelalterlichen Kriminalmuseums Rothenburg o. d. Tauber Nr. 3). Rothenburg ob der Tauber: [s.n.] 
  152. Breiding, Dirk. «Department of Arms and Armor, The Metropolitan Museum of Art». metmuseum.org. Consultado em 23 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 26 de abril de 2014 
  153. «Cranes hoisting armored knights». Consultado em 23 de outubro de 2013. Arquivado do original em 29 de outubro de 2013 
  154. Keyser, Linda Migl (2008). «The Medieval Chastity Belt Unbuckled». In: Harris; Grigsby, Bryon L. Misconceptions About the Middle Ages. [S.l.]: Routledge  Parâmetro desconhecido |editor-primeiro= ignorado (ajuda)
  155. a b «Busting a myth about Columbus and a flat Earth». Washington Post (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2018 
  156. «Science Versus Christianity?». www.patheos.com (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2018 
  157. Louise M. Bishop (2010). «The Myth of the Flat Earth». In: Stephen Harris; Bryon L. Grigsby. Misconceptions about the Middle Ages. Routledge. ISBN 9781135986667. Consultado em 26 de janeiro de 2014 
  158. «Columbus's Geographical Miscalculations». IEEE Spectrum: Technology, Engineering, and Science News (em inglês). 9 de outubro de 2012. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  159. Ferris, Timothy (2003). Coming of Age in the Milky Way. [S.l.]: Harper Perennial. ISBN 978-0060535957 
  160. «Everything You Need To Know About Columbus | AMERICAN HERITAGE». www.americanheritage.com (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2018 
  161. «Top 5 Misconceptions About Columbus». no Science. Consultado em 29 de setembro de 2018 
  162. «Washington Irving's Columbus and the Flat Earth – Darin Hayton». dhayton.haverford.edu (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2018 
  163. Eviatar Zerubavel (2003). Terra cognita: the mental discovery of America. [S.l.]: Transaction Publishers. pp. 90–91. ISBN 978-0-7658-0987-2 
  164. Sale, Kirkpatrick (1991). The Conquest of Paradise: Christopher Columbus and the Columbian Legacy. ISBN 978-1-84511-154-0. pp. 204–09
  165. Wills, Matthew (17 de janeiro de 2020). The Mexica Didn’t Believe the Conquistadors Were Gods. JSTOR. Retrieved 19 de janeiro de 2020.
  166. «National Pasta Association». Arquivado do original em 20 de março de 2012  article FAQs section "Who "invented" pasta?"; "The story that it was Marco Polo who imported noodles to Italy and thereby gave birth to the country's pasta culture is the most pervasive myth in the history of Italian food." (Dickie 2008, p. 48).
  167. S. Serventi, F. Sabban La pasta. Storia e cultura di un cibo universale, VII. Economica Laterza 2004
  168. Serventi, Silvano; Sabban, Françoise (2002). Pasta: The Story of a Universal Food. Traduzido por Shugaar, Antony. New York: Columbia University Press. p. 10. ISBN 978-0-231-12442-3 
  169. Danielson, Dennis; Graney, Christopher M. «The Case against Copernicus». Scientific American (January 2014): 72-77 
  170. «Plymouth Colony Clothing». Web.ccsd.k12.wy.us. Consultado em 9 de fevereiro de 2012. Arquivado do original em 22 de outubro de 2013 
  171. Schenone, Laura. A Thousand Years Over A Hot Stove: A History Of American Women Told Through Food, Recipes, And Remembrances. New York: W. W. Norton & Company, 2004: 118. ISBN 978-0-393-32627-7
  172. Wilson, Susan. Literary Trail of Greater Boston. Boston: Houghton Mifflin Company, 200: 23. ISBN 978-0-618-05013-0
  173. Brooks, Rebecca Beatrice (22 de julho de 2018). «What Did the Pilgrims Wear?». History of Massachusetts Blog. Rebecca Beatrice Brooks. Consultado em 10 Novembro de 2019 
  174. Rosenthal, Bernard. Salem Story: Reading the Witch Trials of 1692, p. 209 (Cambridge University Press 1995).
  175. Adams, Gretchen. The Specter of Salem: Remembering the Witch Trials in Nineteenth-Century America, p. xxii (ReadHowYouWant.com, 2010).
  176. Keener, Candace (2 de setembro de 2008). «HowStuffWorks "Let Them Eat Cake"». History.howstuffworks.com. Consultado em 23 de junho de 2010. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2012 
  177. «Washington's False Teeth Not Wooden». NBC News. 27 de janeiro de 2005. Consultado em 29 de agosto de 2009 
  178. Thompson, Mary V. «The Private Life of George Washington's Slaves». Consultado em 16 de junho de 2014 
  179. «Declaration of Independence – A History». archives.gov. U.S. National Archives and Records Administration. Consultado em 4 de abril de 2011. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2010 
  180. Crabtree, Steve (6 de julho de 1999). «New Poll Gauges Americans' General Knowledge Levels». Gallup News Service. Consultado em 13 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 27 de março de 2014. Fifty-five percent say it commemorates the signing of the Declaration of Independence (this is a common misconception, and close to being accurate; 4 de julho is actually the date in 1776 when the Continental Congress approved the Declaration, which was officially signed on August 2nd.) Another 32 percent give a more general answer, saying that 4 de julho deth celebrates Independence Day. 
  181. Lund, Nicholas (21 de novembro de 2013). «Did Benjamin Franklin Really Say the National Symbol Should Be the Turkey?». Slate. Consultado em 22 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  182. McMillan, Joseph (18 de maio de 2007). «The Arms of the United States: Benjamin Franklin and the Turkey». American Heraldry Society. Consultado em 24 de novembro de 2013. Arquivado do original em 27 de abril de 2014 
  183. Sick, Bastian (2004). Der Dativ ist dem Genetiv sein Tod. [S.l.]: Kieperheuer & Witsch. ISBN 978-3-462-03448-6 
  184. «Willi Paul Adams: The German Americans. Chapter 7: German or English». Arquivado do original em 24 de junho de 2010 
  185. The German Vote, Snopes.com, 9 de julho de 2007 
  186. Evans, Rod L. (2010). Sorry, Wrong Answer: Trivia Questions That Even Know-It-Alls Get Wrong. [S.l.]: Penguin Books. ISBN 978-0-399-53586-4. Consultado em 31 de dezembro de 2011 
  187. «Forget Napoleon – Height Rules». CBS News. 11 de fevereiro de 2009. Consultado em 31 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 2 de julho de 2013 
  188. «Fondation Napoléon». Napoleon.org. Consultado em 29 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 17 de abril de 2014 
  189. «La taille de Napoléon» (em francês). Consultado em 22 de julho de 2010. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2009 
  190. Wilde, Robert. «Was Napoleon Bonaparte Short?». European History. About.com. Consultado em 5 de abril de 2011. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2014 
  191. «Napoleon's Imperial Guard». Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  192. Lovgren, Stefan (5 de maio de 2006). «Cinco de Mayo, From Mexican Fiesta to Popular U.S. Holiday». National Geographic News. Cópia arquivada em 9 de julho de 2007 
  193. Lauren Effron (5 de maio de 2010). «Cinco de Mayo: NOT Mexico's Independence Day». Discovery Channel. Consultado em 5 de maio de 2011. Cópia arquivada em 21 de março de 2012 
  194. Haycox, Stephen (1990). «Haycox, Stephen. "Truth and Expectation: Myth in Alaska History». Northern Review. 6. Consultado em 31 de agosto de 2015 
  195. Welch, Richard E., Jr. (1958). «American Public Opinion and the Purchase of Russian America». American Slavic and East European Review. 17 4 ed. pp. 481–494. JSTOR 3001132. doi:10.2307/3001132 
  196. Howard I. Kushner, "'Seward's Folly'?: American Commerce in Russian America and the Alaska Purchase". California Historical Quarterly (1975): 4–26. JSTOR 25157541.
  197. «Biographer calls Seward's Folly a myth». The Seward Phoenix LOG. 3 de abril de 2014. Consultado em 31 de agosto de 2015. Arquivado do original em 22 de junho de 2017 
  198. Professor Preston Jones (Featured Speaker) (9 de julho de 2015). Founding of Anchorage, Alaska (Adobe Flash). CSPAN. Consultado em 22 de dezembro de 2017 
  199. The Hat That Won the West, consultado em 10 de fevereiro de 2010 
  200. Snyder, Jeffrey B. (1997) Stetson Hats and the John B. Stetson Company 1865–1970. p. 50 ISBN 0-7643-0211-6
  201. a b «Victorian-Era Orgasms and the Crisis of Peer Review». The Atlantic. 6 de setembro de 2018. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  202. «Why the Movie "Hysteria" Gets Its Vibrator History Wrong». Dildographer. 4 de maio de 2012. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  203. King, Helen Galen and the widow. Towards a history of therapeutic masturbation in ancient gynaecology. Eugesta, Journal of Gender Studies in Antiquity, 2011, p. 206-208
  204. «Buzzkill: Vibrators and the Victorians (NSFW)». The Whores of Yore. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  205. a b Riddell, Fern (10 de novembro de 2014). «No, no, no! Victorians didn't invent the vibrator». The Guardian. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  206. «Hysteria». Welcome Collection. Consultado em 25 de setembro de 2018 
  207. King, Helen Galen and the widow. Towards a history of therapeutic masturbation in ancient gynaecology. Eugesta, Journal of Gender Studies in Antiquity, 2011, p. 227-231
  208. «The O'Leary Legend». Chicago History Museum. Consultado em 18 de março de 2007. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2011 
  209. Campbell, W. Joseph (2010). Getting it Wrong: Ten of the Greatest Misreported Stories in American JournalismRegisto grátis requerido. Berkeley: University of California Press. pp. 9–25. ISBN 978-0-520-26209-6 
  210. Campbell, W. Joseph (2003). Yellow Journalism: Puncturing the Myths, Defining the Legacies. Praeger. p. 72. ISBN 978-0-275-98113-6
  211. «Why Your Family Name Was Not Changed at Ellis Island (and One That Was)». Cópia arquivada em 28 de novembro de 2015 
  212. Cathcart, Brian (3 de abril de 1994). «Rear Window: Making Italy work: Did Mussolini really get the trains running on time». The Independent. London. Consultado em 3 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2012 
  213. Pooley, Jefferson; Socolow, Michael (28 de outubro de 2013). «The Myth of the War of the Worlds Panic». Slate. Consultado em 24 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 9 de maio de 2014 
  214. Campbell, W. Joseph. (2010). Getting it wrong : ten of the greatest misreported stories in American Journalism. Berkeley: University of California Press. pp. 26–44. ISBN 978-0-520-26209-6 
  215. Ankerstjerne, Christian. «The myth of Polish cavalry charges». Panzerworld. Consultado em 5 de abril de 2011. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2012 
  216. «The Mythical Polish Cavalry Charge». Polish American Journal. Polamjournal.com. Julho de 2008. Consultado em 9 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2012 
  217. Isaacson, Walter (5 de abril de 2007). «Making the Grade». Time. Consultado em 31 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 29 de março de 2014 
  218. Jones, Andrew Zimmerman. «Physics Myth Month – Einstein Failed Mathematics?». Consultado em 4 de maio de 2011. Cópia arquivada em 12 de abril de 2014 
  219. Kruszelnicki, Karl (22 de junho de 2004). «Einstein Failed School». Consultado em 12 de julho de 2012. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  220. Harmetz, Aljean (1992). Round Up the Usual Suspects: The Making of Casablanca – Bogart, Bergman, and World War IIRegisto grátis requerido. [S.l.]: Hyperion. p. 72. ISBN 978-1-56282-761-8 
  221. Sklar, Robert (1992). City Boys: Cagney, Bogart, Garfield. New Jersey: Princeton University Press. p. 135. ISBN 978-0-691-04795-9 
  222. Mikkelson, Barbara and David P. (17 de agosto de 2007). «The Blaine Truth». Snopes.com. Consultado em 25 de março de 2012 
  223. «Florida: Anything Goes». Time. 17 de abril de 1950. Consultado em 3 de maio de 2010. Cópia arquivada em 24 de junho de 2013 
  224. Nohlgren, Stephen (29 de novembro de 2003). «A born winner, if not a native Floridian». St. Petersburg Times. Consultado em 8 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2012 
  225. Daum, Andreas W. (2007). Kennedy in Berlin. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 148–49. ISBN 978-3-506-71991-1 
  226. «Gebrauch des unbestimmten Artikels (German, "Use of the indefinite article")». Canoo Engineering AG. Consultado em 5 de julho de 2010. Cópia arquivada em 28 de março de 2014 
  227. «German Myth 6: JFK a Jelly Doughnut? Berlin Speech 1963». German Misnomers, Myths and Mistakes. About.com. Consultado em 5 de abril de 2011. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  228. a b Bass, Amy (2009). Those about Him Remained Silent: The Battle Over W.E.B. Du Bois. [S.l.]: University of Minnesota Press. p. 155. ISBN 9780816644957 
  229. «Renouncing citizenship is usually all about the Benjamins, say experts». Fox News. 11 de maio de 2012. Consultado em 18 de maio de 2015 
  230. «Celebrities Who Renounced Their Citizenship». Huffington Post. 1 de fevereiro de 2012. Consultado em 18 de maio de 2015 
  231. Aberjhani, Sandra L. West (2003). Encyclopedia of the Harlem Renaissance. [S.l.]: Infobase Publishing. p. 89. ISBN 9781438130170 
  232. Lewis, David (2009). W.E.B. Du Bois: A Biography. [S.l.]: MacMillan. p. 841. ISBN 9780805088052 
  233. Gansberg, Martin (27 de março de 1964). «37 Who Saw Murder Didn't Call the Police» (PDF). New York Times. Arquivado do original (PDF) em 7 de agosto de 2015 
  234. Rasenberger, Jim (Outubro de 2006). «Nightmare on Austin Street». American Heritage. Consultado em 18 de maio de 2015 
  235. Cruickshank, Douglas, «Sympathy for the Devil», Salon.com, consultado em 25 de junho de 2006, cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  236. Zentgraf, Nico. «The Complete Works of the Rolling Stones 1962–2008». Consultado em 23 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 27 de março de 2012 
  237. Burks, John (7 de fevereiro de 1970). «Rock & Roll's Worst Day». Rolling Stone. Consultado em 13 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 22 de abril de 2009 
  238. Cendón, Sara Fernández (3 de fevereiro de 2012). «Pruitt-Igoe 40 Years Later». American Institute of Architects. Consultado em 31 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 14 de março de 2014. For example, Pruitt-Igoe is often cited as an AIA-award recipient, but the project never won any architectural awards. 
  239. Bristol, Katharine (Maio de 1991). «The Pruitt–Igoe Myth» (PDF). Journal of Architectural Education. 44 3 ed. p. 168. ISSN 1531-314X. doi:10.1111/j.1531-314X.2010.01093.x. Consultado em 31 de dezembro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 24 de setembro de 2015. Though it is commonly accorded the epithet 'award-winning,"' Pruitt-Igoe never won any kind of architectural prize. An earlier St. Louis housing project by the same team of architects, the John Cochran Garden Apartments, did win two architectural awards. At some point this prize seems to have been incorrectly attributed to Pruitt-Igoe 
  240. Paul E. Richardson, "The hot line (is a Hollywood myth)", in: Russian Life, September/October issue 2009, pp. 50–59.
  241. Clavin, Tom (18 de junho de 2013). «There Never Was Such a Thing as a Red Phone in the White House». Smithsonian. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  242. A More Perfect Military: How the Constitution Can Make Our Military Stronger; Diane H. Mazur; Oxford University Press, 2010; Pgs. 98–101
  243. «Space Station Astrophotography». NASA. 24 de março de 2003. Consultado em 13 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de abril de 2014 
  244. Wolfson, Richard (2002). Simply Einstein: relativity demystified. [S.l.]: W. W. Norton & Company. p. 261. ISBN 978-0-393-05154-4 
  245. «Frontiers And Controversies In Astrophysics Lecture 9». Yale University. Consultado em 26 de abril de 2011 
  246. «Sun-Earth Connection». Adler Planetarium. Consultado em 8 de maio de 2009. Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2007 
  247. «Ten Things You Thought You Knew about Sun-Earth Science». NASA. Consultado em 8 de maio de 2009. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2013 
  248. «NASA – Spacecraft Design». Consultado em 7 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 9 de julho de 2009 
  249. «More booming fireballs». 30 de março de 2009. Consultado em 7 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 15 de dezembro de 2013 
  250. Phil Plait (14 de dezembro de 2008). «Meteor propter hoc». Bad Astronomy. Discover. Consultado em 19 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2014 
  251. «Infernal Egguinox». Snopes.com. 6 de março de 2012. Consultado em 29 de janeiro de 2014 
  252. Schmid, Randolph (20 de setembro de 1987). «Equinox Returns and Eggs Keep Balancing». Associated Press. Consultado em 29 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  253. "Fisher Space Pen – Our story" Retrieved on 4 de fevereiro de 2019
  254. "NASA – The Fisher Space Pen" Retrieved on 4 de fevereiro de 2019
  255. Spanney, Laura (28 de janeiro de 1995). «Not Many People Know That». New Scientist. Consultado em 11 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  256. * «Cool Pet Facts - North Shore Animal League America.htm». Consultado em 22 de maio de 2011. Arquivado do original em 25 de julho de 2011 
    • «Dog noses – myths and facts about your dog's nose – weekly pet tips by Pets.ca». Consultado em 22 de maio de 2011 
    • Varasdi, J. Allen (1989). Myth Information. [S.l.]: Ballantine Books. p. 267. ISBN 978-0-345-35985-8. Dogs do not sweat with their tongues as most people believe. They do have some sweat glands, but the ones of most importance are on the pads, or soles, of their feet. 
    • Segaloff, Nat (2001). The Everything tall tales, legends & outrageous lies book. [S.l.]: Adams Media Corp. p. 265. ISBN 978-1-58062-514-2. Of course, dogs sweat. You would, too, if you had to wear a fur coat in hot weather. Dogs excrete moisture through the pads on their paws. 
    • Olien, Michael D. (1978). The human myth : an introduction to anthropology. New York: Harper & Row. p. 568. ISBN 978-0-06-044918-6. It is another folk tale that dogs do not sweat except through the tongue. This is an incorrect belief as dogs possess sweat glands all over the body. 
    • Aoki, T.; Wada, M. (2 de agosto de 1951). «Functional Activity of the Sweat Glands in the Hairy Skin of the Dog». Science. 114 2953 ed. pp. 123–24. Bibcode:1951Sci...114..123A. PMID 14854926. doi:10.1126/science.114.2953.123 
    • Creighton, C (1882). «Three cases of Tumour arising from Skin-glands in the Dog, showing the connection between disorder of the glandular structure and function, and cancerous invasion of the connective tissue». Medico-Chirurgical Transactions. 65. pp. 53–70.3. PMC 2121351Acessível livremente. PMID 20896600. doi:10.1177/095952878206500108 
    • «British Medical Journal 1899 April 15». British Medical Journal. 1 1998 ed. 1899. pp. 921–28. PMC 2462491Acessível livremente. doi:10.1136/bmj.1.1998.921. SOME time ago we received from a correspondent an inquiry as to whether the very prevalent belief that a dog perspires through the tongue was a vulgar error or well founded. ...whether the dog exudes fluid from the tongue of the some kind as that exuded from the human skin. To this question the answer is, No. The skin of the dog is abundantly furnished with glands, having the characteristic disposition and structure of those which in man produce sweat, ... in other words, the dog does not sweat by the tongue. 
  257. «How Do Dogs Sweat». Petplace.com. p. 1. Consultado em 9 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  258. Mikkelson, Barbara and David P. (19 de agosto de 2007). «White Wilderness Lemmings Suicide». Snopes. Consultado em 29 de agosto de 2009 
  259. Scott, W. (Novembro de 1891). «The Monthly chronicle of North-country lore and legend: v.1–5; Mar. 1887–Dec. 1891». The Monthly Chronicle of North-country Lore and Legend. 5. p. 523 
  260. Kruszelnicki, Karl S. (2 de novembro de 2006). «Ostrich head in sand». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 7 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  261. Smith, Rex (8 de maio de 2011). «Maybe ostriches are smarter». Albany Times-Union. Consultado em 7 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  262. «Alcatraz Escape: Does a Duck's Quack Echo?». Arquivado do original em 3 de outubro de 2012  (Season 1, Episode 8). MythBusters. Discovery Channel. 12 de dezembro de 2003.
  263. «A Duck's Quack Doesn't Echo, and no-one knows the reason why?». Acoustics.salford.ac.uk. University of Salford Acoustics. Consultado em 13 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2013 
  264. «Next Time, What Say We Boil a Consultant». Fast Company Issue 01. Outubro de 1995. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  265. Hipsley, Anna (19 de fevereiro de 2008). «Goldfish three-second memory myth busted – ABC News (Australian Broadcasting Corporation)». Australia: ABC. Consultado em 29 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 25 de junho de 2011 
  266. «Sinking Titanic: Goldfish Memory». Arquivado do original em 11 de março de 2011 . 2004 season, Episode 12. MythBusters. Discovery.com. 22 de fevereiro de 2004.
  267. Ostrander, G. K.; Cheng, KC; Wolf, JC; Wolfe, MJ (2004). «Shark Cartilage, Cancer and the Growing Threat of Pseudoscience». Cancer Research. 64 23 ed. pp. 8485–91. PMID 15574750. doi:10.1158/0008-5472.CAN-04-2260 
  268. Jennifer Hile (23 de janeiro de 2004). «Great White Shark Attacks: Defanging the Myths». nationalgeographic.com 
  269. «Cópia arquivada». Consultado em 30 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2017 
  270. Davis, Lauren. «Why everything you know about wolf packs is wrong». io9 (em inglês). Consultado em 13 de outubro de 2017 
  271. Is it true that tomato sauce will get rid of the smell of a skunk?. Scienceline. Retrieved on 5 de abril de 2012.
  272. «De-skunking your dog». The Humane Society of the United States 
  273. Encyclopædia Britannica: Or, A Dictionary of Arts, Sciences, and Miscellaneous Literature, Enlarged and Improved. [S.l.]: Archibald Constable. 1823. pp. 501– 
  274. Shepard, Thomas Goodwin (1865). The natural history of secession. [S.l.]: Derby & Miller. pp. 78– 
  275. Moment, Gairdner B. (1942). «Simultaneous anterior and posterior regeneration and other growth phenomena in Maldanid polychaetes». Journal of Experimental Zoology. 117. pp. 1–13. doi:10.1002/jez.1401170102 
  276. «Gardening with children – Worms». BBC. Consultado em 29 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 28 de abril de 2014 
  277. Reddien, Peter W.; Alvarado, Alejandro Sanchez (2004). «Fundamentals of planarian regeneration». Annual Review of Cell and Developmental Biology. 20. pp. 725–57. PMID 15473858. doi:10.1146/annurev.cellbio.20.010403.095114 
  278. «The Housefly». Forest Preserve District of Cook County (Illinois). 15 de abril de 1972. Consultado em 16 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 1 de março de 2013 
  279. Sweeney, Bernard W.; Vannote, Robin L. (1982). «Population Synchrony in Mayflies: A Predator Satiation Hypothesis». Evolution. 36 4 ed. pp. 810–822. JSTOR 2407894. doi:10.2307/2407894 
  280. «House Fly». House-flies.net. 2010. Consultado em 17 de junho de 2011. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2014 
  281. «Buried in Concrete : Daddy Long Legs». Arquivado do original em 11 de março de 2011 . (2004 Season, Episode 13). MythBusters. Discovery Channel. 25 de fevereiro de 2004.
  282. * Chatfield, Matthew (4 de janeiro de 2008). «Some scientist once proved that bees can't fly...?». 4 de janeiro de 2008 . naturenet.net. The Ranger's Blog.Ivars Peterson (13 de setembro de 2004). «Flight of the Bumblebee». Ivars Peterson's MathTrek. Mathematical Association of America. Consultado em 18 de novembro de 2011  O mito remonta ao livro de 1934 do zoólogo e entomologista francês Antoine Magnan, que se refere a um cálculo feito pelo seu assistente André Sainte-Laguë, um engenheiro. Acredita-se que a conclusão tenha sido baseado no fato de que a sustentação (aerodinâmica) máxima possível produzida por asas de aviões que fossem do tamanho de asas de abelhas e que viajasse na mesma velocidade que uma teria de ser bem menos que o peso de uma abelha. Michael Dickinson (Junho de 2001). «Solving the Mystery of Insect Flight» (PDF). Scientific American. p. 50 
  283. «Myth: You unknowingly swallow an average of four live spiders in your sleep each year.». Burke Museum. 2010. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  284. Sneed, Annie (15 de abril de 2014). «Fact or Fiction? People Swallow 8 Spiders a Year While They Sleep». Scientific American. Consultado em 7 de junho de 2015 
  285. Fisher, JR (1986). «Earwig in the ear». Western Journal of Medicine. 145 2 ed. p. 245. PMC 1306897Acessível livremente. PMID 3765607 
  286. Costa, J.T. (2006). The Other Insect Societies. United States, Harvard University: Harvard University Press 
  287. «Dermaptera: earwigs». Insects and their Allies. CSIRO. Consultado em 16 de novembro de 2015 
  288. Haltiwanger, John. «If All The Bees In The World Die, Humans Will Not Survive». Elite Daily 
  289. A Devastating Look At Our World If Honeybees Disappeared
    "A world without honeybees would also mean a world without fruits, vegetables, nuts, and seeds."
  290. What Would Happen if All the Bees Went Extinct?
    "First, the easy part: "I've never seen anything definitively link the quote to Einstein," says Mark Dykes, the chief inspector for Texas Apiary Inspection Service. Quote checkers like this one, and this one agree. But debunking its message? That's more complicated."
  291. Would a World Without Bees Be a World Without Us?
    "Albert Einstein is sometimes quoted as saying, "If the bee disappears from the surface of the earth, man would have no more than four years to live." It's highly unlikely that Einstein said that. For one thing, there's no evidence of him saying it. For another, the statement is hyperbolic and wrong (and Einstein was rarely wrong)."
  292. Goldschein, Eric. «The 10 Most Important Crops In The World». Business Insider 
  293. «What Are the World's Most Important Staple Foods?». WorldAtlas 
  294. «Do Female Praying Mantises Always Eat the Males?». EntomologyToday 
  295. Bender, Steve, ed. (Janeiro de 2004). «Euphorbia». The Southern Living Garden Book 2nd ed. Birmingham, Alabama: Oxmoor House. p. 306. ISBN 978-0-376-03910-1 
  296. «Are Poinsettia Plants Poisonous? Fact or Fiction?». MedicineNet. Consultado em 21 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 9 de maio de 2013 
  297. Krenzelok E.P.; Jacobsen T.D.; Aronis J. M. (Novembro de 1996). «Poinsettia exposures have good outcomes...just as we thought». Am J Emerg Med. 14 7 ed. pp. 671–74. PMID 8906768. doi:10.1016/S0735-6757(96)90086-8 
  298. «Ask the Expert: Poison Control > Poinsettia». ASPCA. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2011 
  299. Gerard, John (1597). «Herball, or Generall Historie of Plantes». Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 . London: John Norton. pp. 612–14. Retrieved August 8, 2012. Popular botany book in 17th century England.
  300. "Many people are under the misconception that the flower heads of the cultivated sunflower (Helianthus annuus) track the sun... Immature flower buds of the sunflower do exhibit solar tracking and on sunny days the buds will track the sun across the sky from east to west... However, as the flower bud matures and blossoms, the stem stiffens and the flower becomes fixed facing the eastward direction."Hangarter, Roger P. «Solar tracking: sunflower plants». Plants-In-Motion website. Indiana University. Consultado em 22 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 19 de outubro de 2013 
  301. «When the plant is in the bud stage, it tends to track the movement of the sun across the horizon. Once the flower opens into the radiance of yellow petals, it faces east». National Sunflower Association. Cópia arquivada em 3 de novembro de 2013 
  302. «Evolutionary Science and Society: Educating a New Generation (TOC)» (PDF). Revised Proceedings of the BSCS, AIBS Symposium. MSU.edu. Novembro de 2004. pp. 11–12. Consultado em 13 de janeiro de 2011 
  303. «It Is Not Just a Theory... It Is a Theory!». Chandra Chronicles. Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics. 7 de julho de 2008. Consultado em 8 de abril de 2009. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  304. Kuhn, Thomas S. (1996). The Structure of Scientific Revolutions Third ed. Chicago: University of Chicago Press. p. 7. ISBN 978-0-226-45808-3 
  305. «Misconceptions about the Nature of Science». UMT.edu. University of Montana, Div. Biological Sciences. Consultado em 8 de abril de 2009. Arquivado do original em 17 de outubro de 2011 
  306. «Misconceptions about evolution». Evolution.berkeley.edu. Consultado em 9 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2013 
  307. «Five Major Misconceptions about Evolution». TalkOrigins. 1 de outubro de 2003. Consultado em 9 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 3 de outubro de 2013 
  308. Johnson, N. A.; Smith, J. J.; Pobiner, B.; Schrein, C. (Fevereiro de 2012). «Why Are Chimps Still Chimps?». The American Biology Teacher. 74 2 ed. pp. 74–80. JSTOR 3738744. doi:10.1525/abt.2012.74.2.3 
  309. De Waal, Frans B. M (15 de outubro de 2002). Tree of Origin: What Primate Behavior Can Tell Us About Human Social Evolution. [S.l.: s.n.] pp. 124–26. ISBN 978-0-674-01004-8 
  310. William H. Calvin, 2002. "A Brain for All Seasons: Human Evolution and Abrupt Climate Change." University of Chicago Press. Chicago.
  311. «Evolution: Frequently Asked Questions». PBS.org. Consultado em 29 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  312. «Is the human race evolving or devolving?». Scientific American. 20 de julho de 1998. Cópia arquivada em 21 de junho de 2012  see also biological devolution.
  313. Moran, Nancy A. (2002). «Microbial MinimalismGenome Reduction in Bacterial Pathogens». Cell. 108 5 ed. pp. 583–86. PMID 11893328. doi:10.1016/S0092-8674(02)00665-7 
  314. «Misconceptions about natural selection and adaptation: Natural selection involves organisms 'trying' to adapt.». Misconceptions about evolution. University of California Museum of Paleontology. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2013 
  315. «Misconceptions about natural selection and adaptation: Natural selection gives organisms what they 'need.' ». Misconceptions about evolution. University of California Museum of Paleontology. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2013 
  316. Hanke, David (2004). «Teleology: The explanation that bedevils biology». In: John Cornwell. Explanations: Styles of explanation in science. Oxford & New York: Oxford University Press. pp. 143–55. ISBN 978-0-19-860778-6 
  317. Zelenitsky DK; Therrien F; Erickson GM; DeBuhr CL; Kobayashi Y; Eberth DA; Hadfield F (25 de outubro de 2012). «Scientist: "Dinosaurs may have evolved feathers for courtship"». Science. 338 6106 ed. pp. 510–14. Bibcode:2012Sci...338..510Z. PMID 23112330. doi:10.1126/science.1225376. Consultado em 18 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  318. Padian K.; Chiappe L. M. (1997). «Bird Origins». In: Currie PJ; Padian K. Encyclopedia of Dinosaurs. San Diego: Academic Press. pp. 41–96 
  319. «American Adults Flunk Basic Science». Science Daily. 13 de março de 2009. Cópia arquivada em 2 de abril de 2014 
  320. «Why Did the Woolly Mammoth Die Out?». National Geographic. 26 de março de 2011. Consultado em 2 de agosto de 2016 
  321. Strauss, Bob (15 de agosto de 2019). «Does Oil Really Come From Dinosaurs?». ThoughtCo. Consultado em 4 de setembro de 2019 
  322. Cowen, R. (2000). History of Life. Oxford, UK.: Blackwell Science. p. 154. ISBN 978-0-632-04444-3 
  323. Romer, A.S. & Parsons, T.S. (1977). The Vertebrate Body. 5th ed. Saunders, Philadelphia. (6th ed. 1985)[falta página]
  324. «Psst, the human genome was never completely sequenced». STAT (em inglês). 20 de junho de 2017. Consultado em 16 de agosto de 2019 
  325. «The Deep Web: Myths And Truths You Need To Know». Panda Security. Panda Security. 27 de abril de 2017 
  326. Grothaus, Michael (12 de abril de 2019). «Incognito mode won't keep your browsing private. Do this instead». Fast Company (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2019 
  327. [32]
  328. «Global Extreme Poverty» 
  329. Rosling, Hans; Rönnlund, Anna; Rosling, Ola (Abril de 2018). Factfulness: Ten Reasons We're Wrong About the World—and Why Things Are Better Than You Think. [S.l.]: Flatiron Books. p. 7. ISBN 9781250123817 
  330. «Global Poverty Decline Denialism». 31 de janeiro de 2019 
  331. «Americans Have No Idea How Bad Inequality Really is». Slate. 26 de setembro de 2014 
  332. «Data» (PDF). www.hbs.edu 
  333. Romis, Rafael. «Three Ways To Crush E-Commerce: Busting Common Misconceptions». Forbes 
  334. McConnell, Campbell R. Economics : principles, problems, and policies / Campbell R. McConnell, Stanley L. Brue.– 17th ed. pg 431
  335. «Economics A-Z terms beginning with L». The Economist. Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  336. Bishop, Matthew (Abril de 2004). «Lump of labour fallacy». Essential Economics: An A to Z GuideRegisto grátis requerido. [S.l.]: Bloomberg Press. ISBN 9781861975805. One of the best-known fallacies in ECONOMICS is the notion that there is a fixed amount of work to be done - a lump of LABOUR - which can be shared out in different ways to create fewer or more jobs... 
  337. Garcia, Mireya (15 de julho de 2019). «Consumer Watch: Many Americans think income affects credit score». KOKH 
  338. a b c Jacob, Daniel J. Introduction to Atmospheric Chemistry. Pages 177–87. Princeton: Princeton University Press, 1999.
  339. "Chlorofluorocarbons". NOAA National Centers for Environmental Information. NOAA. <https://www.ncdc.noaa.gov/monitoring-references/faq/greenhouse-gases.php?section=cfc>
  340. Withgott, Jay, and Matthew Laposata. Essential Environment: the Science behind the Stories. Pearson Education, Inc., 2018.
  341. Wallace, John M., and Peter V. Hobbs. Atmospheric Science: An Introductory Survey. Canada: Elsevier, Inc. 2006.
  342. "Are the ozone hole and global warming related?" Climate Q & A. NASA, 14 de setembro de 2010. 20 de outubro de 2018.https://earthobservatory.nasa.gov/blogs/climateqa/are-the-ozone-hole-and-global-warming-related/
  343. «Why Do Koreans Think Electric Fans Will Kill Them?». Esquire. 22 de janeiro de 2009. Consultado em 2 de agosto de 2016 
  344. =Mersch, John. «Sleepwalking: Causes, Symptoms, and Treatments». MedicineNet, Inc. Consultado em 10 de maio de 2009. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2013 
  345. «Sleepwalking». National Sleep Foundation. Consultado em 10 de maio de 2009. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2013 
  346. O'Connor, Anahad (28 de junho de 2005). «The Claim: Never Swim After Eating». New York Times. Consultado em 16 de janeiro de 2011 ; «Hour Missed Brooks». Snopes. 3 de janeiro de 2005. Consultado em 16 de janeiro de 2011 
  347. a b Vittone, Mario. «It Doesn't Look Like They're Drowning» (PDF). On Scene: The Journal of U.S. Coast Guard Search and Rescue. p. 14 
  348. Fletemeyer, John R.; Pia (Chapter autor) (1999). «Chapter 14 ("Reflections on Lifeguard surveillance programs")». Drowning: new perspectives on intervention and prevention. 1998. [S.l.: s.n.] p. 234. ISBN 978-1-57444-223-6 
  349. Henschke, Nicholas; Lin, C. Christine (1 de dezembro de 2011). «Stretching before or after exercise does not reduce delayed-onset muscle soreness». Br J Sports Med (em inglês). 45 15 ed. pp. 1249–1250. ISSN 0306-3674. PMID 22006932. doi:10.1136/bjsports-2011-090599. Consultado em 11 de setembro de 2018 
  350. Kolata, Gina (16 de maio de 2006). «Lactic Acid Is Not Muscles' Foe, It's Fuel». The New York Times (em inglês). Consultado em 11 de setembro de 2018 
  351. Schwane, James A.; Watrous, Bruce G.; Johnson, Scarlet R.; Armstrong, Robert B. (Março de 1983). «Is Lactic Acid Related to Delayed-Onset Muscle Soreness?». The Physician and Sportsmedicine (em inglês). 11 3 ed. pp. 124–131. ISSN 0091-3847. PMID 27409551. doi:10.1080/00913847.1983.11708485 
  352. McHugh, Malachy P. (2003). «Recent advances in the understanding of the repeated bout effect: the protective effect against muscle damage from a single bout of eccentric exercise». Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports. 13 2 ed. pp. 88–97. ISSN 0905-7188. PMID 12641640. doi:10.1034/j.1600-0838.2003.02477.x 
  353. University of Utah Poison Control Center (24 de junho de 2014), Dos and Don'ts in Case of Gasoline Poisoning, University of Utah 
  354. Agency for Toxic Substances and Disease Registry (21 de outubro de 2014), Medical Management Guidelines for Gasoline (Mixture) CAS# 86290-81-5 and 8006-61-9, Centers for Disease Control and Prevention 
  355. Twycross, Alison (2014). Managing pain in children : a clinical guide for nurses and healthcare professionals. Hoboken: Wiley Blackwell. p. 7. ISBN 9780470670545 
  356. Health, Committee on Psychosocial Aspects of Child and Family; Task Force on Pain in Infants, Children (1 de setembro de 2001). «The Assessment and Management of Acute Pain in Infants, Children, and Adolescents». Pediatrics. 108 3 ed. pp. 793–797. PMID 11533354. doi:10.1542/peds.108.3.793 – via pediatrics.aappublications.org 
  357. Huang AL, Chen X, Hoon MA, et al. (Agosto de 2006). «The cells and logic for mammalian sour taste detection». Nature. 442 7105 ed. pp. 934–38. Bibcode:2006Natur.442..934H. PMC 1571047Acessível livremente. PMID 16929298. doi:10.1038/nature05084 
  358. «Beyond the Tongue Map». Asha.org. 22 de outubro de 2002. Consultado em 29 de agosto de 2009. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2013 
  359. Besnard, P (Dezembro de 2015). «Taste of Fat: A Sixth Taste Modality?». Physiological Reviews. 96 1 ed. pp. 151–176. PMID 26631596. doi:10.1152/physrev.00002.2015 
  360. Cerretani, Jessica (2010). «Extra Sensory Perceptions». Harvard Medicine. Harvard College. Consultado em 13 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2012 
  361. «How many senses does a human being have?». Discovery Health. Discovery Communications Inc. Abril de 2000. Consultado em 13 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2011 
  362. «Biology: Human Senses». CliffNotes. Wiley Publishing, Inc. Consultado em 13 de janeiro de 2011. Arquivado do original em 29 de abril de 2013 
  363. Botcharova, Maria (10 de janeiro de 2013). «A gripping tale: scientists claim to have discovered why skin wrinkles in water». The Guardian. Consultado em 28 de janeiro de 2013 
  364. Changizi, Mark; Weber, Romann; Kotecha, Ritesh; Palazzo, Joseph (2011). «Are Wet-Induced Wrinkled Fingers Primate Rain Treads?». Brain Behav. Evol. 77 4 ed. pp. 286–90. PMID 21701145. doi:10.1159/000328223 
  365. Kareklas, Kyriacos; Nettle, Daniel; Smulders, Tom V. (23 de abril de 2013). «Water-induced finger wrinkles improve handling of wet objects». Biol. Lett. 9 2 ed. p. 20120999. PMC 3639753Acessível livremente. PMID 23302867. doi:10.1098/rsbl.2012.0999 
  366. Haseleu, Julia; Omerbašić, Damir; Frenzel, Henning; Gross, Manfred; Lewin, Gary R. (2014). Goldreich, Daniel, ed. «Water-Induced Finger Wrinkles Do Not Affect Touch Acuity or Dexterity in Handling Wet Objects». PLoS ONE. 9 1 ed. p. e84949. Bibcode:2014PLoSO...984949H. PMC 3885627Acessível livremente. PMID 24416318. doi:10.1371/journal.pone.0084949 
  367. Graham-Brown, Robin; Tony Burns (2007). Lecture Notes on Dermatology. [S.l.]: Blackwell. p. 6. ISBN 978-1-4051-3977-9 
  368. * About.com Beauty.about.com Arquivado em 2010-11-02 no Wayback Machine.
  369. «Myth, busted: Does plucking gray hairs make more grow back?». TODAY.com 
  370. Silverman, Jacob (9 de setembro de 2007). «Are redheads going extinct?». HowStuffWorks. Consultado em 15 de julho de 2011. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2012 
  371. «Acne – Symptoms and causes» 
  372. a b Compare: Zeratsky, Katherine (21 de abril de 2012). «Do detox diets offer any health benefits?». Mayo Clinic. Consultado em 9 de maio de 2015. [...T]here's little evidence that detox diets actually remove toxins from the body. Indeed, the kidneys and liver are generally quite effective at filtering and eliminating most ingested toxins. 
  373. «Scientists dismiss detox schemes». BBC News. 3 de janeiro de 2006. Consultado em 5 de maio de 2013 
  374. Barrett, Stephen (8 de junho de 2011). «"Detoxification" schemes and scams». Quackwatch. Consultado em 18 de junho de 2014 
  375. «Detox Diets: Cleansing the Body». WebMD. Consultado em 23 de junho de 2010 
  376. Wanjek, Christopher (8 de agosto de 2006). «Colon Cleansing: Money Down the Toilet». LiveScience. Consultado em 10 de novembro de 2008 
  377. Kovacs, Jenny Stamos (8 de fevereiro de 2007). «Colon Cleansers: Are They Safe? Experts discuss the safety and effectiveness of colon cleansers». WebMD. Consultado em 23 de junho de 2010 
  378. a b
  379. Vreeman R. C.; Carroll A.E. (2008). «Festive medical myths». BMJ. 337. p. a2769. PMID 19091758. doi:10.1136/bmj.a2769 
  380. «Medical Myths». University of Arkansas for Medical Sciences. Consultado em 10 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2014 
  381. Fullerton-Smith, Jill (2007). The Truth About Food. [S.l.]: Bloomsbury. pp. 115–17. ISBN 978-0-7475-8685-2. Most parents assume that children plus sugary foods equals raucous and uncontrollable behaviour. ... according to nutrition experts, the belief that children experience a 'sugar high' is a myth. 
  382. «Alcohol for Warmth». Cópia arquivada em 13 de abril de 2014 
  383. «Study finds alcohol doesn't kill off brain cells | News.com.au». News Limited. 10 de julho de 2007. Consultado em 10 de março de 2019. Arquivado do original em 29 de novembro de 2016 
  384. Lovinger, D. M. (1993). «Excitotoxicity and Alcohol-Related Brain Damage». Alcoholism: Clinical and Experimental Research. 17 1 ed. pp. 19–27. PMID 8383925. doi:10.1111/j.1530-0277.1993.tb00720.x 
  385. Kopelman M. D.; Thomson A.D.; Guerrini I.; Marshall E.J. (2009). «The Korsakoff syndrome: clinical aspects, psychology and treatment». Alcohol and Alcoholism. 44 2 ed. pp. 148–54. PMID 19151162. doi:10.1093/alcalc/agn118 
  386. a b Webb, Densie (Setembro de 2010). «Defending Vegan Diets – RDs Aim to Clear Up Common Misconceptions About Vegan Diets». Today's Dietician. p. 20. Consultado em 9 de março de 2011. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  387. Matthews, Jessica (4 de novembro de 2009). «Are vegetarian diets safe?». Ask the Expert. American Council on Exercise. Consultado em 9 de março de 2011. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2013 
  388. Messina, Virginia; Reed Mangles; Mark Messina (2004). The dietitian's guide to vegetarian diets. Sudbury, MA: Jones and Bartlett Publishers. ISBN 978-0-7637-3241-7 
  389. Matson, John (11 de outubro de 2007). «Fact or Fiction?: Chewing Gum Takes Seven Years to Digest». Scientific American. Consultado em 4 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2014 
  390. "Claim: Chewing gum takes seven years to pass through the digestive system; FALSE http://www.snopes.com/oldwives/chewgum.asp
  391. Raphael Rubin; David S. Strayer; Emanuel Rubin; Gonzalo Aponte, eds. (2012). Rubin's pathology : clinicopathologic foundations of medicine Sixth ed. Philadelphia, PA: Wolters Kluwer Health/Lippincott Williams & Wilkins. p. 623. ISBN 9781605479682 
  392. «Fact sheet for health professionals: Vitamin A». Office of Dietary Supplements, National Institutes of Health. 3 de junho de 2013. Consultado em 29 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 17 de maio de 2008 
  393. Maron DF (23 de junho de 2014). «Fact or Fiction?: Carrots Improve Your Vision». Scientific American. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  394. Oliveira, Rosane (9 de junho de 2015). «The Startling Truth About Soy» 
  395. «The truth about what soya does to men's bodies». The Independent. 12 de junho de 2018 
  396. Stanczyk, Frank Z.; Bhavnani, Bhagu R. (1 de março de 2012). «Misconception and Concerns about Bioidentical Hormones Used for Custom-Compounded Hormone Therapy». The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism. 97 3 ed. pp. 756–759. PMID 22205711. doi:10.1210/jc.2011-2492 
  397. «Soy» (PDF). www.huhs.edu 
  398. Bowles, Nellie (25 de julho de 2018). «The Dawning of Sperm Awareness» – via NYTimes.com 
  399. Köchling, Jöran; Geis, Berit; Wirth, Stefan; Hensel, Kai O. (1 de fevereiro de 2019). «Grape or grain but never the twain? A randomized controlled multiarm matched-triplet crossover trial of beer and wine». The American Journal of Clinical Nutrition. 109 2 ed. pp. 345–352. doi:10.1093/ajcn/nqy309 
  400. a b Perlman, Sally E.; Nakajyma, Steven T.; Hertweck, S. Paige (2004). Clinical protocols in pediatric and adolescent gynecology. [S.l.]: Parthenon. p. 131. ISBN 978-1-84214-199-1 
  401. a b Green, Hank (14 de dezembro de 2019), «The Hymen Doesn't Tell You Anything About a Person», SciShow 
  402. «United Nations agencies call for ban on virginity testing». World Health Organization. 17 de outubro de 2018. Consultado em 22 de outubro de 2018 
  403. Christensen, Jen. «Trump: Do small hands equal small penis, or a myth?». CNN 
  404. II, Thomas H. Maugh (4 de julho de 2011). «Judging penis size by comparing index, ring fingers» – via LA Times 
  405. a b Kershaw, Sarah (26 de novembro de 2009). «Shaking Off the Shame». The New York Times 
  406. a b Bennett, Robin L.; Motulsky, Arno G.; Bittles, Alan; Hudgins, Louanne; Uhrich, Stefanie; Doyle, Debra Lochner; Silvey, Kerry; Scott, C. Ronald; Cheng, Edith; McGillivray, Barbara; Steiner, Robert D.; Olson, Debra (2002). «Genetic Counseling and Screening of Consanguineous Couples and Their Offspring». Journal of Genetic Counseling. 11 2 ed. pp. 97–119. PMID 26141656. doi:10.1023/A:1014593404915 
  407. Ober, C; Hyslop, T; Hauck, WW (Janeiro de 1999). «Inbreeding effects on fertility in humans: evidence for reproductive compensation». Am. J. Hum. Genet. 64 1 ed. pp. 225–31. PMC 1377721Acessível livremente. PMID 9915962. doi:10.1086/302198 
  408. Robert, Alexandre; Toupance, Bruno; Tremblay, Marc; Heyer, Evelyne (2009). «Impact of inbreeding on fertility in a pre-industrial population». European Journal of Human Genetics. 17 5 ed. pp. 673–681. PMC 2986271Acessível livremente. PMID 19092776. doi:10.1038/ejhg.2008.237 
  409. «Sex before the big game?». Nature. 9 de junho de 2006. Consultado em 16 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2012 
  410. «Sex and Sports: Should Athletes Abstain Before Big Events?». National Geographic. 22 de fevereiro de 2006. Consultado em 16 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 1 de março de 2014 
  411. Westen et al. 2006 "Psychology: Australian and New Zealand edition" John Wiley p. 107
  412. Goswami, U (2006). «Neuroscience and education: from research to practice?». Nature Reviews. Neuroscience. 7 5 ed. pp. 406–11. PMID 16607400. doi:10.1038/nrn1907 
  413. Eriksson, Gage; et al. (1998). «Neurogenesis in the adult human hippocampus». Nature Medicine. 4 11 ed. pp. 1313–17. PMID 9809557. doi:10.1038/3305 
  414. Gross C. G. (2000). «Neurogenesis in the adult brain: death of a dogma». Nat Rev Neurosci. 1 1 ed. pp. 67–73. PMID 11252770. doi:10.1038/35036235 
  415. «Are you born with all your brain cells, or do you grow new ones?». Brain Briefings. BrainFacts.org. 2012. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  416. Eriksson, Peter S.; Perfilieva, Ekaterina; Björk-Eriksson, Thomas; Alborn, Ann-Marie; Nordborg, Claes; Peterson, Daniel A.; Gage, Fred H. (1998). «Neurogenesis in the adult human hippocampus». Nature Medicine. 4 11 ed. pp. 1313–17. PMID 9809557. doi:10.1038/3305 
  417. «Can you grow new brain cells?». Harvard Medical School. Setembro de 2016. Consultado em 28 de abril de 2018 
  418. Godlee, F.; Smith, J.; Marcovitch, H. (2011). «British Medical Journal: Wakefield's article linking MMR vaccine and autism was fraudulent». BMJ. 342. pp. c7452. PMID 21209060. doi:10.1136/bmj.c7452. Consultado em 5 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2013 
  419. «Snopes on brains». Snopes.com. Consultado em 29 de agosto de 2009 
  420. Radford, Benjamin (Março de 1999). «The Ten-Percent Myth». Skeptical Inquirer. ISSN 0194-6730. Consultado em 15 de abril de 2009. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2013. It's the old myth heard time and again about how people use only ten percent of their brains 
  421. Beyerstein, Barry L. (1999). «Whence Cometh the Myth that We Only Use 10% of our Brains?». In: Sergio Della Sala. Mind Myths: Exploring Popular Assumptions About the Mind and Brain. [S.l.]: Wiley. pp. 3–24. ISBN 978-0-471-98303-3 
  422. Pinnock, CB; Graham, NM; Mylvaganam, A; Douglas, RM (1990). «Relationship between milk intake and mucus production in adult volunteers challenged with rhinovirus-2». The American Review of Respiratory Disease. 141 2 ed. pp. 352–56. PMID 2154152. doi:10.1164/ajrccm/141.2.352 
  423. Patricia Queen Samour; Kathy King Helm (2005). Handbook of pediatric nutrition. [S.l.]: Jones & Bartlett Learning. ISBN 978-0-7637-8356-3 
  424. «Warts: 10 Answers to Common Questions» 
  425. «Putting an End to Warts». Londondrugs.com. Consultado em 29 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 9 de junho de 2012 
  426. Bosomworth NJ (Setembro de 2009). «Exercise and knee osteoarthritis: benefit or hazard?». Can Fam Physician. 55 9 ed. pp. 871–78. PMC 2743580Acessível livremente. PMID 19752252 
  427. Deweber, K; Olszewski, M; Ortolano, R (maio de 2011). «Knuckle cracking and hand osteoarthritis». Journal of the American Board of Family Medicine : JABFM. 24 2 ed. pp. 169–74. PMID 21383216. doi:10.3122/jabfm.2011.02.100156 
  428. Atkins, William. «Diverticulitis isn't anti-nut any more». Consultado em 1 de julho de 2011. Arquivado do original em 4 de abril de 2012 
  429. Weisberger, L; Jamieson, B (julho de 2009). «Clinical inquiries: How can you help prevent a recurrence of diverticulitis?». The Journal of Family Practice. 58 7 ed. pp. 381–82. PMID 19607778 
  430. a b c d Marshall, IJ; Wolfe, CD; McKevitt, C (9 de julho de 2012). «Lay perspectives on hypertension and drug adherence: systematic review of qualitative research». BMJ. 345 Clinical research ed. p. e3953. PMC 3392078Acessível livremente. PMID 22777025. doi:10.1136/bmj.e3953 
  431. Dickinson, HO; Mason, JM; Nicolson, DJ; Campbell, F; Beyer, FR; Cook, JV; Williams, B; Ford, GA (Fevereiro de 2006). «Lifestyle interventions to reduce raised blood pressure: a systematic review of randomized controlled trials». Journal of Hypertension. 24 2 ed. pp. 215–33. PMID 16508562. doi:10.1097/01.hjh.0000199800.72563.26 
  432. Eccles; Weber, Olaf, eds. (2009). Common cold. Basel: Birkhäuser. p. 7. ISBN 978-3-7643-9894-1  Parâmetro desconhecido |editor-primeiro= ignorado (ajuda)
  433. Rutter, Paul (2009). Community pharmacy : symptoms, diagnosis and treatment 2nd ed. Edinburgh: Elsevier/Churchill Livingstone. p. 7. ISBN 978-0-7020-2995-0 
  434. «Vitamin C for the Common Cold». WebMD. Consultado em 27 de setembro de 2013. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2010 
  435. Harri Hemilä; Elizabeth Chalker (janeiro de 2013). «Vitamin C for preventing and treating the common cold». The Cochrane Library. 1 1 ed. p. CD000980. PMID 23440782. doi:10.1002/14651858.CD000980.pub4 
  436. «Daily Skin Care Essential to Control Atopic Dermatitis». American Academy of Dermatology. Consultado em 24 de março de 2009. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2013 
  437. McAleer, MA; Flohr, C; Irvine, AD (23 de julho de 2012). «Management of difficult and severe eczema in childhood» (PDF). British Medical Journal. 345. p. e4770. PMID 22826585. doi:10.1136/bmj.e4770. hdl:2262/75991 
  438. Mikkelson, Barbara (24 de março de 2012). «Keeping Tabs». Snopes. Consultado em 30 de março de 2014 
  439. «NKF Dispels Pull Tabs for Dialysis Time Rumor». National Kidney Foundation. 1 de junho de 1998. Consultado em 30 de março de 2014. Cópia arquivada em 7 de abril de 2014 
  440. «POP TAB COLLECTION PROGRAM». www.rmhckc.org. Ronald McDonald House Charities Kansas City Inc. Consultado em 17 de dezembro de 2016. Advantage Metals, our local recycler, buys the tabs at market rate and makes an additional charitable contribution. They generously donate their pick-up and handling services, so the income from pop tabs is pure profit. 
  441. Bensky, Dan; Clavey, Steven; Stoger, Erich and Gamble, Andrew (2004) Chinese Herbal Medicine: Materia Medica, 3rd Edition. Eastland Press. ISBN 0-939616-42-4
  442. a b Solnit, Rebecca (12 de junho de 2013). «The Separating Sickness» – via Harpers 
  443. «Leprosy – Infections». Merck Manuals Consumer Version 
  444. Grzybowski, Andrzej; Nita, Małgorzata (2016). «Leprosy in the Bible». Clinics in Dermatology. 34 1 ed. p. 3. ISSN 0738-081X. PMID 26773616. doi:10.1016/j.clindermatol.2015.10.003 
  445. HaTalmud V’Chachmas HaRefuah (Berlin 1928 p. 323) title at hebrewbooks.org, p. 339-340
  446. Soutar, Douglas (2010). «Immigration and Human Rights in Leprosy» (PDF). Leprosy Review. 81 1 ed. pp. 3–4. PMID 20496564 
  447. «Tetanus – Can a Rusty Nail Cause Tetanus?». Environmental Safety and Health Online. Consultado em 9 de novembro de 2015 
  448. Sigelman, Carol K. (2012). «Age and Ethnic Differences in Cold Weather and Contagion Theories of Colds and Flu». Health Education & Behavior. 39 1 ed. pp. 67–76. PMID 21586668. doi:10.1177/1090198111407187 
  449. Snow LF (1983). «Traditional health beliefs and practices among lower class black Americans». West J Med. 139 6 ed. pp. 820–8. PMC 1011011Acessível livremente. PMID 6364570 
  450. Snow LF (1983). «Traditional health beliefs and practices among lower class black Americans». West J Med. 139. pp. 820–8. PMC 1011011Acessível livremente. PMID 6364570 
  451. Thomas, Merlin. «Monday's medical myth: you can catch a cold by getting cold». The Conversation 
  452. «Feeling cold causing colds? – Scientific Scribbles» 
  453. Parker-Pope, Tara (29 de junho de 2009). «11 Health Myths That May Surprise You». Arquivado do original em 18 de abril de 2019 
  454. Jacqueline Howard. «Doctors develop 'cure' for babies with 'bubble boy' disease». CNN 
  455. «History of Peanut Butter». Arquivado do original em 27 de julho de 2011  Peanut-butter.org.
  456. «A True Renaissance Man». Cópia arquivada em 19 de março de 2012 . American Scientist.
  457. «Thomas Crapper». Snopes. 22 de fevereiro de 2007. Consultado em 13 de dezembro de 2008 
  458. «Sewer History: Photos and Graphics». Consultado em 1 de outubro de 2014 
  459. Kinghorn, Jonathan (1986), «A Privvie in Perfection: Sir John Harrington's Water Closet», Bath History, 1: 173–88.  ISBN 978-0-86299-294-1. Kinghorn supervised a modern reconstruction in 1981, based on the illustrated description by Harington's assistant Thomas Coombe in the New Discourse.
  460. «Thomas Crapper: Myth & Reality». Plumbing & Mechanical Magazine. BNP Media. 1 de junho de 1993 
  461. Harper, Douglas. «Crap». Online Eytmology Dictionary. Consultado em 21 de maio de 2013. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  462. Robert, Friedel; Paul Israel (1987). Edison's Electric Light: Biography of an Invention. New Brunswick, New Jersey: Rutgers University Press. pp. 115–17. ISBN 978-0-8135-1118-4 
  463. Hounshell, David A., From the American System to Mass Production, 1800–1932: The Development of Manufacturing Technology in the United States, ISBN 978-0-8018-2975-8, Baltimore, Maryland: Johns Hopkins University Press, LCCN 83016269, OCLC 1104810110  Texto " citar jornal 1984 " ignorado (ajuda), pp. 15–47.
  464. Sorensen, Charles E.; Williamson, Samuel T. (1956). My Forty Years with Ford. New York: Norton. p. 128. ISBN 978-0-8143-3279-5. LCCN 56010854 
  465. Stein, Ralph (1967). The Automobile Book. [S.l.]: Paul Hamlyn Ltd 
  466. «Al Gore on the invention of the internet». Snopes. Consultado em 29 de agosto de 2009 
  467. O'Carroll, Eoin (9 de março de 2009). «Al Gore joins call for new .ECO Internet domain». Christian Science Monitor. Consultado em 9 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  468. a b Kessler, Glenn (4 de novembro de 2013). «A cautionary tale for politicians: Al Gore and the 'invention' of the Internet». Washington Post 
  469. «The Mother of Gore's Invention». Wired. 17 de outubro de 2000 
  470. Miller, David Philip (2004). «True Myths: James Watt's Kettle, His Condenser, and His Chemistry». History of Science. 42 3 ed. pp. 333–60. Bibcode:2004HisSc..42..333M. doi:10.1177/007327530404200304 
  471. «An Evolutionary Framework for Experimental Innovation» (PDF). Australian Government Department of Defence Defence Science and Technology Organisation. Consultado em 1 de maio de 2011. Arquivado do original (PDF) em 15 de agosto de 2011 
  472. Curtin, Ciara (Fevereiro de 2007), «Fact or Fiction?: Glass Is a (Supercooled) Liquid», Scientific American, cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013, Glass, however, is actually neither a liquid—supercooled or otherwise—nor a solid. It is an amorphous solid—a state somewhere between those two states of matter. And yet glass's liquidlike properties are not enough to explain the thicker-bottomed windows, because glass atoms move too slowly for changes to be visible. 
  473. a b c Halem, Henry (30 de maio de 1998). «Does Glass Flow». Glassnotes.com. Consultado em 29 de agosto de 2009. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2013 
  474. a b c Chang, Kenneth (29 de julho de 2008). «The Nature of Glass Remains Anything but Clear». The New York Times. Consultado em 4 de abril de 2010 
  475. Zanotto, E.D. (Maio de 1998). «Do cathedral glasses flow?». American Journal of Physics. 66 5 ed. p. 392. Bibcode:1998AmJPh..66..392Z. doi:10.1119/1.19026 
  476. King, Hobart (2012). «How do diamonds form? They don't form from coal!». geology.com. geology.com. Consultado em 29 de junho de 2012. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2013 
  477. "10 common scientific misconceptions" Amelia Pak-Harvey CSMonitor 31 de outubro de 2013 http://www.csmonitor.com/Science/2013/1031/10-common-scientific-misconceptions/Diamonds-form-from-pressurized-coal
  478. a b c Riedweg, Christoph (2005). Pythagoras: His Life, Teachings, and Influence. Ithaca, New York: Cornell University Press. pp. 26–27. ISBN 978-0-8014-7452-1 
  479. a b c d e Kahn, Charles H. (2001). Pythagoras and the Pythagoreans: A Brief History. Indianapolis, Indiana and Cambridge, England: Hackett Publishing Company. pp. 1–3, 32–33. ISBN 978-0-87220-575-8 
  480. a b Burkert, Walter (1 de junho de 1972). Lore and Science in Ancient Pythagoreanism. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press. pp. 428–433. ISBN 978-0-674-53918-1 
  481. Zhmud, Leonid (2012). Pythagoras and the Early Pythagoreans. Traduzido por Windle, Kevin; Ireland, Rosh. Oxford, England: Oxford University Press. p. 232. ISBN 978-0-19-928931-8 
  482. Jesse Galef (29 de agosto de 2011). «Lies and Debunked Legends about the Golden Ratio». Consultado em 10 de abril de 2013. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  483. "Two other beliefs about [the golden ratio] are often mentioned in magazines and books: that the ancient Greeks believed it was the proportion of the rectangle the eye finds most pleasing and that they accordingly incorporated the rectangle in many of their buildings, including the famous Parthenon. These two equally persistent beliefs are likewise assuredly false and, in any case, are completely without any evidence." Devlin, Keith (2008). The Unfinished Game: Pascal, Fermat, and the Seventeenth-Century Letter that Made the World Modern. [S.l.]: Basic Books. p. 35 
  484. Donald E. Simanek. «Fibonacci Flim-Flam». Consultado em 9 de abril de 2013. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2010 
  485. "Part of the process of becoming a mathematics writer is, it appears, learning that you cannot refer to the golden ratio without following the first mention by a phrase that goes something like 'which the ancient Greeks and others believed to have divine and mystical properties.' Almost as compulsive is the urge to add a second factoid along the lines of 'Leonardo Da Vinci believed that the human form displays the golden ratio.' There is not a shred of evidence to back up either claim, and every reason to assume they are both false. Yet both claims, along with various others in a similar vein, live on." Keith Devlin (Maio de 2007). «The Myth That Will Not Go Away». Consultado em 10 de abril de 2013. Arquivado do original em 1 de julho de 2013 
  486. Stillwell, John (1994), Elements of algebra: geometry, numbers, equations, Springer, p. 42 
  487. Bunch, Bryan H. (1982). Mathematical fallacies and paradoxes. [S.l.]: Van Nostrand Reinhold. p. 119. ISBN 0-442-24905-5 
  488. Tall, David; Schwarzenberger, R. L. E. (1978). «Conflicts in the Learning of Real Numbers and Limits» (PDF). Mathematics Teaching. 82. pp. 6, 44–49. Consultado em 3 de maio de 2009. Cópia arquivada (PDF) em 30 de maio de 2009 
  489. a b «Incorrect Lift Theory». grc.nasa.gov. NASA Glenn Research Center. 28 de julho de 2008. Consultado em 13 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014  (Java applet).
  490. * «This occurs because of Bernoulli's principle – fast-moving air has lower pressure than non-moving air». Make Magazine 
  491. * "If the lift in figure A were caused by "Bernoulli principle," then the paper in figure B should droop further when air is blown beneath it. However, as shown, it raises when the upward pressure gradient in downward-curving flow adds to atmospheric pressure at the paper lower surface." Gale M. Craig PHYSICAL PRINCIPLES OF WINGED FLIGHT http://www.regenpress.com/aerodynamics.pdf
    • "In fact, the pressure in the air blown out of the lungs is equal to that of the surrounding air..." Babinsky http://iopscience.iop.org/0031-9120/38/6/001/pdf/pe3_6_001.pdf
    • "...air does not have a reduced lateral pressure (or static pressure...) simply because it is caused to move, the static pressure of free air does not decrease as the speed of the air increases, it misunderstanding Bernoulli's principle to suggest that this is what it tells us, and the behavior of the curved paper is explained by other reasoning than Bernoulli's principle." Peter Eastwell Bernoulli? Perhaps, but What About Viscosity? The Science Education Review, 6(1) 2007 PDF
    • "Make a strip of writing paper about 5 cm X 25 cm. Hold it in front of your lips so that it hangs out and down making a convex upward surface. When you blow across the top of the paper, it rises. Many books attribute this to the lowering of the air pressure on top solely to the Bernoulli effect. Now use your fingers to form the paper into a curve that it is slightly concave upward along its whole length and again blow along the top of this strip. The paper now bends downward...an often-cited experiment which is usually taken as demonstrating the common explanation of lift does not do so..." «Jef Raskin Coanda Effect: Understanding Why Wings Work» 
    • "Blowing over a piece of paper does not demonstrate Bernoulli's equation. While it is true that a curved paper lifts when flow is applied on one side, this is not because air is moving at different speeds on the two sides... It is false to make a connection between the flow on the two sides of the paper using Bernoulli's equation." Holger Babinsky How Do Wings Work" Physics Education 38(6) http://iopscience.iop.org/0031-9120/38/6/001/pdf/pe3_6_001.pdf
    • "An explanation based on Bernoulli's principle is not applicable to this situation, because this principle has nothing to say about the interaction of air masses having different speeds... Also, while Bernoulli's principle allows us to compare fluid speeds and pressures along a single streamline and... along two different streamlines that originate under identical fluid conditions, using Bernoulli's principle to compare the air above and below the curved paper in Figure 1 is nonsensical; in this case, there aren't any streamlines at all below the paper!" Peter Eastwell Bernoulli? Perhaps, but What About Viscosity? The Science Education Review 6(1) 2007 http://www.scienceeducationreview.com/open_access/eastwell-bernoulli.pdf
    • "The well-known demonstration of the phenomenon of lift by means of lifting a page cantilevered in one's hand by blowing horizontally along it is probably more a demonstration of the forces inherent in the Coanda effect than a demonstration of Bernoulli's law; for, here, an air jet issues from the mouth and attaches to a curved (and, in this case pliable) surface. The upper edge is a complicated vortex-laden mixing layer and the distant flow is quiescent, so that Bernoulli's law is hardly applicable." David Auerbach Why Aircreft Fly European Journal of Physics Vol 21 p 289 http://iopscience.iop.org/0143-0807/21/4/302/pdf/0143-0807_21_4_302.pdf
    • "Millions of children in science classes are being asked to blow over curved pieces of paper and observe that the paper "lifts"... They are then asked to believe that Bernoulli's theorem is responsible... Unfortunately, the "dynamic lift" involved...is not properly explained by Bernoulli's theorem." Norman F. Smith "Bernoulli and Newton in Fluid Mechanics" The Physics Teacher Nov 1972 https://aapt.scitation.org/doi/10.1119/1.2352317
    • "...if a streamline is curved, there must be a pressure gradient across the streamline, with the pressure increasing in the direction away from the centre of curvature." Babinsky http://iopscience.iop.org/0031-9120/38/6/001/pdf/pe3_6_001.pdf
    • Smith, Norman F (17 de março de 2010). «"The curved paper turns the stream of air downward, and this action produces the lift reaction that lifts the paper." Norman F. Smith Bernoulli, Newton, and Dynamic Lift Part II School Science and Mathematics». School Science and Mathematics. 73 4 ed. p. 333. doi:10.1111/j.1949-8594.1973.tb09040.x 
    • "The curved surface of the tongue creates unequal air pressure and a lifting action. ... Lift is caused by air moving over a curved surface." AERONAUTICS An Educator's Guide with Activities in Science, Mathematics, and Technology Education by NASA p. 26 http://www.nasa.gov/pdf/58152main_Aeronautics.Educator.pdf
  492. '"Demonstrations" of Bernoulli's principle are often given as demonstrations of the physics of lift. They are truly demonstrations of lift, but certainly not of Bernoulli's principle.' David F Anderson & Scott Eberhardt Understanding Flight p. 229 https://books.google.com/books?id=52Hfn7uEGSoC&pg=PA229 * "As an example, take the misleading experiment most often used to "demonstrate" Bernoulli's principle. Hold a piece of paper so that it curves over your finger, then blow across the top. The paper will rise. However most people do not realize that the paper would NOT rise if it was flat, even though you are blowing air across the top of it at a furious rate. Bernoulli's principle does not apply directly in this case. This is because the air on the two sides of the paper did not start out from the same source. The air on the bottom is ambient air from the room, but the air on the top came from your mouth where you actually increased its speed without decreasing its pressure by forcing it out of your mouth. As a result the air on both sides of the flat paper actually has the same pressure, even though the air on the top is moving faster. The reason that a curved piece of paper does rise is that the air from your mouth speeds up even more as it follows the curve of the paper, which in turn lowers the pressure according to Bernoulli." From The Aeronautics File By Max Feil
  493. a b J. D. G. Kooijman; J. P. Meijaard; J. M. Papadopoulos; A. Ruina & A. L. Schwab (15 de abril de 2011). «A bicycle can be self-stable without gyrosocpic or caster effects» (PDF). Science. 332 6027 ed. pp. 339–42. Bibcode:2011Sci...332..339K. PMID 21493856. doi:10.1126/science.1201959. Consultado em 22 de janeiro de 2013 
  494. «spinoff 2005 – Lightning Often Strikes Twice». Spinoff. Office of the Chief Technologist, NASA. 25 de março de 2010. Consultado em 23 de junho de 2010. Cópia arquivada em 25 de março de 2012 
  495. Staff (17 de maio de 2010). «Full weather report story from WeatherBug.com». Weather.weatherbug.com. Consultado em 23 de junho de 2010. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2014 
  496. «Dropping A Penny From The Top Of The Empire State Building Isn't Dangerous». misconceptionjunction.com. 28 de outubro de 2010. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2011 
  497. «Thermostats». Energy.gov 
  498. «Programmable thermostat myths: Know the facts and boost your profits». www.achrnews.com 
  499. Lilienfeld, Scott O.; Lynn, Steven Jay; Ruscio, John; Beyerstein, Barry L. (15 de setembro de 2011). 50 Great Myths of Popular Psychology: Shattering Widespread Misconceptions about Human Behavior. [S.l.]: John Wiley & Sons. pp. 88–89. ISBN 978-1-4443-6074-5 
  500. Dinelli, Beth. «Common Misconceptions about Dyslexia». Commonwealth Learning Center. Consultado em 2 de agosto de 2019 
  501. «Photographic Memory». indianapublicmedia.org. Cópia arquivada em 27 de abril de 2014 
  502. Anthony Simola (2015). The Roving Mind: A Modern Approach to Cognitive Enhancement. [S.l.]: ST Press. p. 117. ISBN 978-0692409053. Consultado em 10 de maio de 2016 
  503. Foer, Joshua (27 de abril de 2006). «Kaavya Syndrome: The accused Harvard plagiarist doesn't have a photographic memory. No one does». Slate. Consultado em 20 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 2 de julho de 2013 
  504. Citation overkill
  505. Baucum, Don (2006). Psychology 2nd ed. Hauppauge, N.Y.: Barron's. p. 182. ISBN 9780764134210 
  506. a b Howard-Jones, Paul A. (1 de dezembro de 2014). «Neuroscience and education: myths and messages». Nature Reviews Neuroscience. 15 12 ed. pp. 817–24. ISSN 1471-003X. PMID 25315391. doi:10.1038/nrn3817 
  507. Coffield, Frank; et al. (2004). Learning styles and pedagogy in post-16 learning: a systematic and critical review. London: Learning and Skills Research Centre. pp. 119–33. ISBN 978-1853389184. Consultado em 8 de janeiro de 2016 
  508. Feld, Scott L. (1991), «Why your friends have more friends than you do» 6 ed. , American Journal of Sociology, 96: 1464–1477, JSTOR 2781907, doi:10.1086/229693 
  509. Zuckerman, Ezra W.; Jost, John T. (2001), «What makes you think you're so popular? Self evaluation maintenance and the subjective side of the "friendship paradox"» (PDF) 3 ed. , Social Psychology Quarterly, 64: 207–223, JSTOR 3090112, doi:10.2307/3090112 
  510. Truth Hurts Report, ISBN 978-1-903645-81-9, Mental Health Foundation, 2006, consultado em 11 de junho de 2008 
  511. Helen Spandler (1996), Who's Hurting Who? Young people, self-harm and suicide, ISBN 978-1-900782-00-5, Manchester: 42nd Street 
  512. Pembroke, L. R., ed. (1994). Self-harm – Perspectives from personal experience. [S.l.]: Chipmunka/Survivors Speak Out. ISBN 978-1-904697-04-6 
  513. Philips, Matt (19 de novembro de 2008). «On World Toilet Day, Let Us Praise the Airline Lav». The Middle Seat Terminal (Wall Street Journal). Consultado em 2 de abril de 2009. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2013 
  514. «Battery Parked», Snopes.com, 8 de fevereiro de 2011, consultado em 2 de junho de 2013 
  515. Examples of car battery on concrete misconception in the US from 1983–2011:
  516. Magliozzi, Tom; Magliozzi, Ray (4 de novembro de 1999), «No End to Battery Storage Debate», The Vindicator: 37 
  517. Magliozzi, Tom; Magliozzi, Ray (2008), Ask Click and Clack: Answers from Car Talk, ISBN 978-0-8118-6477-0, Chronicle Books, pp. 68–69, consultado em 2 de junho de 2013 
  518. «Car Care Auto Clinic» 11 ed. , Hearst Magazines, Popular Mechanics, ISSN 0032-4558, vol. 177, p. 136, Novembro de 2000, consultado em 2 de junho de 2013 
  519. «Use care in cleaning battery-acid stain». The Seattle Times. 4 de outubro de 2008. Consultado em 9 de maio de 2018 
  520. «Managing Used Lead-Acid Batteries» (PDF). Georgia Environmental Compliance Assistance Program. Georgia Tech Research Institute. Julho de 2002. Consultado em 9 de maio de 2018 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas (em inglês)[editar | editar código-fonte]