Lista de monarcas do Reino Arménio da Cilícia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ver artigo principal: Reino Arménio da Cilícia
Mapa histórico do Reino Arménio da Cilícia

Esta é uma lista de monarcas do Reino Arménio da Cilícia, um estado da Idade Média, formado por refugiados arménios das invasões dos turcos seljúcidas à Arménia.[1] Ao contrário do Reino da Arménia da antiguidade clássica, localizava-se ao redor do golfo de Alexandreta do mar Mediterrâneo, no actual sul da Turquia, não na actual República da Arménia.

O estado foi fundado como um principado pela dinastia dos Rubenidas, um ramo dos bagrátidas da Armênia. Com o advento da Primeira Cruzada em 1096-1099 a percorrer a Anatólia, os arménios ganharam poderosos aliados cristãos que, em 1198, reconheceram o seu estado como reino.[2]

Com a morte da última monarca rubenida em 1252, Isabel da Arménia, o seu marido Hetum I passou a reinar sozinho, originando a dinastia dos hetúmidas. Em 1341, com o assassinato de Leão V, o seu primo Guy du Lusignan foi eleito para o trono e tomou o nome de Constantino II, iniciando a dinastia Lusignan na Cilícia.

O reino foi perdido para os mamelucos durante o reinado de Leão VI.[3] Até 1485, os Lusignan limitaram-se a ser pretendentes ao trono, até que Carlota do Chipre cedeu o trono à Casa de Saboia,[4] que usaria o título até cerca de 1861.

Dinastia dos rubenidas[editar | editar código-fonte]

Brasão de armas de Leão II da Arménia, o Grande, com base em um dos seus sinetes
casado com Isabel de Courtenay, filha de Joscelino II de Edessa
casado com Isabel, filha de Onofre III de Toron
casado em primeiras núpcias com Isabel da Áustria
casado em segundas núpcias com Sibila de Lusignan, filha de Amalrico II de Jerusalém.
casada em primeiras núpcias em 1222 com Filipe de Antioquia, envenenado em 1225 pelo pai de Hetum I
casada em segundas núpcias em 1226 com Hetum I

Dinastia dos hetúmidas[editar | editar código-fonte]

  • 1226-1269 - Hetoum I, segundo marido de Isabel, que passou a governar sozinho em 1252 após a morte da rainha
  • 1269-1289 - Leão III, filho de Hetoum I
casado com Keran de Lampron
  • 1289-1293 - Hetoum II (primeiro reinado), filho do anterior, abdicou a favor do seu irmão Teodoro III (Toros)
casado com Helvis de Lusignan, filha de Hugo III do Chipre
  • 1293-1298 - Teodoro III, irmão do anterior, em 1295 pediu a Hetoum II para partilhar com ele o trono
casado com Margarida de Lusignan, filha de Hugo III do Chipre
  • 1295-1296 - Hetoum II (segundo reinado), destronado pelo irmão Sempad
  • 1296-1298 - Sempad (ou Sambat), irmão do anterior, usurpador
  • 1298-1299 - Constantino III (primeiro reinado), irmão do anterior
  • 1299-1303 - Hetoum II (terceiro reinado), abdicou a favor de Leão IV, mantendo o título de regente
  • 1303-1307 - Leão IV (reinando em conjunto com Hetoum II), filho de Teodoro III
casado com Maria de Lusignan, filha de Amalrico II de Chipre
  • 1307 - Constantino III (segundo reinado)
  • 1307-1320 - Oshin, irmão do anterior
casado em primeiras núpcias com Isabel de Corícia
casado em segundas núpcias com Isabel de Lusignan, filha de Hugo III de Chipre
casado em terceiras núpcias com Joana, filha de Filipe I de Taranto
  • 1320-1341 - Leão V, filho do anterior com Isabel de Corícia
1320-1329 - regência de Oshin de Corícia
casado em primeiras núpcias com Alice de Corícia
casado em segundas núpcias com Constança, filha de Frederico III da Sicília
  • Armênia passou em seguida para os Lusignans.

Dinastia Lusignan[editar | editar código-fonte]

Brasão de armas dos reis da Arménia da dinastia Lusignan, uma combinação dos elementos dos reinos da Cilícia, Jerusalém e Chipre
casado em 1342 com Maria de Corícia, cunhada de Leão V
  • 1363-1373 - Constantino VI, primo direito do anterior, portanto pertencente também à casa dos hetúmidas
  • 1373-1393 - Leão VI, filho de João de Lusignan, sobrinho de Constantino IV
casado em 1369 com Margarida de Soissons[6]

Em 1375 os mamelucos invadiram a Cilícia e conquistaram a capital Sis, dissolvendo o Reino Arménio da Cilícia. O título de Rei da Arménia passou a ser puramente nominal e, com a morte de Leão VI, passou para os reis de Chipre.

Pretendentes ao trono da Arménia[editar | editar código-fonte]

Carlota foi deposta do Chipre em 1464. Quando morreu em 1485, o seu título arménio passou para os descendentes da Casa de Saboia.

Notas e referências

  1. Poghosyan, S.; Katvalyan, M.; Grigoryan, G.; et al. (1979). Haykakan Sovetakan Hanragitaran (Enciclopédia Arménia Soviética). Arménia Cilícia (Կիլիկյան Հայաստան) (em arménio). V. Yerevan, República Soviética da Arménia: Academia de Ciências Arménia. pp. 406–428. ISBN 1-56859-141-1 
  2. a b Mihran Kurdoghlian (1996). Badmoutioun Hayots (em arménio). II. Atenas, Grécia: Hradaragoutioun Azkayin Oussoumnagan Khorhourti. pp. 29–56. ISBN 1-56859-141-1 
  3. Claude Mutafian (2002). Le royaume arménien de Cilicie, XII-XIV siècles (em francês). Paris: CNRS Editions. 90 páginas. ISBN 2-271-05105-3 
  4. Robert Hamilton Lang (1878). Cyprus (em inglês). London: Macmillan and Co. 179 páginas. [1] 
  5. No entanto, esta prática não parece ter sido generalizada aos restantes monarcas. Como exemplos, Teodoro III foi o primeiro rei de nome Teodoro, e Constantino III foi o primeiro rei de nome Constantino. Deste modo optou-se por classificar o Príncipe Leão II da Arménia (Rei Leão I da Arménia) com o numeral II do seu primeiro título.
  6. http://www.dupalu.com/2015/03/sabias-que-madrid-fue-durante-8-anos-un.html?m=1

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • T. S. R. Boase (1978). The Cilician Kingdom of Armenia (em inglês). Edinburgh: Scottish Academic Press. 206 páginas. ISBN 0-7073-0145-9 
  • René Grousset (1949). L'Empire du Levant : Histoire de la Question d'Orient (em francês). [S.l.: s.n.] 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]