Lista do Patrimônio Mundial na África do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) propôs um plano de proteção aos bens culturais do mundo, através do Comité sobre a Proteção do Património Mundial Cultural e Natural, aprovado em 1972.[1] Esta é uma lista do Patrimônio Mundial existente na África do Sul, especificamente classificada pela UNESCO e elaborada de acordo com dez principais critérios cujos pontos são julgados por especialistas na área. A África do Sul, uma das mais diversificadas nações da região meridional africana e que abriga sob sua bandeira diversas culturas, ratificou a convenção em 10 de julho de 1997, tornando seus locais históricos elegíveis para inclusão na lista.[2]

Sítios com fósseis de hominídeos de Sterkfontein, Swartkrans, Kromdraai e arredores e Complexo de Zonas Húmidas de iSimangaliso foram os primeiros sítios sul-africanos listados como Patrimônio Mundial por ocasião da 23.ª Sessão do Comitê do Patrimônio Mundial, realizada em Marraquexe (Marrocos]) em 1999.[3] Desde a mais recente adesão à lista, a África do Sul totaliza 10 sítios listados como Patrimônio Mundial pela UNESCO, sendo quatro sítios de interesse Cultural, cinco de interesse Natural e um sítio de classificação Mista. O sítio Parque uKhahlamba Drakensberg, inscrito em 2000, é compartilhado com o Lesoto.

Bens culturais e naturais[editar | editar código-fonte]

A África do Sul conta com os seguintes sítios declarados como Patrimônio Mundial pela UNESCO:

Sterkfontein.jpg Sítios com fósseis de hominídeos de Sterkfontein, Swartkrans, Kromdraai e arredores
Bem cultural inscrito em 1999.
Localização: Gauteng/Limpopo
Foi neste local que o famoso crânio fóssil de Taung, pertencente a um espécime australopiteco africano, foi encontrado em 1924. Também está localizado neste local o Vale makapan, onde há numerosas cavernas com restos arqueológicos atestando a presença de um assentamento humano de 3.300.000 anos. Toda a área tem elementos essenciais para ser capaz de determinar a origem e evolução da humanidade. Fósseis encontrados identificaram vários espécimes de hominídeos precoces – particularmente o parântropo (2.500.000 a 4.500.000 anos) – e obteram evidências da domesticação do fogo pelo homem em um momento que varia entre 1.800.000 e 1.000.000 anos. Este local é uma extensão do que estava na Lista do Patrimônio Mundial em 1999. (UNESCO/BPI)[4]
Greater St. Lucia.jpg Complexo de Zonas Húmidas de iSimangaliso
Bem natural inscrito em 1999.
Localização: KwaZulu-Natal
Os processos contínuos de rios, marinhas e eólicas deste local criaram uma topografia variada com recifes de corais, extensas praias arenosas, dunas costeiras, sistemas de lagos, pântanos e vastas áreas úmidas onde os papiros e canteiros crescem. A interação da heterogeneidade ambiental do parque com grandes enchentes e tempestades costeiras, bem como sua localização na área de transição entre as áreas subtropicais e tropicais do continente africano, são os fatores aos quais a excepcional biodiversidade do local e a continuidade da especiação são devidos. O mosaico de relevos e habitats oferece panoramas únicos no mundo. O parque é um habitat de importância essencial para uma infinidade de espécies que povoam o mar, pântanos e savana desta parte da África. (UNESCO/BPI)[5]
SafrikaIMG 8414.JPG Ilha Robben
Bem cultural inscrito em 1999.
Localização: Cabo Ocidental
A Ilha Robben foi usada em diferentes épocas, entre os séculos XVIII e XX, como prisão, base militar e hospital para grupos classificados como socialmente indesejáveis. Os edifícios do século XX, e mais especificamente os da prisão de alta segurança para os presos políticos, são uma prova da opressão e do racismo que prevaleceram antes do triunfo da democracia e da liberdade. (UNESCO/BPI)[6]
Drakensburgmountains.jpg Parque Maloti-Drakensberg
Bem misto inscrito em 2000.
Localização: KwaZulu-Natal
Este bem é compartilhado com: Lesoto.
As extremidades basálticas erguidas ao céu, vertiginosas íngremes, paredes de arenito refletidas a ouro, pastagens rolantes, vales fluviais intocados de encostas íngremes e desfiladeiros rochosos realçam a grande beleza deste local, que abriga em seus variados habitats um grande número de espécies endêmicas e ameaçadas no mundo, particularmente aves e plantas. Nesta espetacular paisagem natural há um grande número de abrigos sob as rochas e cavernas contendo a maior concentração de pinturas rupestais na África subsaariana. Feitas pelo povo de San ao longo de 4.000 anos, essas pinturas, que representam animais e seres humanos, se destacam por sua qualidade e diversidade temática e são ilustrativas da vida espiritual desse povo extinto. (UNESCO/BPI)[7]
Mapungubwe hill limpopo.jpg Paisagem Cultural Mapungubwe
Bem cultural inscrito em 2003.
Localização: Limpopo
Este local está localizado na fronteira norte da África do Sul, na área de fronteira com Zimbábue e Botsuana. É uma vasta paisagem de savana revestida de árvores, espécies de plantas espinhosas e baobás colossais, com terraços de arenito subindo no meio da planície. Localizada na confluência dos rios Limpopo e Shashe,em uma encruzilhada das rotas norte-sul e leste-oeste da África Austral, Mapungubwe foi a capital do reino mais importante do subcontinente sul-africano, antes de ser abandonada no século XIV. Hoje permanecem vestígios quase intactos dos locais de seus palácios e áreas povoadas, bem como restos de duas outras capitais anteriores. O todo oferece uma visão geral excepcional da evolução das estruturas sociais e políticas ao longo de cerca de quatro séculos. (UNESCO/BPI)[8]
P1000617.JPG Áreas Protegidas da Região Floral do Cabo
Bem natural inscrito em 2004.
Localização: Cabo Ocidental/Cabo Oriental
A região das flores da província do Cabo, África do Sul, é um local em série composto por oito áreas protegidas que abrangem 553.000 hectares e é uma das áreas mais ricas de vegetação do planeta. Embora essa região seja responsável por menos de 0,5% da área total do continente africano, ela tem quase 20% de toda a sua flora. Aqui existem processos ecológicos e biológicos de importância excepcional relacionados a um tipo específico de vegetação de arbustos chamada fynbos. O grau de diversidade, densidade e endemismo da flora é um dos mais altos do mundo. Nas áreas do local há fenômenos únicos no mundo em termos da reação da flora ao fogo, estratégias de reprodução de plantas e a polinização das plantas por insetos. Também é possível observar estruturas de endemismo e expansão adaptativa de vegetais extremamente interessantes. Tudo isso dá a esta região um valor excepcional em nível científico. (UNESCO/BPI)[9]
Vredefort.jpg Cratera de Vredefort
Bem natural inscrito em 2005.
Localização: Estado Livre
O Vredefort Vault está localizado cerca de 120 km ao sul de Joanesburgo e é um local representativo do impacto de um meteorito ou astroblem. O astroblema de Vredefort é o mais antigo (2.023 milhões de anos), o maior (raio de 190 km) e o mais erodido de todos os descobertos na Terra. É um testemunho excepcional do fenômeno de liberação de energia mais importante do nosso planeta, que, segundo alguns cientistas, causou profundas alterações na evolução. É, portanto, uma testemunha fundamental da história geológica e é essencial para entender sua evolução. Os impactos dos meteoros desempenharam um papel muito importante na história da Terra, mas a atividade geológica na superfície da Terra fez com que a maioria deles desaparecesse. Daí o caráter excepcional do sítio Vredefort, porque é o único de todo o mundo que oferece um perfil geológico completo de um astroblem abaixo do fundo da cratera. (UNESCO/BPI)[10]
Tylecodon paniculatus-PICT2534.jpg Paisagem cultural e botânica de Richtersveld
Bem cultural inscrito em 2007.
Localização: Cabo Setentrional
Situado em um espetacular deserto montanhoso no noroeste da África do Sul, este local de 160.000 hectares é uma paisagem cultural de propriedade e gestão da comunidade. É habitada pelo povo Nama, cujo modo de vida pastoral e seminódico atesta a persistência de assentamentos humanos sazonais no sul da África por pelo menos dois milênios. É o único lugar onde esta vila continua a construir suas casas de tapetes portáteis juntas (haru oms). O local compreende as áreas de grama e acampamentos temporariamente utilizados durante as migrações sazonais. Colecionadores de plantas medicinais e outras, os pastores Nama possuem uma cultura oral arraigada intimamente ligada a vários lugares e atributos do local. (UNESCO/BPI)[11]
Arri Raats, Kalahari Khomani San Bushman, Boesmansrus camp, Northern Cape, South Africa (19919544304).jpg Paisagem cultural ǂKhomani
Bem cultural inscrito em 2017.
Localização: Cabo Setentrional
Esta paisagem cultural está localizada na fronteira com Botsuana e Namíbia, na parte norte do país. Compreende uma vasta área que coincide com a do Parque Nacional Kalahari Gemsbok. É uma grande extensão de dunas contendo vestígios de ocupação humana desde a Idade da Pedra até os dias atuais e está associada à cultura do Santo ǂkhomani. Esta outrora cidade nômade desenvolveu estratégias de subsistência para lidar com condições ambientais extremas. Assim, desenvolveu conhecimentos específicos em etnobotânica e práticas culturais e uma visão de mundo relacionada às características geográficas de seu ambiente. A paisagem cultural do ǂkhomani reflete o modo de vida que dominou a região por milênios e molda o local. (UNESCO/BPI)[12]
Songimvelo Nature Reserve.jpg Montanhas Barberton Makhonjwa
Bem natural inscrito em 2018.
Localização: Mpumalanga
Situadas no nordeste da África do Sul, as Montanhas Barberton Makhonjwa compreendem 40% do Cinturão de Barberton Greenstone, uma das estruturas geológicas mais antigas do mundo. A propriedade representa a sucessão mais bem preservada de rocha vulcânica e sedimentar que data de 3,6 a 3,25 bilhões de anos e forma um repositório diversificado de informações sobre condições superficiais, impactos de meteoritos, vulcanismo, processos de construção de continentes e o ambiente da vida precoce. (UNESCO/BPI)[13]

Lista Indicativa[editar | editar código-fonte]

Em adição aos sítios inscritos na Lista do Patrimônio Mundial, os Estados-membros podem manter uma lista de sítios que pretendam nomear para a Lista de Patrimônio Mundial, sendo somente aceitas as candidaturas de locais que já constarem desta lista.[14] Desde 2015, a África do Sul possui 5 locais na sua Lista Indicativa.[15]

Sítio Imagem Localização Ano Dados UNESCO Descrição
Rota do Patrimônio da Libertação[nota 1] Steve Biko House.jpg Gauteng 2009 Cultural: (ii)(iii)(vi)
Áreas Protegidas de Succulent Karoo Suráfrica, Goegap 16.jpg Cabo Oriental 2009 Natural: (ix)(x)
Fazendas primitivas de Cape Winelands Cape winelands - panoramio - Amanda Gillespie.jpg Cabo Ocidental 2015 Cultural: (ii)(iii)(iv)(v)
Direitos Humanos, luta pela liberdade e Reconciliação: Locais do Legado de Nelson Mandela[nota 2] Nelson Mandela Statue, Bloemfontein, Free State, South Africa (19915126634).jpg Gauteng
Cabo Oriental
KwaZulu-Natal
2015 Cultural: (ii)(iii)(iv)(vi)
Emergência dos primeiros humanos: Locais de ocupação do pleistoceno Diepkloof-general-view.JPG KwaZulu-Natal
Cabo Oriental
Cabo Ocidental
2015 Cultural: (ii)(iii)(iv)(v)(vi)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências