Lista do Patrimônio Mundial na Arábia Saudita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Localização do Patrimônio Mundial na Arábia Saudita.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) propôs um plano de proteção aos bens culturais do mundo, através do Comité sobre a Proteção do Património Mundial Cultural e Natural, aprovado em 1972.[1] Esta é uma lista do Patrimônio Mundial existente na Arábia Saudita, especificamente classificada pela UNESCO e elaborada de acordo com dez principais critérios cujos pontos são julgados por especialistas na área. A Arábia Saudita, país que ocupa umm grande território no Oriente Médio e historicamente abrigou relevantes rotas comerciais entre Oriente e Ocidente, ratificou a convenção em 7 de agosto de 1978, tornando seus locais históricos elegíveis para inclusão na lista.[2]

O sítio Sítio Arqueológico de Alhijre foi o primeiro local da Arábia Saudita incluído na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por ocasião da 32ª Sessão do Comitê do Património Mundial, realizada em Québec (Canadá) em 2008.[3] Desde a mais recente adesão à lista, a Arábia Saudita totaliza 6 sítios classificados como Patrimônio da Humanidade, sendo todos eles de classificação cultural.

Bens culturais e naturais[editar | editar código-fonte]

A Arábia Saudita conta atualmente com os seguintes lugares declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO:

Al-Hijr Archaeological Site (Madâin Sâlih)-114609.jpg Sítio Arqueológico de Alhijre
Bem cultural inscrito em 2008.
Localização: Medina
Conhecido pelo nome de Hegra na Antiguidade, é o sítio da civilização nabateia melhor conservado ao sul de Petra (Jordânia). Compreende uma série de tumbas monumentais com fachadas ornamentadas que se encontram em um bom estado de conservação e datam dos séculos I a.C. e I d.C. Possui mais de uma centena de inscrições do período pré-nabateu e algumas pinturas rupestres. Alhijre constitui um testemunho excepcional da civilização nabateia. Seus poços e suas 111 sepulturas monumentais, entre as quais figuram 94 ornamentadas, são uma mostra excepcional das realizações arquitetônicas dos nabateus e de seu domínio de técnicas hidráulicas. (UNESCO/BPI)[4]
Diriyahpic.jpg Distrito de Turaife em Diria
Bem cultural inscrito em 2010.
Localização: Riade
O sítio, situado ao noroeste de Riade, no coração da península arábica, abrigou a primeira capital da dinastia saudita. Fundado no século XV, contém testemunhos do estilo arquitetônico nachdi, característico do centro da península arábica. No século XVIII e início do XX, seu papel político e religioso se fez mais importante a cidadela de Turaife se converteu no centro do poder temporal da Casa de Saúde e da expansão do reformista waabita no seio da religião muçulmana. O sítio inscrito inclui ruínas de numerosos palácios e um conjunto urbano construído nos confins do oásis de Diria. (UNESCO/BPI)[5]
Historic Jeddah 21.jpg Gidá Histórica, a porta para Meca
Bem cultural inscrito em 2014.
Localização: Meca
Situada na costa oriental do Mar Vermelho, Gidá se converteu a partir do século VII em uma importante cidade portuária pela qual transitam as mercadorias chegadas por rotas marítimas comerciais do Oceano Índico com destino a Meca. Também se converteu em porto de chegada dos peregrinos muçulmanos que viajavam por mar para chegar a esta cidade sagrada. Por esta dupla função, Gidá chegou a ser um punjante centro urbano multicultural, cujas construções tradicionais características compreendem, entre outras, casas-torres edificadas no fim do século XIX pelos mercadores abastados da cidade. Nestas construções se combina a tradição arquitetônica local de uso de rochas corais do Mar Vermelho com influências e técnicas artesanais importadas através das rotas comerciais do Índico. (UNESCO/BPI)[6]
النقوش الصخرية جبة حائل.jpg Arte rupestre na região de Ha’il
Bem cultural inscrito em 2015.
Localização: Ha’il
Este sítio inclui dois componentes situados uma paisagem desértica: Jabel Umm Sinman em Jubá e o Jabal al-Manjor e Raat em Shuwaymis. Havia um lago aos pés da serra de Umm Sinman que agora desapareceu e era a única fonte de água potável dos habitantes e animais da parte meridional do Grande Deserto de Narfoud. Os ancestrais dos árabes atuais deixaram sinais de sua passagem em numerosos petroglifos e inscrições na rocha. Jabal al-Manjor e Raat formam a escarpadura de um wadi hoje coberto de areia. Mostram numerosas representações de figuras humanas e animais de quase 10 mi anos. (UNESCO/BPI)[7]
Jabal Al Qara Cave - Al Hassa, Saudi Arabia ജബൽ അൽ ഖാറ ഗുഹ, അൽ ഹസ, സൗദി അറേബ്യ 13.JPG Oásis de Alhaça, uma paisagem cultural envolvente
Bem cultural inscrito em 2018.
Localização: Província Oriental
Situado na parte oriental da Península Arábica, o oásis de Alhaça é um sítio serial que compreende jardins, canais, mananciais, poços, um lago de drenagem, edifícios históricos, um tecido urbano e sítios arqueológicos considerados representantes de formas de ocupação humana sedentária na região do Golfo desde o neolítico até nossos dias. (UNESCO/BPI)[8]
Petroglyph at Bir Hima in Saudi Arabia.jpg Área Cultural de Ḥimā
Bem cultural inscrito em 2021.
Localização: Najrã
Localizado numa região árida e montanhosa do sudoeste da Arábia Saudita, em uma das antigas rotas de caravanas, a Área Cultural Bir Hima contém uma coleção substancial de arte rupestre e imagens representando caça, fauna, flora e estilos de vida numa continuidade cultural de 7 mil anos. Viajantes e camponeses no local deixaram uma riqueza de inscrições na rocha e petroglifos através das eras e até o fim do século XX, a maioria dos quais está preservada em condição pristina. (UNESCO/BPI)[9]

Lista Indicativa[editar | editar código-fonte]

Em adição aos sítios inscritos na Lista do Patrimônio Mundial, os Estados-membros podem manter uma lista de sítios que pretendam nomear para a Lista de Patrimônio Mundial, sendo somente aceitas as candidaturas de locais que já constarem desta lista.[10] Desde 2019, a Arábia Saudita possui 10 locais na sua Lista Indicativa.[11]

Sítio Imagem Local Ano Dados UNESCO Descrição
Rota do Haje egípcio BaderMonument.jpg Tabuque / Hejaz 2015 Cultural: (ii)(iv)(vi) É uma das mais importantes rotas de peregrinação da história islâmica, ligando o Egito a Meca e Medina. Os peregrinos vindos do Norte da África se encontram no Egito e depois atravessam a Península do Sinai em sentido à Arábia Saudita. Devido sua relevância, a rota recebeu diversas reformas e melhorias por vários governantes islâmicos ao longo da história, incluindo fontes, jardins, fortes e mesquitas.[12]
Ferrovia do Hejaz Wadi Rum railway track, Hejaz railway, Jordan.jpg Tabuque 2015 Cultural: (ii)(iv)(vi) A Ferrovia do Hejaz foi construída por ordem do sultão otomano Abdulamide II em 1909 com a finalidade de ligar as duas mesquitas sagradas - Mesquita do Profeta e Grande Mesquita de Meca - e transportar os peregrinos vindos da Ásia e Levante. A linha férrea possui várias estações, sendo as principais em Tabuque, Madaim Salé e Medina.[13]
Rijal Almaa وادي عياء بللحمر.jpg Assir 2015 Cultural: (iv)(v) Rijal Almaa está localizada na região de Assir e é a capital da província homônima. A aldeia era um corredor natural que ligava aqueles vindos do Iêmen e do Levante a Meca e Medina, o que a torna um importante centro comercial regional. A vila é composta por cerca de 60 palácios construídos em pedra natural, barro e madeira de vários pavimentos.[14]
Rota do Haje sírio ذات الحجاج.jpg Tabuque / Hejaz 2015 Cultural: (ii)(iv)(vi) Esta é a rota mais antiga dos peregrinos muçulmanos depois da estrada Meca-Medina, sendo conhecida no início da era islâmica como estrada Attabukiyah. Esta rota liga Damasco a Medina e sua extensão é de 1.307 quilômetros, passando por vários acampamentos e estações.[15]
Área Protegida de Rub' al-Khali Rub al Khali 002.JPG Najrã / Riade 2019 Natural: (vii)(ix)(x) Rub' al-Khali é uma das maiores áreas protegidas da Arábia Saudita, com cerca de 12.000 km². Foi estabelecido por um decreto real em 1995 com o objetivo de proteger as paisagens naturais do deserto de Rub' al-Khali e abrigar a reintrodução das espécies emblemáticas da Arábia, incluindo o órix-da-arábia e a gazela árabe do deserto, entre outras.[16]
Área Protegida das Ilhas Farasan Farasan Island 3.jpg Jizã 2019 Natural: (x) As Ilhas Farasan são um arquipélago de mais de 170 ilhas e ilhotas de recifes de coral na costa sudeste da Arábia Saudita. A área protegida abrange 5.408 km², a maioria dos quais é propriedade estatal com propriedades privadas alocadas dentro dos limites da ilha e em torno da cidade de Farasan.[17]
Antigos oásis murados do norte da Arábia قصر الحمراء في تيماء.jpg Tabuque 2022 Cultural: (ii)(v) A propriedade serial indicada inclui as ruínas arqueológicas das cidades de Taima, Qurayyah, Dumat al-Jandal e Ha'it que foram construídas na região conhecida como "deserto verde" e habitada por populações nômades pré-históricas cuja presença é atestada por vários vestígios do Paleolítico ao Neolítico. O local abriga ferramentas, arte rupestre e petróglifos.[18]
Paisagem Cultural da Área Arqueológica de Al-Faw Pergamon-Museum - Wandmalerei 2.jpg Riade 2022 Cultural: (ii)(iv)(v) Al-Faw integra uma imensa paisagem arqueológica no noroeste do Quarto Vazio e na interseção da cidade de Dawasir com as escarpas de Tuwaiq. As condições climáticas da região passaram por períodos mais úmidos, permitindo a formação do uádi de Dawasir. O legado ambiental é testemunhado pelas nascentes antigas e pela ocorrência de água subterrânea que abastecia o local e o setor agrícola do oásis no passado, permitindo uma ocupação humana precoce.[19]
Vilarejo de Thee Ain na região de Al-Bahah 1قرية ذي عين.jpg Al Bahah 2022 Cultural: (iv)(v) Thee Ain figura entre as aldeias tradicionais mais importantes da região de Al-Bahah, tendo sido construída no topo de uma montanha com uma organização patrimonial e ambiental urbana única e uma vista pitoresca para o entorno que inclui 312 residências e uma mesquita. A aldeia caracteriza-se ainda pela presença de uma fonte de água permanente e fortificação defensiva rodeada por montanhas em três lados.[20]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências