Lista do Patrimônio Mundial na Bélgica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) propôs um plano de proteção aos bens culturais do mundo, através do Comité sobre a Proteção do Património Mundial Cultural e Natural, aprovado em 1972.[1] Esta é uma lista do Patrimônio Mundial existente na Bélgica, especificamente classificada pela UNESCO e elaborada de acordo com dez principais critérios cujos pontos são julgados por especialistas na área. A Bélgica, uma das nações mais modernas da história do continente europeu e com grande legado cultural e político para a humanidade, ratificou a convenção em 24 de julho de 1996, tornando seus locais históricos elegíveis para inclusão na lista.[2]

Os sítios Beguinarias Flamengas, Elevadores do Canal do Centro e Grand-Place de Bruxelas foram os primeiros locais da Bélgica incluídos na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por ocasião da 22ª Sessão do Comitè do Património Mundial, realizada em Quioto (Japão) em 1998.[3] Desde a mais recente adesão à lista, a Bélgica totaliza 12 sítios classificados como Patrimônio da Humanidade, sendo 11 deles de classificação cultural e apenas 1 de classificação natural. O único sítio de interesse natural da Bélgica - Florestas primárias de faias dos Cárpatos e de outras regiões da Europa - é um sítio compartilhado com outros nove países do continente. A Bélgica também partilha dos sítios Campanários da Bélgica e da França (com a França) e O Trabalho Arquitetônico de Le Corbusier (com Argentina, França, Alemanha, Índia, Japão e Suíça).

Bens culturais e naturais[editar | editar código-fonte]

A Bélgica conta atualmente com os seguintes lugares declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO:

Dendermonde Beginenhof 19.jpg Beguinarias Flamengas
Bem cultural inscrito em 1998.
Localização: Flandres
Os "béguines" eram mulheres que consagraram suas vidas ao serviço de Deus sem se retirar do mundo. No século XIII eles fundaram os "béguinages", recintos que correspondiam às suas necessidades espirituais e materiais. Os flamenguistas "béguinages" são grupos formados por casas, igrejas, prédios externos e áreas verdes, que são estruturadas de acordo com um layout urbano ou rural. Construídos nos estilos arquitetônicos típicos da Flandres, eles são o testemunho excepcional de uma tradição religiosa nascida no noroeste da Europa na Idade Média. (UNESCO/BPI)[4]
Bruxelles Grand Place - panoramio.jpg Grand-Place de Bruxelas
Bem cultural inscrito em 1998.
Localização: Região da Capital Bruxelas
O Grand-Place de Bruxelas é um conjunto extraordinariamente homogêneo de edifícios públicos e privados datados principalmente do século XVII. Sua arquitetura é um excelente compêndio e uma ilustração vívida do nível alcançado neste período pela vida social e cultural neste importante centro político e comercial. (UNESCO/BPI)[5]
Canal du Centre, l'Ascenseur No. 3.jpg Elevadores do Canal do Centro e seus arredores: La Louvière e Le Rœulx
Bem cultural inscrito em 1998.
Localização: Valónia
Construídos em um pequeno trecho do histórico Canal do Centro, esses quatro elevadores hidráulicos para barcos são monumentos industriais de qualidade excepcional. Juntamente com o próprio canal e as estruturas relacionadas, eles oferecem um exemplo muito completo da paisagem industrial do final do século XIX em excelente estado. Dos oito elevadores desse tipo construídos na época e no início do século XX, os do Canal do Centro são os únicos do mundo que estão preservados em seu estado original de operação. (UNESCO/BPI)[6]
Ieper Lakenhal 01.jpg Campanários da Bélgica e da França
Bem cultural inscrito em 1999, estendido em 2005.
Este bem é compartilhado com:  França.
Localização: Flandres / Valónia
Vinte e três campanários situados no norte da França e o campanário belga de Gembloux foram inscritos na lista, ampliando assim o sítio formado por 32 campanários municipais de Flandres e Valônia que já figuravam na lista desde 1999. Construídos entre os séculos XI e XVII, estes campanários são representativos de diversos estilos arquitetônicos - romanesco, gótico, renascentista e barroco - e constituem símbolos muito significativos da conquista das liberdades cívicas por parte das populações urbanas. Em tempos em que a maioria das cidades italianas, alemãs e inglesas optavam por construir ajuntamentos, nesta região do norte da Europa optaram pela construção de campanários municipais. (UNESCO/BPI)[7]
Cathédrale Notre-Dame de Tournai.jpg Catedral de Nossa Senhora de Tournai
Bem cultural inscrito em 2000.
Localização: Valónia
Construída na primeira metade do século XII, a Catedral de Tournai é distinguida por sua nave românima de dimensões excepcionais, suas capitais ricamente esculpidas e seu transepto com cinco torres precursoras de arte gótica. O coro foi reconstruído no século XIII no estilo gótico mais puro. (UNESCO/BPI)[8]
Tassel House stairway.JPG Obras de Victor Horta em Bruxelas
Bem cultural inscrito em 2000.
Localização: Região da Capital Bruxelas
Localizada em Bruxelas e projetada pelo arquiteto Victor Horta, um dos iniciadores da "Art Nouveau", a Casa Tassel, a Casa Solvay, a Casa Van Eetvelde e a própria casa de estúdio do arquiteto fazem parte das obras arquitetônicas mais inovadoras do final do século XIX. A revolução estilística da qual são representativos é observada em seu plano aberto, bem como na difusão da luz e na brilhante fusão das linhas curvas de sua decoração com as estruturas da fábrica. (UNESCO/BPI)[9]
Bruge Canal I (85611897).jpeg Centro Histórico de Bruges
Bem cultural inscrito em 2000.
Localização: Flandres
A cidade de Bruges é um exemplo excepcional de um assentamento humano medieval que preservou seu tecido urbano histórico à medida que evoluiu ao longo dos séculos. Suas construções góticas originais fazem parte da identidade desta capital comercial e cultural da Europa antiga, que estabeleceu laços culturais com diferentes partes do mundo. O nome Bruges está intimamente ligado à escola de pintura dos primitivos flamengos. (UNESCO/BPI)[10]
Minières néolithiques de silex - Spiennes (1).jpg Minas Neolíticas de Silex de Spiennes
Bem cultural inscrito em 2000.
Localização: Valónia
As minas de Silex de Spiennes, que remontam ao Período Neolítico e abrangem mais de 100 hectares, são os maiores e mais antigos centros de extração de minério na Europa. São um exemplo notável da diversidade de técnicas utilizadas pelo homem pré-histórico para extrair silex e oferecer um interesse excepcional por sua ligação direta com assentamentos humanos desse período. (UNESCO/BPI)[11]
Antwerp Belgium Museum-Plantin-Moretus-05.jpg Casa, escritório e Museu Plantin-Moretus em Antuérpia
Bem cultural inscrito em 2005.
Localização: Flandres
Uma gráfica e uma editora dos períodos renascentista e barroco formam o museu Plantin-Moretus. Localizado na Antuérpia – que formou com Veneza e Paris a tríade de cidades europeias onde a imprensa ganhou mais boom em seus primeiros dias – o museu está intimamente ligado à história da invenção e propagação da arte tipográfica. Seu nome homenageia a mais importante impressora e editora da segunda metade do século XVI (cerca de 1520-1589). Além de seu excepcional valor arquitetônico, o edifício do museu contém inúmeros testemunhos da vida e obras da mais prolífica editora e de impressão de toda a Europa no final do século XVI. A editora continuou suas atividades até 1867 e em seu prédio há um importante acervo de material de impressão antigo de notável valor, além de uma grande biblioteca, arquivos muito valiosos e algumas obras de arte, entre as quais está uma tela pintada por Rubens. (UNESCO/BPI)[12]
20120923 Brussels PalaisStoclet Hoffmann DSC06728 PtrQs.jpg Casa Stoclet
Bem cultural inscrito em 2009.
Localização: Região da Capital Bruxelas
Em 1905, quando Adolphe Stoclet, banqueiro e colecionador de obras de arte, encomendou a construção deste edifício a Josef Hoffmann, um dos mais proeminentes arquitetos do movimento chamado de Secessão de Viena, ele não impôs condições estéticas ou financeiras de qualquer tipo. A conclusão em 1911 deste palácio e seu jardim, caracterizado por sua geometria austera, foi um momento decisivo na história da Art Nouveau que já anunciava a arquitetura do Art Déco e do Movimento Modernista. O Palácio de Stoclet é um dos edifícios mais bem sucedidos e homogêneos da Secessão de Viena, tem obras de Koloman Moser e Gustav Klimt, e incorpora a ambição de criar a "obra de arte total" (Gesamtkunstwerk), na qual arquitetura, escultura, pintura e artes decorativas são integradas à mesma obra. Este edifício é uma prova da renovação artística da arquitetura europeia. Seu estado de conservação é excepcional, uma vez que a maioria das instalações e móveis originais foram preservados intactos. (UNESCO/BPI)[13]
0 Hornu 050322 (10).JPG Principais sítios mineiros da Valónia
Bem cultural inscrito em 2012.
Localização: Valónia
As quatro minas que compõem este local cultural se estendem do leste ao oeste da Bélgica, ao longo de uma faixa de terra de 170 quilômetros de comprimento e 3 a 15 quilômetros de largura. O local é composto pelas áreas de mineração de carvão mais bem preservadas de todo o país, que foram exploradas principalmente do início do século XIX até a segunda metade do século XX. Neste local há amostras iniciais da arquitetura utópica dos primórdios da primeira Revolução Industrial Europeia, que formam complexos urbano-industriais altamente integrados. O exemplo mais notável é fornecido pela mina e pela cidade operária do Grand-Hornu, planejada na primeira metade do século XIX pelo arquiteto Bruno Renard. Em Bois-du-Luc existem numerosos edifícios construídos no período 1838-1909, bem como uma das mais antigas minas de carvão de todo o continente europeu, cuja operação começou no final do século XVII. Embora a Valônia tivesse centenas de minas de carvão no passado, a maior parte de sua infraestrutura desapareceu hoje. No entanto, as quatro minas que compõem este Patrimônio Mundial preservaram sua integridade em grande medida. (UNESCO/BPI)[14]
Antwerp Corbusier Maison Guiette 01.jpg O Trabalho Arquitetônico de Le Corbusier, uma Contribuição Impressionante para o Movimento Moderno
Bem natural inscrito em 2016.
Este bem é compartilhado com:  Argentina,  Alemanha,  Bélgica,  França,  Índia,  Japão e Suíça .
Localização: Antuérpia
Espalhados por sete países, os 17 sítios que integram este bem do Patrimônio Mundial constituem um testemunho da invenção de um novo modo de expressão da arquitetura, em clara ruptura com formas anteriores. As obras arquitetônicas destes sítios foram realizadas por Le Corbusier ao longo de cinquenta anos de "busca paciente", segundo suas próprias palavas. O Complexo do Capitólio de Chandigarh (Índia), o Museu Nacional de Arte Ocidental de Tóquio (Japão), a Casa Curutchet (Argentina) e a Unidade de Habitação de Marselha (França), entre outras construções, testificam as soluções alcançadas no século XX pelo Movimento Moderno na intenção de renovar as técnicas arquitetônicas para satisfazer as necessidades da sociedade. Estas obras-primas do gênio humano também constituem um testemunho a internacionalização da arquitetura em escala global. (UNESCO/BPI)[15]
Edersee Buchenwald 08.jpg Florestas primárias de faias dos Cárpatos e de outras regiões da Europa
Bem natural inscrito em 2007, estendido em 2011 e 2017.
Este bem é compartilhado com:  Albânia,  Áustria,  Bulgária,  Croácia,  Itália,  Polónia, Roménia,  Eslováquia,  Eslovênia, Flag of Spain.svg Espanha e  Ucrânia.
Localização: Baixa Áustria / Estíria / Alta Áustria
Esta extensão transfronteiriça do Patrimônio Mundial de grãos cárpatos primários e antigas florestas de Beedland da Alemanha (Alemanha, Eslováquia e Ucrânia) abrange 12 países. Desde o fim da última Era Glacial, as beterrabas europeias se espalharam de alguns refúgios isolados nos Alpes, nos Cárpatos, no Mediterrâneo e nos Pirenéus por um curto período de alguns milhares de anos em um processo que ainda perdura. Essa expansão bem sucedida está relacionada à flexibilidade das árvores e tolerância a diferentes condições climáticas, geográficas e físicas. (UNESCO/BPI)[16]
Thermes les Dômes.jpg
Baños Romanos, Bath, Inglaterra, 2014-08-12, DD 39-41 HDR.JPG
Grandes cidades termais da Europa
Bem cultural inscrito em 2021.
Localização: Baden bei Wien
Este bem é compartilhado com:  Alemanha,  Áustria,  Chéquia,  França,  Itália e  Reino Unido.
Este site transnacional abrange as famosas estâncias balneares localizadas em onze cidades de sete países europeus: Baden bei Wien (Áustria); Spa (Bélgica); Františkovy Lázně, Karlovy Vary e Mariánské Lázně (Chéquia); Vichy (França); Bad Ems, Baden-Baden e Bad Kissingen (Alemanha); Montecatini Terme (Itália) e Cidade de Bath (Reino Unido). O desenvolvimento de todas essas localidades deveu-se à existência de nascentes de água mineral em seus territórios, bem como ao auge das curas termais na Europa desde o início do século XVIII até a terceira década do século XX. Daí a criação de grandes centros termais para um público internacional abastado, o que influenciou a sua estrutura urbana porque a vida da cidade se organizou em torno dos edifícios e estâncias ("kurhaus" e "kursaal", em alemão) dedicados às terapias termais. Construídos com suntuosas colunatas, galerias e salas, esses edifícios foram projetados para incentivar a prática do banho e o consumo de águas minerais, e também para explorar o seu potencial econômico. As estâncias termais criaram ainda inúmeros jardins, salas de conferências, casinos, teatros, hotéis, residências mansões e infraestruturas especificamente destinadas à condução de águas termais. Todas as construções foram integradas em complexos urbanos de grande beleza paisagística, zelosamente organizados para a administração de terapias e a realização de atividades recreativas. O conjunto desses spas é representativo da importância da troca de valores humanos, bem como da evolução da ciência, da medicina e da balneoterapia. (UNESCO/BPI)[17]

Lista Indicativa[editar | editar código-fonte]

Em adição aos sítios inscritos na Lista do Patrimônio Mundial, os Estados-membros podem manter uma lista de sítios que pretendam nomear para a Lista de Patrimônio Mundial, sendo somente aceitas as candidaturas de locais que já constarem desta lista.[18] Desde 2014, a Bélgica possui 16 locais na sua Lista Indicativa.[19]

Sítio Imagem Localização Ano Dados UNESCO Descrição
Núcleo medieval histórico (ou Cuve) de Gante e suas abadias Ghent canal, night.jpg Flandres Oriental 2002 Cultural: (ii)(iv) O chamado "Cuve" de formato irregular deve-se à sua topografia particular. O rio Lys atravessa a "Cuve" no sentido norte-sul e serve de fronteira natural até desaguar no rio Escalda que, por sua vez, faz fronteira com a "Cuve" a Sudeste. As complexas origem e evolução desta cidadela medieval permanecem ainda hoje no seu traçado urbano e no seu património arquitetónico variado e bem preservado.[20]
Núcleo histórico de Antuérpia Amberes; vistas MAS 2.jpg Antuérpia 2002 Cultural: (ii)(iv)(vi) O núcleo histórico de Antuérpia, às margens do rio Escalda, apresenta uma forma semi-oval irregular em que a evolução permanece legível no traçado das antigas ruas e espaços urbanos. Escavações de 1950 revelaram uma ocupação galo-romana restrita perto de Het Steen, fortaleza construída no século XIII nas margens do Escalda, no local de uma primeira pequena fortaleza do século IX que servia de posto de controle do rio. O crescente poder militar e político estimulou o estabelecimento de uma pequena vila em forma de leque com uma igreja e cercada primeiro por um fosso e, no século XIII, por um muro de pedra ainda visível.[21]
Lovaina e seus edifícios universitários, o legado de seis séculos no centro histórico 'Universiteitsbibliotheek' Ladeuzeplein Leuven (5866672729).jpg Brabante Flamengo 2002 Cultural: (ii)(iii)(iv)(vi) Nesta cidade radiocêntrica com uma primeira muralha do século XII e uma segunda do século XIV, os edifícios da Universidade Católica de Lovaina, fundada em 1425, são mais abundantes no distrito sudeste. Naamsestraat é "a rua da universidade" na qual a maioria das instalações universitárias está situada. Outros edifícios universitários estão localizados a oeste do primeiro núcleo, inseridos no tecido urbano e marcam a paisagem com a sua variada tipologia e cronologia.[22]
Passagens de Bruxelas / Galeries Royales Saint-Hubert Galeries Royales St Hubert - 170 ans.jpg Bruxelas 2008 Cultural: (ii)(iv) As Galeries Royales Saint-Hubert são os primeiros centros comerciais monumentais do século XIX. Construídos em 1847, na região da Grand-Place, refletem a prosperidade e ambições do então recente Reino da Bélgica sob o reinado de Leopoldo I. Seu projeto revoluciona o tipo arquitetônico de arcadas como se desenvolveu desde a virada do século seguindo o modelo parisiense e dá-lhe uma nova dimensão.[23]
Obra arquitetônica de Henry Van de Velde Beyerstraße 28.JPG Uccle 2008 Cultural: (i)(ii) A obra arquitetônica de Henry van de Velde (1863-1957) constitui uma fonte essencial da arte moderna, sendo resultado de uma enorme atividade criativa desenvolvida desde o início de sua carreira nas vanguardas belgas de Les XX, em 1888, até os renomados projetos de edifícios públicos da década de 1930.[24]
Palácio da Justiça de Bruxelas Palais de Justice from Hilton.jpg Bruxelas 2008 Cultural: (i) O edifício é obra de Joseph Poelaert e marca o auge da arquitetura eclética do século XIX. Com inspiração na arquitetura neoclássica e referências às culturas assírio-babilônica e egípcia, o edifício é um conjunto de formas e volumes, onde os espaços interiores e exteriores se misturam de forma surpreendente.[25]
Planalto dos Altos Fagnes Hautes-Fagnes.jpg Liège 2008 Cultural: (v) O Planalto dos Altos Fagnes apresenta fenômenos naturais, flora e fauna particulares no que diz respeito à posição geográfica do lugar. Suave ou nítida, a ação humana contínua há muito tempo molda as paisagens atuais da região. Os Altos Fagnes constituem um testemunho excepcional da pressão antrópica sobre um ecossistema cujo desaparecimento só foi evitado graças à inospitalidade dos ambientes que o compõem.[26]
Palácio dos príncipes-bispos de Liège Liège, paleis van justitie foto6 2011-09-25 17.39.JPG Liège 2008 Cultural: (ii)(iii) O Principado-Bispado de Liège permaneceu como um território independente na Europa Ocidental por mais de 10 séculos. Durante todo esse tempo, foi liderado por príncipes-bispos que combinavam poder religioso e político. O palácio é o símbolo desta dupla função e materializa também o poder de seus ocupantes.[27]
Campo da Batalha de Waterloo, o fim da epopeia napoleônica Braine-L'Alleud - Butte du Lion dite de Waterloo.jpg Brabante Valão 2008 Cultural: (ii)(iii)(vi) A região de Waterloo inclui este sítio proposto que permanece em condições semelhantes às dos tempos da batalha homônima. O local foi preservado intencionalmente como parte das celebrações centenárias das Guerras Napoleônicas em 1914 e também devido ao alto potencial agrícola da região. O local abriga inúmeros monumentos que marcam a batalha decisiva deste conflito.[28]
Panorama da Batalha de Waterloo, um exemplo particularmente significativo do "Fenômeno Panorama" Belgique - Brabant wallon - Panorama de la bataille de Waterloo - 02.jpg Brabante Valão 2008 Cultural: (i)(ii)(iv)(vi) O Panorama da Batalha de Waterloo, em Braine-l'Alleud, é um dos "panoramas históricos" mais representativos do fenômeno panorama. Este trabalho magistral é o resultado de um trabalho de equipe orquestrado em 1911 pelo pintor francês Louis Dumoulin que já tinha uma experiência significativa na área. Seu estilo clássico, diretamente relacionado às obras panorâmicas do final do século XIX, o colocam dentre os panoramas de segunda geração.[29]
Cidadelas do Mosa 0 Dinant - La citadelle (1).JPG Liège
Namur
2008 Cultural: (ii) O rio Mosa e seu vale profundo constituem um importante obstáculo natural com muitas colinas que podem servir para fins defensivos. Desde a era romana até aos dias de hoje, foram construídas diversas fortalezas e cidadelas nos penhascos às margens do rio. As cidadelas em Namur, Huy e Dinant sobreviveram ao tempo e servem de testemunho material da evolução dos territórios e das técnicas bélicas.[30]
Paisagem de transição rural-industrial de Hoge Kempen Hoge Kempen Groeve (18).JPG Limburgo 2011 Misto: (iv)(vi)(viii) A paisagem de Hoge Kempen possui solo arenoso e rico em cascalho que resulta principalmente em charnecas, coníferas e florestas primárias. Outras características marcantes da paisagem são os monumentos das minas de carvão do início do século XX, como os montes de escória.[31]
Cemitério e memoriais da Primeira Guerra Mundial (Frente Ocidental) Houthulst - Military Cemetery - War graves 1.jpg Flandres Ocidental 2014 Cultural: (iii)(iv)(vi) O sítio serial proposto reúne uma coleção significativa de tumbas e memoriais da Primeira Guerra Mundial criados durante e após o conflito na região da Frente Ocidental - que se estendia desde o Mar do Norte até a fronteira franco-suíça. A proposição é composta por 105 locais (80 na França e 25 na Bélgica) rigorosamente escolhidos entre um conjunto de vários milhares de cemitérios, necrópoles e monumentos.[32]
Sítios de fósseis neandertais da Valônia Spygrot.jpg Namur 2019 Cultural: (iii)(vi) A Valônia possui uma variedade de sítios neandertais, incluindo estes oito locais indicados que abrigam fósseis humanos devidamente datados. Eles constituem a concentração de neandertais mais setentrional da Europa e muitos deles fizeram importantes contribuições históricas para o desenvolvimento da paleoantropologia e do estudo da pré-história.[33]
Hospital Notre-Dame à la Rose em Lessines Lessines hopital ND de la rose.jpg Hainaut 2019 Cultural: (iii)(iv) O Hospital Notre-Dame à la Rose foi fundado em 1242 por Alix de Rosoit em Lessines, uma próspera cidade têxtil da região à época, com a missão de acolher os necessitados e os peregrinos. O complexo hospitalar é administrado por uma congregação religiosa local.[34]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Convenção para a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural» (PDF). UNESCO. 21 de novembro de 1972 
  2. «Bélgica». UNESCO 
  3. «22nd session of the World Heritage Committee». UNESCO. Consultado em 9 de setembro de 2021 
  4. «Beguinarias Flamengas». UNESCO 
  5. «Grand-Place de Bruxelas». UNESCO 
  6. «Elevadores do Canal do Centro e seus arredores: La Louvière e Le Rœulx». UNESCO 
  7. «Campanários da Bélgica e da França». UNESCO 
  8. «Catedral de Nossa Senhora de Tournai». UNESCO 
  9. «Obras de Victor Horta em Bruxelas». UNESCO 
  10. «Centro Histórico de Bruges». UNESCO 
  11. «Minas Neolíticas de Silex de Spiennes». UNESCO 
  12. «Casa, escritório e Museu Plantin-Moretus em Antuérpia». UNESCO 
  13. «Casa Stoclet». UNESCO 
  14. «Principais sítios mineiros da Valónia». UNESCO 
  15. «O Trabalho Arquitetônico de Le Corbusier, uma Contribuição Impressionante para o Movimento Moderno». UNESCO 
  16. «Florestas primárias de faias dos Cárpatos e de outras regiões da Europa». UNESCO 
  17. «Grandes cidades termais da Europa». UNESCO 
  18. «World Heritage List Nominations». UNESCO 
  19. «Tentative Lists - Belgium». UNESCO 
  20. «Núcleo medieval histórico (ou Cuve) de Gante e suas abadias». UNESCO 
  21. «Núcleo histórico de Antuérpia». UNESCO 
  22. «Lovaina e seus edifícios universitários, o legado de seis séculos no centro histórico». UNESCO 
  23. «Passagens de Bruxelas / Galeries Royales Saint-Hubert». UNESCO 
  24. «Obra arquitetônica de Henry Van de Velde». UNESCO 
  25. «Palácio da Justiça de Bruxelas». UNESCO 
  26. «Planalto dos Altos Fagnes». UNESCO 
  27. «Palácio dos príncipes-bispos de Liège». UNESCO 
  28. «Campo da Batalha de Waterloo, o fim da epopeia napoleônica». UNESCO 
  29. «Panorama da Batalha de Waterloo, um exemplo particularmente significativo do "Fenômeno Panorama"». UNESCO 
  30. «Cidadelas do Mosa». UNESCO 
  31. «Paisagem de transição rural-industrial de Hoge Kempen». UNESCO 
  32. «Cemitério e memoriais da Primeira Guerra Mundial (Frente Ocidental)». UNESCO 
  33. «Sítios de fósseis neandertais da Valônia». UNESCO 
  34. «Hospital Notre-Dame à la Rose em Lessines». UNESCO