Lista do Patrimônio Mundial na Bósnia e Herzegovina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Localização dos Sítios do Patrimônio Mundial na Bósnia e Herzegovina.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) propôs um plano de proteção aos bens culturais do mundo, através do Comité sobre a Proteção do Património Mundial Cultural e Natural, aprovado em 1972.[1] Esta é uma lista do Patrimônio Mundial existente na Bósnia e Herzegovina, especificamente classificada pela UNESCO e elaborada de acordo com dez principais critérios cujos pontos são julgados por especialistas na área. A Bósnia e Herzegovina sucedeu[nota 1] à convenção em 12 de julho de 1993, tornando seus locais históricos elegíveis para inclusão na lista.[2]

O sítio Ponte Velha do Centro Histórico de Mostar foi o primeiro local da Bósnia e Herzegovina incluído na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por ocasião da 29ª Sessão do Comitè do Património Mundial, realizada em Durban (África do Sul) em 2005.[3] Desde a mais recente adesão à lista, a Bósnia e Herzegovina totaliza 4 sítios classificados como Patrimônio da Humanidade, sendo 3 deles de classificação Cultural e 1 de classificação Natural. A Bósnia e Herzegovina compartilha os sítios: Florestas primárias de faias dos Cárpatos e de outras regiões da Europa (com outras 17 nações do continente) e Cemitério de tumbas medievais Stécci (com Montenegro, Croácia e Sérvia).

Bens culturais e naturais[editar | editar código-fonte]

A Bósnia e Herzegovina conta atualmente com os seguintes lugares declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO:

Bosnia and Herzegovina Apr-28-2012 243 (7155972122).jpg Ponte Velha do Centro Histórico de Mostar
Bem cultural inscrito em 2005.
Localização: Herzegovina-Neretva
A cidade histórica de Mostar, empoleirada no vale do rio Neretva, é uma antiga cidade fronteiriça otomana que se desenvolveu nos séculos XV e XVI. Entre os séculos XIX e XX, pertencia ao Império Austro-Húngaro. Mostar é famosa por suas antigas casas turcas e pela "Stari Most" (Ponte Velha), da qual recebe seu nome. A maior parte do centro histórico da cidade, bem como a ponte projetada pelo famoso arquiteto Sinan, foram destruídas durante o conflito na década de 1990. A ponte foi recentemente reconstruída e muitos edifícios na parte antiga da cidade foram reconstruídos ou restaurados com a ajuda de um comitê científico internacional criado pela UNESCO. O distrito da Ponte Velha é um exemplo notável de assentamento urbano multicultural, como evidenciado por seus variados edifícios pré-otomano, otomano-oriental, mediterrâneo e ocidental. A ponte reconstruída e o centro histórico de Mostar são símbolos de cooperação internacional e da coexistência de diferentes comunidades culturais, étnicas e religiosas. (UNESCO/BPI)
Mehmet pasa bridge and green Drina river.jpg Ponte Mehmed Paša Sokolović
Bem cultural inscrito em 2007.
Localização: República Sérvia
A Ponte de Visegrado foi construída sobre o rio Drina no final do século XVI por Mimar Koca Sinan, o arquiteto do sultão, por ordem do Grão-Vizir Mehmed Sokolović. É característico do auge da arquitetura monumental otomana e da engenharia civil. Consiste em 11 arcos de alvenaria com aberturas de 11 a 15 metros, além de uma rampa de acesso de quatro arcos em ângulos retos, localizados na margem esquerda do rio. A ponte de 179,5 metros de comprimento é um excelente trabalho de um dos maiores arquitetos e engenheiros do período clássico otomano, Sinan, contemporâneo do Renascimento italiano e executor de obras comparáveis às destes. As proporções elegantes e a nobreza excepcional da ponte como um todo atestam a grandeza de seu estilo arquitetônico. (UNESCO/BPI)
Stecci - na Blidinji je nekolik skupin techto nahrobku z 14..jpg Cemitério de tumbas medievais Stécci
Bem cultural inscrito em 2016.
Este bem é compartilhado com:  Croácia, Mónaco e  Sérvia.
Localização: Herzegovina-Neretva / República Sérvia
Este sítio serial está integrado por tumbas medievais (stécci) de trinta locais diversos situados na Bósnia e Herzegovina, no centro-sul da Croácia e na parte ocidental do Montenegro e ao oeste da Sérvia. Estes monumentos fúnebres, característicos destes regiões, datam dos séculos XII a XVI e estão dispostos em fileiras em cemitérios, tal como era costume fazer na Europa desde a Idade Média. Em sua maioria, estão esculpidos em pedra calcária com grande variedade de temas ornamentais e inscrições que mostram não somente a continuidade dos elementos europeus medievais deste tipo, como também a persistência de tradições locais específicas mais antigas. (UNESCO/BPI)
SPR001 STROGI PRIRODNI REZERVAT PRAŠUMA JANJ, ŠIPOVO 2.jpg Florestas primárias de faias dos Cárpatos e de outras regiões da Europa
Bem natural inscrito em 2021.
Este bem é compartilhado com:  Albânia,  Áustria,  Bélgica,  Bulgária,  Croácia,  Itália, Macedónia do Norte Macedônia do Norte,  Polónia, Roménia,  Eslováquia,  Eslovênia, Flag of Spain.svg Espanha e  Ucrânia.
Localização: Mavrovo e Rostusa
Esta extensão transfronteiriça do Patrimônio Mundial de grãos cárpatos primários e antigas florestas de Beedland da Alemanha (Alemanha, Eslováquia e Ucrânia) abrange 12 países. Desde o fim da última Era Glacial, as beterrabas europeias se espalharam de alguns refúgios isolados nos Alpes, nos Cárpatos, no Mediterrâneo e nos Pirenéus por um curto período de alguns milhares de anos em um processo que ainda perdura. Essa expansão bem sucedida está relacionada à flexibilidade das árvores e tolerância a diferentes condições climáticas, geográficas e físicas. (UNESCO/BPI)[4]

Lista Indicativa[editar | editar código-fonte]

Em adição aos sítios inscritos na Lista do Patrimônio Mundial, os Estados-membros podem manter uma lista de sítios que pretendam nomear para a Lista de Patrimônio Mundial, sendo somente aceitas as candidaturas de locais que já constarem desta lista.[5] Desde 2021, a Bósnia e Herzegovina possui 10 locais na sua Lista Indicativa.[6]

Sítio Imagem Localização Ano Dados UNESCO Descrição
[[]] [[Ficheiro:|150px]] [[]] [[]]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Dentro do Sistema das Nações Unidas e todas as suas agências especializadas, a Bósnia e Herzegovina é um Estado sucessor da extinta Iugoslávia.

Referências