Lista do Patrimônio Mundial no Paquistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Localização do Patrimônio Mundial no Paquistão.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) propôs um plano de proteção aos bens culturais do mundo, através do Comité sobre a Proteção do Património Mundial Cultural e Natural, aprovado em 1972.[1] Esta é uma lista do Patrimônio Mundial existente no Paquistão, especificamente classificada pela UNESCO e elaborada de acordo com dez principais critérios cujos pontos são julgados por especialistas na área. O Paquistão, que ocupa um extenso território historicamente agregador das culturas islâmica, hindu e mongol, ratificou a convenção em 23 de julho de 1976, tornando seus locais históricos elegíveis para inclusão na lista.[2]

Ruínas Arqueológicas de Moenjodaro, Taxila e Ruínas Budistas de Takht-i-Bahi e Vestígios de Sahr-i-Bahlol foram os três primeiros locais do Paquistão incluídos na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por ocasião da IVª Sessão do Comité do Patrimônio Mundial, realizada em Paris ([[França]) em 1980. No ano seguinte, foram incluídos os sítios de Forte e Jardins de Shalimar em Lahore e Monumentos Históricos de Thatta. Em 1997, a organização reconheceu o sítio Forte de Rohtas e este segue sendo até os dias atuais como o mais recente sítio do Paquistão declarado Patrimônio Mundial da Humanidade. Desde esta mais recente inclusão, o Paquistão totaliza 6 sítios declarados como Patrimônio Mundial, sendo todos eles de interesse cultural e todos localizados no território do país.

Bens culturais e naturais[editar | editar código-fonte]

O Paquistão conta atualmente com os seguintes lugares declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO:

Mohenjo-daro-2010.jpg Ruínas Arqueológicas de Moenjodaro
Bem cultural inscrito em 1980.
Localização: Sind
Este local abriga as ruínas de uma imensa cidade no Vale do Indo, construída inteiramente em adobe no terceiro milênio a.C. A acrópole erguida em enormes aterros, muros e o rigoroso planejamento do layout da cidade baixa atestam a existência de um urbanismo primitivo estritamente planejado. (UNESCO/BPI)[3]
Double-Headed Eagle Stupa at Sirkap 06.jpg Taxila
Bem cultural inscrito em 1980.
Localização: Punjab
Desde a construção do antigo monte neolítico de Saraikala até a construção da cidade de Sirsukh no século I d.D. C., passando pela ereção dos muros de Sirkap no século II a.C.C., o cerco de Taxila ilustra os estágios do desenvolvimento urbano de uma cidade no Vale do Indo, submetido sucessivamente à influência da Pérsia, Grécia e Ásia Central. Do século V .C até o século I.C. também abrigava um importante centro de ensino budista. (UNESCO/BPI)[4]
Overview photo of Takht Bhai complex.jpg Ruínas Budistas de Takht-i-Bahi e Vestígios de Sahr-i-Bahlol
Bem cultural inscrito em 1980.
Localização: Fronteira Noroeste
O conjunto monástico budista de Takht-i-Bahi (Trono de Origens) foi fundado no início do século I. Sua localização no topo de um morro alto o salvou de sucessivas invasões da região, o que explica seu bom estado de conservação. Nas proximidades estão as ruínas de Sahr-i-Bahlol, uma pequena cidade fortificada da mesma época. (UNESCO/BPI)[5]
Quranic artwork at a decorated grave in the necropolis at Makli, Thatta.jpg Monumentos Históricos de Thatta
Bem cultural inscrito em 1981.
Localização: Sind
Capital de três dinastias sucessivas, antes de cair sob o domínio dos imperadores mughal de Délhi, a cidade de Thatta foi continuamente embelezada entre os séculos XI4 e XVIII. Os remanescentes desta cidade e sua necrópole são um testemunho excepcional da civilização sind. (UNESCO/BPI)[6]
Lahore Fort view from Baradari.jpg Forte e Jardins de Shalimar em Lahore
Bem cultural inscrito em 1981.
Localização: Punjab
Este local compreende duas obras-primas do auge da civilização Mughal, na época do Imperador Sha Jahan. O forte de Lahore inclui em suas paredes um conjunto de palácios e mesquitas de mármore adornadas com mosaicos e douradas. Nas proximidades da cidade, os esplêndidos jardins de Shalamar, escalonados em três terraços, oferecem um exemplo inigualáveis de refinamento artístico com seus pavilhões, cachoeiras e vastas lagoas. (UNESCO/BPI)[7]
Rohtas Fort Magnificent Kabuli Gate.jpg Forte de Rohtas
Bem cultural inscrito em 1997.
Localização: Punjab
Depois de derrotar o imperador Mughal Humayun em 1541, Sher Sha Suri ordenou a construção de um conjunto de fortificações em Rothas, um local estratégico localizado no norte do atual Paquistão. Este forte, chamado Qila Rohtas, nunca foi conquistado e permaneceu intacto até hoje. A principal fortificação é uma parede de mais de quatro quilômetros de perímetro equipado com bastiões e portões monumentais. Este forte é um exemplo excepcional da antiga arquitetura militar muçulmana nesta região da Ásia. (UNESCO/BPI)[8]

Lista Indicativa[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências