Lista do Patrimônio Mundial no Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sítios do Patrimônio Mundial no Reino Unido.

Esta é uma lista do Patrimônio Mundial no Reino Unido, especificamente classificada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).[1] A lista é elaborada de acordo com dez principais critérios e os pontos são julgados por especialistas na área.[2]

O Reino Unido – incluindo os Territórios Britânicos Ultramarinos – possui 31 sítios do Patrimônio Mundial. A listagem da UNESCO contém um sítio localizado entre Inglaterra e Escócia e compartilhado com a Alemanha (as Fronteiras do Império Romano) e outros 17 sítios inteiramente na Inglaterra, 5 na Escócia, 3 no País de Gales, 1 na Irlanda do Norte e 1 em cada um dos territórios ultramarinos de Bermudas, Gibraltar e Santa Helena. Os primeiros sítios no Reino Unido a serem inscritos na lista do Patrimônio Mundial foram: Calçada do Gigante; o Castelo e Catedral de Durham; Desfiladeiro de Ironbridge; Parque Real de Studley; Stonehenge e os Castelos e Muralhas do Rei Eduardo em Venedócia em 1986. O sítio mais recente acrescentado à lista é o Lake District, inscrito em 2017.[3]

A constituição da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (comumente referida como UNESCO) foi ratificada em 1946 por 26 nações, incluindo o Reino Unido. Sua proposta é promover a "conservação e proteção do patrimônio mundial de livros, obras de arte e monumentos de história e ciências". O Reino Unido contribui anualmente com 130 mil libras esterlinas ao Fundo do Patrimônio Mundial, que financia a preservação de sítios nos países em desenvolvimento. Algumas propriedades designadas abrangem múltiplos sítios que compartilham localização geográfica ou herança cultural comuns.

A Comissão Nacional do Reino Unido para a UNESCO auxilia e aconselha o Governo britânico na manutenção dos Sítios do Patrimônio Mundial de acordo com as políticas relativas à UNESCO. A Comissão Nacional do Reino Unido para a UNESCO realizou uma pesquisa em 2014 sobre o Valor da UNESCO para o Reino Unido e concluiu que os sítios de Patrimônio Mundial geraram uma renda de 85 milhões de libras esterlinas de abril de 2014 a março de 2015, através de sua associação com a rede global.

Os critérios de seleção i-vi são relativos à cultura enquanto os critérios de seleção vii-x são relativos à natureza. Vinte e três propriedades são designadas como bem "cultural", quatro como "natural" e uma como "misto". A repartição dos sítios por classificação foi semelhante às proporções globais; dos 890 sites da Lista do Patrimônio Mundial, 77.4% são culturais, 19.8% são naturais e 2.8% são mistos. Saint Kilda é o único Patrimônio Mundial misto no Reino Unido. Originalmente preservado apenas por conta de seus habitats naturais, em 2005, o sítio foi expandido para incluir a comunidade que habitava o arquipélago; o sítio tornou-se um dos 25 sítios mistos em todo o mundo. Os sítios naturais são a Costa Jurássica; Calçada do Gigante; as Ilhas Gough e Inacessível e a Ilha Henderson. O restante dos sítios são bens culturais.

Em 2012, o Comitê do Patrimônio Mundial acrescentou o sítio Cidade Mercantil Marítima de Liverpool à Lista do Património Mundial em perigo, citando comprometimentos à integridade do traçado urbano do local.[4]

Bens culturais e naturais[editar | editar código-fonte]

O Reino Unido possui atualmente os seguintes lugares declarados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO:

Fountains Abbey view02 2005-08-27.jpg Parque Real de Studley com as Ruínas da Abadia de Fountains
Bem cultural inscrito em 1986, modificado em 2012.
Localização: Inglaterra North Yorkshire
Criado em torno das ruínas da Abadia cisterciense de Fountains e do castelo de Fountains Hall, no condado de North Yorkshire, o esplêndido conjunto paisagístico formado por uma série de jardins e canais do século XVIII, diversas plantações e perspectivas panorâmicas do século XIX e o palácio neogótico de Studley Royal, conferem a este sítio um valor excepcional. (UNESCO/BPI)[5]
Stonehenge back wide.jpg Stonehenge, Avebury e Sítios Associados
Bem cultural inscrito em 1986, modificado em 2008.
Localização: Inglaterra Wiltshire
Criado em torno das ruínas da Abadia cisterciense de Fountains e do castelo de Fountains Hall, no condado de North Yorkshire, o esplêndido conjunto paisagístico formado por uma série de jardins e canais do século XVIII, diversas plantações e perspectivas panorâmicas do século XIX e o palácio neogótico de Studley Royal, conferem a este sítio um valor excepcional. (UNESCO/BPI)[6]
Conwy Castle.jpg Castelos e Muralhas do Rei Eduardo em Venedócia
Bem cultural inscrito em 1986.
Localização: País de Gales Gwynedd
Situados no antigo principado de Gwynedd, na região norte do País de Gales, os catelos de Beaumaris e Harlech foram construídos por Jaime de São Jorge, o mais brilhante engenheiro militar de sua época. De igual modo, os recintos fortificados de Caernarfon e Conwy mantêm-se em estado de conversação admirável e constituem não somente um valioso testemunho da obra colonizadora e defensiva levada a cabo por Eduardo I de Inglaterra ao longo de seu reinado (1272-1307), como também um exemplo excepcional da arquitetura militar medieval. (UNESCO/BPI)[7]
Ruabhal Dun St Kilda.jpg St Kilda
Bem natural inscrito em 1986, com extensões em 2004 e 2005.
Localização: Escócia Hébridas Exteriores
Este arquipélago vulcânico de paisagens espetaculares, formado pelas ilhas de Hirta, Dun, Soay e Boreray, faz frente às costas das Hébridas e possui algumas das mais altas falésias do continente europeu, onde vivem imensas colônias de espécies pouco comuns de aves marinhas em perigo de extinção, em particular fradinhos e gansos-patola. Despovoado em 1930, o arquipélago de Saint Kilda possui vestígios que atestam uma presença constante do homem nestas paisagens isoladas e inóspitas da região das Ilhas Hébridas Exteriores por mais de 2 mil anos. Entre tais vestígios, destacam-se os sistemas de exploração agrários denominados cleits e as tradicionais casas de pedra das Highlands, frágeis pegadas de um assentamento humano com economia de subsistência baseada na avicultura, agricultura e ovinocultura. (UNESCO/BPI)[8]
Ironbridge002.JPG Desfiladeiro de Ironbridge
Bem cultural inscrito em 1986.
Localização: Inglaterra Shropshire
Símbolo mundialmente célebre da Revolução Industrial, a região mineira de Ironbridge apresenta todos os elementos – desde as minas até as locomotivas – que contribuíram para o auge industrial da região circunvizinha desde o século XVIII. Em suas cercanias, localiza-se o alto-forno de Coalbrookdale, construído em 1708, que traz à memória o descobrimento da fundição de coque. A ponte que dá nome à localidade – primeira de metal em todo o mundo – exerceu uma influência considerável na tecnologia e arquitetura de épocas posteriores. (UNESCO/BPI)[9]
Causeway-code poet-4.jpg Calçada dos Gigantes
Bem natural inscrito em 1986.
Localização: Irlanda do Norte Antrim
Aos pés das falésias fronteiriças ao planalto de Antrim, na Irlanda do Norte, a Calçada dos Gigantes, formada por 40 mil colunas de basalto, se une suavemente ao mar. Sua fantástica aparência têm inspirado lendas de gigantes que cruzaram o mar e chegaram até as costas da Escócia. Os estudos que têm como objeto estas formações geológicas nos últimos três séculos têm constribuído para o desenvolvimento das ciências da terra mostrando que esta paisagem espetacular foi originada pela atividade vulcânica cenozoica há 50 ou 60 milhões de anos. (UNESCO/BPI)[10]
Durham Cathedral. Interior.jpg Catedral e Castelo de Durham
Bem cultural inscrito em 1986, modificado em 2008.
Localização: Inglaterra Durham
Construída entre o final do século XI e início do século XII para conservar as relíquias de São Cuteberto, evangelizador da Nortúmbria, e das de São Beda, o Venerável, a Catedral de Durham o mais esplêndido monumento da arquitetura normanda em Inglaterra, bem como um testemunho da importância das primeiras comunidades monásticas beneditinas neste país. A audácia inovadora de suas abóbadas prefigura a arte gótica. Por detrás da catedral, ergue-se o castelo, uma antiga fortaleza normanda que serviu de residência aos bispos-príncipes de Durham. (UNESCO/BPI)[11]
Hadrian's wall at Greenhead Lough.jpg Fronteiras do Império Romano
Bem cultural inscrito em 1987, estendido em 2005 e 2008.
Localização:  Alemanha/ Reino Unido
Este sítio é composto por duas seções da fronteira do Império Romano (limes romanus) que datam de seu apogeu (século II) e se estendem por mais de 550 km pela Alemanha, seguindo sentido noroeste-sudeste até a região do Danúbio. O sítio foi inscrito como uma extensão da Muralha de Adriano (Reino Unido), que já figurava na Lista do Patrimônio Mundial desde 1987. O limes romanus possuía comprimento total de 5 mil km e cortava todo o continente deste a costa atlântica setentrional da Grã-Bretanha até o Mar Negro. Desde então, seu traçado se orientava ao Mar Vermelho para chegar pelo Norte da África até alcançar novamente a costa do Atlântico. As duas seções do limes abrigam vestígios de muralhas, fossos, fortes, citadelas, torres de vigia e habitações civis. Alguns destes elementos foram descobertos através de escavações arqueológicas ou foram reconstruídos, enquanto outros se perderam eternamente. A Muralha de Adriano, que possui comprimento de 118 km, é um notável exemplo da maneira em que se organizava uma zona militar na Roma Antiga. (UNESCO/BPI)[12]
Puente Pulteney, Bath, Inglaterra, 2014-08-12, DD 52.JPG Cidade de Bath
Bem cultural inscrito em 1987.
Localização: Inglaterra Somerset
Fundada pelos romanos próximo a fontes termais, a cidade de Bath tornou-se um importante centro da produção de lã na Idade Média. No século XVIII, durante o reinado de Jorge III, transformou-se em uma elegante cidade de edifícios neoclássicos em estilo palladiano que se integram harmonicamente com o conjunto formado pelas termas romanas. (UNESCO/BPI)[13]
Blenheim palace, Oxfordshire (18837402319).jpg Palácio de Blenheim
Bem cultural inscrito em 1987.
Localização: Inglaterra Oxfordshire
Nas proximidades de Oxford, em meio a um parque romântico criado pelo célebre paisagista Capability Brown, ergue-se o Palácio de Blenheim doado pela nação inglesa a John Churchill, primeiro Duque de Marlborough, em reconhecimento à vitória que obteve sobre as tropas franco-bávaros em 1704. Construído entre 1705 e 1722, este palácio caracterizado por seu estilo eclético e um retorno às fontes inspiradoras de raízes nacionais, é um exemplar perfeito de residência principesca do século XVIII. (UNESCO/BPI)[14]
Parliament at Sunset.JPG Palácio, Abadia de Westminster e Igreja de Santa Margarida
Bem cultural inscrito em 1987, modificado em 2008.
Localização: Inglaterra Londres
Reconstruído a partir de 1840 na cercania de importantes vestígios medievais, o Palácio de Westminster é um exemplar eminente, coerente e completo do estilo neogótico. Este monumento forma um conjunto de grande significado histórico e simbólico com a célebre Abadia de mesmo nome – na qual têm sido coroados todos os soberanos britânicos desde o século XI – e a pequena igreja medieval de Santa Margarida, de estilo gótico perpendicular. (UNESCO/BPI)[15]
Henderson.JPG Ilha Henderson
Bem natural inscrito em 1988.
Localização: Reino Unido Ilhas Pitcairn (Territórios Britânicos Ultramarinos)
Situada no Pacífico Oriental, a Ilha Henderson é um dos poucos atóis do mundo que conserva praticamente intactos seus ecossistemas. Sua condição isolada permite observar em boas condições a dinâmica da evolução das ilhas e a seleção natural das espécies. É particularmente importante por dez espécies endêmicas de plantas e quatro de aves terrestres. (UNESCO/BPI)[16]
Canterbury Cathedral - Portal Nave Cross-spire.jpeg Catedral de Cantuária, Abadia de Santo Agostinho e Igreja de São Martinho
Bem cultural inscrito em 1988.
Localização: Inglaterra Kent
Situada no condado de Kent, a pequena cidade de Cantuária é a sede da primazia da Igreja Anglicana. Seus monumentos mais importantes são: a humilde Igreja de São Martinho, a mais antiga da Inglaterra; as ruínas da Abadia de Santo Agostinho da Cantuária, que trazem à memória a missão evangelizadora empreendida por este no ano de 597 nos reinos da Heptarquia; e a soberba Igreja-Catedral de Cristo, cenário do assassinato do Arcebispo Thomas Becket no ano de 1170, cuja arquitetura abriga com incrível harmonia os estilos românico e gótico perpendicular. (UNESCO/BPI)[17]
Tower of London viewed from the River Thames.jpg Torre de Londres
Bem cultural inscrito em 1988.
Localização: Inglaterra Londres
Imponente fortaleza carregada de história, a Torre de Londres converteu-se com o tempo em um dos mais importantes símbolos da monarquia britânica. Foi erguida em torno da Torre Branca, construída por Guilherme, o Conquistador às margens do Tâmisa para proteger a cidade e consolidar seu poder. Esta edificação, modelo exemplar da arquitetura militar romana, exerceu uma grande influência sobre as construções defensivas em todo o reino. (UNESCO/BPI)[18]
Inaccessible Island ASTER.jpg Ilhas Gough e Inacessível
Bem natural inscrito em 1995, estendido em 2004.
Localização: Santa Helena (território) Santa Helena (Territórios Britânicos Ultramarinos)
Situadas no Altântico Sul, a Ilha Gough e a Ilha Inacessível figuram entre os menos alterados ecossistemas insulares marinhos da zona temperada fria. Ambas as ilhas possuem imponentes falésias que se erguem como altas torres em meio ao oceano e abrigam uma das mais importantes colônias de pássaros do planeta. Além disto, apresentam a característica de não abrigar nenhum mamífero. A Ilha Gough abriga doze espécies endêmicas de plantas e duas de aves terrestres: a galinhola e o rowettie de Gough. Por sua vez, a Ilha Inacessível conta com duas espécies endêmicas de aves, oito de plantas e dez de invertebrados, no mínimo. (UNESCO/BPI)[19]
2010-11-04 13-43-15 United Kingdom Scotland Edinburgh HDR.jpg Cidade Velha e Cidade Nova de Edimburgo
Bem cultural inscrito em 1995.
Localização: Escócia Lothian
Capital escocesa desde o século XV, Edimburgo oferece a face duplicada de sua Cidade Antiga, dominada por uma fortaleza medieval, e de sua Cidade Nova, construída em estilo neoclássico a partir do século XVIII. O traçado desta última exerceu uma grande influência no urbanismo de outras cidades europeias. A abundância de edifícios de grande valor nestas zonas históricas tão distintas, assim como sua harmoniosa justaposição, conferem à cidade seu caráter único. (UNESCO/BPI)[20]
Greenwich Hospital from Thames.jpg Greenwich Marítimo
Bem cultural inscrito em 1997.
Localização: Inglaterra Londres
O conjunto de edifícios de Greenwich, um subúrbio de Londres, e o parque no qual se encontram simbolizam os esforços artísticos e científicos da Inglaterra durante os séculos XVII e XVIII. A Queen's House - do arquiteto Inigo Jones - foi a primeira villa palladiana na Inglaterra, enquanto o complexo abrigou até pouco tempo a Real Escola Naval, foi projetado por Sir Christopher Wren. O parque, baseado em conceito original do paisagista francês André Le Nôtre, contém o antigo Observatório Real, com os trabalhos de Sir Christopher Wren e do cientista Robert Hooke. (UNESCO/BPI)[21]
Stones of stenness 1 anne l.jpg Coração Neolítico das Órcades
Bem cultural inscrito em 1999.
Localização: 2007 Flag of Orkney.svg Órcades
O grupo de monumentos neolíticos da Ilhas Órcades compreende uma grande tumba com câmaras funerárias (Maeshowe), dois círculos de pedras cerimoniais (as Rochas de Stenness e o Círculo de Brodgar) e um local de povoamento (Skara Brae), assim como alguns sítios funerários, lugares cerimoniais e assentamentos humanos que todavia não foram explorados. Em seu conjunto, estes vestígios formam uma importante paisagem cultural pré-histórica, ilustrativa do modo de vida do homem neste remoto arquipélago do norte da Escócia há 5 mil anos. (UNESCO/BPI)[22]
Bermuda-Harbour and Town of St George.jpg Cidade Histórica de Saint George e Fortificações Relacionadas, Bermudas
Bem cultural inscrito em 2000.
Localização: Bermudas Bermudas
Fundada em 1612, a cidade de Saint George é um exemplo excepcional dos primeiros assentamentos urbanos ingleses no Novo Mundo. Suas fortificações são um vívido exemplo da evolução da engenharia militar inglesa entre os séculos XVII e XX, assim como de sua adaptação aos avanços da artilharia com o decorrer do tempo. (UNESCO/BPI)[23]
Wales blaenavon bigpit.jpg Paisagem Industrial de Blaenavon
Bem cultural inscrito em 2000.
Localização: País de Gales Torfaen
A paisagem dos arredores de Blaenavon evidencia o papel preponderante desempenhado pela região do sul do País de Gales a nível mundial, ao longo do século XIX, na produção de ferro e carvão, já que todos os elementos necessários para esta podem ser encontrados no local: minas de ferra e hulha, caldeiras, uma rede ferroviária primitiva, fornos de fundição, casas de operários e vestígios da infraestrutura social da comunidade. (UNESCO/BPI)[24]
Cromford Mill - geograph.org.uk - 1285680.jpg Moinhos do Vale do Derwent
Bem cultural inscrito em 2001.
Localização: Inglaterra Derbyshire
Situado na Inglaterra Central, o Vale do Derwent abriga várias fábricas de algodão que datam dos séculos XVIII e XIX e sua paisagem industrial oferece um grande interesse histórico e tecnológico. A indústria têxtil moderna teve sua origem nas manufaturas de Cromford, nas quais se aplicaram pela primeira vez as invenções de Richard Arkwright à produção em grande escala. As residências operárias e outros manufaturas conservam-se intactas e constituem um testeminho do desenvolvimento socioeconômico da região. (UNESCO/BPI)[25]
Saltaire from Leeds and Liverpool Canal.jpg Saltaire
Bem cultural inscrito em 2001.
Localização: Inglaterra West Yorkshire
Situado na região oeste do condado de Yorkshire, Saltaire é um povoado industrial construído na segunda metade do século XIX que têm se conservado íntegro e em bom estado. Suas fábricas têxteis, edifícios públicos e residências operárias se destacam pelo estilo harmonioso e grande qualidade arquitetônica. Seu traçado urbanístico permaneceu intacto em seu conjunto e oferece uma imagem vívida da aplicação das ideias do paternalismo filantrópico na Era vitoriana. (UNESCO/BPI)[26]
2016 - New Lanark (26217879915).jpg New Lanark
Bem cultural inscrito em 2001.
Localização: Escócia South Lanarkshire
Situada numa magnífica paragem da Escócia, a pequena aldeia de New Lanark foi o local onde o filantropo utópico Robert Owen estabeleceu uma comunidade industrial modelo no início do século XIX. As imponentes construções das manufaturas têxteis, as espaçosas e bem projetadas residências dos operários, o digno edíficio do instituro de educação e a escola são, todavia, testamentos do ideal humanista que inspirou a ação de Owen. (UNESCO/BPI)[27]
Kew Gardens Palm House, London - July 2009.jpg Reais Jardins Botânicos de Kew
Bem cultural inscrito em 2003.
Localização: Inglaterra Grande Londres
Estes jardins constituem um verdadeira paisagem histórica, cujos elementos são ilustrativos das distintas etapas pelas quais passou a arte paisagística entre os séculox XVIII e XX. As coleções botânicas de Kew, integradas por documentos e plantas conservadas ou vivas, foram enriquecidas consideravelmente ao longo dos séculos. Desde sua criação em 1759, estes jardins prestaram uma contribuição contínua e importante ao estudo da diversidade das plantas, assim como suas aplicações econômicas. (UNESCO/BPI)[28]
Albert dock at night.jpg Cidade Mercantil Marítima de Liverpool
Bem cultural inscrito em 2004.
Localização: Inglaterra Meyerside
Este sítio compreende seis setores do centro histórico e zona portuária da cidade de Liverpool, que testificam a história do desenvolvimento de um dos mais importantes centro comerciais marítimos do mundo nos séculos XVIII e XIX. A cidade de Liverpool não somente desempenhou um papel de primeira importância na prosperidade do Império Britânico, como também converteu-se no principal foco de uma série de deslocamentos humanos massivos rumo à América: comércio de escravos e emigração das populações da Europa Setentrional. Liverpool foi também uma cidade precursora na criação de tecnologias e métodos de gestão portuários, assim como de sistemas de transporte modernos. O sítio compreende um grande número de importantes edifícios comerciais, civis e públicos, especialmente os do setor de St. George’s Plateau. (UNESCO/BPI)[29]
Cyniczna kopalnia.jpg Paisagem Mineira da Cornualha e de Devon Ocidental
Bem cultural inscrito em 2006.
Localização: Inglaterra Cornualha / Devon
A paisagem do Condado de Cornualha e do oeste do Condado de Devon sofreu uma grande transformação no século XVIII e início do XIX, devido ao rápido auge da exploração de cobre e estanho. Os profundos poços mineiros, as oficinas, as fundações, as cidades novas, as pequenas propriedades e os portos e indústrias anexos refletem o prolífico e inovador espírito que impulsionou o desenvolvimento industrial da região, onde se produzia 2/3 do cobre mundial no século XIX. Os numerosos vestígios industriais dão conta da contribuição de ambos os condados à Revolução Industrial no restante da Grã-Bretanha, assim como a influência decisiva desta região no mundo minerador. A tecnologia da Cornualha - máquinas, edifícios industriais e equipamentos de mineração - expandiu-se pelo mundo inteiro. Cornualha e o oeste de Devon foram motores da rápida difusão da tecnologia mineradora. (UNESCO/BPI)[30]
WalesC0047.jpg Canal e Aqueduto Pontcysyllte
Bem cultural inscrito em 2009.
Localização: País de Gales Wrexham
O Canal de Pontcysyllte, que corta o nordeste do País de Gales por 18 km, é uma autêntica proeza da engenharia civil da Revolução Industrial. Sua construção, que remonta ao início do século XIX, exigiu superar importantes obstáculos geográficos e realizar importantes e audazes obras de engenharia, já que foi construído sem nenhuma sustentação. A ponte-canal, projetada pelo célebre engenheiro Thomas Telford, é uma obra precursora tanto pela tecnologia empregada, como por sua monumental arquitetura metálica. O recurso simultâneo do ferro fundido e forjado permitiu a construção de arcos breves e resistentes, que dão à ponte-canal um aspecto imponente e elegante. O sítio foi inscrito na lista do Patrimônio Mundial na qualidade de obra-prima do gênio criativo humano, assim como síntese notável dos conhecimentos técnicos da Europa à época. Com sua inscrição, se reconhece também seu caráter de conjunto inovador que inspirou muitos outros projetos de engenharia no mundo inteiro. (UNESCO/BPI)[31]
Bb-forthrailbridge.jpg Ponte sobre o Rio Forth
Bem cultural inscrito em 2015.
Localização: Escócia Fife
Esta ponte ferroviária que cruza o estuário do rio Forth na Escócia é a maior ponte multi-estaiada de mísula do mundo. Foi inaugurada em 1890 e continua transportando passageiros e carga. Sua distintiva estética industrial é resultado da união de componentes estruturais de maneira direta e discreta. Inovadora em estilo, material e escala, a Ponte do Forth é um importante feito na concepção de pontes e construção durante o período em que os trens passaram a dominar as viagens de longa distância. (UNESCO/BPI)[32]

Lista indicativa[editar | editar código-fonte]

Sítios não considerados[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «World Heritage Convention». UNESCO 
  2. «Critérios operacionais da Convenção para o Património Mundial» (PDF). UNESCO. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  3. «UNESCO awards Lake District as World Heritage Site status». BBC News. 9 de julho de 2017. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  4. «Liverpool – Maritime Mercantile City Threats to the Site (2012)». Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  5. «Parque de Studley Royal y ruinas de la abadía de Fountains». UNESCO. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  6. «Stonehenge, Avebury y sitios asociados». UNESCO. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  7. «Castillos y recintos fortificados del rey Eduardo I». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  8. «San Kilda». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  9. «Garganta de Ironbridge». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  10. «Calzada y Costa de los Gigantes». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  11. «Catedral y Castillo de Durham». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  12. «Fronteras del Imperio Romano». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  13. «Ciudad de Bath». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  14. «Palacio de Blenheim». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  15. «Palacio y Abadía de Westminster incluyendo la Iglesia de Santa Margarita». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  16. «Isla de Henderson». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  17. «Catedral, Abadía de San Agustín e Iglesia de San Martín en Canterbury». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  18. «Torre de Londres». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  19. «Islas Gough y Inaccesible». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  20. «Ciudad Vieja y Ciudad Nueva de Edimburgo». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  21. «Greenwich Marítimo». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  22. «Núcleo neolítico de las Orcadas». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  23. «Ciudad Histórica de Saint George y Fortificaciones Anejas». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  24. «Paisaje Industrial de Blaenavon». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  25. «Fábricas del Valle del Derwent». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  26. «Saltaire». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  27. «New Lanark». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  28. «Jardines Botánicos Reales de Kew». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  29. «Liverpool - Puerto Marítimo Mercantil». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  30. «Paisaje Minero de Cornualles y el Oeste de Devon». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  31. «Puente-Canal y Canal de Pontcysyllte». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 
  32. «Puente sobre el río Forth». UNESCO. Consultado em 20 de janeiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]