Listel Listas Telefônicas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Listel - Listas Telefônicas
Atividade Editora
Fundação 1983
Encerramento 2005
Sede São Paulo
Proprietário(s) Grupo ABC (1983-1984)
Grupo Abril (1984-1999)
BellSouth (1999-2005)
Empregados 1.150 (1997)
Produtos Listas telefônicas
Sucessora(s) Publicar do Brasil
Website oficial www.listel.com.br

Listel - Listas Telefônicas foi uma editora especializada em listas telefônicas, líder do mercado brasileiro no período em que as empresas de telecomunicações eram vinculadas ao sistema Telebras[1].

História[editar | editar código-fonte]

Em 1983, através de nova legislação que passou a regular o setor de listas no país, as operadoras do sistema Telebras foram obrigadas a licitar a produção de listas telefônicas[2], e desta forma houve uma ebulição neste mercado, com novas empresas entrando nele[3].

Foi nesse contexto que surgiu a Listel, empresa criada em 9 de novembro de 1983 pelo Grupo ABC (atual Grupo Algar)[4][5]. Em 1984 a Listel foi adquirida pelo Grupo Abril e pela US West, empresa líder de mercado nos Estados Unidos no segmento de listas telefônicas[6].

Participando das licitações ocorridas no ano de 1984 a Listel passou a ser uma das editoras oficiais do sistema Telebras[7]. A primeira licitação que a Listel venceu foi a da CRT do Rio Grande do Sul, e logo em seguida venceu as licitações da CTBC-Borda do Campo, da Telesc e da CTMR[4].

A empresa também venceu outras licitações e passou a editar as listas telefônicas das seguintes operadoras:[8]

  • Região Norte (Teleron, Teleacre, Telamazon, Telaima, Telepará e Teleamapá)
  • Região Centro-Oeste (Telemat e Telems)
  • Região Nordeste (Telma e Telepisa)
  • Região Sudeste (um dos lotes de listas telefônicas da Telesp, maior mercado do país)

Posteriormente substituiu a editora LTN na edição das listas da Teleceará, da Telern, da Telpa e da Telpe, e a editora ABC-Sabe na edição das listas da Telegoiás e da Telebrasília[8], consolidando ainda na década de 80 a liderança do mercado brasileiro, situação em que permaneceu até o final da década de 90[9][10].

A partir de 1997 nova legislação sobre o assunto liberou a criação e edição de listas telefônicas por qualquer agente privado, aumentando dessa forma a concorrência[2]. Mesmo após a Privatização da Telebrás em 1998 a empresa foi contratada pelas novas operadoras para editar listas, só que a popularização da internet acabou provocando um declínio acentuado do setor de listas impressas.

Em 1999 o Grupo Abril e a MediaOne (US West) venderam a Listel para a BellSouth[11][12][13], que em 2005 vendeu a Listel para a Publicar do Brasil (de propriedade do Grupo Carvajal), que incorporou a empresa mas continuou utilizando a marca[14].

A Listel era uma das empresas associadas à ABL (Associação Brasileira de Listas Telefônicas), que representava a categoria econômica das editoras de listas telefônicas em todo território nacional e defendia os seus interesses[15].

Abrangência[editar | editar código-fonte]

Em 1997 a Listel era a editora oficial de 21 operadoras[16], cobrindo geograficamente 82% do território nacional e cerca de 2.400 municípios. Atendia 42% dos terminais telefônicos do país, editando 87 listas telefônicas com uma tiragem de 8,5 milhões de exemplares distribuídos anualmente[6][9][10].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Listel - Listas Telefônicas». web.archive.org. 8 de abril de 1997. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  2. a b «ABL - Legislação brasileira que trata sobre a edição de listas telefônicas». web.archive.org. 1 de abril de 2015. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  3. «Telebrasil - Maio/Junho 1984». mfpaper.com.br. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  4. a b «Page 64 - Telebrasil - Setembro/Outubro 1984». mfpaper.com.br. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  5. Martins, Yuri (26 de março de 2020). «Algar 90 anos - De 1980 a 1989». Algar 90 anos. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  6. a b «Conheça a Listel». web.archive.org. 8 de abril de 1997. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  7. «Page 12 - Telebrasil - Março/Abril 1991». mfpaper.com.br. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  8. a b «Page 14 - Telebrasil - Janeiro/Fevereiro 1986». mfpaper.com.br. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  9. a b «Page 12 - Telebrasil - Novembro/Dezembro 1996». mfpaper.com.br. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  10. a b «Listel - Estados: Produtos e Serviços». web.archive.org. 8 de abril de 1997. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  11. «BellSouth anuncia a compra da Listel - Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: economia». Jornal Diário do Grande ABC. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  12. Redação (9 de junho de 1999). «BellSouth comunica oficialmente compra da Listel». TELETIME News. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  13. «Folha de S.Paulo - Telecomunicações: Processo revela manobra da Telefônica - 30/04/2000». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  14. «A reinvenção das listas telefônicas». ISTOÉ DINHEIRO. 10 de janeiro de 2014. Consultado em 5 de dezembro de 2020 
  15. «ABL - Associação Brasileira de Listas Telefônicas». web.archive.org. 27 de maio de 2014. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  16. «Listel - Companhias Telefônicas». web.archive.org. 8 de abril de 1997. Consultado em 7 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.