LiveJournal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LiveJournal
LiveJournal icon.svg
Screenshot LiveJournal.png
Pagina inicial do LiveJournal.
Proprietário(s) Rambler Media Group
Requer pagamento? Opcional
Gênero Blogs, Comunidade virtual
Cadastro Público
Idioma(s) Inglês, português
e em mais 31 línguas
Lançamento 15 de abril de 1999 (21 anos)
Posição no Alexa Aumento 392 (2020) [1]
Desenvolvedor Brad Fitzpatrick
Endereço eletrônico www.livejournal.com

LiveJournal é um serviço de rede social, onde os usuários da Internet podem manter um blog, um jornal ou um diário. Cada usuário tem um perfil com o qual pode interagir com comunidades e outros usuários. O serviço padrão é gratuito, mas há também a possibilidade de atualizar para conta premium.[2]

O LiveJournal iniciou em 15 de Abril de 1999 com o programador americano Brad Fitzpatrick, tendo ideia de ser uma maneira de manter seus amigos do ensino médio atualizados sobre suas atividades[3]. Em Janeiro de 2005 a empresa Six Apart comprou a Danga Interactive, a empresa que conduzia o LiveJournal.[4]


História[editar | editar código-fonte]

A empresa-mãe do LiveJournal, Danga Interactive, foi formada e mantida inteiramente por Brad Fitzpatrick. Ele vendeu a empresa para a Six Apart em 2005. Os rumores da venda iminente foram relatados pela primeira vez pelo jornalista do Business 2.0, Om Malik em Janeiro de 2005[5]. Brad Fitzpatrick confirmou a venda e insistiu que os princípios básicos do site não seriam descartados pelo novo propriedade.[6]

O LiveJournal tornou-se extremamente popular na Rússia. LiveJournal (Russo: ЖЖ) tornou-se uma marca genérica para blogs na Rússia, e a comunidade possui algo perto de 700.000 LiveJournals russos, talvez 300.000 deles ativos[7]. A Six Apart licenciou a marca LiveJournal para a empresa russa SUP Media em agosto de 2006. O acordo foi intermediado com a assistência de Fitzpatrick, mas russos expatriados expressaram preocupações, citando vínculos entre a empresa e a segurança do estado. Alguns também temem que a compra da comunidade pela SUP seja menos para obter lucro e mais para reduzir ou até dissolver a forte comunidade independente de blogs russos, silenciando a dissidência que o governo considerou inconveniente.[7]

Em uma entrevista em março de 2008, Anton Nosik, consultor da SUP Media, acusou os usuários do LiveJournal de "tentar nos assustar e chantagear, ameaçando destruir nossos negócios" e disse que uma grande classe de usuários está no LiveJournal apenas para prejudicá-lo e seus donos; "o objetivo deles é criticar, desestabilizar e arruinar nossa reputação". Nosik disse que sua reação provável a essa pressão seria retaliar os usuários em vez de se curvar à pressão deles.[8]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Privacidade[editar | editar código-fonte]

O LiveJournal fornece uma opção destinada a reduzir as chances de os mecanismos de pesquisa indexarem um diário; no entanto, a única maneira de tornar completamente impossível a ocorrência dessa indexação é definir a segurança da entrada como "somente amigos" ou superior ao publicar a entrada pela primeira vez. Se uma entrada for publicada primeiro publicamente e depois editada para refletir um nível de segurança mais alto, ela poderá já ter sido indexada por um mecanismo de pesquisa no período entre a edição de segurança.[9]

Casos legais e censura[editar | editar código-fonte]

Processos contra blogueiros[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o blogueiro russo Savva Terentyev foi acusado de fomentar o ódio social à equipe do Ministério da Administração Interna e condenado a um ano de liberdade condicional por seu comentário no blog de um jornalista local. Mais tarde, outro número de indivíduos foi acusado de pedir atividades extremistas, difamação e incitação ao ódio interétnico.[10][11]

Bloqueio do LiveJournal[editar | editar código-fonte]

Em maio de 2007, o governo chinês começou a bloquear o LiveJournal. De acordo com o Six Apart, havia 8.692 blogueiros chineses autorreferidos no site.[12][13]

Em outubro de 2010, o LiveJournal foi bloqueado no Cazaquistão por ordem judicial devido a blogs contendo conteúdo extremista.[14]

Em março de 2012, o Uzbequistão começou a bloquear o LiveJournal. Embora a página inicial e muitos dos artigos anunciados continuassem acessíveis, os blogs contribuídos por certos autores conhecidos não puderam ser acessados ​​no Uzbequistão.[15]

Outros sites executando o mecanismo LiveJournal[editar | editar código-fonte]

O software executando o LiveJournal é principalmente escrito em Perl. Foi um software de código aberto sob a GNU General Public License até 2014, quando o LiveJournal fechou seu repositório de código fonte oficial ao público; a licença continua a ser aplicada ao código antigo antes desta alteração.[16]

Por ser um software de código aberto , muitas outras comunidades foram projetadas usando o software LiveJournal, com recursos e formatos muito semelhantes aos do LiveJournal, incluindo Dreamwidth, InsaneJournal, DeadJournal e GreatestJournal (extinto).[17]

Veja Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Livejournal.com Site Info». Alexa Internet. Consultado em 17 de fevereiro de 2020 
  2. «As melhores ferramentas gratuitas para criar e começar seu blog». Canaltech. 3 de agosto de 2018. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  3. «Questão do FAQ número 4». www.livejournal.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  4. «Weblogging Software Leader Six Apart Acquires LiveJournal». www.businesswire.com (em inglês). 6 de janeiro de 2005. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  5. Malik, Om (4 de janeiro de 2005). «Six Apart to buy Live Journal». gigaom.com (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  6. Fitzpatrick, Brad (5 de janeiro de 2005). «Big news... Six Apart and LiveJournal!». news.livejournal.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  7. a b «Russia Growls at LiveJournal Deal». Wired. 8 de novembro de 2006. ISSN 1059-1028 
  8. «Збранное: Желающим предоставят пещеру». Izbrannoe.info. 7 de fevereiro de 2010. Consultado em 18 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 7 de fevereiro de 2010 
  9. «Questão do FAQ número 24». www.livejournal.com. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  10. «Threatened Voices | Bloggers | Savva Terentyev». threatened.globalvoicesonline.org. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  11. «Threats to Internet freedom in Russia, 2008-2011: An independent survey - Internet Freedom in Russia». agora.rightsinrussia.info. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  12. Norton, Quinn (5 de março de 2007). «China Blocks LiveJournal». Wired. ISSN 1059-1028 
  13. Cashmore, Pete. «China's Evil Censorship Continues: Bans LiveJournal». Mashable (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  14. «Kazakhstan bans LiveJournal». The Voice of Russia. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 [ligação inativa] 
  15. «"Freedom on the Net 2012 – Uzbekistan"». RefWorld. Consultado em 18 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 6 de abril de 2013 
  16. Atkins, Martin (16 de fevereiro de 2020), apparentlymart/livejournal, consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  17. Nussbaum, Emily (11 de janeiro de 2004). «My So-Called Blog» (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]