LiveLeak

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LiveLeak
Proprietário(s) Hayden Hewitt
Gênero compartilhamento de vídeos
País de origem  Reino Unido
Idioma(s) Inglês
Lançamento 31 de outubro de 2006 (13 anos)
Posição no Alexa Baixa 2,138 (June 2019)[1]
Desenvolvedor Vários co-fundadores incluindo Hayden Hewitt
Endereço eletrônico www.liveleak.com
Estado atual Ativo

LiveLeak é um site de compartilhamento de vídeos com sede em Londres. O site foi fundado em 31 de outubro de 2006, em parte pela equipe responsável pelo site de choque do Ogrish.com, que foi fechado no mesmo dia. O LiveLeak tem como objetivo capturar imagens da realidade, política, guerra e outros eventos mundiais e combiná-los com o poder do jornalismo cidadão. Hayden Hewitt, de Manchester, é o único membro público da equipe fundadora do LiveLeak.

História[editar | editar código-fonte]

Os vídeos em destaque geralmente envolvem conteúdo gráfico de acidentes fatais ou tiroteios. Embora em 2016, o Liveleak tenha reduzido seu conteúdo controverso, o site frequentemente gerou polêmica até por volta de 2008, principalmente devido ao seu conteúdo gráfico e político. O site ganhou destaque em 2007 após as filmagens e vazamentos não autorizados da execução de Saddam Hussein, e foi mencionado pelo secretário de imprensa da Casa Branca, Tony Snow, e pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair.

Em 30 de julho de 2007, o programa da BBC Panorama transmitiu um programa sobre como os jovens foram agredidos fisicamente e ficaram inconscientes. Quando a Panorama consultou os "vídeos extremamente violentos" que foram publicados no site da LiveLeak, o co-fundador Hayden Hewitt se recusou a retirá-los, afirmando: "Veja tudo isso está acontecendo, isso é a vida real, isso está acontecendo, estamos á mostrar ". O LiveLeak declara que existem relativamente poucos vídeos no site e, caso os uploaders participem do ataque violento ou o filmaram, isso ajudaria a polícia em qualquer processo.

O LiveLeak voltou a ser destaque em março de 2008, quando recebeu o filme anti-Alcorão Fitna, feito pelo político holandês Geert Wilders. O LiveLeak mantém-se estritamente imparcial na sua abordagem aos membros e ao seu conteúdo, acreditando na liberdade de expressão dentro das regras do site, independentemente de como determinado conteúdo possa ofendê-los pessoalmente.Fitna foi eliminado após ameaças terem sido feitas contra a equipe do LiveLeak, mas voltou a ficar on-line em 30 de março de 2008, após o LiveLeak melhorar a segurança. O vídeo foi removido novamente dois dias depois, em 1º de abril, desta vez pelo usuário, alegando que foi retirado devido a conflitos de direitos autorais e que uma nova versão seria carregada "em breve".

Um vídeo do jornalista norte-americano James Foley foi postado por combatentes islâmicos no YouTube antes, conforme relatado pelo US News & World Report, "o YouTube o excluiu e a demanda pela versão LiveLeak disparou". Em resposta a esse vídeo, a liderança do site declarou que eles não hospedariam nenhuma "nova decapitação realizada pelo ISIS". O site continuará hospedando o vídeo original que descreve as consequências da execução de Foley.

Em 31 de março de 2019, a empresa de telecomunicações australiana Telstra negou o acesso a milhões de australianos aos sites 4chan, 8chan, Zero Hedge e LiveLeak como reação aos tiroteios na mesquita de Christchurch.

Parcerias[editar | editar código-fonte]

Em 24 de março de 2014, a LiveLeak e a Ruptly anunciaram uma parceria de conteúdo.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Site Info». Alexa Internet. Consultado em 28 June 2019  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Links Externos[editar | editar código-fonte]

https://liveleak.com/