Livro de mesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Livro de mesa de centro em uma mesa de centro

Um livro de mesa de centro[1] ou simplesmente livro de mesa, mais conhecido em inglês como coffee table book[2] (livro de mesa de café), é um formato de livro de grandes dimensões, normalmente de capa dura, cujo propósito é para exibição em uma mesa para uso em uma área em que se entretém os hóspedes e a partir do qual pode servir para inspirar a conversação ou passar o tempo. O assunto é predominantemente não-ficção e pictórico (um livro fotográfico). As páginas consistem principalmente em imagens de fotografias e ilustrações, acompanhadas de legendas e pequenos blocos de texto, em oposição à prosa longa. Como eles são direcionados a qualquer pessoa que possa pegar o livro para uma leitura leve, a análise dentro geralmente é mais básica e com menos jargão do que outros livros sobre o assunto. Por esse motivo, o termo "livro de mesa" pode ser usado pejorativamente para indicar uma abordagem superficial do assunto.

No campo da matemática, um livro de mesa geralmente é um caderno contendo vários problemas e teoremas matemáticos contribuídos por uma reunião da comunidade em um determinado local ou conectados por um interesse científico comum. Um exemplo disso foi o Livro Escocês criado por matemáticos da Universidade de Lviv nas décadas de 1930 e 1940.

História[editar | editar código-fonte]

O conceito de um livro destinado a ser exposto mais do que para leitura foi mencionado por Michel de Montaigne em seu ensaio de 1581 "Sobre Alguns Versos de Virgílio": "Estou irritado que meus Ensaios só sirvam as mulheres para um móvel comum, um livro para pôr na janela da saleta..."[3] Quase dois séculos depois, Laurence Sterne, em seu romance cômico de 1759 Tristam Shandy, apresentou uma visão mais alegre: "Como minha vida e opiniões provavelmente farão algum ruído no mundo, e ... não será menos lida do que o próprio Progresso do Peregrino - e, no final, provará exatamente aquilo que Montaigne temia que seus Ensaios virariam, isto é, um livro para uma janela de saleta..."[4]

A partir do final da década de 1940, o editor Albert Skira e alguns outros, como Cailler e Editions Tisné, Éditions Mazenod e Harry N. Abrams, começaram a produzir grandes livros de arte em formato de fólio e quarto (4to), ilustrados com chapas de cores tipped-in, geralmente para mercados internacionais que foram significativos no desenvolvimento de livros de mesa, como são conhecidos hoje.[5][6][7]

Às vezes, acredita-se que David Brower inventou o moderno livro de mesa.[8] Enquanto atuava como diretor executivo do Sierra Club, ele teve a ideia de uma série de livros que combinavam fotografia da natureza e escritos sobre a natureza, com, como ele disse, "um tamanho de página grande o suficiente para transportar a dinâmica de uma determinada imagem. É necessário que o olho se mova dentro dos limites da imagem, não abranja tudo de uma só vez." O primeiro livro, "This is the American Earth", com fotografias de Ansel Adams e outros e texto de Nancy Newhall, foi publicado em 1960; a série ficou conhecida como a série "Formato de Exibição", com 20 títulos publicados.[9]

O termo "coffee table book" apareceu na Arts Magazine em 1961,[10] e em 1962 "The Coffee Table Book of Astrology" foi publicado.[11]

Eles também encontraram usos na propaganda, como um livro sobre a vida do líder da Alemanha Oriental Walter Ulbricht[12] e outro sobre o líder albanês Enver Hoxha.[13]

Em 2011, o livro de Madonna, Sex, continuou sendo o livro de mesa esgotado mais procurado.[14]

Referências

  1. Revista de biblioteconomia de Brasília. [S.l.]: Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal. 2001 
  2. Silva, Francisco S. Barbosa da (julho–setembro de 2015). «O livro de mesa como dispositivo de reconhecimento sociocultural» (PDF). PUC-RS. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia. 22 (3). ISSN 1415-0549 
  3. «Essays by Michel de Montaigne». Oregonstate.edu. Cópia arquivada em 8 de outubro de 2013 
  4. «The novels of Laurence Sterne (Volume 1)» (PDF) 
  5. Chilvers, Ian and John Glaves-Smith (2015) A Dictionary of Modern and Contemporary Art (3 ed.). Oxford University Press. ISBN 9780191792229 https://www.oxfordreference.com/view/10.1093/oi/authority.20110803100510260 (accessed 25 August 2019)
  6. Dufrêne, Bernadette (2002) L'édition d'art des années 1950-1970 : des promesses non tenues ? ,Communication et langages. No. 134, 4 ème trimestre 22-38 pp. [Dufrêne, Bernadette (2002). The Art Edition of the 1950s and 1970s: Unfulfilled Promises? Communication and Languages, 134(4): 22-38.]
  7. Corisande Evesque. Albert Skira et ses livres d’art (1948-1973). Histoire. 2015. ffdumas-01256888. PDF: https://dumas.ccsd.cnrs.fr/dumas-01256888/document (accessed 25 August 2019)
  8. «Harold Wood Presentation on H.R. 2715 - LeConte Memorial Lodge». Sierraclub.org 
  9. «Natural Visions - Nature on the Coffee Table» 
  10. Arts Magazine, Volume 36. Art Digest Incorporated. [S.l.: s.n.] 
  11. National Review, Volume 13. National Review, Incorporated. [S.l.: s.n.] 
  12. «Walter Ulbricht — ein Leben für Deutschland, excerpts from the German Propaganda Archive, Calvin College». Calvin.edu 
  13. Enver Hoxha: 1908-1985. Tirana: Institute of Marxist-Leninist Studies at the Central Committee of the Party of Labour of Albania. 1986.
  14. «Madonna's Sex most sought after out-of-print book». The Guardian