Ljubomir Stanisic

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ljubomir Stanisic
Nascimento 8 de junho de 1978 (40 anos)
Sarajevo
Cidadania Iugoslávia
Ocupação chef

Ljubomir Stanisic (Sarajevo, 8 de junho de 1978) é um chefe de cozinha natural da antiga Jugoslávia, atual Bósnia e Herzegovina, radicado em Portugal desde 1997.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos catorze anos de idade, com a eclosão da Guerra da Bósnia (1992-1995), que opôs sérvios e bósnios, foi forçado a pegar em armas, como uma "criança-soldado", levado pelo pai para as posições de ataque, entre as tropas que, a partir das montanhas, cercavam Sarajevo.

Admitido no curso de Engenharia Química Alimentar, pouco estudava, tendo dificuldades de relacionamento, possivelmente devido ao stress pós-traumático.

Tendo a irmã chegado a Lisboa, ajudada por uma amiga que tinha casado com um militar português que servira na Bósnia, Stanisic chegou a Portugal em 31 de agosto de 1997, furtou o livro de cheques à irmã, adquiriu um Fiat Tipo e fez-se à estrada para conhecer o país. De volta, pediu perdão à irmã pelo furto, e empregou-se numa cozinha. Passado algum tempo, procurou o "chef" Vítor Sobral e, em 2003 estava a trabalhar como "subchef" no restaurante Fortaleza do Guincho, onde acabaria por agredir o "chef" Marc Le Ouedec declaradamente pela prática de racismo.

Desempregado, em 2004 abriu em Cascais o seu primeiro restaurante, o "100 Maneiras", e publicou o primeiro livro, o "100 Maneiras Cascais". O estabelecimento funcionou até à falência, em 2008. Sem nada, o mesmo teve que pedir ajuda a um grande amigo para emprestar dinheiro, para se poder alimentar, mas por pouco tempo, vistos que essa vida, não era a que ele queria, sendo que depois de 3 meses (já em 2009) a casa reabriu no Bairro Alto, em Lisboa, inaugurando um novo conceito: um menu único de degustação, alta gastronomia a preços acessíveis.

Em 2010, a participação no Festival Lumière (Montreal, Canadá) deu-lhe a inspiração para o "Bistro 100 Maneiras", inaugurado também em Lisboa, no antigo "Bacchus", um edifício histórico no Chiado, tornado referência incontornável na restauração da cidade.

Vindo a ser considerado "um dos cozinheiros mais criativos a trabalhar em Portugal", no Verão de 2011 tornou-se conhecido do grande público com a participação como jurado na primeira edição do programa de televisão "Masterchef Portugal", na RTP1. Em setembro, abriu abriu o terceiro restaurante, o "Nacional 100 Maneiras", destinado a receber grupos e eventos. O mês de novembro ficou marcado pela edição do seu segundo livro, "Papa-quilómetros - Uma caminhada pela gastronomia portuguesa" que acabou por ser distinguido com dois prémios mundiais: um da Academia Internacional de Gastronomia, outro o Gourmand World Cookbook Awards.

Em 2012, os direitos de "Papa-quilómetros" foram adquiridos Fox Internacional e tornou-se um programa de televisão gravado em três línguas (inglês, português, e sérvio) e exibido nos canais Fox um pouco por toda a Europa.

Em 2012, o "Bistro 100 Maneiras" foi um dos quatro restaurantes escolhidos por Anthony Bourdain para integrar o episódio dedicado a Lisboa da conceituada série "No Reservations'".

Em 2013 embarcou com a família em uma autocaravana, no projeto "Papa-quilómetros Europa", percorrendo a Europa com o objetivo de conhecer a gastronomia dos diferentes países. A experiência foi relatada no blogue "www.papakms.com" e nas crónicas semanais da Revista do Expresso. De volta a Portugal, tornou-se o primeiro "chef" português a lançar uma App para iPhone e iPad, com as receitas de "Papa-quilómetros".

É consultor gastronómico do hotel "Six Senses Douro Valley" e, em junho de 2017, passou a acumular as funções de chef consultor do restaurante Sem Porta, no hotel Sublime Comporta.

Em 2017 voltou à televisão como apresentador do programa "Pesadelo na Cozinha", na TVI. O programa é uma adaptação, concebida num modelo de "reality show", do formato britânico "Ramsay's Kitchen Nightmares", estrelado pelo "chef" Gordon Ramsay, que visava revolucionar negócios na restauração que estavam à beira do abismo, tornando-os rentáveis. Neste programa ganhou grande mediatismo, tendo alcançado audiências médias de 1,5 milhões de telespectadores nas noites de domingo. A 2* temporada tem data de estreia para dia 9 de setembro de 2018.

Televisão[editar | editar código-fonte]

RTP

TVI

Prémios[editar | editar código-fonte]

Desde a abertura do primeiro "100 Maneiras", Ljubomir Stanisic conquistou vários prémios:

  • "Melhor Chefe de Cozinha do Ano 2005" pela revista Nectar;
  • "Restaurante do Ano 2005" pela Revista de Vinhos;
  • "Medalha de Mérito Empresarial e Desenvolvimento da Cultura e Turismo 2007" atribuída pela Câmara Municipal de Cascais;
  • "Melhor restaurante de cozinha contemporânea 2007" pela revista Veja;
  • O título de "um dos cozinheiros mais criativos a trabalhar em Portugal" em 2007, pelo crítico Rafael Santos
  • "Top 20" no Guia de Restaurantes da Time Out Lisboa 2013.
  • "Melhor Restaurante do Mundo 2017" atribuído pela Revista Monocle
  • "Personalidade do Ano na Gastronomia 2017"

Obra[editar | editar código-fonte]

Publicou "Papa Quilómetros – Uma Caminhada Pela Gastronomia Portuguesa" (Leya/Casa das Letras, 2011), que lhe valeu o prémio da Academia Internacional de Gastronomia e do Gourmand World Cookbook Awards.

Uma viagem de um ano em família, em 2012, na autocaravana "Manuela", que percorreu 15 mil quilómetros por 12 países europeus, resultou na publicação de "Papa-Quilómetros Europa - Amor e uma autocaravana. Viagens pela gastronomia", combinando 30 receitas dos países percorridos com dezenas de crónicas, escritas por Mónica Franco.

Referências

  1. Gouveia, José Fialho (17 de Sgosto de 2016). «O chef bósnio que aprendeu com a guerra a ficar 100 Maneiras». Diário de Notícias  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ver também[editar | editar código-fonte]