Ljubomir Stanisic

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ljubomir Stanisic
Nascimento 8 de junho de 1978 (40 anos)
Sarajevo
Cidadania Iugoslávia
Ocupação escritor

Ljubomir Stanisic (Saraievo, 8 de junho de 1978) é um chefe de cozinha natural da antiga Jugoslávia, atual Bósnia e Herzegovina, radicado em Portugal desde 1997.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos catorze anos de idade, com a eclosão da Guerra da Bósnia (1992-1995), que opôs sérvios e bósnios, foi forçado a pegar em armas, como uma "criança-soldado", levado pelo pai para as posições de ataque, entre as tropas que, a partir das montanhas, cercavam Sarajevo.

Admitido no curso de Engenharia Química Alimentar, pouco estudava, tendo dificuldades de relacionamento, possivelmente devido a estresse pós-traumático.

Tendo a irmã chegado a Lisboa, ajudada por uma amiga que tinha casado com um militar português que servira na Bósnia, Stanisic chegou a Portugal em 31 de agosto de 1997, furtou o livro de cheques à irmã, adquiriu um Fiat Tipo e fez-se à estrada para conhecer o país. De volta, pediu perdão à irmã pelo furto, e empregou-se numa cozinha. Passado algum tempo, procurou o "chef" Vítor Sobral e, em 2003 estava a trabalhar como "subchef" no restaurante Fortaleza do Guincho, onde acabaria por agredir o "chef" Marc Le Ouedec declaradamente pela prática de racismo.

Desempregado, em 2004 abriu em Cascais o seu primeiro restaurante, o "100 Maneiras", e publicou o primeiro livro, o "100 Maneiras Cascais". O estabelecimento funcionou até à falência, em 2008. Sem nada, o mesmo teve que pedir ajuda a um grande amigo para emprestar dinheiro, para se poder alimentar, mas por pouco tempo, vistos que essa vida, não era a que ele queria, sendo que depois de 3 meses (já em 2009) a casa reabriu no Bairro Alto, em Lisboa, inaugurando um novo conceito: um menu único de degustação, alta gastronomia a preços acessíveis.

Em 2010, a participação no Festival Lumière (Montreal, Canadá) deu-lhe a inspiração para o "Bistro 100 Maneiras", inaugurado também em Lisboa, no antigo "Bacchus", um edifício histórico no Chiado, tornado referência incontornável na restauração da cidade.

Vindo a ser considerado "um dos cozinheiros mais criativos a trabalhar em Portugal", no Verão de 2011 tornou-se conhecido do grande público com a participação como jurado na primeira edição do programa de televisão "Masterchef Portugal", na RTP1. Em setembro, abriu abriu o terceiro restaurante, o "Nacional 100 Maneiras", destinado a receber grupos e eventos. O mês de novembro ficou marcado pela edição do seu segundo livro, "Papa-quilómetros - Uma caminhada pela gastronomia portuguesa" que acabou por ser distinguido com dois prémios mundiais: um da Academia Internacional de Gastronomia, outro o Gourmand World Cookbook Awards.

Em 2012, os direitos de "Papa-quilómetros" foram adquiridos Fox Internacional e tornou-se um programa de televisão gravado em três línguas (inglês, português, e sérvio) e exibido nos canais Fox um pouco por toda a Europa.

Em 2012, o "Bistro 100 Maneiras" foi um dos quatro restaurantes escolhidos por Anthony Bourdain para integrar o episódio dedicado a Lisboa da conceituada série "No Reservations'".

Em 2013 embarcou com a família em uma autocaravana, no projeto "Papa-quilómetros Europa", percorrendo a Europa com o objetivo de conhecer a gastronomia dos diferentes países. A experiência foi relatada no blogue "www.papakms.com" e nas crónicas semanais da Revista do Expresso. De volta a Portugal, tornou-se o primeiro "chef" português a lançar uma App para iPhone e iPad, com as receitas de "Papa-quilómetros".

É consultor gastronómico do hotel "Six Senses Douro Valley" e, em junho de 2017, passou a acumular as funções de chef consultor do restaurante Sem Porta, no hotel Sublime Comporta.

Em 2017 voltou à televisão como apresentador do programa "Pesadelo na Cozinha", na TVI. O programa é uma adaptação, concebida num modelo de "reality show", do formato britânico "Ramsay's Kitchen Nightmares", estrelado pelo "chef" Gordon Ramsay, que visava revolucionar negócios na restauração que estavam à beira do abismo, tornando-os rentáveis. Neste programa ganhou grande mediatismo, tendo alcançado audiências médias de 1,5 milhões de telespectadores nas noites de domingo. A 2* temporada tem data de estreia para dia 9 de setembro de 2018.

Televisão[editar | editar código-fonte]

RTP

TVI

Prémios[editar | editar código-fonte]

Desde a abertura do primeiro "100 Maneiras", Ljubomir Stanisic conquistou vários prémios:

  • "Melhor Chefe de Cozinha do Ano 2005" pela revista Nectar;
  • "Restaurante do Ano 2005" pela Revista de Vinhos;
  • "Medalha de Mérito Empresarial e Desenvolvimento da Cultura e Turismo 2007" atribuída pela Câmara Municipal de Cascais;
  • "Melhor restaurante de cozinha contemporânea 2007" pela revista Veja;
  • O título de "um dos cozinheiros mais criativos a trabalhar em Portugal" em 2007, pelo crítico Rafael Santos
  • "Top 20" no Guia de Restaurantes da Time Out Lisboa 2013.
  • "Melhor Restaurante do Mundo 2017" atribuído pela Revista Monocle
  • "Personalidade do Ano na Gastronomia 2017"

Obra[editar | editar código-fonte]

Publicou "Papa Quilómetros – Uma Caminhada Pela Gastronomia Portuguesa" (Leya/Casa das Letras, 2011), que lhe valeu o prémio da Academia Internacional de Gastronomia e do Gourmand World Cookbook Awards.

Uma viagem de um ano em família, em 2012, na autocaravana "Manuela", que percorreu 15 mil quilómetros por 12 países europeus, resultou na publicação de "Papa-Quilómetros Europa - Amor e uma autocaravana. Viagens pela gastronomia", combinando 30 receitas dos países percorridos com dezenas de crónicas, escritas por Mónica Franco.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]