Lofepramina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A lofepramina é um fármaco antidepressivo tricíclico (TCA) da classe dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina e noradrenalina usado para tratar a depressão.[1][2][3] Os TCAs são nomeados assim pois compartilham a propriedade comum de ter três anéis em sua estrutura química. Como a maioria dos TCAs, acredita-se que a lofepramina trabalhe no alívio da depressão, aumentando as concentrações dos neurotransmissores noradrenalina e serotonina na sinapse, inibindo sua recaptação. É geralmente considerado um TCA de terceira geração, pois, diferentemente dos TCAs de primeira e segunda geração, é relativamente seguro em overdose e apresenta efeitos colaterais mais leves e menos frequentes.[4]

A lofepramina não está disponível no Brasil, Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, entre outros países embora esteja disponível na Irlanda, Japão, África do Sul e Reino Unido, além de outros países.[5]

Usos médicos[editar | editar código-fonte]

No Reino Unido, a lofepramina tem seu uso licenciado para o tratamento de transtornos depressivos, que é seu principal uso na medicina.[6]

Contra-indicações[editar | editar código-fonte]

A lofepramina não deve ser usada, ou, se usada, com extrema cautela por pessoas com as seguintes condições:[1]

Também não deve ser usada, ou, se usada, com extrema cautela naqueles que estão sendo tratados com amiodarona ou terfenadina.[1]

Gravidez e lactação[editar | editar código-fonte]

O uso da lofepramina durante a gravidez não é aconselhado, a menos que os benefícios superem claramente os riscos.[1] Isso ocorre porque sua segurança durante a gravidez não foi estabelecida e estudos com animais mostraram algum potencial de dano se usados durante a gravidez. Se usado durante o terceiro trimestre da gravidez, pode causar respiração insuficiente para atender aos requisitos de oxigênio, agitação e sintomas de abstinência no bebê. Da mesma forma, seu uso por mulheres que amamentam é desaconselhado, exceto quando os benefícios superam claramente os riscos, devido ao fato de ser excretado no leite materno e, portanto, afetar adversamente o bebê. Embora a quantidade secretada no leite materno seja muito pequena para ser considerada prejudicial. Vale ressaltar que o uso de qualquer medicamento deve ser orientado por um médico ou cirurgião dentista.[8]

Efeitos colaterais[editar | editar código-fonte]

Os efeitos adversos mais comuns (que ocorrem em pelo menos 1% dos pacientes que fizeram uso da lofepramina) incluem agitação, ansiedade, confusão, tonturas, irritabilidade, sensações anormais, como alfinetadas e agulhadas, sem uma causa física, distúrbios do sono (por exemplo, insônia) e hipotensão ortostática (queda da pressão arterial ao levantar-se).[8] Os efeitos colaterais menos frequentes incluem distúrbios do movimento (como tremores), precipitação de glaucoma de ângulo fechado e efeitos colaterais potencialmente fatais como íleo paralítico e síndrome neuroléptica maligna.

Os efeitos colaterais com frequência desconhecida incluem (mas não estão limitados a):[8]

Dependência[editar | editar código-fonte]

Não se sabe a respeito dos níveis de dependência causados pela lofepramina, porém, se parada abruptamente a sua administração após uso regular, pode causar efeitos de abstinência, como insônia, irritabilidade e transpiração excessiva.[1]

Overdose[editar | editar código-fonte]

Comparado a outros TCAs, a lofepramina é considerada menos tóxica em overdoses.[8] O tratamento da sobredosagem consiste em tentar reduzir a absorção do medicamento pelo corpo, se possível, usando lavagem gástrica e monitorando os efeitos adversos no coração.[1]

Interações medicamentosas[editar | editar código-fonte]

Sabe-se que a lofepramina interage com:[8][1]

Referências

  1. a b c d e f g «Lofepramine 70 mg Film-coated Tablets - Summary of Product Characteristics (SPC) - (eMC)». Datapharm. Abril de 2016. Consultado em 3 de agosto de 2017  |obra= e |publicação= redundantes (ajuda)
  2. Index Nominum 2000: International Drug Directory. Taylor & Francis. [S.l.: s.n.] 2000. pp. 614–. ISBN 978-3-88763-075-1 
  3. Leonard BE. «A comparison of the pharmacological properties of the novel tricyclic antidepressant lofepramine with its major metabolite, desipramine: a review». International Clinical Psychopharmacology. 2: 281–97. PMID 2891742. doi:10.1097/00004850-198710000-00001 
  4. «SAFC Commercial Life Science Products & Services | Sigma-Aldrich». Safcglobal.com. 12 de maio de 2015. Consultado em 24 de fevereiro de 2016 
  5. «Lofepramine Hydrochloride: Martindale: The Complete Drug Reference». The Pharmaceutical Press (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2017  |obra= e |publicação= redundantes (ajuda)
  6. Joint Formulary Committee (2013). British National Formulary (BNF). Pharmaceutical Press 65 ed. London, UK: [s.n.] ISBN 978-0-85711-084-8 
  7. a b c d e f «Lofepramine 70mg Tablets» 
  8. a b c d e Joint Formulary Committee, ed. (2017). BNF 73 (British National Formulary) March 2017. Pharmaceutical Press. London, UK: [s.n.] pp. 354–355. ISBN 978-0857112767 


Ícone de esboço Este artigo sobre fármacos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.