Lombalgia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lombalgia
A lombalgia é uma condição comum que afeta a região lombar das costas.
Sinónimos Dor na região lombar
Especialidade Ortopedia, reumatologia, fisiatria
Início habitual 20 a 40 anos de idade[1]
Duração ~65% melhora em 6 semanas[2]
Tipos Aguda (menos de 6 semanas), sub-crónica (6 a 12 semanas), crónica (mais de 12 semanas)[3]
Causas Geralmente inespecíficas, em alguns casos causa subjacente significativa[1][4]
Método de diagnóstico Exames imagiológicos[5]
Tratamento Manter a atividade normal, tratamentos não farmacológicos, AINEs[2][6]
Frequência ~25% em qualquer dado mês[7][8]
Classificação e recursos externos
CID-10 M54.5
CID-9 724.2
MedlinePlus 007422 007425
eMedicine pmr/73
MeSH D017116
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Lombalgia ou dor na região lombar é um sintoma comum que pode resultar de várias causas distintas, pondendo ser conhecidas ou desconhecidas.[9] A dor lombar é definida como dor ou desconforto localizado na região posterior do tronco (as costas) entre a margem inferior da última costela e a dobra inferior dos glúteos, podendo ter presença ou não de dor nos membros inferiores.[9] A dor é de intensidade variável, desde um desconforto constante até dor súbita e intensa.[4]

Na maioria das pessoas com dor lombar (cerca de 90%) não é possível identificar a origem específica da dor, isto é a sua causa pato-anatómica é desconhecida, sendo esta denominada de dor lombar inespecífica.[9] A lombalgia pode ser classificada de acordo com a duração em aguda (dor com duração inferior a seis semanas), sub-crónica (6 a 12 semanas) ou crónica (mais de 12 semanas).[3] Pode também ser classificada de acordo com a causa subjacente em mecânica, não-mecânica ou por dor referida.[5]

As pessoas com dor lombar aguda inespecífica apresentam geralmente uma melhoria dos seus sintomas algumas semanas após o seu aparecimento. Entre 40 a 90% das pessoas recuperam por completo no prazo de seis semanas.[2]

Uma pequena percentagem de pessoas (cerca de 1 a 5%) apresenta dor lombar como consequência de patologias específicas graves (tais como fratura vertebral, infeções, neoplasias malignas, condições inflamatórias ou síndrome da cauda equina) que requer um tratamento específico e por vezes imediato.[9][10][11]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A lombalgia é extremamente comum. Em qualquer momento no tempo, a condição afeta cerca de 9 a 12% de todas as pessoas no mundo (632 milhões). Cerca de 25% das pessoas afirma ter tido pelo menos um episódio no mês anterior ao questionário.[7][8] Estima-se que cerca de 40% de todas as pessoas no mundo tenham tido ou venham a ter pelo menos um episódio de dorsalgia em algum momento da vida.[7] Nos países desenvolvidos, a estimativa é de 80% das pessoas.[12] A condição afeta de igual forma homens e mulheres.[4] Os primeiros episódios manifestam-se geralmente entre os 20 e 40 anos de idade.[1] A condição é mais comum nas pessoas entre os 40 e 80 anos de idade, sendo expectável que a incidência aumente à medida que a população vai envelhecendo.[7]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Na maior parte dos episódios de lombalgia não é possível identificar uma causa específica, sendo que a dor apresenta geralmente um comportamento mecânico sendo esta assim associada a uma condição músculo-esquelética.

Quando a dor não desaparece com tratamento conservador ou é acompanhada de outros sintomas e sinais de alerta como perda de peso, febre ou problemas significativos de sensibilidade ou movimento, podem ser necessários exames complementares para diagnosticar uma causa subjacente mais grave.[5] Algumas dorsalgias são causadas por lesões nos discos intervertebrais, podendo ser identificadas pelo sinal de Lasègue.[5] Em pessoas com dor crónica, podem ocorrer distúrbios no sistema que processa a dor, causando grande quantidade de dor em resposta a situações sem gravidade.[13] Na maior parte dos casos, exames imagiológicos como a tomografia computorizada não têm utilidade e apresentam alguns riscos.[14][15] No entanto, o recurso a imagiologia tem vindo a aumentar.[16]

Red Flags[editar | editar código-fonte]

As "red flags" definem-se como um conjunto de sinais/sintomas recolhidos durante a avaliação da pessoa com dor lombar (através da história clínica ou da avaliação física) associadas a um aumento de risco de presença de dor lombar associada a patologias sérias.

A avaliação da presença de red flags tem sido um método utilizado para apoiar a decisão dos casos em que é necessária uma avaliação mais aprofundada a fim de despistar a presença de patologia grave. No entanto, estima-se que cerca de 80% das pessoas com dor lombar aguda apresentam pelo menos uma red flag [17], apesar de apenas cerca de 1-5% têm uma patologia médica grave associada, o que pode resultar em procedimentos desnecessários ou falsos positivos.[9][10][11]

Com base na evidência atual disponível, a combinação de um conjunto de red flags parece ser mais útil do que a presença isolada de uma red flag para guiar a decisão clínica da necessidade de uma avaliação mais aprofundada a fim de despistar a presença de fratura vertebral [10] e também para neoplasias malignas[11]. No entanto, são necessários mais estudos para determinar as diferentes combinações de red flags a serem consideradas e para avaliar o seu desempenho.[10][11]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

As maioria das pessoas que experienciam um novo episódio de dor lombar inespecífica recuperam após algumas semanas. Entre 40 a 90% das pessoas recuperam completamente após seis semanas, sendo que as pessoas com dor lombar aguda (com duração inferior a 6 semanas) apresentam uma evolução mais favorável do que aqueles com dor persistente (dor lombar subaguda ou crónica, ou seja com duração superior a 6 semanas). [2]

No entanto, existem vários fatores (modificáveis ou não modificáveis) que podem influenciar a evolução e os resultados da dor lombar.

Uma revisão sistemática reuniu evidência proveniente de 60 estudos com o objetivo de investigar o impacto das expectativas de recuperação por parte da pessoa com dor lombar inespecífica na sua recuperação e na participação/retorno ao trabalho.[18] Verificou-se que expectativas positivas estão fortemente associadas a melhores resultados a nível de retorno ao trabalho. No que diz respeito a estarem associadas a uma melhor recuperação da dor lombar, à melhoria da sua funcionalidade (isto é, a capacidade de realizar as atividades da vida diária) e da intensidade da dor, a evidência ainda é controversa, sendo a mesma de baixa qualidade.[18]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

É recomendado que o tratamento inicial tenha por base a atividade física e não seja baseado em fármacos.[6] A pessoa é aconselhada a manter as atividades do dia-a-dia tanto quanto a dor permita.[2] Quando o tratamento inicial não é eficaz, é recomendada a administração de anti-inflamatórios não esteroides.[6][19] Estão também disponíveis outras opções para pessoas que não melhoram com os tratamentos mais comuns. Os opióides podem ser eficazes quando a medicação mais simples não é suficiente, embora não sejam geralmente recomendados devido aos seus efeitos secundários.[4][19] A cirurgia pode ser benéfica em pessoas cuja dor tenha origem nos discos intervertebrais ou em estenose espinhal.[20][21] No entanto, não existem benefícios claros para outros casos de lombalgia não específica.[20] A dorsalgia causa frequentemente problemas emocionais, o que pode ser gerido com recurso a aconselhamento psociológico ou antidepressivos.[19][22] Existem ainda várias terapias de medicina alternativa, incluindo a Técnica de Alexander e plantas medicinais, embora não existam evidências suficientes para que possam ser recomendadas com segurança.[23] As evidências da eficácia da quiropraxia[24] e da manipulação vertebral são contraditórias.[23][25][26][27]

Referências

  1. a b c Casazza, BA (15 de fevereiro de 2012). «Diagnosis and treatment of acute low back pain». American family physician. 85 (4): 343–50. PMID 22335313 
  2. a b c d e Menezes Costa Lda, C; Maher, CG; Hancock, MJ; McAuley, JH; Herbert, RD; Costa, LO (7 de agosto de 2012). «The prognosis of acute and persistent low-back pain: a meta-analysis.». CMAJ : Canadian Medical Association Journal. 184 (11): E613-24. PMC 3414626Acessível livremente. PMID 22586331. doi:10.1503/cmaj.111271 
  3. a b Koes BW, van Tulder M, Lin CW, Macedo LG, McAuley J, Maher C (dezembro de 2010). «An updated overview of clinical guidelines for the management of non-specific low back pain in primary care.». European Spine Journal. 19 (12): 2075–94. PMC 2997201Acessível livremente. PMID 20602122. doi:10.1007/s00586-010-1502-y 
  4. a b c d «Low Back Pain Fact Sheet». National Institute of Neurological Disorders and Stroke. 3 de novembro de 2015. Consultado em 5 de março de 2016. Cópia arquivada em 4 de março de 2016 
  5. a b c d Manusov EG (setembro de 2012). «Evaluation and diagnosis of low back pain». Prim. Care. 39 (3): 471–9. PMID 22958556. doi:10.1016/j.pop.2012.06.003 
  6. a b c Qaseem, A; Wilt, TJ; McLean, RM; Forciea, MA; Clinical Guidelines Committee of the American College of, Physicians. (4 de abril de 2017). «Noninvasive Treatments for Acute, Subacute, and Chronic Low Back Pain: A Clinical Practice Guideline From the American College of Physicians.». Annals of Internal Medicine. 166 (7): 514–530. PMID 28192789. doi:10.7326/M16-2367 
  7. a b c d Hoy D, Bain C, Williams G, et al. (junho de 2012). «A systematic review of the global prevalence of low back pain». Arthritis Rheum. 64 (6): 2028–37. PMID 22231424. doi:10.1002/art.34347 
  8. a b Vos, T (15 de dezembro de 2012). «Years lived with disability (YLDs) for 1160 sequelae of 289 diseases and injuries 1990–2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010.». Lancet. 380 (9859): 2163–96. PMID 23245607. doi:10.1016/S0140-6736(12)61729-2 
  9. a b c d e Maher, Chris; Underwood, Martin; Buchbinder, Rachelle (fevereiro de 2017). «Non-specific low back pain». The Lancet (em inglês) (10070): 736–747. doi:10.1016/S0140-6736(16)30970-9. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  10. a b c d Williams, Christopher M; Henschke, Nicholas; Maher, Christopher G.; van Tulder, Maurits W; Koes, Bart W; Macaskill, Petra; Irwig, Les (31 de janeiro de 2013). Cochrane Back and Neck Group, ed. «Red flags to screen for vertebral fracture in patients presenting with low-back pain». Cochrane Database of Systematic Reviews (em inglês). doi:10.1002/14651858.CD008643.pub2. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  11. a b c d Henschke, Nicholas; Maher, Christopher G.; Ostelo, Raymond WJG; de Vet, Henrica CW; Macaskill, Petra; Irwig, Les (28 de fevereiro de 2013). Cochrane Back and Neck Group, ed. «Red flags to screen for malignancy in patients with low-back pain». Cochrane Database of Systematic Reviews (em inglês). doi:10.1002/14651858.CD008686.pub2. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  12. Vinod Malhotra; Yao, Fun-Sun F.; Fontes, Manuel da Costa (2011). Yao and Artusio's Anesthesiology: Problem-Oriented Patient Management. Hagerstwon, MD: Lippincott Williams & Wilkins. pp. Chapter 49. ISBN 1-4511-0265-8. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  13. Salzberg L (setembro de 2012). «The physiology of low back pain». Prim. Care. 39 (3): 487–98. PMID 22958558. doi:10.1016/j.pop.2012.06.014 
  14. «Use of imaging studies for low back pain: percentage of members with a primary diagnosis of low back pain who did not have an imaging study (plain x-ray, MRI, CT scan) within 28 days of the diagnosis». Agency for Healthcare Research and Quality. 2013. Consultado em 11 de junho de 2013. Cópia arquivada em 4 de outubro de 2013 
  15. Chou, R; Fu, R; Carrino, JA; Deyo, RA (7 de fevereiro de 2009). «Imaging strategies for low-back pain: systematic review and meta-analysis.». Lancet. 373 (9662): 463–72. PMID 19200918. doi:10.1016/S0140-6736(09)60172-0 
  16. Deyo, RA; Mirza, SK; Turner, JA; Martin, BI (2009). «Overtreating Chronic Back Pain: Time to Back Off?». Journal of the American Board of Family Medicine : JABFM. 22 (1): 62–8. PMC 2729142Acessível livremente. PMID 19124635. doi:10.3122/jabfm.2009.01.080102 
  17. Henschke, Nicholas; Maher, Christopher G.; Refshauge, Kathryn M.; Herbert, Robert D.; Cumming, Robert G.; Bleasel, Jane; York, John; Das, Anurina; McAuley, James H. (outubro de 2009). «Prevalence of and screening for serious spinal pathology in patients presenting to primary care settings with acute low back pain». Arthritis & Rheumatism (em inglês) (10): 3072–3080. doi:10.1002/art.24853. Consultado em 24 de janeiro de 2022 
  18. a b Hayden, Jill A; Wilson, Maria N; Riley, Richard D; Iles, Ross; Pincus, Tamar; Ogilvie, Rachel (25 de novembro de 2019). Cochrane Back and Neck Group, ed. «Individual recovery expectations and prognosis of outcomes in non-specific low back pain: prognostic factor review». Cochrane Database of Systematic Reviews (em inglês). doi:10.1002/14651858.CD011284.pub2. Consultado em 30 de janeiro de 2022 
  19. a b c Miller SM (setembro de 2012). «Low back pain: pharmacologic management». Prim. Care. 39 (3): 499–510. PMID 22958559. doi:10.1016/j.pop.2012.06.005 
  20. a b Manusov, EG (setembro de 2012). «Surgical treatment of low back pain.». Primary care. 39 (3): 525–31. PMID 22958562. doi:10.1016/j.pop.2012.06.010 
  21. Chou R, Baisden J, Carragee EJ, Resnick DK, Shaffer WO, Loeser JD (maio de 2009). «Surgery for low back pain: a review of the evidence for an American Pain Society Clinical Practice Guideline». Spine. 34 (10): 1094–109. PMID 19363455. doi:10.1097/BRS.0b013e3181a105fc 
  22. Henschke N, Ostelo RW, van Tulder MW, et al. (2010). «Behavioural treatment for chronic low-back pain». Cochrane Database of Systematic Reviews (7): CD002014. PMID 20614428. doi:10.1002/14651858.CD002014.pub3 
  23. a b Marlowe D (setembro de 2012). «Complementary and alternative medicine treatments for low back pain». Prim. Care. 39 (3): 533–46. PMID 22958563. doi:10.1016/j.pop.2012.06.008 
  24. Walker, BF; French, SD; Grant, W; Green, S (1 de fevereiro de 2011). «A Cochrane review of combined chiropractic interventions for low-back pain». Spine. 36 (3): 230–42. PMID 21248591. doi:10.1097/BRS.0b013e318202ac73 
  25. Dagenais, S; Gay, RE; Tricco, AC; Freeman, MD; Mayer, JM (2010). «NASS Contemporary Concepts in Spine Care: spinal manipulation therapy for acute low back pain». The Spine Journal. 10 (10): 918–40. PMID 20869008. doi:10.1016/j.spinee.2010.07.389 
  26. Rubinstein SM, van Middelkoop M, Assendelft WJ, de Boer MR, van Tulder MW (2011). Rubinstein SM, ed. «Spinal manipulative therapy for chronic low-back pain». Cochrane Database of Systematic Reviews (2): CD008112. PMID 21328304. doi:10.1002/14651858.CD008112.pub2. Cópia arquivada em 9 de junho de 2013 
  27. Rubinstein SM, Terwee CB, Assendelft WJ, de Boer MR, van Tulder MW (12 de setembro de 2012). «Spinal manipulative therapy for acute low-back pain.». Cochrane Database of Systematic Reviews. 9: CD008880. PMID 22972127. doi:10.1002/14651858.CD008880.pub2 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.