Look Back in Anger (canção)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Look Back in Anger"
Edição estadunidense do single.
Single de David Bowie
do álbum Lodger
Lançamento 20 de agosto de 1979 (EUA)
Formato(s) Vinil - 45 rpm
Gravação Mountain Studios, Montreux, setembro de 1978; The Record Plant, Nova York, março de 1979
Gênero(s) Rock
Duração 3:08
Gravadora(s) RCA Records

PB 11724 (EUA)

Composição
Produção
Cronologia de singles de David Bowie
"Yassassin"
(1979)
"John, I'm Only Dancing (Again)"
(1979)

"Look Back in Anger" é uma canção escrita pelos músicos britânicos David BowieBrian Eno para o álbum Lodger (1979). A faixa trata de "um 'Anjo da Morte' ultrapassado",[1] e contém um solo de guitarra de Carlos Alomar.

RCA Records estava incerta sobre se os Estados Unidos estavam preparados para a androgenia sexual de "Boys Keep Swinging",[2] o single principal de Lodger na maior parte dos lugares, e, por isso, "Look Back in Anger" foi lançada no seu lugar.[3] O Lado B do single é outra faixa de Lodger, "Repetition", uma história de violência doméstica. O single não entrou para as paradas comerciais.

"Look Back in Anger" tem uma reputação heterogênea entre os especialistas na obra de Bowie. Roy Carr e Charles Shaar Murray, críticos da NME, descreveram a faixa como "provavelmente o ponto baixo" do álbum,[1] enquanto Nicholas Pegg a considera "um dos destaques dramáticos de Lodger".

Além título, a música não tem nenhuma ligação com a peça Look Back in Anger, de John Osbourne.

Bowie tocou a faixa na sua turnê Serious Moonlight Tour, de 1983 (a canção compõe o número de abertura do filme Serious Moonlight), e a retrabalhou em meados dos anos 1990 como uma canção de heavy rock para as turnês Outside e Earthling.

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "Look Back in Anger" (David Bowie, Brian Eno) – 3:08
  2. "Repetition" (Bowie) – 2:59

Créditos[editar | editar código-fonte]

Videoclipe[editar | editar código-fonte]

David Mallet dirigiu um videoclipe para a canção, representando Bowie num ateliê de arte. O enredo do vídeo foi inspirado na conclusão do romance The Picture of Dorian Gray, de Oscar Wilde, mostrando um retrato do protagonista se tornando belo enquanto o homem em si entra em decadência física.[4]

Outros lançamentos[editar | editar código-fonte]

  • A faixa foi lançada nas seguintes coletâneas:
    • Chameleon (Australia/New Zealand 1979)
    • Christiane F. soundtrack (1981)
    • Golden Years (1983)
    • Sound + Vision (1989)
    • The Singles Collection (1993)
    • The Best of David Bowie 1974/1979 (1998)
    • The Platinum Collection (2005/2006)
  • Em 1988, Bowie gravou "uma versão nova e brutal da canção" com Reeves Gabrels na guitarra e Erdal Kizilcay no baixo e na bateria; foi o primeiro arranjo surgido a partir da colaboração entre Bowie e Gabrels, acontecendo pouco antes da formação do grupo Tin Machine.[5] A nova versão foi lançada como faixa bônus no relançamento de Lodger pela Rykodisc, em 1991.

Covers[editar | editar código-fonte]

  • Kaligare - .2 Contamination: A Tribute to David Bowie (2006)
  • Swans of Avon - The Dark Side of David Bowie: A Tribute to David Bowie (1997)
  • Tender Fury - Thoughts of Yesterday (1992)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Roy Carr & Charles Shaar Murray (1981). Bowie: An Illustrated Record: p.106
  2. Nicholas Pegg (2000). The Complete David Bowie: p.43
  3. Nicholas Pegg (2000). The Complete David Bowie: p.131
  4. David Buckley (1999). Strange Fascination - David Bowie: The Definitive Story: p.355
  5. David Buckley (1999). Strange Fascination - David Bowie: The Definitive Story: pp.449-450