Louis Billot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Louis Billot
Cardeal da Santa Igreja Romana

Título

Cardeal-diácono de Santa Maria in Via Lata
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 22 de Maio de 1869
Cardinalato
Criação 27 de Novembro de 1911 por Pio X
Dados pessoais
Nascimento 12 de janeiro de 1846
Morte 18 de dezembro de 1931
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Louis Billot (12 de janeiro de 1846 em Sierck-les-Bains, Moselle, França - 18 de dezembro de 1931 em Arícia, Lácio, Itália) foi um padre e teólogo jesuíta francês, suas obras e sua influência nas primeiras décadas do século XX na Igreja Católica foram monumentais, sendo co-escritor da "Pascendi" do Papa Pio X, que definiu suas políticas eclesiásticas, e autor de obras que se tornaram clássicas e foram usadas para formação dos sacerdotes em todo mundo,[1] sendo por isso apelidado de "príncipe dos teólogos".[2]

Billot foi elevado ao cardinalato em 1911, e renunciou em 1927, sendo o único cardeal do século que abdicou, razão que o tornou especialmante famoso posteriormente.[3][1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Louis Billot nasceu em Sierck-les-Bains e estudou nas seminários em Metz, Bordeaux, e Blois. Ordenado um padre em 22 de Maio de 1869, ele entrou para a Companhia de Jesus, seis meses depois, em 25 de novembro, em Angers. Billot realizou inicialmente trabalho pastoral em Paris no período de 1875-1878, em seguida, em Laval até 1879.

Lecionou na Universidade Católica de Angers em 1879-1882, e fez sua profissão perpétua como jesuíta em 2 de fevereiro de 1883, enquanto ensinava na Escolasticado jesuíta em Jersey. Em 1885, por ordens explícitas do Papa Leão XIII, Billot tornou-se professor de teologia dogmática na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma.[1] Além disso seu posto acadêmico, foi nomeado como consultor para o Santo Ofício em 19 de junho de 1909.

Billot foi na sua época o maior proponente da escolástica tomista, e se tornou uma figura de liderança na metafísica e teologia especulativa. Sua forte influência na teologia católica foi criado por seus inúmeros trabalhos publicados e seus muitos alunos,[4] do qual se destcam De Verbo Incarnato, De gratia Christi ou De Ecclesia Christi, livros que se tornaram clássicos e foram usados para formação dos sacerdotes em todo mundo.[1] Alguns discípulos da sua escola foram importantes teólogos do século XX, como Pietro Parente, Carlo Figini ou o Jules Lebreton, e "seus estudos sobre a disciplina dos sacramentos foram um ponto de referência para grandes teólogos do pós-Concílio como Karl Rahner e Edward Schillebeeckx".[1] Billot foi também fundamental na elaboração da encíclica de 1907 Pascendi Dominici Gregis do Papa Pio X, que definiu grandemente suas políticas eclesiásticas contra o modernismo, e era um amigo próximo de Fr. Henri Le Floch, reitor do Seminário francês de Roma.

Pio X tornou Billot cardeal-diácono de Santa Maria in Via Lata no consistório de 27 de Novembro 1911, e Billot foi um dos cardeais eleitores no conclave de 1914, e mais tarde participou do conclave de 1922. Ele também foi um dos três cardeais-Presidentes da Universidade Pontifícia "S. Tommaso" em Roma, junto com Benedetto Lorenzelli e Michele Lega. Ele foi nomeado membro da Pontifícia Comissão Bíblica em 06 fevereiro de 1923.

O apoio da Billot para o movimento profundamente conservador Action Française, eventualmente criou uma tensão entre ele e a Santa Sé. O Papa Pio XI desejava uma aproximação com a ala republicana da França, razão pela qual colocou o jornal do movimento no Index Librorum Prohibitorum, o que significava que ele foi proibido para todas as casas católicas. Billot expressou forte desacordo com a decisão, dizendo que as atividades políticas dos católicos monarquista não deviam ser censuradas por Roma.[5] Posteriormente Pio XI condenou totalmente o movimento e proibiu a participação de católicos nele, e Billot ainda continuou a apoiá-los.[1]

Depois de um encontro com o Papa Pio XI, Billot apresentou sua renúncia ao cardinalato em 13 de setembro de 1927,[3] e o Papa aceitou oito dias depois, em 21 de setembro. A renúncia de Billot se tornou pública para seus ex-colegas no Colégio dos Cardeais no Consistório do dia seguinte, 19 de Dezembro. Ele foi o único cardeal a renunciar durante o século XX.[3]

Billot morreu como um simples sacerdote jesuíta no Noviciado de Galloro, perto de Ariccia, com a idade de 85 anos, vivendo seus últimos anos em uma rígida pobreza religiosa.[1] Ele está enterrado no capela jesuíta do cemitério de Campo di Verano.

Referências

  1. a b c d e f g «Louis Billot: o cardeal que renunciou à púrpura». Unisinos. Consultado em 09 de outubro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. «A Mentalidade Católica Liberal». Montfort. Consultado em 09 de outubro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. a b c Salvador Miranda, "Cardinals who resigned the cardinalate (1449-1927)"
  4. McCool, Gerald A. "Nineteenth-century Scholasticism: The Search for a Unitary Method". Fordham University Press: 1989.
  5. TIME Magazine. Billot v. Pope October 3, 1927