Lourival Fontes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde março de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Lourival Fontes (Riachão do Dantas, 20 de julho de 18996 de março de 1967) foi um jornalista e político brasileiro, melhor conhecido por ter sido o ministro de propaganda(DIP) do presidente Getúlio Vargas, entre 1934 e 1942.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Riachão do Dantas (SE), em 1899. iniciou sua carreira jornalística em 1914, Jornalista, colaborou em diversos jornais de Sergipe e Bahia. trabalhando para o Jornal do Povo, de Aracaju. Em 1922 graduou-se pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro. Aproximando-se de Getúlio Vargas, apoiou a Aliança Liberal. Após fundar a revista Hierarquia, de cunho fascista, em 1931, foi nomeado funcionário da prefeitura do Rio de Janeiro, durante a gestão de Pedro Ernesto.

Membro da Sociedade de Estudos Políticos, da qual emanaria a Ação Integralista Brasileira (AIB), Fontes foi nomeado por Vargas diretor do Departamento de Propaganda e Difusão Cultural (DPDC) em 1934. Tal órgão foi criado às vésperas da Constituição de 1934 e tratava da difusão e do controle dos meios de comunicação para propaganda do governo. Como esperado, Fontes apoiou a instauração do Estado Novo, em 1937. Continuou dirigindo, até 1942, o DPDC, que teve sua denominação modificada duas vezes — para "Departamento Nacional de Propaganda" e, depois, para "Departamento de Imprensa e Propaganda" — e sua capacidade de ação ampliada, tendo censurado a imprensa em prol de Vargas.[1]

Em 1945 Lourival Fontes foi nomeado embaixador brasileiro no México, tendo pedido exoneração deste cargo com o final do Estado Novo. Mais tarde, ele participou da bem-sucedida campanha de Vargas à presidência e foi nomeado chefe do Gabinete Civil. Contudo, em razão do suicídio de Vargas, abandonou o posto para concorrer ao Senado por seu estado natal. Foi eleito e cumpriu mandato até 1963.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1940 casou com a escritora Adalgisa Nery, viúva do pintor surrealista Ismael Nery.

Referências


Precedido por
José Pereira Lira
Ministro do Gabinete Civil da Presidência da República
1951 — 1954
Sucedido por
José Monteiro de Castro


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.