Luís, Delfim da França (1729-1765)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís
Delfim da França
Retrato por Jean-Étienne Liotard, c. 1749
Esposas Maria Teresa Rafaela da Espanha
Maria Josefa da Saxônia
Descendência Maria Teresa de França
Maria Zeferina de França
Luís, Duque da Borgonha
Xavier, Duque da Aquitânia
Luís XVI de França
Luís XVIII de França
Carlos X de França
Maria Clotilde de França
Isabel de França
Casa Bourbon
Nome completo
Luís Fernando
Nascimento 4 de setembro de 1729
  Palácio de Versalhes, Versalhes, França
Morte 20 de dezembro de 1765 (36 anos)
  Palácio de Fontainebleau, Fontainebleau, França
Enterro Basílica de Saint-Denis,
Saint-Denis, França (coração)
Pai Luís XV de França
Mãe Maria Leszczyńska
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Luís

Luís, Delfim da França[1] (Versalles; 4 de setembro de 1729 - Fontainebleau; 20 de dezembro de 1765) foi delfim de França e herdeiro aparente do rei Luís XV de França.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Luís aos nove anos de idade por Louis Tocqué, c. 1738.

O nascimento de um herdeiro ao trono havia sido muito esperado, desde a trágica mortalidade da familia real Francesa, a princípios de 1710. Quando a terceira gravidez de Maria Leszczynska teve por resultado um filho, houve um grande regozijo e comemorações com fogos de artifício em todas as grandes cidades da França. Pela primeira vez em 15 anos, o futuro da dinastia parecia assegurado. Seu nascimento privou seu tio-avô Felipe V de Espanha de sua posição como presuntivo herdeiro ao trono de França.

A educação do Delfim foi confiada a Jean-François Boyer, um bispo francês, o homem virtuoso, mas no limiar da velhice e visões estreitas. Na verdade, ele teve de Pai sub-tutor Joseph Giry Saint Cyr, membro da Academia Francesa. Ele era um aluno muito brilhante. Assim, ele tinha um excelente conhecimento do latim, ele falava fluentemente Inglês, que é raro para um príncipe do seu tempo e se destacou em muitos outras disciplinas No entanto, se ele odiava a atividade física e até mesmo desistiu da perseguição depois de matar acidentalmente um de seus homens. Ele deu a proteção à viúva e aos descendentes de miserável pensão que foi pago pelos diversos governos até a extinção da linhagem da vítima sob a Terceira República. O príncipe tornou-se, como suas irmãs, um excelente músico.

Primeiro casamento[editar | editar código-fonte]

Em 1744, Luís XV negociou um casamento entre seu filho de quinze anos e a infanta Maria Teresa Rafaela, de 19 anos, filha do rei Filipe V de Espanha e de sua esposa Isabel Farnésio. O contrato de casamento foi assinado em 13 de dezembro de 1744; o casamento foi celebrado por procuração em Madrid em 18 de dezembro de 1744 e pessoalmente em Versalhes em 23 de fevereiro de 1745.

Luís e Maria Teresa Rafaela eram bem pareados e tinham uma afeição real um pelo outro. Eles tiveram uma filha, a princesa Maria Teresa de França. Três dias após o nascimento de sua filha, Maria Teresa Rafaela morreu em 22 de julho de 1746 aos 20 anos de idade. Luís sofreu intensamente com a perda de sua esposa, mas sua responsabilidade de prover a sucessão à coroa francesa exigia que ele se casasse novamente rapidamente.

Em 1746, Luís recebeu a Ordem do Tosão de Ouro de seu sogro, o rei Filipe V de Espanha.[2]

Segundo casamento[editar | editar código-fonte]

Em 10 de janeiro de 1747, Luís casa-se por procuração em Dresden com Maria Josefa da Saxônia, filha do rei Augusto III da Polônia e de sua esposa, a arquiduquesa Maria Josefa da Áustria. Uma cerimônia de casamento aconteceu pessoalmente em Versalhes em 9 de fevereiro de 1747.

Últimos anos e morte[editar | editar código-fonte]

O delfim ocupava uma posição central no Dévots, um grupo de homens religiosos que esperava ganhar poder quando ele subisse ao trono. Estavam contra a forma como Luís XV tinha casos amorosos abertamente na corte, mesmo com o conhecimento da rainha.

Luís morreu de tuberculose em Fontainebleau em 1765, aos trinta e seis anos, enquanto seu pai ainda estava vivo, de modo que nunca se tornou rei da França. Sua mãe, a rainha Maria Leszczyńska, e seu avô materno, o ex-rei da Polônia, Estanislau I Leszczyński, duque da Lorena, também sobreviveram a ele. Seu filho mais velho sobrevivente, Luís Augusto, duque de Berry, tornou-se o novo delfim, ascendendo ao trono como Luís XVI após a morte de Luís XV, em maio de 1774.

Luís foi enterrado na Catedral de Saint-Étienne em Sens. Seu coração foi enterrado na Basílica de Saint-Denis ao lado túmulo da primeira esposa, a infanta Maria Teresa Rafaela.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Nome Nascimento Morte Observações
Maria Teresa 19 de julho de 1746 27 de abril de 1748
Filho natimorto 30 de janeiro de 1748
Filho natimorto 10 de maio de 1749
Maria Zeferina 26 de agosto de 1750 2 de setembro de 1755
Luís, Duque da Borgonha 13 de setembro de 1751 22 de março de 1761
Filha natimorta 9 de março de 1752
Xavier, Duque da Aquitânia 8 de setembro de 1753 22 de fevereiro de 1754
Luís XVI de França 23 de agosto de 1754 21 de janeiro de 1793 Casou-se com Maria Antonieta da Áustria em 1770, com descendência.
Luís XVIII de França 17 de novembro de 1755 16 de setembro de 1824 Casou-se com Maria Josefina de Saboia em 1771, sem descendência.
Filho natimorto 1756
Carlos X de França 9 de outubro de 1757 6 de novembro de 1836 Casou-se com Maria Teresa de Saboia em 1773, com descendência.
Maria Clotilde 23 de setembro de 1759 7 de março de 1802 Casou-se com Carlos Emanuel IV da Sardenha em 1775, sem descendência.
Filho natimorto 1762
Isabel 3 de maio de 1764 10 de maio de 1794

Referências

  1. He is called simply Louis by the most reputed biographies (including the earliest ones by Proyart and Rozoir), the major genealogical works about the House of Bourbon (including Achaintre and Dussieux) and numerous engravings. Several modern works (e.g. Antonia Fraser, Marie Antoinette) and some websites call him Louis Ferdinand to distinguish him from his father and his two sons.
  2. Nicolas-Louis Achaintre, Histoire généalogique et chronologique de la maison royale de Bourbon (Paris: Mansut, 1825), II, 149. T. F. Boettger says he received it in 1739.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Broglie, Emmanuel de, Le fils de Louis XV, Louis, dauphin de France, 1729-1765. Paris: E. Plon, 1877.
  • Dechêne, Abel, Le dauphin, fils de Louis XV. Paris: Librairie du dauphin, 1931.
  • Ducaud-Bourget, François. Louis, dauphin de France: le fils du Bien-Aimé. Paris: Conquistador, 1961.
  • Hours, Bernard. La vertu et le secret: le dauphin, fils de Louis XV. Paris: Champion, 2006.
  • Huertas, Monique de, Marie-Josèphe de Saxe: mère de nos trois derniers rois de France et de Madame Élisabeth, Paris: Pygmalion, 1995.
  • Proyart, Liévin-Bonaventure. Vie du dauphin, père de Louis XVI, Lyon: Bruyset-Ponthus, 1788.
  • Rozoir, Charles du, Le dauphin, fils de Louis XV et père de Louis XVI et de Louis XVIII, Paris: Eymery, 1815.
  • Zieliński, Ryszard, Polka na francuskim tronie, Warszawa: Czytelnik, 1978.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luís, Delfim da França
Luís, Delfim da França
Casa de Bourbon
Ramo da Casa de Capeto
4 de setembro de 1729 – 20 de dezembro de 1765
Precedido por
Luís
Coat of Arms of the Dauphin of France.svg
Delfim de França
4 de setembro de 1729 – 20 de dezembro de 1765
Sucedido por
Luís Augusto