Luís, Duque da Borgonha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís
Duque da Borgonha
Delfim da França
Retrato por Hyacinthe Rigaud
Esposa Maria Adelaide de Saboia
Descendência Luís, Duque de Bretanha
Luís, Duque de Bretanha
Luís XV de França
Casa Bourbon
Nascimento 16 de agosto de 1682
  Palácio de Versalhes, Versalhes, França
Morte 18 de fevereiro de 1712 (29 anos)
  Castelo de Marly, Marly, França
Enterro Basílica de Saint-Denis, Saint-Denis, França
23 de fevereiro de 1712
Pai Luís, Delfim da França
Mãe Maria Ana Vitória da Baviera
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Luís

Luís, Duque da Borgonha (Versalhes, 16 de agosto de 1682Marly, 18 de fevereiro de 1712) foi filho de Luís, Grande Delfim da França e de Maria Ana Vitória da Baviera.

Nasceu em Versalhes, sendo o segundo na linha sucessória de seu avô paterno, o rei Luís XIV de França. Luís sucedeu seu pai como herdeiro (delfim) do trono francês depois da morte dele em 1711. Entretanto, ele e sua esposa, Maria Adelaide de Saboia, contrairam varíola (ou sarampo) e morreram um seis dias depois do outro, no início de 1712. Seu filho mais velho, Luís, Duque de Bretanha, sucumbiu à mesma enfermidade. Seu filho mais novo, então apenas com dois anos de idade, sobreviveu e se tornou Luís XV de França.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

A família de Luís em 1687

Luís nasceu no Palácio de Versalhes, o filho mais velho de Luís, Grande Delfim de França, e sua esposa Maria Ana Vitória de Baviera. Ao nascer, recebeu o título de Duque da Borgonha. Como filho do delfim, era um Filho da França e segundo na linha de sucessão a seu avô, rei Luís XIV de França.

Luís cresceu com seus irmãos mais novos; Filipe, Duque de Anjou, que viria a ser o rei Filipe V de Espanha; e Carlos, Duque de Berry. Ele perdeu a mãe quando tinha oito anos. Seu pai nunca desempenhou um papel importante na política.

O duque de Borgonha era considerado uma criança difícil, que não respeitava ninguém, mas sob a influência de seu tutor François Fénelon, arcebispo de Cambrai, ele se tornou um homem muito piedoso e religioso. Os pensamentos e crenças de Fénelon influenciaram o jovem príncipe ao longo de sua vida.

A partir de 1702 com a idade de vinte anos, foi admitido por seu avô Luís XIV ao conselho superior e iniciado nos segredos de Estado em matéria de religião, diplomacia e guerra, mas ele mostrou pouca habilidade na guerra e sentiu que as dificuldades na campanha de 1708, ele fez em Flandres com a ajuda do duque de Vendome, em que ele teve que lutar com Eugénio de Saboia e com o Duque de Marlborough.

Sob a influência do partido religioso, o Duque de Borgonha foi cercado por um círculo de pessoas, conhecido como a facção Borgonha composta principalmente de seu antigo tutor Fenelon (que compôs para suas fábulas e Telêmaco), seu antigo governador, o duque de Beauvillier, o duque de Chevreuse (filho de Colbert) e do Duc de Saint-Simon (autor de famosos memórias históricas).

Estes aristocratas de alto escalão eram reformistas que queriam um retorno a uma monarquia absoluta menos onde conselhos e organismos intermédios de poder (entre o rei eo povo) constituídos apenas por aristocratas (em vez de burgueses como aqueles que tinham nomeado Luís XIV), que "assistir" o rei no exercício da autoridade governamental. Havia este ideal utópico de uma monarquia controlada pela aristocracia (que se proclamou representante do povo) e descentralizadas (amplos poderes ser concedida para as províncias). Esta é a política que o duque de Borgonha provavelmente teria aplicado se ele tivesse se tornar rei.

A morte prematura do duque de Borgonha com sarampo Château de Marly que mataram sua esposa seis dias antes (erroneamente pensou que ele tinha sido envenenado), arruinou as esperanças de sua facção e de fato mais dos que morreram pertencia a morte natural em breve virar. No entanto, o Regency, que começou em 1715, pôr em prática algumas das suas ideias, com a criação do que foi chamado de polysynodie; mas o último, que rapidamente mostrou as suas limitações, foi abandonada desde 1718 e voltou a monarquia absoluta no estilo de Luís XIV.

Casamento[editar | editar código-fonte]

O casamento de Luís e Maria Adelaide de Saboia

Aos 15 anos, casou-se com sua prima em segundo grau, a princesa Maria Adelaide de Saboia, filha de Vítor Amadeu II da Sardenha, e Ana Maria de Orleães. Este jogo tinha sido decidido como parte do Tratado de Turim, que terminou os conflitos franco-saboia durante a Guerra dos Nove Anos. O casamento aconteceu no dia 7 de dezembro de 1697 na Capela Real do Palácio de Versalhes.

Carreira militar e política[editar | editar código-fonte]

Luís, Duque da Borgonha por Joseph Vivien, 1700

Em 1702, aos vinte anos de idade, o duque de Borgonha foi admitido por Luís XIV ao Conseil d'en haut, que estava encarregado dos segredos de Estado em matéria de religião, diplomacia e guerra. Seu pai só tinha sido admitido no Conselho Superior aos trinta anos de idade.

Em 1708, durante a Guerra da Sucessão Espanhola, Luís foi dado comando do exército em Flandres, com o soldado experiente Louis Joseph, Duque de Vendôme, servindo sob suas ordens. A incerteza quanto a qual dos dois deve realmente comandar o exército levou a atrasos ea necessidade de se referir as decisões de Luís XIV. A contínua indecisão levou à inatividade francesa como mensagens percorridas entre a frente e Versailles; Os Aliados foram então capazes de tomar a iniciativa. O ponto culminante disso foi a Batalha de Oudenarde, onde as escolhas equivocadas do Duque de Borgonha e a relutância em apoiar Vendôme levaram a uma derrota decisiva para os franceses. Na sequência da derrota, a sua hesitação para aliviar o cerco de Lille levou à perda da cidade e, assim, permitiu que os aliados para fazer suas primeiras incursões em solo francês.

O Duque de Borgonha foi influenciado pelas dévotas e foi cercado por um círculo de pessoas conhecido como a facção de Bourgogne, que era mais notavelmente composto por seu antigo tutor Fénelon, seu velho governador Paul de Beauvilliers, Duque de Saint-Aignan e seu cunhado Charles Honoré d'Albert, Duque de Chevreuse, bem como o renomado memorialista, Louis de Rouvroy, duque de Saint-Simon.

Esses aristocratas de alto escalão procuravam o retorno a uma monarquia menos absoluta e menos centralizada, com mais poderes concedidos às províncias individuais. Eles perceberam que o governo deveria trabalhar através de conselhos e órgãos intermediários entre o rei eo povo. Esses conselhos intermediários seriam constituídos não por plebeus da burguesia (como ministros nomeados por Luís XIV), mas por aristocratas que se percebessem como representantes do povo e ajudariam o rei na governança e no exercício do poder. Se o Duque de Borgonha tivesse sucedido ao trono, ele poderia ter aplicado este conceito de monarquia.

Morte e legado[editar | editar código-fonte]

Luís XV

Luís tornou-se em Delfim de França após a morte de seu pai em 1711. Em fevereiro 1712, sua esposa contraiu o sarampo e morreu em 12 de fevereiro. O duque de Borgonha, que permaneceu ao seu lado durante a doença fatal, apanhou a doença e morreu em 18 de fevereiro, seis dias depois dela, aos vinte nove anos de idade. Ambos seus filhos foram igualmente infectados. O mais velho, Luís, Duque de Bretanha, sucumbiu a ele em 8 de março. O único a sobreviver foi o duque de Anjou, de dois anos de idade, o futuro rei Luís XV.

A morte do duque de Borgonha precipitou uma possível crise de sucessão, já que ele deixou como o herdeiro aparente de seu avô de setenta e quatro anos, seu frágil filho cujas chances de sobrevivência foram consideradas mínimas. Também arruinou as esperanças da facção de Bourgogne, cujos membros logo morreriam de morte natural.

No entanto, algumas de suas idéias foram postas em prática quando, Filipe II, Duque d'Orleães, como regente durante a minoria de Luís XV, criou uma forma de governo onde cada ministério foi substituído por um conselho composto de aristocratas. No entanto, o absentismo, a inépcia e os conflitos dos aristocratas fizeram com que este sistema de governança falhasse, e logo foi abandonado em 1718 a favor de um retorno à monarquia absoluta.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Nome Nascimento Morte Observações
Luís, Duque de Bretanha 25 de junho de 1704 15 de abril de 1705
Luís, Duque de Bretanha 8 de janeiro de 1707 8 de março de 1712
Luís XV de França 15 de fevereiro de 1710 10 de maio de 1774 Rei da França e Navarra de 1714 a 1774; Casou-se com Maria Leszczyńska em 1725, com descendência.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luís, Duque da Borgonha
  • Antoine, Michel, Louis XV, Fayard, Paris, 1989 (French).
  • Dufresne, Claude, les Orléans, CRITERION, Paris, 1991 (French).
Luís, Duque da Borgonha
Casa de Bourbon
Ramo da Casa de Capeto
16 de agosto de 1682 – 18 de fevereiro de 1712
Precedido por
Luís
Coat of Arms of the Dauphin of France.svg
Delfim da França
14 de abril de 1711 – 18 de fevereiro de 1712
Sucedido por
Luís José