Luís Amaro de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís Amaro de Oliveira
Fotografia de Luís Amaro de Oliveira
Nascimento 07 de julho de 1920
Braga, Portugal
Morte 16 de janeiro de 1991 (70 anos)
Póvoa de Varzim, Portugal
Residência Portugal
Nacionalidade português
Cônjuge Maria Margarida Duarte da Fonseca Oliveira (1923-2009)
Alma mater Universidade de Lisboa
Ocupação Ensaísta e professor
Campo(s) Literatura
Tese António Feijó e a sua Obra (1945)

Luís Amaro Joaquim de Oliveira (Braga, 7 de Julho de 1920Póvoa de Varzim, 16 de Janeiro de 1991) foi um professor liceal autor de várias edições didáticas, textos pedagógicos e ensaios sobre literatura portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luís Amaro de Oliveira nasceu em Santa Tecla, Braga, a 7 de Julho de 1920, filho de Amaro José de Oliveira e de Izilda Martins de Albuquerque. Foi seu padrinho de baptismo o seu tio paterno Joaquim José Oliveira, ministro da Instrução Pública do governo de Alfredo de Sá Cardoso[1]. Casou-se em 1949 com Maria Margarida Duarte da Fonseca, neta de Eduardo da Fonseca, figura activa no meio artístico portuense do seu tempo. É seu sobrinho o Prof. Luís António de Oliveira Ramos, ex-Reitor da Universidade do Porto.

Licenciou-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 1945, com a defesa da sua tese sobre o poeta António Feijó[2], em que foi arguente Vitorino Nemésio. Foram professores seus Hernâni Cidade, António José Saraiva, Delfim Santos e Vitorino Nemésio. Aí firmou amizade com Sebastião da Gama, Matilde Rosa Araújo e Francisco Luís Amaro, entre outros amigos e condiscípulos[3].

Logo após a sua licenciatura dedicou-se a publicar os seus estudos sobre a vida e obra de Cesário Verde[4], tendo por sua iniciativa sido feita uma homenagem ao poeta em Linda-a-Pastora e aí sido descerrada uma lápide, em 18 de Junho de 1950 [5], na casa onde o poeta passou a sua infância. Tendo entretanto mudado de residência de Lisboa para a Apúlia (Esposende) e depois para a Póvoa de Varzim, foi até ao fim dos seus dias professor de liceu nesta cidade e no Porto.

Fez parte de um grupo de tertúlia literária que, a partir do início dos anos sessenta, reunia semanalmente no Diana-Bar da Póvoa de Varzim, ou no Restaurante Marisqueira em A-Ver-o-Mar (o "grupo dos sábados"), de que faziam parte José Régio, João Francisco Marques, Orlando Taipa, Flávio Gonçalves, Pacheco Neves e Manuel de Oliveira.[3][6][7]

Um de seus livros, Viagens na Minha Terra, foi recomendado pelo Plano Nacional de Leitura do governo português para o 3º Ciclo.[8] Outro livro, Farsa chamada Auto da Índia, no qual ele escreve o prefácio foi recomendado para a 9º ano.[9]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Luís Amaro de Oliveira (1944): "Cesário Verde: Novos Subsídios para o Estudo da sua Personalidade" (Editora Nobel, Coimbra, 1944)[10]
  • Luís Amaro de Oliveira e Manuel José Antunes Coimbra (1947): "Um Pouco de Tudo - Leituras" (Livraria Popular, Lisboa, 1947)
  • Luís Amaro de Oliveira (1949): "3 sentidos fundamentais na poesia de Cesário", Lisboa, 1949.[11][12]
  • Luís Amaro de Oliveira (1965): "Antologia de Lendas, Narrativas e Contos" (Para o 2.º e 3.º ciclos dos liceus c/ perguntas de orientação e análise de textos). Porto Editora. 1965. (Com desenhos de José Régio, Júlio Resende e Bravo Neves.)[11]
  • Luís Amaro de Oliveira (1960): "A História e a Lenda na Interpretação da Personalidade do Infante". Tipografia Cávado, Esposende, 1960.[13][14]
  • Feliciano Ramos, Luís Amaro de Oliveira (1968): "Os grandes escritores do Renascimento (Textos do século XVI)". Livraria Cruz, Braga, 1968 - 626 páginas
  • Luís Amaro de Oliveira (1974): "Viagens na Minha Terra de Almeida Garrett". Realização didáctica. Porto Editora. 1974.[8]
  • Luís Amaro de Oliveira (1974): "Gil Vicente - Farsa Chamada Auto da Índia". Realização didáctica. Porto Editora. 1974.
  • Luís Amaro de Oliveira (1976): "Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco". Realização didáctica (dedicada a Manuel de Oliveira[15]). Porto Editora. 1976.
  • Maria António Gandra e Luís Amaro de Oliveira (1979): "Caderno para uma direcção de leitura de 'Os Maias'". Com sínteses críticas, questionário de análise literária, temas para composições, ficha de leitura. Porto : Porto Editora, 1979.
  • Luís Amaro de Oliveira (1982): "Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett". Realização didáctica (dedicada a António Salgado Júnior). Porto Editora. 1982. Esta edição compreende informações sobre a vida e a obra de Almeida Garrett com juízos críticos sobre a obra, um plano de estudo da obra, comentário de vocábulos e da nomenclatura literária.[16]

Referências e Notas

  1. Autor do decreto que instituiu a Faculdade de Letras da Universidade do Porto (Diário do Governo, 1.° série, n.° 99, de 24 de Maio de 1919).
  2. "António Feijó e a sua Obra". Tese de licenciatura em Filologia Românica apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa em Junho de 1945 (Cota de arquivo: 1945-R-18)
  3. a b Cf. "Reencontro com o Dr. Luís Amaro de Oliveira: o professor e o amigo". Edição da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, 2001.
  4. Cf. os seus ensaios "Cesário Verde: Novos Subsídios para o Estudo da sua Personalidade" (1944), "3 sentidos fundamentais na poesia de Cesário" (1949) e "Para uma Biografia de Cesário" (1952)
  5. Diário de Lisboa, 18 de Junho de 1950 e Diário da Manhã, 19 de Junho de 1950.
  6. Cf. p.11 de "Sinopse Bio-bibliográfica". In "Estudos em Homenagem a João Francisco Marques", volume I, FLUP, 2001 (ISBN 10:972-9350-59-0).
  7. Manoel de Oliveira distinguido em França - Cultura Lusa
  8. a b - Viagens na Minha Terra, Edição Didáctica, acessado em 4 de abril de 2014
  9. Farsa chamada Auto da Índia, Porto Editora, acessado em 4 de abril de 2014
  10. Iberlibro - acessado em 5 de janeiro de 2014
  11. a b Universidade de Coimbra - Serviços de Biblioteca e Documentação - acessado em 5 de janeiro de 2014
  12. Hathi Trust - acessado em 5 de janeiro de 2014
  13. Revista Municipal, 1960, nº 84, p. 59-65, acessado em 5 de janeiro de 2014
  14. Biblioteca Municipal de Vila Real acessado em 5 de janeiro de 2014
  15. Luís Amaro e Manuel de Oliveira abordaram ao mesmo tempo esta obra de Camilo, o primeiro a preparar o seu estudo crítico e o segundo a planear e realizar o seu filme Amor de Perdição (1979), tendo-a debatido longamente, nomeadamente na tertúlia dos "encontros ao sábado".
  16. -Fnac - acessado em 5 de janeiro de 2014

Ligações externas[editar | editar código-fonte]