Luís Nobre Guedes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luís Nobre Guedes
Ministro(a) de Flag of Portugal.svg Portugal
Período XVI Governo Constitucional
  • Ministro do Ambiente e do
    Ordenamento do Território
Antecessor(a) Arlindo Cunha
Sucessor(a) Francisco Nunes Correia
Dados pessoais
Nascimento 3 de setembro de 1955 (62 anos)
Lisboa
Partido CDS-PP
Profissão Advogado

Luís José de Mello e Castro Guedes, mais conhecido por Luís Nobre Guedes[1] (Lisboa, 3 de setembro de 1955), é um advogado e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciou-se em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, em 1978, e foi admitido na Ordem dos Advogados Portugueses em 1980.[2]

Foi co-fundador das sociedades de advogados F. Castelo Branco, Nobre Guedes, P. Rebelo de Sousa & Associados, Grupo Legal Português (AEIE entre a britânica Simmons & Simmons, a espanhola Garrigues e a brasileira Pinheiro Neto Advogados[3]) e PMBGR - Pena, Machete, Botelho Moniz, Nobre Guedes, Ruiz & Associados. Atualmente é sócio da Nobre Guedes, Mota Soares & Associados.

Participou na fundação do jornal O Independente, lançado em 1988, tendo sido presidente do Conselho de Administração da sua editora, a SOCI, até 1991. Nesse ano vendeu a sua participação a Miguel Pais do Amaral,[4] que a partir daí fundaria a Media Capital.[5]

Antes do 25 de abril de 1974 Nobre Guedes integrou a Juventude Escolar Católica e apoiou a CDE às eleições legislativas de 1973.[6] Em 1987 aderiu ao Partido do Centro Democrático Social.[7] Militante destacado e vice-presidente deste partido, foi eleito deputado à Assembleia da República, em 1995 e 1999,[8] e deputado ao Parlamento Europeu, em 1994. Foi presidente da Assembleia Municipal de Cascais, eleito em 1997.

Entre 2004 e 2005 foi Ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território do XVI Governo Constitucional. Exercia este cargo quando surgiu o caso Portucale, no âmbito do qual não chegou a ser acusado.[9]

Foi ainda vogal do Conselho Superior de Magistratura, eleito em 2003 pela Assembleia da República.

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

Filho de Filipe José de Magalhães Coutinho Nobre Guedes (Lisboa, 6 de Outubro de 1921 - Lisboa, 16 de Setembro de 1981), por sua vez filho de Francisco José Nobre Guedes, neto materno duma prima-irmã do 1.º Visconde de Ferreira do Alentejo; e de sua mulher (Lisboa, 10 de Julho de 1944) D. Maria Luisa Lobo de Almeida de Melo e Castro (Lisboa, 20 de Julho de 1925 - Lisboa), bisneta do 7.º Conde das Galveias e do 2.º Conde da Lapa, 3.º Visconde da Lapa e 4.º Barão de Moçâmedes e neta materna do 1.º Conde de Sabrosa.

Casou com Sofia de Sequeira Braga da Cruz Mata (Lisboa, 7 de Julho de 1965), Licenciada em Relações Internacionais pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa, filha de Gustavo Manuel da Silva da Cruz Mata (18 de Julho de 1929), Licenciado em Ciências Económicas e Financeiras pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras e Administrador de Empresas como a Mobil Oil Portuguesa, e de sua mulher (Lisboa, 25 de Outubro de 1958) Maria Leonor Satúrio Pires de Sequeira Braga (Lisboa, 18 de Julho de 1934 - Cascais, Estoril, 20 de Fevereiro de 2014), que em Monarquia seria Representante dos Títulos de Visconde da Costa, Conde da Costa, Visconde de Guedes e Visconde de Tardinhade, da qual teve três filhas e um filho.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Táctico e advogado de empresas». Diário de Notícias. 12 de maio de 2005. Consultado em 9 de junho de 2011 
  2. «Pesquisa de Advogados». Ordem dos Advogados. 10 de janeiro de 2006. Consultado em 9 de junho de 2011 
  3. SRS Advogados
  4. Portas e Guedes: como o poder separou dois amigos íntimos
  5. BPCC
  6. «Táctico e advogado de empresas». Diário de Notícias. 12 de maio de 2005. Consultado em 9 de junho de 2011 
  7. «Táctico e advogado de empresas». Diário de Notícias. 12 de maio de 2005. Consultado em 9 de junho de 2011 
  8. Parlamento
  9. «Caso Portucale: Todos os arguidos vão a julgamento». Expresso. 31 de maio de 2010. Consultado em 9 de junho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Arlindo Cunha
(como ministro das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente)
Ministro do Ambiente e do Ordenamento do Território
XVI Governo Constitucional
2004 – 2005
Sucedido por
Francisco Nunes Correia
(como ministro do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional)



Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre um empresário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.