Luísa de Saboia, Duquesa de Némours

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde setembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Luísa de Saboia
Duquesa de Angoulême, Anjou, Auvérnia, Châtellerault e Némours
Cônjuge Carlos de Orleães-Angoulême
Descendência Margarida de Angoulême
Francisco I de França
Casa Saboia
Nascimento 11 de setembro de 1476
  Pont-d'Ain, Ain, França
Morte 22 de setembro de 1531 (55 anos)
  Grez-sur-Loing, Sena e Marne, Ilha de França
Enterro Basílica de Saint-Denis
Pai Filipe II, Duque de Saboia
Mãe Margarida de Bourbon

Luísa de Saboia (em francês: Louise; Pont-d'Ain, 11 de setembro de 1476Grez-sur-Loing, 22 de setembro de 1531) foi duquesa de Angoulême e a mãe de Francisco I de França.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Pont d'Ain como a filha mais velha de Filipe II, Duque de Saboia, e de Margarida de Bourbon. Aos doze anos, casou com Carlos de Valois-Angoulême, com quem teve dois filhos.

Em 1515, seu filho Francisco tornou-se rei e Luísa, devotada ao filho, teve uma parte importante no governo. Feita duquesa de Angoulême, foi escolhida como regente quando Francisco empreendeu sua primeira expedição à Itália em 1515 e 1516.

Quando sua prima Susana de Bourbon morreu em 1521, Luísa reclamou para si o Ducado de Auvérnia e outras possessões dos Bourbons. Isto a levou (apoiada pelo rei) a competir com Carlos III de Bourbon, viúvo de Susana, a quem ela propôs casamento a fim de resolver a questão da herança dos Bourbons. Ao ser rejeitada por Carlos, Luísa se esforçou em prejudicá-lo. Assim, em 1521, em benefício de sua mãe, Francisco I confiscou parte da propriedade dos Bourbons, incluindo o Ducado de Auvérnia. Isto levou Carlos a cometer traição, oferecendo seus serviços ao imperador Carlos V. Ao ser desmascarado, ele fugiu para a Itália em 1523. Quatro anos depois, ele morreu em guerra contra seu país.

Regente novamente em 1525 e 1526, durante a segunda expedição italiana do rei, Luísa foi capaz de afastar Henrique VIII de Inglaterra de sua aliança com Carlos V. Ela também foi ativa nas negociações para libertar seu filho do cativeiro na Espanha, e com a cunhada Margarida da Áustria negociou o Tratado de Cambrai, ou A Paz das Damas, em 1529, entre Francisco I e Carlos V.

Luísa faleceu em Gretz-en-Gâtinois, aos 55 anos, vítima da peste. Seu corpo está sepultado na Basílica de Saint-Denis.

Descendência[editar | editar código-fonte]


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luísa de Saboia, Duquesa de Némours


Precedida por:
Novo título
(Francisco, como conde)
Duquesa de Angoulême
1515 - 1531
Sucedida por:
Carlos II de Orleães
Precedida por:
Nova criação
Duquesa de Anjou
1524 - 1531
Sucedida por:
ao domínio real
Precedida por:
Carlos III de Bourbon
Duquesa de Auvérnia
1521 - 1531
Sucedida por:
ao domínio real
Precedida por:
Carlos III de Bourbon
Duquesa de Châtellerault
1527 - 1530
Sucedida por:
Carlos II
Precedida por:
Novo título
Duquesa de Némours
1524 - 1528
Sucedida por:
Filipe de Saboia, Duque de Nemours
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.