Luana Génot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luana Génot
Nascimento 1989 (31 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação empresário, filantropo, ativista

Luana Génot, de nascimento Luana Souza Martins Génot (Rio de Janeiro, 1989), é uma empresária, jornalista, ativista pela igualdade racial, fundadora do Instituto Identidades do Brasil e a idealizadora da Campanha “Sim à Igualdade Racial”, reconhecida pelo II Prêmio Empregueafro 2016.[1][2] Em 2019, foi convidada pela UNESCO no Brasil para falar no evento Igualdade Racial: Género, Raça e Mercado de Trabalho.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luana nasceu em 1989 e foi criada pela mãe, funcionária pública e técnica de enfermagem, e pela avó, no bairro da Penha, zona norte do Rio de Janeiro, Brasil.[1] Desde criança se debateu com a problemática racial, aos 9 anos teve que mudar de escola porque a cor negra da sua pele e o cabelo a tornavam alvo de ofensas racistas por parte dos seus pares.[4][5]

Percurso[editar | editar código-fonte]

Génot abordou questões relacionadas com a identidade e a igualdade racial durante todo o seu percurso universitário. Em 2010, ingressou na Pontíficia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro para comunicação social e publicidade[6] e enquanto estudante organizou eventos sobre a temática “ID_BR Cara: Pele: Jeito”. Em 2012, foi bolseira do Programa Ciência Sem Fronteiras, no curso de Comunicação Social, na University of Wisconsin - Madison, Estados Unidos da América, onde especializou-se na área de raça, etnia e mídia. Nessa etapa trabalhou com ações de identidade e inclusão na Coalisão Multicultural Estudantil.[6][7][8]. Tornou-se mestre em Relações Étnico-Raciais pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET) do Rio de Janeiro com a dissertação #SimÀIgualdadeRacial: Análise Discursiva de depoimentos sobre raça no Facebook em março de 2017.[2][9][10][11]

Durante a sua estadia nos EUA, trabalhou na agência de publicidade Burrell Communications, em Chicago, focada sobretudo no público afro-americano.[7][6] Foi também neste período, e após contacto com o gabinete de apoio da campanha de reeleição de Barack Obama, quando Génot se tornou voluntária para registar eleitores e distribuir panfletos de apoio a Barack Obama.[6][7][12]

Em 2016, fundou o Instituto Identidades do Brasil, do qual é a directora-executiva.[6] O Instituto Identidades do Brasil tem como embaixadoras Luisa Trajano, que comanda a rede Magazine Luiza, e a poeta Elisa Lucinda. Este Instituto é uma ONG que atua na promoção da igualdade racial no mercado de trabalho brasileiro e pretende promover e estimular a diversidade étnico-racial no mundo corporativo.[6][13][12][8][9][10][11][14]

Através do Instituto Identidades do Brasil, Génot foi responsável pela criação da campanha de promoção da igualdade racial "Sim à Igualdade Racial" que em 2017 reuniu anónimos e famosos como a cantora Elza Soares, os actores Bruno Gagliasso, Sérgio Loroza e Giovanna Ewbank ou a empresária Luisa Trajano.[15][16] Também organiza anualmente o Fórum Sim à Igualdade Racial, evento que reúne um conjunto de profissionais negros dentre CEOs, jornalistas, pesquisadores, directores executivos de empresas e tem como objetivo a discução de temáticas relacionadas com a diversidade étnico-racial no mercado laboral e no mundo empresarial.[13][17][18][19] No âmbito deste fórum foi criado o prémio "Sim à Igualdade Racial" cujo objetivo é reconhecer os principais nomes e instituições que atuam em prol da igualdade racial no Brasil.[6][20]

Enquando representante do fórum que criou, em julho de 2018, Génot foi convidada para o programa televisivo Diálogos de Esperança, da GloboNews, comandado por Pedro Bial, para falar sobre educação e racismo. Este programa contou com a participação de mobilizadores do projecto Criança Esperança, uma parceria da Globo com a UNESCO.[21]

Em junho de 2019, Génot foi uma das convidadas para o debate Igualdade Racial: Género, Raça e Mercado de Trabalho, promovido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura no Brasil (UNESCO), em parceria com o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a ONU Mulheres e a coordenação do Sistema ONU, com moderação de Marlova Jovchelovitch Noleto, representante e diretora da UNESCO no Brasil.[3]

Genot é Líder do Comitê de Igualdade Racial do Grupo Mulheres do Brasil[14] e foi a primeira colunista negra no caderno "ELA" do jornal O Globo.[10] Neste caderno a jornalista escreve regularmente sobre questões relacionadas com o racismo, a desigualdade racial e as mulheres negras em particular.[10][22][23][24]. Também neste caderno, e durante a pandemia da Covid 19, tem escrito sobre o impacto económico e laboral que esta pandemia tem sobre as mulheres negras.[25][26][27][28]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Em 2020, o livro escrito por Génot, “Sim à Igualdade Racial - Raça e Mercado de Trabalho” (ISBN 8534705607), foi publicado pela Pallas Editora. A obra está ligada à dissertação de mestrado da autora em Relações Étnico-Raciais e aborda o papel fundamental das empresas na mudança do cenário atual de desigualdade racial no mercado laboral brasileiro. O estudo de caso foi o Brasil e reflete sobre o conceito ‘raça’ aplicado na trajetória pessoal e profissional de cada entrevistado.[29][30][31]

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Em 2016, Génot foi premiada na categoria Melhor atividade pública de conscientização racial do II Prêmio EMPREGUEAFRO de valorização da Diversidade Étnico-racial.[32]
  • Em 2019, foi incluída na lista dos 25 profissionais Top Voices LinkedIn.[33]
  • Em 2020, foi indicada à categoria de Melhor Autora do Prémio Ubuntu 2020.[34][35]

Referências

  1. a b Nogueira, Lígia (21 de março de 2020). «Uma história coletiva: A executiva Luana Génot luta para que negros na liderança sejam regra, e não exceção». UOL. Consultado em 16 de abril de 2020 
  2. a b de Souza Martins Génot, Luana (março de 2017). «#SimàIgualdadeRacial: Análise Discursiva de depoimentos sobre raça no Facebook» (PDF). CEFET-RJ - Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação. Consultado em 15 de abril de 2020 
  3. a b «Debate discute impactos da desigualdade racial e de gênero no mercado de trabalho» (em inglês). 7 de junho de 2019 
  4. Braziliense, Correio; Braziliense, Correio (30 de novembro de 2019). «Artigo: o racismo e as crianças» 
  5. «Mãe, negra e empreendedora, Luana Génot luta contra o racismo: "Quero deixar um legado para minha filha" – Pais&Filhos». 12 de fevereiro de 2019 
  6. a b c d e f g «Uma história coletiva: A executiva Luana Génot luta para que negros na liderança sejam regra, e não exceção» 
  7. a b c «A estreia de Luana Génot: Denegrindo Ela». 1 de setembro de 2019 
  8. a b «Quem Somos» 
  9. a b «Mãe, negra e empreendedora, Luana Génot luta contra o racismo: "Quero deixar um legado para minha filha" – Pais&Filhos». 12 de fevereiro de 2019 
  10. a b c d Nascimento, Silvia (1 de setembro de 2019). «Luana Genot é a primeira colunista negra do caderno "Ela" do jornal O Globo» 
  11. a b «Luana Génot lança livro Sim à Igualdade Racial – raça e mercado do trabalho» 
  12. a b «Luana Génot luta pela igualdade racial no trabalho» 
  13. a b «O que falta para a diversidade virar prática nas empresas» 
  14. a b «Luana Génot» 
  15. «Famosos se unem em campanha por igualdade racial» 
  16. «Elza Soares diz "sim" à igualdade racial» 
  17. «I Fórum Sim à Igualdade Racial | Museu do Amanhã» 
  18. «III Fórum Sim à Igualdade Racial» 
  19. «Inscrições abertas Fórum Sim à Igualdade Racial 2019» 
  20. https://www.jb.com.br (15 de maio de 2019). «Prêmio Sim À Igualdade Racial 2019 destaca nomes importantes da cultura e do mercado de trabalho» 
  21. «Criança Esperança 2018 already receives donations through phone calls | United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization» 
  22. Génot, Luana. «Luana Génot» 
  23. «A saga do batom preto». 15 de março de 2020 
  24. «Luana Génot: Como falar sobre mulheres a partir apenas da perspectiva de mulheres brancas?». 8 de março de 2020 
  25. «Luana Génot: A Covid-19 é uma mosca na loja de porcelanas». 6 de abril de 2020 
  26. Oliveira, Danilo Araujo de; Ferrari, Anderson; Machado, Nathalye Nallon (2019). «"Ninguém solta a mão de ninguém" : conectados/as em rede, resistimos». Praxis Educativa. 14 (2): 659–677. ISSN 1809-4031. doi:10.5212/praxeduc.v.14n2.014 
  27. «Alerta Covid-19: o necessário apoio a empreendedoras negras e periféricas». 29 de março de 2020 
  28. «Coronavírus: como a crise provocada pela Covid-19 impacta as mulheres negras no mercado de trabalho». 9 de abril de 2020 
  29. «O que falta para a diversidade virar prática nas empresas» 
  30. «Luana Génot lança livro Sim à Igualdade Racial – raça e mercado do trabalho» 
  31. de Oxalá, Pai Paulo (20 de março de 2019). «Ativista Luana Génot lança livro sobre igualdade racial». Extra, Editora Globo. Consultado em 14 de abril de 2020 
  32. Alexandre, Cláudia (14 de dezembro de 2016). «Emoção e reconhecimento marcam a noite de entrega do II Prêmio Empregueafro 2016». CEERT. Consultado em 15 de abril de 2020 
  33. Arbex, Gabriela (4 de dezembro de 2019). «LinkedIn divulga Top Voices e Top Voices Influencers 2019». FORBES. Consultado em 17 de abril de 2020 
  34. di Carvalho, Tassia (25 de janeiro de 2020). «Prêmio Ubuntu vai premiar grandes personalidades pretas no Rio de Janeiro». Mundo Negro. Consultado em 16 de abril de 2020 
  35. Uchôa, André (29 de janeiro de 2020). «Prêmio Ubuntu vai celebrar personalidades negras nesta quarta. Em sua primeira edição, evento será realizado no Teatro Carlos Gomes.». Eu, Rio!. Consultado em 16 de abril de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]