Lucília Fraga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lucília Fraga
Nascimento 6 de novembro de 1895
Caetité
Morte 11 de julho de 1979 (83 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação pintora
Movimento estético figurativismo

Lucília Fraga (Caetité, 6 de novembro de 1895São Paulo, 11 de julho de 1979) foi uma professora, desenhista e pintora brasileira, de estilo figurativo.

Carreira artística[editar | editar código-fonte]

Nascida em Caetité, na Serra Geral, alto sertão da Bahia, onde a família Fraga teve um dos seus principais berços e grande importância sócio-política até final do século XIX. Bem nova Lucília mudou-se com a família para Jaú, onde boa parte permaneceu, e depois para São Paulo.

Desde cedo inicia sua formação artística, como aluna de Henrique Bernadelli, no Rio de Janeiro e na capital paulista com Pedro Alexandrino e Antônio Rocco. Suas irmãs Anita e Helena também foram artistas plásticas.

Avessa aos movimentos modernistas, Lucília manteve-se aliada ao academismo.

Radicou-se definitivamente em São Paulo, onde foi professora de desenho na Escola Padre Anchieta, além de atuar em júris e na organização de mostras.

Sua primeira exposição individual data de 1929. Neste mesmo ano expõe no Salão Nacional de Belas Artes, no Rio, merecendo a Menção Honrosa de Primeiro Grau. No ano seguinte, no mesmo evento, recebeu a premiação da Pequena Medalha de Prata. Ganhou a Pequena Medalha de Ouro do Salão Paulista de Belas Artes (1969).

Suas exposições permaneceram no circuito Rio-São Paulo, com exceção das mostras em Buenos Aires, nos anos de 1937 e 1939, em Salvador (1949) e Piracicaba. Recebeu, ao longo da carreira, diversas premiações.

Lucília dedicou-se à pintura retratando flores, especialmente orquídeas, embora conte na sua produção marinhas e paisagens. Suas obras podem ser encontradas em coleções particulares, alcançando boa cotação no mercado. O Centro Cultural São Paulo e a Pinacoteca do Estado de São Paulo possuem obras suas em seus respectivos acervos.

Sua última mostra foi em Santos, em 1970. Dentre seus ex-alunos destacam-se as artistas Ernestina Karman e Colette Pujol.

Crítica[editar | editar código-fonte]

(…)Correta no desenho, forte colorista, a senhorita Fraga possui também o senso da composição. (O Estado de S. Paulo, edição de 29 de novembro de 1929) [1]

(…) Como artista, a despeito de evidente sensibilidade cromática, caracterizou-se por uma visão conservadora, tradicionalista, dos seres e das coisas, reproduzindo mais do que interpretando. (José Roberto Teixeira Leite)[2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARTE no Brasil. Introdução de Pietro M. Bardi e Oscar Niemeyer. Textos de Carlos A. C. Lemos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1982.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1989.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: 1941.

Referências

  1. Citada em SALÃO PAULISTA DE BELAS ARTES, 45. , São Paulo, 1982. Catálogo. Apresentação de Cunha Bueno e Lucia de Arruda Sampaio. São Paulo: Paço das Artes, 1982.
  2. LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]