Lucho González

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lucho González
Lucho González
Lucho pelo Porto em 2013
Informações pessoais
Nome completo Luis Óscar González
Data de nasc. 19 de janeiro de 1981 (41 anos)
Local de nasc. Buenos Aires, Argentina
Nacionalidade argentino
Altura 1,85 m
destro
Apelido El Comandante
Soldado Atleticano
Informações profissionais
Clube atual Ceará
Posição ex-meio-campista
Função treinador
Clubes de juventude
1995–1998 Huracán
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1998–2002
2002–2005
2005–2009
2009–2012
2012–2014
2014–2015
2015–2016
2016–2021
Huracán
River Plate
Porto
Olympique de Marseille
Porto
Al-Rayyan
River Plate
Athletico Paranaense
0111 000(12)
0120 000(23)
0155 000(44)
0123 000(21)
0086 000(17)
0026 0000(8)
0031 0000(2)
0160 000(10)
Seleção nacional
2004
2003–2011
Argentina Sub-23
Argentina
0012 0000(4)
0045 0000(7)
Times/clubes que treinou
2022– Ceará
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Atenas 2004 Equipe

Luis "Lucho" Óscar González (Buenos Aires, 19 de janeiro de 1981) é um treinador e ex-futebolista argentino que atuava como meio-campista. Atualmente comanda o Ceará.

Com 30 títulos conquistados em 22 anos de carreira profissional, Lucho só está atrás de Lionel Messi no número total de títulos conquistados entre os futebolistas argentinos.[1]

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Huracán[editar | editar código-fonte]

Começou nas categorias de base do Huracán, aos 14 anos. Subiu ao time principal e estreou pelo clube no 29 de abril de 1999, contra o Racing Club, ex-time do seu colega e amigo Lisandro López, em jogo válido pelo Campeonato Argentino. Na sua primeira temporada, o Huracán foi rebaixado à Primera B Nacional, tendo subido logo no ano seguinte. Nos três anos em que atuou pela equipe, disputou 111 jogos e marcou 12 gols.

River Plate[editar | editar código-fonte]

Contratado pelo River Plate em 2002, Lucho conquistou o Torneio Clausura duas vezes com o El Millonario.

Porto[editar | editar código-fonte]

O Porto já tinha acertado a sua ida para a Europa na temporada 2004–05, mas decidiu deixá-lo no River Plate durante mais uma temporada. Lucho finalmente foi contratado pelos Dragões em julho de 2005, por 3,6 milhões de euros, com o clube ficando com 50% do passe. O meia mal chegou a equipe e tornou-se um dos principais responsáveis pela conquista da Primeira Liga, junto com Ricardo Quaresma; no total, Lucho disputou 30 jogos e marcou 10 gols. Nessa temporada sagrou-se campeão também da Taça de Portugal. Já na Liga dos Campeões da UEFA, a sua primeira experiência não foi boa, tendo a equipe ficado em último lugar na 1ª fase de grupos. Ainda assim, foi eleito o melhor meio-campista do campeonato nessa temporada.

Em 2006–07 voltou a fazer uma grande temporada, apesar do desgaste que teve na Copa do Mundo FIFA. O argentino jogou com grande regularidade, tendo disputado 30 jogos e marcado nove gols no campeonato, na qual voltou a sagrar-se campeão. Pela Liga dos Campeões atuou em oito jogos e marcou três gols, sendo um dos tentos considerado um dos melhores dessa temporada.

Na pré-temporada de 2007–08, enquanto Lucho disputava a Copa América de 2007, na Venezuela, o Valencia, o Real Madrid e o Everton declararam interesse no jogador. O meia, que se encontrava de férias na Argentina, declarou que não queria sair do clube. No dia 7 de agosto, o Porto acabou com as especulações e adquiriu os 50% restantes do passe de Lucho por cerca de 7 milhões de euros.[2]

Olympique de Marseille[editar | editar código-fonte]

Em 2009, o Olympique de Marseille chegou a um acordo com o Porto, comprando o capitão dos azuis e brancos por 18 milhões de euros, chegando aos 24 milhões de euros, dependendo do desempenho do jogador no clube.[3]

Logo na sua primeira temporada, foi o jogador com mais assistências do país, sendo ainda um dos principais responsáveis pelos dois títulos nacionais que a equipe de Marselha venceu, a Copa da Liga e a Ligue 1 (Campeonato Francês).

Retorno ao Porto[editar | editar código-fonte]

Na metade da temporada de 2011–12, Lucho regressou ao clube onde esteve sempre "no seu coração" por custo zero,[4] tendo conseguido nessa temporada mais um título da Primeira Liga.

Al-Rayyan[editar | editar código-fonte]

No dia 26 de janeiro de 2014, foi oficializado como jogador do Al-Rayyan, do Catar.[5]

Athletico Paranaense[editar | editar código-fonte]

Foi anunciado como novo reforço do Athletico Paranaense no dia 16 de setembro de 2016.[6] Teve boa atuação no dia 22 de fevereiro de 2017, na vitória por 1 a 0 contra o Deportivo Capiatá, quando marcou o gol da classificação do Furacão para a fase de grupos da Copa Libertadores da América.[7] Posteriormente, no dia 7 de março, marcou o gol que abriu o placar contra a Universidad Católica, no empate por 2 a 2 no primeiro jogo da fase de grupos da competição continental.[8] O argentino voltou a balançar as redes no dia 15 de março, garantindo a vitória fora de casa por 1 a 0 contra o San Lorenzo.[9]

Após ter encerrado seu vinculo com o clube, no dia 2 de fevereiro retornou ao Athletico e renovou seu contrato para a temporada 2018.[10]

No dia 13 de dezembro de 2018, Lucho e seus companheiros conquistaram a Copa Sul-Americana. Portando a faixa de capitão, o atleta levantou o troféu do primeiro título internacional da equipe brasileira, sendo uma peça importantíssima no esquema do técnico Tiago Nunes.[11]

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

O jogo entre Athletico e Aucas, na Arena da Baixada, no dia 27 de maio de 2021, pela Copa Sul-Americana, foi sua última partida realizada como atleta profissional. O argentino entrou em campo, atuou nos quatro primeiros minutos e foi substituído.[12] Em entrevistas, Lucho afirmou que pretende trabalhar como treinador.[13]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Atuou pela Seleção Argentina em 44 ocasiões. A sua estreia foi no dia 31 de janeiro de 2004, num jogo contra Honduras, na qual a Argentina venceu por 3 a 1. A sua prestação no River Plate fez com que ele fosse convocado para a Seleção para participar nos Jogos Olímpicos, competição onde ganhou a medalha de ouro. No ano seguinte, em 2005, participou na Copa das Confederações FIFA, na Alemanha, e acabou em segundo lugar perdendo a final com o Brasil. Em 2006, a Seleção conseguiu se classificar para a Copa do Mundo FIFA daquele ano, realizada na Alemanha, mas Lucho lesionou-se durante o torneio. Recuperou-se a tempo de jogar as quartas de final contra a Seleção Alemã, mas a Albiceleste perdeu na disputa por pênaltis. Participou também na Copa América de 2007, tendo ficado em segundo lugar.[14]

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

No dia 16 de janeiro de 2022, menos de um ano após a sua aposentadoria, foi anunciado que Lucho seria o auxiliar-técnico de Alberto Valentim, no Athletico Paranaense, clube na qual tinha se aposentado.[15] Menos de três meses depois, Valentim foi demitido e Lucho também anunciou a sua saída.[16]

Ceará[editar | editar código-fonte]

Após tirar a Licença B da CBF e também concluir o curso de Liderança PRO da AFA (Federação Argentina), Lucho González foi anunciado pelo Ceará no dia 24 de agosto de 2022, iniciando assim sua carreira como treinador.[17] Estreou pelo Vozão no dia 4 de setembro, no empate em 1 a 1 com o Flamengo, no Maracanã, válido pelo Campeonato Brasileiro.[18] Conquistou sua primeira vitória no dia 10 de setembro, ao derrotar o Santos por 2 a 1 na Arena Castelão.[19]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Huracán
River Plate
Porto
Olympique de Marseille
Al-Rayyan
  • Segunda Divisão do Qatar: 2014–15
Athletico Paranaense
Seleção Argentina

Referências

  1. Murilo Dziecinny (15 de agosto de 2020). «Lucho González: supercampeão, El Comandante torna-se o segundo jogador argentino com mais títulos na história do futebol». Furacao.com. Consultado em 11 de abril de 2022 
  2. «Dragões compram totalidade do passe de Lucho». Record. 7 de agosto de 2007. Consultado em 17 de agosto de 2022 
  3. José Carlos Lourinho (7 de novembro de 2017). «De 19 milhões ao custo zero: Como Lucho Gonzalez desvalorizou em duas épocas e meia no Marselha». O Jornal Económico. Consultado em 11 de abril de 2022 
  4. «Marseille anuncia acerto com Porto por Lucho González». Trivela. 30 de janeiro de 2012. Consultado em 11 de abril de 2022 
  5. «Lucho Gonzalez deixa o Porto e assina com o Al-Rayyan, do Qatar». O Globo. 26 de janeiro de 2014. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  6. Luiz Felipe Fagundes (16 de setembro de 2016). «Atlético-PR apresenta o experiente meia argentino Lucho González». Gazeta Esportiva. Consultado em 13 de agosto de 2020 
  7. «Atlético Paranaense vence Deportivo Capiatá e avança à fase de grupos da Libertadores». UOL. 22 de fevereiro de 2017. Consultado em 11 de abril de 2022 
  8. «Atlético-PR vacila, leva dois gols no fim e cede empate à U. Católica». UOL. 7 de março de 2017. Consultado em 11 de abril de 2022 
  9. «San Lorenzo perde pênalti, Atlético-PR segura pressão e vence na Argentina». UOL. 15 de março de 2017. Consultado em 11 de abril de 2022 
  10. «Depois de chegar a dar adeus ao clube, Lucho González confirma volta ao Atlético-PR». Superesportes. 2 de fevereiro de 2018. Consultado em 13 de agosto de 2020 
  11. «Atlético-PR vence decisão nos pênaltis e conquista 1º título internacional». UOL. 13 de dezembro de 2018. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  12. Guilherme Moreira (28 de maio de 2021). «Lucho González se despede com homenagem e planeja carreira como técnico; veja as fotos». GloboEsporte.com. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  13. Pedro Melo (28 de maio de 2021). «Lucho González projeta carreira de treinador: "Completamente diferente do que foi como jogador"». Paraná Portal. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  14. «Brasil rouba o 'jogo bonito' da favorita Argentina para levar o bi». UOL. 15 de julho de 2007. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  15. «Lucho González será auxiliar técnico de Alberto Valentim no Athletico: "De volta à minha casa"». GloboEsporte.com. 16 de janeiro de 2022. Consultado em 25 de agosto de 2022 
  16. «Auxiliar Lucho González deixa Athletico-PR após demissão de Valentim». Gazeta Esportiva. 11 de abril de 2022. Consultado em 25 de agosto de 2022 
  17. «Ceará anuncia Lucho González como novo treinador». Terra. 24 de agosto de 2022 
  18. Vladimir Marques (4 de setembro de 2022). «Ceará é valente e empata com Flamengo no Maracanã na estreia do técnico Lucho González». Diário do Nordeste 
  19. «Ceará constrói vantagem no primeiro tempo e vence o Santos pelo Brasileirão». Superesportes. 10 de setembro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Lucho González