Lucinha Turnbull

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lucinha Turnbull
Informação geral
Nome completo Lúcia Maria Turnbull
Nascimento 22 de abril de 1953 (68 anos)
Local de nascimento São Paulo, SP
Brasil
Nacionalidade brasileira
Gênero(s) Rock and roll, MPB
Ocupação(ões) Cantora, compositora e guitarrista
Instrumento(s) Vocal, guitarra, violão
Período em atividade 1973 - atualmente
Gravadora(s) Phonogram
PolyGram
Philips
EMI-Odeon
Afiliação(ões) Rita Lee
Cilibrinas do Éden
Tutti Frutti
Gilberto Gil
Caetano Veloso
Made in Brazil (banda)
Página oficial www.instagram.com/lucinha_turnbull_oficial

Lúcia Maria Turnbull, conhecida como Lucinha Turnbull (São Paulo, 22 de abril de 1953), é uma cantora, compositora e guitarrista brasileira.[1]

Lucinha Turnbull é considerada a primeira mulher a tocar guitarra no Brasil.[2][3][4]

Reside em São Paulo, no bairro da Lapa.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Filha de pai escocês e mãe brasileira, ganhou seu primeiro violão Di Giorgio[5], que apelidou de "Horácio" e mantem até hoje[6], aos 13 anos. Nesta idade, Lucinha já tocava pandeiro na Capops (Cagando e Andando Para a Opinião Pública), banda formada entre amigos do prédio em que morava. Com 15, teve a oportunidade de assistir Luiz Gonzaga ao vivo e inúmeros concertos de música clássica no Theatro Municipal de São Paulo.[2]

Aos 16 anos mudou-se para Londres e da lá assistiu o histórico Show do Exílio, comandado por Caetano Veloso, Gilberto Gil e a banda Núcleos.[2] Na capital inglesa formou o grupo folk Solid British Hat Band.

De volta ao Brasil em 1972 fez seu primeiro show profissional tocando guitarra, no Teatro Oficina, numa peça do Luiz Antonio Martinez Correia.[4][6] Depois, fez o show de abertura para os Mutantes no mesmo teatro. Em seguida formou uma dupla com Rita Lee, as Cilibrinas do Éden, e participaram do festival Phono 73, em São Paulo.[3] Em 1973, passou a atuar como guitarrista e vocalista, ao lado de Rita Lee, no grupo Tutti Frutti, com o qual excursionou pelo Brasil.

Em 1976, formou o grupo Bandolim e participou do musical "Rock Horror Show", interpretando a personagem Janet Weiss.[2]

Em 1977, participou dos vocais de "Refavela" e "Refestança" com Gilberto Gil e Rita Lee.

Em 1979, gravou o compacto "Ói nóis aqui outra vez", dos Demônios da Garoa.[4]

Ao longo de sua carreira, tocou e cantou em discos de Caetano Veloso ("Cinema transcendental"), Rita Lee ("Babilônia"), Moraes Moreira ("Lá vem o Brasil descendo a ladeira"), Guilherme Arantes ("Corações paulistas"), Erasmo Carlos ("Erasmo convida") e Luli e Lucina ("Luli e Lucinha"), entre outros.

Lançou seu primeiro LP, "Aroma", produzido por Perinho Santana, em 1980.[3]

Em 1982, participou do Festival de Águas Claras.[4]

Sua música "Bobagem" (com Rita Lee) foi incluída no disco "Marginal", de Cássia Eller. Também tem trabalhos com Suely Mesquita, Mauro Santa Cecília, Mathilda Kóvak e Marcio Lomiranda.

Foi morar na Alemanha e na volta ao Brasil tem feito apresentações esporádicas.

Em 2011, se apresenta na Virada Cultural de São Paulo.[7]

Em 2017, colaborou com Edgard Scandurra e Silvia Tape no lançamento de EST.[6]

Em 2020, é lançado o documentário "Lucinha Turnbull", dirigido por Luiz Thunderbird e Zé Mazzei.[8][9]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 1974 - Melhor guitarra rítmica do Brasil, dado pela Revista Pop.[4]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Lucinha Turnbull, primeira guitarrista do País, ensaia show para março - Cultura - Estadão». Estadão. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  2. a b c d «A vida depois dos 60: de Ana Frango Elétrico a Rita Lee, o que faz brilhar o sol da cantora, compositora e guitarrista Lucinha Turnbull». The Summer Hunter. 22 de abril de 2020. Consultado em 11 de abril de 2021 
  3. a b c «Cultura Brasil - Especiais - Lucinha Turnbull, a primeira guitarrista do Brasil». cmais+. Consultado em 11 de abril de 2021 
  4. a b c d e f «Lucinha Turnbull - Tpm». Trip. Consultado em 11 de abril de 2021 
  5. «Lucinha Turnbull, primeira guitarrista do País, ensaia show para março - Cultura». Estadão. Consultado em 11 de abril de 2021 
  6. a b c «Mulher-elétrica II». Monkeybuzz. 21 de agosto de 2019. Consultado em 11 de abril de 2021 
  7. SP, Do G1 (15 de abril de 2011). «Veja a programação da Virada Cultural». São Paulo. Consultado em 11 de abril de 2021 
  8. «UOL faz pré-estreia de documentários de Luiz Thunderbird e Marina Person». economia.uol.com.br. Consultado em 11 de abril de 2021 
  9. «Vídeo: MOV.doc: Conheça a história de Lucinha Turnbull, considerada a primeira gui - 02/06/2020 - UOL Entretenimento». jogos.uol.com.br. Consultado em 11 de abril de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]