Luco dos Ástures

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luco dos Ástures
Lucus Asturum
Localização atual
Luco dos Ástures está localizado em: Espanha
Luco dos Ástures
Coordenadas 43° 26' 34.656" N 5° 49' 5.675" O
País Flag of Spain.svg Espanha
Comunidade autônoma Astúrias
Concelho Llanera
Dados históricos
Império Romano

Luco dos Ástures[1] (em latim: Lucus Asturum) foi uma antiga cidade romana situada no território da paróquia de Lugo de Llanera, na comunidade autônoma das Astúrias, na Espanha. Antes de pertencer aos romanos, esta localidade foi habitada pelos lugões, uma das tribos Ástures.[2] A primeira citação histórica a Luco dos Ástures é na obra de Ptolemeu, que classifica-a como uma pólis. Segundo a Cosmografia de Ravena do século VII, fazia parte de uma série de cidades (cividades) em torno de Bracara Augusta.[3] Foi conquistado por Muça ibne Noçáir, governante muçulmano, no século VIII.[4]

Várias intervenções arqueológicas na área em torno de Lugo de Llanera no último século trouxeram à luz, segundo relatos, restos de edifícios e muralhas, pedaços de colunas e abóbadas, moedas de cobre e prata, ladrilhos circulares e fragmentos de mosaicos. Elias Quiros Tuñón faz referência a duas inscrições, enquanto Constantino Cabal reconhece-as, e afirma que fazem referência ao imperador Numeriano (r. 283–284), filho de Marco Aurélio Caro (r. 282–283). Cabal relaciona as inscrições com o miliário de Numeriano disposto na via entre Astúrica Augusta e Luco Augusto, passando por Luco dos Ástures.[5]

Nos anos 1940, escavações foram realizadas nas imediações da desaparecida Igreja de Santa Maria de Lugo de Llanera. Segundo D. José Cuesta Fernández e D. José Fernández Menéndez, foram encontrados restos de ladrilhos romboidais e arredondados, próprios de suspensuras de hipocaustos atualmente no Museu Arqueológico de Oviedo. Em 1981, a Universidade de Oviedo realizou escavações próximos da igreja. Segundo os relatórios de Armando Fernández, detectaram-se fragmentos de terra sigillata, lisa e decorada.[6]

Referências

  1. Quadrado 2007, p. 40.
  2. Ochoa 2013, p. 14.
  3. Escortell 1987, p. 169.
  4. Agius 1997, p. 65.
  5. Escortell 1987, p. 170.
  6. Escortell 1987, p. 171.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Agius, Dionisius A.; Ian Richard Netton (1997). Across the Mediterranean frontiers: trade, politics and religion, 650-1450 : selected proceedings of the International Medieval Congress, University of Leeds, 10-13 July 1995, 8-11 July 1996. [S.l.]: Brepols. ISBN 2503506003 
  • Escortell, Matilde (1987). «Materiales romanos, procedentes de «Lucus Asturum», de reciente ingreso en el Museo de Oviedo». Cuadernos de Prehistoria y Arqueología. 14 
  • Ochoa, Carmen Fernández (2013). El horreum de la villa romana de veranes (Gijón, Asturias). Primer testimonio material de los hórreos de Asturias. [S.l.]: Editorial UNED. ISBN 8436266293 
  • Quadrado, José María (2007). Asturias: recuerdos y bellezas de España. [S.l.]: Editorial MAXTOR. ISBN 8497613430