Luigi Fenaroli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2016)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Luigi Fenaroli

Luigi Fenaroli (16 de Maio de 1899 - 8 de Maio de 1980) foi um botânico e agrónomo italiano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luigi Fenaroli (Milão, Italia, 16 de maio de 1899 - Bergamo, Italia, 08 de maio de 1980) formou-se nas Ciências Agrárias na "Scuola Superiore di agricoltura" da "Università degli studi di Milano" em 1921.

Em sua juventude realizou alguns expedições científicas ultramarinas pela "Reale Società Italiana geográfica": estuvo em Angola em 1930 e na Amazônia brasileira entre 1932 e 1933.

Em 1933 foi nomeado vice-diretor da Estação Experimental da Silvicultura de Florença. Em 1943 mudou-se a Casale Monferrato para dirigir o “Instituto de cultivo experimental do álamo”. Em 1946 tornou-se diretor da “Estação experimental do cultivo do milho” de Bergamo, depois do famoso agrônomo Tito Vezio Zapparoli. Executou o programa de criação e experimentação dos híbridos de milho (1948 - 1953) a partir dos híbridos americanos introduzidos em Itália imediatamente após da Segunda Guerra Mundial. Ao mesmo tempo, lançou o programa da recolha e caracterização produtiva, morfológica e genética das amostras de sementes de variedades tradicionais Itálianas de milho (1954 - 1955) e intensificou o programa pela constituição das linhas puras (“inbred”) selecionadas a partir das variedades Itálianas ou de suas combinações com linhas americanas, coordenado por seu aluno Aureliano Brandolini.

Em 1968 tornou-se o primeiro diretor do Instituto experimental da silvicultura e pastagens de montanha de Trento, o que dirigiu até 1974.

Luigi Fenaroli teve uma intensa atividade docente. No início da sua carreira foi assistente na Faculdade de Ciências Agrárias da "Università degli Studi di Milano" e chefe da cátedra itinerante de agricultura de Iseo. Mais tarde ensinou silvicultura tropical no "Istituto Agronômica Colonial" (agora “Instituto agronômico do ultramar”) de Florença e Agricultura tropical e sub-tropical na Faculdade de Agrária da "Università degli Studi di Milano".

Ele ensinou também botânica sistemática e fitogeografia florestal e pastagens de montanha na "Università degli Studi di Milano" e na “Università del Sacro Cuore” de Placência.

Foi convidado para intercâmbios de estudos de genética pelas Universidades de vários países. Em 1946 foi nos EUA (Illinois) para uns estudos sobre o melhoramento genético do milho e em 1964 foi convidado para desenhar programas de estudos de melhoramento genético da batata pelo Governo do Canadá. Foi também em Egito e Japão para congressos e conferências.

A sua intensa actividade científica é atestada pelas suas 275 publicações que tratam fitogeografia, Botânica sistemática e botânica florestal, não esquecendo umas obras floro-paisagísticas e da protecção da natureza. Vários destes trabalhos lidam com o estudo do areal de "endemismos" na região "Insubria" em Itália do Norte. Ele cuntribuiu com artigos a umas revistas de florestas e de montanha.

Publicou os seguintes trabalhos científicos:

  • “Il larice nelle Alpi orientali italiane” (1936), que ganhou o prêmio nacional da "Accademia d’Italia",
  • “L’ambiente fisico-agrario dei paesi caldi” (1943),
  • “Le Palme e la loro utilizzazione” (1945),
  • “Il castagno » (1946),
  • “Il genere Populus » (trad. 1946),
  • “La flora delle Alpi pubblicas” pelo editor Martello nos anos de 1956 a 1976,
  • “I Carex d’Italia” (1951),
  • “Il genere Styzolobium” (1952),
  • “La vegetazione e flora delle prealpi lombarde”,
  • el “Catalogus” e os 4 “Prodromos” da “Flora Garganica” (1966-1975).

Seu legado científico compreende um vasto arquivo fotográfico e a criação do jardim botânico de Tavernola Bergamasca nas margens do Lago de Iseo, onde ficam plantas e culturas exóticas.

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

Luigi Fenaroli era um membro de:

  • "Academia Colombiana de ciencias exactas, fisioquímicas y naturales” de Santa Fé de Bogotá,
  • “Instituto Ecuadoriano de ciencias naturales” de Quito,
  • “Società di scienze naturali del Trentino-Alto Adige” de Trento,
  • “Atenei di scienze, arti e lettere” de Brescia e de Bergamo,
  • “Accademia nazionale di agricoltura de Bononia,
  • "Accademia italiana di scienze forestali" de Florença.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui os portais: