Luis Alberto Warat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Luis Alberto Warat
'
Nascimento 31 de outubro de 1941
Buenos Aires, Argentina
Morte 16 de dezembro de 2010 (69 anos)
Buenos Aires, Argentina
Nacionalidade Argentino e brasileiro naturalizado
Alma mater Universidade de Brasília

Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai

Ocupação Filósofo e Jurista,
Ideias notáveis Surrealismo Jurídico, Carnavalização do Direito, Semiologia Jurídica, Eco-cidadania, Cinesofia, Literosofia, Senso Comum Teórico dos Juristas.
Página oficial
http://luisalbertowarat.blogspot.com/

Luis Alberto Warat (Buenos Aires, 31 de outubro de 1941Buenos Aires, 16 de dezembro de 2010) foi um jurista e filósofo argentino radicado no Brasil[1]. Doutor em Direito pela Universidade de Buenos Aires e pós-doutor em Filosofia do Direito pela Universidade de Brasília, Warat foi um dos principais responsáveis pela consolidação da pós-graduação stricto sensu em Direito no Brasil, tendo atuado em diversas universidades brasileiras e destacando-se pela introdução de novas disciplinas no currículo dessas instituições, tais como: "Epistemologia Jurídica", "Semiologia do Direito", "Teoria Crítica e Dogmática Jurídica", "Direito e Ecologia Política", "Direito e Psicanálise", "Direito e Arte", entre outras.[2]

Com mais de 40 livros publicados, Warat contribuiu de forma significativa para o avanço do campo teórico jurídico, partindo, sobretudo, de uma abordagem crítica e interdisciplinar.[3] Uma das grandes inovações trazidas pelo autor foi a recepção de linguagens artísticas como ponto de partida para refletir sobre os mais variados temas envolvendo o Direito, sempre buscando novas referências e cotejando relações com outros campos do saber. Inspirando-se em autores como Gilles Deleuze, Félix Guattari, André Breton, Antonin Artaud, Mikhail Bakhtin, a obra de Warat promoveu uma verdadeira ruptura paradigmática no campo jurídico, deslocando-se de uma perspectiva cientificista-dogmática para o plano estético-sensível.[4] Neste deslocamento tornaram-se frequentes as alusões a Carnavalização Literária e ao Surrealismo como importantes substratos na formulação de conceitos e ideias do autor.[5][4]

As contribuições de Warat estendem-se ainda ao campo da pedagogia, tendo escritos relevantes trabalhos no qual defendia um modelo de ensino libertador e democrático.[6][7] Diversos ensaios de Warat e alguns dos seus textos mais notáveis foram reunidos em três volumes editados pela Fundação Boiteux sob o selo "Obras Completas", são eles: "Territórios Desconhecidos" (Vol. 1), "Epistemologia e Ensino Jurídico" (Vol. 2) e "Surfando na Pororoca" (Vol. 3)[8]. Dentre os títulos recolhidos merece destaque a trilogia publicada por Warat entre as décadas de 1980 e 1990: "A Ciência Jurídica e Seus Dois Maridos", "O Manifesto do Surrealismo Jurídico" e o "Amor Tomado pelo Amor", três obras que marcaram profundamente a trajetória intelectual do autor[9].

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Morre professor argentino Luis Alberto Warat». Consultor Jurídico. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  2. Veras, Mariana Rodrigues (2017). Antologia do pensamento de Luis Alberto Warat: a epistemologia carnavalizada e a digna voz da majestade frente à juridicidade latino-americana. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.
  3. Mondardo, Dilsa (1992). Vinte anos Rebeldes: o Direito à luz da proposta Filosófico-Pedagógica de L. A. Warat. Florianópolis: UFSC 
  4. a b Gonçalves, Marta Regina Gama (2007). Surrealismo Jurídico: a invenção do Cabaret Macunaíma. Uma concepção emancipatória do Direito. Dissertação (Mestrado em Direito, Estado e Constituição) - Universidade de Brasília, Brasília.
  5. Gonçalves, Marta Regina Gama (22 de agosto de 2018). «A CIÊNCIA JURÍDICA E SEUS DOIS MARIDOS, COLOCANDO AS VERDADES FORA DO LUGAR: UMA PROJEÇÃO DA TEORIA DA CARNA V ALIZAÇÃO LITERÁRIA NO DIREITO». Revista Brasileira de Filosofia do Direito (1): 155–174. ISSN 2526-012X. doi:10.26668/IndexLawJournals/2526-012X/2018.v4i1.4295. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  6. Rocha, Leonel Severo (2012). A aula mágica de Luis Alberto Warat: genealogia de uma pedagogia da sedução para o ensino do Direito. In.: Streck, Lenio Luiz; Rocha, Leonel Severo; Engelmann, Wilson. Constituição, sistemas sociais e hermenêutica: anuário do programa de Pós-Graduação em Direito da UNISINOS: mestrado e doutorado. Porto Alegre: Livraria do Advogado/São Leopoldo: UNISINOS.
  7. Freitas, Vinícios Maia; Liége, Maria Queiroz Sitja (2021). «A aula mágica de Luis Alberto Warat: expandindo a docência no ensino jurídico». EPEduc - Epistemologia e Práxis Educativa. Consultado em 25 de novembro de 2021 
  8. Warat, Casa (17 de setembro de 2008). «Luis Alberto Warat: Coleção Completa do Professor Luis Alberto Warat». Luis Alberto Warat. Consultado em 30 de novembro de 2021 
  9. Warat, Casa (28 de outubro de 2016). «Luis Alberto Warat: Bibliografía Luis Alberto Warat - Livros publicados- organizados». Luis Alberto Warat. Consultado em 30 de novembro de 2021