Luiz-Ottavio Faria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luiz-Ottavio Faria
Nascimento Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Alma mater Juilliard School
Ocupação cantor de ópera

Luiz-Ottavio Faria (Rio de Janeiro) é um cantor lírico (baixo) brasileiro. O baixo vive atualmente nos Estados Unidos da América.

É formado pela Juilliard School of Music, de Nova Iorque. Também foi aluno da Escola de Música Villa-Lobos, do Conservatorio Brasileiro de Música e da Universidade do Rio de Janeiro, além de freqüentar o American Institute of Music Studies (AIMS), na Áustria [carece de fontes?].

Biografia[editar | editar código-fonte]

A estréia mundial de Luiz-Ottavio Faria se deu na ópera Un ballo in maschera, de Verdi, no papel de Tommaso, ao lado do tenor Carlo Bergonzi e do barítono brasileiro Fernando Teixeira, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.[1], com temporada estendida para o Theatro Municipal de São Paulo.

Possui apresentações como a interpretação de Timur da ópera Turandot de Giacomo Puccini no Festival La Coruña,[2], na Espanha, Fiesco da ópera Simon Boccanegra de Giuseppe Verdi, em Palermo, na Itália, e de Marcel, em "Les Huguenots" no Carnegie Hall.[3]

Em 2010, foi Ferrando na ópera Il Trovatore na reinauguração do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Em 2018, interpretou Timur na ópera Turandot no Theatro Municipal de São Paulo.[4]

Em janeiro de 2019, foi Timur, em Turandot na Ópera de Toulon, na França. [5]

Em 2019 esteve em Manaus, no XXII Festival Amazonas de Ópera interpretando Don Ruy Gomes em concerto da ópera Ernani de Giuseppe Verdi, no Teatro Amazonas, sob regência Luiz Fernando Malheiro.[6]

Ainda no Brasil interpretou Sparafucile, na ópera Rigoletto de Verdi, sob a regência de Roberto Minczuk e a direção de Jorge Takla, no Theatro Municipal em São Paulo. Essa montagem foi realizada em outubro, no Teatro Solis de Montevideo, no Uruguai, sob regência do maestro uruguaio Martin Jorge.[7]

Em 2020, no Sultanato de Omã vao interpretar Sarastro da ópera A Flauta Mágica de Mozart no Royal Opera de Muscat[8] sob regência de Diego Fasolis e direção de Davide Livermore.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Foi vencedor de diversos concursos, tanto no Brasil como no exterior; entre eles, destacam-se o prêmio no XXI Concurso Carmen Gomes (1987); o troféu Baixo Guilherme Damiano (1987); a bolsa de estudos para a Juilliard School of Music (1989); o Die Meistersingers - AIMS, em Gratz, na Áustria (1994); o Opera Index, para a The Great Buffalo Opera; o YWCA (1995); o The New Jersey State Opera; o Lola Hayes Vocal Competition (1996) e o The William Mathews Sullivan Foundation Award (1997), entre outros.

Referências

  1. «LUIZ-OTTAVIO FARIA – BAIXO BRASILEIRO NO MUNDO LÍRICO». Movimento.com. Consultado em 12 de junho de 2018 
  2. Julio Andrade Malde (20 de setembro de 2009). «Espectáculo total». La Opinión. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  3. OPERA REVIEW; Meyerbeer Claims a Place in the Present The New York Times - acessado em 12 de junho de 2018
  4. Cultura. «Theatro Municipal de São Paulo encerra temporada lírica com ópera Turandot, de Giacomo Puccini». Carta Campinas. Consultado em 24 de novembro de 2018 
  5. Cultura. «Turandot dépouillé et sans chinoiseries à Toulon». Olyrics. Consultado em 20 de abril de 2019 
  6. «Festival Amazonas de Ópera 2019 celebrará o centenário de Claudio Santoro». Portal de Amazônia. Consultado em 21 de abril de 2019 
  7. «Theatro Municipal de São Paulo recebe montagem de Rigoletto, de Verdi». Concerto. Consultado em 28 de dezembro de 2019 
  8. Royal Opera House Muscat. «DIE ZAUBERFLÖTE – THE MAGIC FLUTE». Muscat. Consultado em 22 de dezembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]