Luiz Caldas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o remador, veja Luiz Caldas (remador).
Luiz Caldas
Caldas,2015
Informação geral
Nome completo Luiz César Pereira Caldas
Também conhecido(a) como Pai do Axé
Nascimento 19/01/1963
Local de nascimento Feira de Santana, BA
 Brasil
Origem Municípios de Feira de Santana e Salvador.; Estado da Bahia.; País: Brasil.
Nacionalidade Brasileira
Gênero(s) Axé music, Lambada, Reggae, Pagode, Forró, Rock, Hard Rock, Rock Latino, Pop, Pop Rock, Bossa Nova, Jazz e Arrocha.
Ocupação(ões) Cantor, compositor, multi-instrumentista, arranjador, produtor musical
Instrumento(s) Vocal, Violão, Guitarra, Baixo, Bateria, Percussão, Cavaquinho, Bandolim, Guitarra baiana, Piano e Sanfona.
Página oficial Página oficial do cantor

Luiz César Pereira Caldas (Feira de Santana, 24 de Junho de 1963[1] ) é um multi-instrumentista, arranjador, produtor, compositor e cantor brasileiro conhecido como "O Pai do Axé Music", por ter criado o gênero musical que criou um novo movimento no circuito baiano na década de 80.[2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Feira de Santana, quando garoto, de origem pobre, começou a apresentar-se com bandas amadoras. Já aos dez anos de idade viajava por pequenas cidades, onde participava de shows. Aprendeu, assim, a tocar vários instrumentos, tendo praticamente vivido no meio musical. No início dos anos 70 foi morar em Vitória da Conquista e ganhou a vida trabalhando em alguns comércios da cidade (panificadoras, supermercados e bares) exercendo a função de serviços gerais, mas nas horas vagas tocava no conjunto musical de um famoso músico da época, chamado João Faustino.

Foi o inventor do ritmo que misturava o pop com reggae, toques caribenhos, ijexá, frevo e samba, presentes num ritmo que ganhou o apelido de "Deboche" (o chamado "Fricote") que evoluiu para outros tantos ritmos lançados no carnaval baiano, consolidando-se no popular estilo, atualmente denominado "axé music".[4]

Conhecido no carnaval baiano, tem 12 álbuns lançados e foi presença constante nos principais programas de televisão da década de 1980, como o sucesso Cassino do Chacrinha que na época era vitrine musical dos artistas.[3][5] Ganhou a Coroa de Prata no programa Rei Majestade, do SBT. Nessa época, lançou verdadeiros hits que até hoje são lembrados, como Tieta e Fricote, o que o levou ao auge de sua carreira, vendendo quase dois milhões de cópias.[2][4]

Em 2009 preparou para lançamento um conjunto de 10 CDs, com 130 músicas no total. O projeto envolve vários estilos, como o pagode, o forró, a música romântica, o hard rock e a música instrumental, sendo um dos álbuns dedicado aos povos indígenas, com letras inteiramente em tupi.

As músicas estão sendo primeiramente lançadas no site oficial do cantor. Todo o projeto foi lançado em 2010,[6] mesmo ano que o cantor inicia a divulgação como cantor também de heavy metal, forró e arrocha.[7]

Três anos depois, o cantor volta com a mesma fórmula usada em 2010, gravar inúmeros álbuns de vários gêneros musicais.[6] Desde janeiro de 2013, Luiz Caldas vem disponibilizando um álbum por mês para download em seu site. Serão lançados 12 ao longo do ano.[8] Desde o início do projeto, já foi disponibilizado quase 500 músicas inéditas.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 1979 - Ave Caetano/Tapajós
  • 1980 - Luiz Caldas e Acordes Verdes
  • 1981 - Jubileu de Prata: Trio Elétrico Tapajós
  • 1985 - Magia
  • 1986 - Flor Cigana
  • 1987 - Lá Vem o Guarda
  • 1988 - Muito Obrigado
  • 1989 - Timbres
  • 1990 - Nós
  • 1992 - Retrato
  • 1994 - Luiz Caldas
  • 1998 - Forró de Cabo a Rabo
  • 1999 - 15 Anos de Axé - Luiz Caldas e Convidados
  • 2001 - Janela Aberta
  • 2003 - Luz e Fogueira
  • 2004 - Melosofia
  • 2006 - Ao Vivo em Salvador
  • 2010 - MPB - Uma Maria
  • 2010 - MPB II - Perguntas e Respostas
  • 2010 - Rock - Castelo de Gelo
  • 2010 - Samba - Pandeiro Brasileiro
  • 2010 - Brega - Brasil Superpopular
  • 2010 - Tupi - Nheengara Recé Taba
  • 2010 - Instrumental - Oxóssi
  • 2010 - Frevo - O Trio Elétrico
  • 2010 - Forró - Festa de Sanfoneiros
  • 2010 - Axé - Gongá
  • Janeiro de 2013 - Axé - Apopod'lé
  • Fevereiro de 2013 - Guitarra Baiana - Viva a Guitarra Baiana
  • Março de 2013 - Chorinho - As Donas da Rua Santos Dumont
  • Abril de 2013 - Música Rural - Mundão de Deus
  • Março de 2015 - O Filtro de Sonhos

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • 2010: Lifetime Achievement Award, pelo conjunto de sua obra[2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]