Luiz Mattar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tenista Luiz Mattar
País  Brasil
Residência São Paulo, Brasil
Data de nascimento 18 de agosto de 1963 (55 anos)
Local de nasc. São Paulo  Brasil
Altura 1,83 m
Profissionalização 1985
Mão Destro
Prize money US$ 1,493,136
Simples
Vitórias-Derrotas 191–178
Títulos 7 ATP
Melhor ranking Nº 29 (1 de maio de 1989)
Resultados de Grand Slam
Open da Austrália 2R (1991, 1993)
Roland Garros 3R (1986)
Wimbledon 2R (1991)
US Open 3R (1990, 1991)
Duplas
Vitórias-Derrotas 104–111
Títulos 5 ATP, 0 WTA
Melhor ranking Nº 55 (7 de janeiro de 1991)
Resultados de Grand Slam de Duplas
Última atualização em: 22 de setembro de 2015.

Luiz Mattar (São Paulo, 18 de agosto de 1963) é um empresário e ex-tenista profissional brasileiro. Com sete conquistas em torneios da Associação de Tenistas Professionais é o segundo tenista, depois de Gustavo Kuerten, com mais títulos da ATP na carreira.

Iniciou a carreira profissional somente aos 22 anos, ao contrário da maioria dos tenistas que começam a carreira aos 18 anos ou antes, após trancar a matrícula no último ano de engenharia na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Foi treinado por Paulo Cleto do início ao fim de sua carreira. Chegou a dizer que não podia se ver treinando com outro técnico. É considerado por diversos analistas esportivos, críticos de tênis e antigos tenistas como um dos dez maiores tenistas brasileiros da Era Aberta.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Antes de ter projeção internacional investiu na carreira em treinamentos duros e viagens difíceis, como quando jogou na Nigéria por três semanas, onde ele, o técnico Paulo Cleto e o tenista Dácio Campos passaram maus bocados, inclusive fome.

Em 1987, ele ainda era uma promessa quando chegou à final do ATP do Guarujá, que praticamente abria a temporada internacional. No piso sintético, mero 96º do mundo, surpreendeu o amigo e parceiro de treinos Cássio Motta, que vivia sua melhor fase e estava no 48º posto, muito mais experiente. Nico tirou de Cássio sua maior chance de ganhar um torneio de primeiro nível e iniciou ali a arrancada da carreira. Naquele mesmo 1987, ganhou de mais cinco top 50, entre eles o número 16 Emilio Sanchez, virou herói da ascensão brasileira ao Grupo Mundial da Copa Davis e foi ainda finalista dos GPs de São Paulo (para Jaime Yzaga) e de Itaparica (para Andre Agassi), terminando a temporada como 38º.

Mattar também foi o vencedor da outra final totalmente brasileira, ocorrida em São Paulo, novamente sobre piso sintético, desta vez em cima da revelação Jaime Oncins, também seu parceiro de treinos (Nico, Motta e Oncins eram todos treinados por Paulo Cleto em seus melhores momentos). Ao contrário de 1987, Nico estava agora praticamente reiniciando sua carreira, que sofrera grande abalo no ano anterior devido à morte trágica do irmão Ronald. Antes do título em São Paulo, ele venceu um challenger na Espanha (seu primeiro título internacional) e foi finalista em outro nos EUA, além de ter chegado à semi da Davis naquela história campanha em cima de Alemanha e Itália. Retornava assim ao top 50.

Por fim, Nico também estava presente no domingo histórico de 7 de março de 1994, quando dois brasileiros disputaram simultaneamente finais de ATP. Ele perdeu em Scottsdale diante de Andre Agassi - numa campanha notável, que incluiu vitórias sobre cinco top 90, dois top 35, entre eles MaliVai Washington -, enquanto o paulista Roberto Jábali surpreendeu todo mundo e decidiu na Cidade do México contra Thomas Muster, então 11 do mundo. Enquanto Nico aproveitaria a fase e ganharia logo depois o ATP de Coral Springs (o sétimo da carreira e o primeiro fora do Brasil), Jábali subiu para 162, chegou a 130 dois anos depois, mas nunca conseguiu explodir como se esperava dele, semifinalista juvenil de Roland Garros.

Torneios[editar | editar código-fonte]

Filho de Fuad Mattar, foi vencedor do Torneio de São Paulo de Tênis em 1992 e tricampeão (1987, 1988 e 1989) do também extinto Torneio do Guarujá de Tênis.

Em 1987 foi vice no extinto Torneio de Itaparica de Tênis, derrotado por Andre Agassi, que na época tinha apenas dezessete anos. Ainda perdeu para Agassi a final do Scottsdale em 1994.

Títulos em Torneios da ATP

Títulos em Simples (07)

1987 - Guarujá - quadras duras

1988 - Guarujá - quadras duras

1989 - Guarujá - quadras duras

Rio de Janeiro - carpete outdoors

1990 - Rio de Janeiro - carpete outdoors

1992 - São Paulo - quadras duras

1996 - Delray Beach Open- "America's Red Clay Championship" - quadras de saibro em simples

Finalista em Simples (04)

1987 - Itaparica - quadras duras

São Paulo - quadras duras

1990 - Guarujá - quadras duras

1994 - Scottsdale - quadras duras

Títulos em Duplas (05)

1987 - Guarujá com Cássio Motta - duras

Genebra com Ricardo Acioly - ssaibro

1991 - Wellington com Nicolás Pereira - duras

1992 - Florença com Marcelo Felippini - saibro

1994 - Montevideo com Marcelo Felippini - saibro

Finalista em Duplas (06)

1990 - Guarujá com Cássio Motta -

Florença com Diego Perez

São Paulo com Mark Koervemans

1991 Madrid com Jaime Oncins - saibro

Bolonha com Jaime Oncins - saibro

1992 Tampa com Andrei Olhovskiy - saibro

Torneios Challengers

Títulos: 09

Finalista: 06

Ranking[editar | editar código-fonte]

A melhor posição de Luiz Mattar no ranking foi o 29º lugar em simples (em 1989), e número 55 em duplas (em 1991).

Vida pós-tênis[editar | editar código-fonte]

Após se aposentar, aos 32 anos, Mattar passou a dedicar-se à carreira de empresário[2]. Atualmente é presidente da TIVIT, empresa de terceirização de tecnologia e serviços.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]