Luiz Philippe de Orléans e Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Luiz Philippe de Orléans e Bragança
Deputado Federal por São Paulo
Período Assumirá em 1° de janeiro de 2019
Dados pessoais
Nascimento 3 de abril de 1969 (49 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Ana Maria Bárbara
Pai: Eudes de Orléans e Bragança
Esposa Fernanda Hara Miguita
Partido NOVO(2015-2018)
PSL (2018–presente)
Religião Catolicismo
Profissão Empresário, político e ativista
Website http://lpbraganca.com.br/

Luiz Philippe de Orléans e Bragança (Rio de Janeiro, 3 de abril de 1969), é um cientista político, ativista, empresário brasileiro e príncipe de Orléans e Bragança. Em 2019 assume como deputado federal pelo estado de São Paulo sendo eleito nas eleições gerais de 2018, pelo Partido Social Liberal (PSL), com 118 457 votos.[1][2] É descendente dos imperadores Dom Pedro I e Dom Pedro II (portanto membro da família imperial brasileira).[3] É um dos líderes e co-fundador do movimento liberal Acorda Brasil, que foi favorável ao impeachment de Dilma Rousseff[3] além de sobrinho do príncipe D. Luís Gastão de Orléans e Bragança, atual chefe da Casa Imperial do Brasil[4] e autor do livro Por que o Brasil é um país atrasado? – o que fazer para entrarmos de vez no século XXI (2017).[5]

É o primeiro membro da família imperial brasileira a ocupar um cargo político de relevância desde a Proclamação da República em 1889.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Nascido na cidade do Rio de Janeiro[6] em 1969, filho do príncipe D. Eudes Maria Rainier de Orléans e Bragança e Wittelsbach (1939- ) e Ana Maria Bárbara (nascida Ana Maria de Moraes Barros). É neto de Pedro Henrique de Orléans e Bragança e Bourbon (1909-1981), bisneto de Luís Maria Filipe de Orléans e Bragança (1878-1920), trineto da Princesa Isabel, tetraneto de Dom Pedro II e pentaneto de Dom Pedro I. Há 10 anos casou com Fernanda Hara Miguita, de ascendência japonesa, com a qual tem um filho.[5]

Formação Acadêmica[editar | editar código-fonte]

Luiz Philippe cursou Administração de empresas pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), concluiu em 1993 um mestrado em Ciências Políticas pela Stanford University nos Estados Unidos e, em seguida, especializou-se em Administração de Empresas com um MBA no Institut Européen d'Administration des Affaires (INSEAD), na França, em 1997.[5][7]

Vida Profissional[editar | editar código-fonte]

A trajetória profissional de Luiz Philippe iniciou nos Estados Unidos, onde trabalhou em empresas do mercado financeiro. Luiz Philippe fez parte do planejamento financeiro da Saint-Gobain, multinacional francesa, entre 1993 e 1996. Em seguida trabalhou por três anos no banco de investimentos JP Morgan em Londres e no banco de investimento do Lázard Freres em Nova Iorque.[7] A partir dos anos 2000, retornou ao Brasil como diretor de desenvolvimento de negócios da America Online (AOL) na América Latina. Em 2005 tornou-se empreendedor, quando fundou a empresa IKAT do Brasil, que atua no ramo de distribuição de moto-peças. Em 2012 Luiz Philippe fundou a ZAP Tech, uma incubadora de meios de pagamento para plataformas mobile.[carece de fontes?]

Ativismo Político[editar | editar código-fonte]

Fundou em 2014 o movimento liberal Acorda Brasil.[7] Em 2015, durante o início do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, apresentou um projeto de reforma política à Câmara dos Deputados, em Brasília. Participou do desenvolvimento e intermediação junto ao Senado Federal, em 2016, de um Projeto de Emenda Constitucional (PEC) que permita o voto de não confiança de um presidente.[8] Luiz Philippe também participa do Canal Terça Livre com o programa Caia na Real, e viaja o Brasil com a palestra Redefinindo o Brasil.[9]

No dia 1º de setembro de 2016, o grupo Acorda Brasil, liderado por Luiz Philippe, entrou com um mandado de segurança que pediu para suspender a decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, de aceitar um destaque proposto pelo PT e fatiar as votações do impeachment de Dilma. O argumento é que isso feriu a Constituição Federal. Os impetrantes argumentam ainda que a Constituição não permite interpretação quanto à dissociação da perda do cargo em relação à inabilitação por oito anos para o exercício da função pública. "O impeachment e a inabilitação são indissociáveis".[10][11]

Foi eleito Deputado Federal pelo Partido Social Liberal (PSL) ao concorrer pelo estado de São Paulo,[12] sendo o 33º mais votado no estado.[13] Quase chegou a concorrer à Vice-Presidência do Brasil na chapa do candidato Jair Bolsonaro, do mesmo partido.[14]

Entre suas propostas está a criação de um quarto poder na figura de um chefe de Estado, com direito a veto, igual ao parlamentarismo; inversão da pirâmide dos gastos público do Estado; criação de uma nova constituição aos moldes da Constituição de 1824, época em que a Monarquia era o modelo de governo regente.[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Alexandre Frota e tataraneto de D. Pedro II são eleitos deputados federais por SP». G1 
  2. «Luiz Philippe O. Bragança 1702». Eleições 2018. Consultado em 8 de outubro de 2018. 
  3. a b «Membro da 'família real' entra com ação contra manutenção de direitos de Dilma». Época Negócios. Globo. Consultado em 12 de abril de 2017. – via Agência Estado 
  4. Lima, Daniel. «Descendente da 'família real' brasileira é um dos líderes de grupo anti-Dilma». Folha de S. Paulo. Uol. Consultado em 12 de abril de 2017. 
  5. a b c 1969-, Bragança, Luiz Phillipe de Orleans e,. Por que o Brasil é um país atrasado? : o que fazer para entrarmos de vez no século XXI. Ribeirão Preto, SP: [s.n.] ISBN 9788581638645. OCLC 1007386481 
  6. «Sobre». LPBragança. Consultado em 5 de abril de 2018. 
  7. a b c «Sobre - Luiz Philippe Orleans e Bragança». Luiz Philippe Orleans e Bragança 
  8. «O aprimoramento da democracia brasileira em debate». Site do Senador Alvaro Dias. Consultado em 14 de junho de 2017. 
  9. «Palestra "Redefinindo o Brasil", com Luiz Philippe de Orleans e Bragança». reaconaria.org 
  10. «Membro da 'família real' entra com ação no STF contra manutenção de direitos de Dilma». Estadão. O Estado de São Paulo. 1 de setembro de 2016. Consultado em 12 de abril de 2017. 
  11. Ramalho, Renan. «Membro da família real vai ao STF contra decisão que favoreceu Dilma». G1. Globo 
  12. Morais, Tarciso. «Príncipe Luiz Philippe é eleito deputado federal por São Paulo». Renova Mídia. Consultado em 9 de outubro de 2018. 
  13. «Conheça os 70 deputados federais eleitos por São Paulo». R7.com. 7 de outubro de 2018 
  14. «Conheça o Príncipe Luiz Philippe, possível vice de Bolsonaro». MSN. Consultado em 11 de outubro de 2018. 
  15. Luís Lima. «As ideias do príncipe». Época. Globo. Consultado em 7 de outubro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]