Luís Rocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Luiz Rocha)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís Rocha
Replace this image male.png
Luís Rocha
22.° Prefeito de Balsas Bandeira Balsas.png
Período 1997-2001
Antecessor(a) Heliodoro Sousa
Sucessor(a) Jonas Demito
Governador  Maranhão
Período 1983-1987
Antecessor(a) Ivar Saldanha
Sucessor(a) Epitácio Cafeteira
Deputado federal pelo  Maranhão
Período 1º de fevereiro de 1976
até 15 de maio de 1982
Deputado estadual pelo  Maranhão
Período 1968 - 1975
Dados pessoais
Nascimento 6 de julho de 1937
Bandeira desconhecida Loreto, MA
Morte 8 de março de 2001 (63 anos)
São Luís, MA
Nacionalidade  Brasil
Cônjuge Terezinha Rocha
Partido UDN, ARENA, PDS, PFL, PDC, PP, PSDB
Profissão advogado

Luís Alves Coelho Rocha,[nota 1] mais conhecido como Luís Rocha, (Loreto, 6 de julho de 1937São Luís, 8 de março de 2001) foi um político brasileiro, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).[1][2][3]

Pai do senador, empresário e senador Roberto Rocha e do empresário e prefeito de Balsas Rochinha.

Dados biográficos[editar | editar código-fonte]

Filho de Raimundo Alves Pereira da Rocha e Maria Coelho Barros da Rocha. Residiu em Balsas e mudou-se para São Luís e na capital do estado presidiu a Casa do Estudante Secundário do Maranhão e algum tempo depois comandou a União Maranhense dos Estudantes Secundaristas. Graças a esse know-how chegou a uma das vice-presidências da União Nacional dos Estudantes na gestão José Serra e formou-se advogado pela Universidade Federal do Maranhão.[nota 2][4]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Eleito vereador na capital maranhense pela UDN em 1962, migrou para a ARENA após a instauração do Regime Militar de 1964 e foi eleito deputado estadual em 1966 e 1970.[5] Durante sua estadia no legislativo estadual foi líder do seu partido na Assembleia e secretário-geral do mesmo. A seguir elegeu-se deputado federal em 1974 e 1978. Espancado durante um passeio numa praia em São Luís no início de 1977, interpretou o fato como um incidente motivado por sua atuação política.[6]

Já filiado ao PDS foi eleito governador do Maranhão em 1982[5] e cumpriu um mandato de quatro anos durante o qual vivenciou as cheias do Rio Itapecuru e do Rio Mearim. Depois ingressou no PFL embora tenha se distanciado do presidente José Sarney quando este apoiou Epitácio Cafeteira para governador em 1986.[7][8]

Quando o lavrador Antônio Fontenele Araújo foi barbaramente assassinado a mando do fazendeiro Adelino Pereira Lima, os padres da diocese de Bacabal, liderados pelo seu bispo, logo se mobilizaram para exigir das autoridades estaduais e federais providências relacionadas aos assassinatos de lavradores da região, crimes esses atribuídos à União Democrática Ruralista.

O governador Luiz Rocha, simpatizante da UDR, em vez de intervir e tentar apurar os fatos fez uma declaração pública que irritou profundamente o clero maranhense. Acusou diretamente os padres da diocese de Bacabal de incentivarem a luta dos lavradores contra os fazendeiros, acusando-os ainda da compra de armas para os trabalhadores agrícolas dessa feita o fato levou a Dom Pascácio Rettler, a excomungar o governador Luiz Rocha, ato acontecido em 13 de abril de 1986.

Em 15 de março de 1987, deixou o governo para Cafeteira. Após o fim do mandato, não conseguiu se eleger em cargos políticos ou ser nomeados em governo estadual ou municipal e teve influência política reduzida, apesar da popularidade no Maranhão.

Em 1988, candidatou-se à prefeito de Balsas pelo PDC, mas perdeu. Em 1992 insistiu outras vez, mas perdeu também. Finalmente em 1996, quase 10 anos sem nenhum cargo, se candidatou à prefeitura de Balsas, vencendo no 1º turno, assumindo o cargo em 1 de janeiro de 1997.

Na prefeitura, teve umas das melhores administrações bem avaliada, com melhorias nas áreas da saúde, educação, infraestrutura, segundo publicações de jornais da época.

Em 2000, não se candidatou à reeleição, pelo PSDB, estando com os primeiros sinais de saúde frágil, tratando contra diabetes, passando o poder para seu vice Domingos Holanda, o qual se recusou a entregar a prefeitura ao prefeito, alegando fragilidade para governar. Irritado, Luís Rocha, mesmo com a saúde debilitada veio a Balsas, dando apoio ao Jonas Demito, do PDT, eleito no mesmo ano, pela aliança dos aliados de Rocha ao PDT. Em 1º de janeiro de 2001, deixou a prefeitura para se tratar em São Luís.

Em 8 de março de 2001, morreu vitimado por falência múltipla dos órgãos, em decorrência do diabetes, no UDI Hospital no Jaracaty.[9]

Na madrugada até manhã do dia 9 de março, o corpo foi velado na Assembleia Legislativa, por iniciativa do presidente da Casa, o deputado estadual Manoel Ribeiro, em seguida, a urna funerária foi levada ao aeroporto Hugo da Cunha Machado (ou Tirirical), de onde seguiu para Balsas, no início da tarde, chegando horas depois. A governadora, Roseana Sarney, decretou luto estadual por 3 dias e a morte repercutiu tanto no nível no Maranhão e também no Brasil. Vários políticos acompanharam viagem até Balsas.[9]

Ao chegar em Balsas, onde o prefeito Demito também decretou luto municipal, o cortejo percorreu várias ruas da cidade, acompanhada pela população até chegar à Fundação Joca Rego, tradicional estabelecimento de ensino no Sul do Maranhão, onde Rocha iniciou sua formação humanística. Durante o velório, foram celebradas missas de corpo presente. Em seguida, voltou a percorrer ruas e avenidas da cidade, parando em frente à igreja matriz Santo Antônio, depois seguindo para o cemitério onde houve o sepultamento.[9]

Notas

  1. A grafia original do nome do biografado, Luiz Alves Coelho Rocha, foi atualizada conforme a onomástica estabelecida a partir do Formulário Ortográfico de 1943 a fim de seguir as regras dos substantivos comuns. Tal norma foi reafirmada pelos subsequentes Acordos Ortográficos da língua portuguesa e é optativa para nomes de pessoas vivas para evitar constrangimentos, mas após seu falecimento torna-se obrigatória para publicações, ainda que se possa utilizar a grafia arcaica no foro privado.
  2. A gestão José Serra abrangeu os anos de 1963 e 1964 segundo a galeria de presidentes da UNE.

Referências

  1. «Academia Brasileira de Letras – Formulário Ortográfico de 1943». Consultado em 30 de abril de 2016. 
  2. «Acordo Ortográfico de 1943». Consultado em 30 de abril de 2016. 
  3. «Acordo Ortográfico de 1990». Consultado em 30 de abril de 2016. 
  4. «Presidentes da União Nacional dos Estudantes». Consultado em 30 de abril de 2016. 
  5. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 30 de abril de 2016. 
  6. Crítico de governador é espancado por 18 homens em praia do Maranhão (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 26/04/1986. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 30 de abril de 2016.
  7. Rocha se filia no Maranhão (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 15/05/1985. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 30 de abril de 2016.
  8. Mudança de rumo. Disponível em Veja, ed. 926 de 04/06/1986. São Paulo: Abril.
  9. a b c Morte de Luís Rocha comove Maranhão, 11 de março de 2001