Luiz Zerbini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luiz Zerbini
Zôo, 1995. Acrílica sobre tela.
Nome completo Luiz Pierre Zerbini
Nascimento 28 de abril de 1959 (59 anos)
São Paulo, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Prémios Referência Especial do Júri do Salão Nacional de Artes Plásticas no Rio de Janeiro (1985)

Grande prêmio da crítica em artes visuais da APCA (1995)[1]

Área Arte multimídia

Luiz Pierre Zerbini (São Paulo, 28 de abril de 1959) é um artista multimídia brasileiro. Considerado um dos principais representantes da Geração 80 da arte brasileira,[2] participou da Bienal Internacional de São Paulo e possui diversos trabalhos em coleções públicas, entre elas o Inhotim, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Museu de Arte Moderna de São Paulo e o Itaú Cultural.[3] Em 1995, recebeu da Associação Paulista de Críticos de Arte o grande prêmio da crítica na categoria de artes visuais.[1]

Educação[editar | editar código-fonte]

Durante a juventude, estudou pintura com José Antônio Van Acker, fotografia com Carlos Moreira e aquarela com Dudi Maia Rosa.[1] Entre 1978 e 1980, frequentou o curso de Artes Plásticas da Fundação Armando Alvares Penteado, em São Paulo, onde teve o seu primeiro contato com a gravura.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

No início da década de 1980, vive no Rio de Janeiro, trabalhando como cenógrafo do grupo teatral Asdrúbal Trouxe o Trombone e realizando performances.[1] Em 2013, publica pela editora Cosac Naify o livro Amor Lugar Comum e,[5] em 2017, junto aos artistas Barrão e Albano Afonso, realiza a mostra Zerbini, Barrão, Albano no Santander Cultural, reunindo 43 trabalhos de pintura, gravura, escultura, instalação e fotografia. Teve em suas obras a curadoria de Marcelo Campos.[6]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Zerbini foi casado com a atriz Regina Casé, com quem teve uma filha.[7]

Exposições individuais[editar | editar código-fonte]

  • Monotipias, Galpão Fortes D’Aloia & Gabriel, São Paulo, Brasil, 2017.
  • Monotipias, Santander Cultural, Porto Alegre, Brasil, 2017.
  • Stephen Friedman Gallery, Londres, Reino Unido, 2017.
  • Perhappiness, Sikkema Jenkins & Co, Nova York, EUA, 2016.
  • Natureza Espiritual da Realidade, Galpão Fortes Vilaça, São Paulo, Brasil, 2015.
  • Pinturas, Casa Daros, Rio de Janeiro, Brasil, 2014.
  • amor lugar comum, Inhotim, Brumadinho, Brasil, 2013.
  • Papagaio do Futuro, Max Wigram Gallery, Londres, Reino Unido, 2013.
  • Amor, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 2012.
  • Galeria Fortes Vilaça, São Paulo, Brasil, 2012.
  • Every Jetson has a Flintstone Inside, Max Wigram Gallery, Londres, Reino Unido, 2011.
  • Ele vê o que ele sabe, Galpão Fortes Vilaça, São Paulo, Brasil, 2010.
  • Ruído, Casa de Cultura Laura Alvim, Rio de Janeiro, Brasil, 2009.
  • paisagemnaturezamortaretrato, Centro Universitário Maria Antonia, São Paulo, Brasil, 2008.
  • Trepanações e Outros Artifícios, Galeria Fortes Vilaça, São Paulo, Brasil, 2007.
  • Do Corpo à Paisagem, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil, 2006.
  • Espaço Maria Bonita, São Paulo, Brasil, 2005.
  • Galeria Filomena Soares, Lisboa, Portugal, 2005.
  • Galeria Laura Marsiaj, Rio de Janeiro, Brasil, 2004.
  • Galeria Fortes Vilaça, São Paulo, Brasil, 2002.
  • Galerie Rabouan Moussion, Paris, França, 2001.
  • Galeria Laura Marsiaj, Rio de Janeiro, Brasil, 2000.
  • Galeria de Arte Marina Potrich, Goiânia, Brasil, 2000.
  • Pedra Não É Gente Ainda, Galeria Camargo Vilaça, São Paulo, Brasil, 1999.
  • Instituto Cultural Villa Maurina, Rio de Janeiro, Brasil, 1999.
  • Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil, 1998.
  • Galeria Anna Niemeyer, Rio de Janeiro, Brasil, 1998.
  • Museo Tambo Quirquincho, La Paz, Bolívia, 1997.
  • Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil, 1996.
  • Museu de Arte Moderna da Bahia, Salvador, Brasil, 1995.
  • Galeria Camargo Vilaça, São Paulo, Brasil, 1995.
  • Thomas Cohn Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, Brasil, 1994.
  • Galeria Camargo Vilaça, São Paulo, Brasil, 1993.
  • Acelera Deus, Museu da República, Rio de Janeiro, Brasil, 1992.
  • Thomas Cohn Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, Brasil, 1992.
  • Subdistrito Comercial de Arte, São Paulo, Brasil, 1991.
  • Passárgada Arte Contemporânea, Recife, Brasil, 1991.
  • Subdistrito Comercial de Arte, São Paulo, Brasil, 1988.
  • Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro, Brasil, 1988.
  • Subdistrito Comercial de Arte, São Paulo, Brasil, 1985.
  • Galeria Casa do Brasil, Madri, Espanha, 1982.

Referências

  1. a b c d «Luiz Zerbini». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 9 de junho de 2017. 
  2. Aoki, Virginia, ed. (2013). Conexões com a Arte. São Paulo: Moderna. 312 páginas 
  3. «Luiz Zerbini expõe gravuras no Galpão da Fortes D'Aloia & Gabriel». Art Rio. Consultado em 9 de junho de 2017. 
  4. «Luiz Zerbini lança livro-obra na ArtRio». O Globo. 28 de setembro de 2016. Consultado em 9 de junho de 2017. 
  5. Martí, Silas (12 de dezembro de 2013). «Paisagens inventadas pelo pintor Luiz Zerbini são destaque de livro». Folha de S. Paulo. Consultado em 14 de junho de 2017. 
  6. Piffero, Luiza (23 de maio de 2017). «Santander Cultural inaugura exposição "Zerbini, Barrão, Albano"». ZH Arte. Consultado em 9 de junho de 2017. 
  7. Prado, Adriana (22 de fevereiro de 2011). «"Não quero tirar onda de pobre"». ISTOÉ Independente. Consultado em 14 de junho de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]