Luiza Andaluz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luiza Andaluz
Nascimento 12 de fevereiro de 1877
Santarém
Morte 20 de agosto de 1973 (96 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Religião Igreja Católica

Luiza Andaluz (Marvila, 12 de fevereiro de 1877Lisboa, 20 de agosto de 1973) foi uma religiosa católica e educadora portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Luísa Maria Langstroth Figueira de Sousa Vadre Santa Marta Mesquita e Melo nasceu em 1877, filha de António Júlio de Sousa Vadre Santa Marta da Mesquita e Melo, Visconde de Andaluz e de Ana Joaquina Langstroth Figueira. Foi a quinta filha de seis filhos. Era prima afastada (do lado materno) de Katherine Drexel, canonizada em 2000 pelo Papa João Paulo II e prima de Anselmo Braamcamp Freire.[1]

Tornou-se irmã carmelita aos trinta e oito anos após uma juventude ligada ao trabalho social, numa conjuntura peculiar: no decorrer da ascensão e desmoronamento de três regimes, a Monarquia, a Primeira República e o Estado Novo.

Em 1923, já religiosa na Ordem do Carmo, fundou a Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, na qual fez a sua profissão religiosa em 1939, data da aprovação canónica da congregação.

No momento da sua morte, existiam trinta comunidades da ordem em Portugal e Moçambique.

O Papa Francisco abriu um processo de beatificação a 18 de dezembro de 2017, devido às suas virtudes heróicas.[2]

Referências

  1. Henriques, Dina Maria Batalha (2016). Ser educado, ser educador: a dimensão filosófica, ética e pedagógica da obra de Luiza Andaluz. [S.l.]: Universidade de Coimbra 
  2. «Promulgazione di Decreti della Congregazione delle Cause dei Santi». Bollettino quotidiano (em italiano). Sala de Imprensa da Santa Sé. 18 de dezembro de 2017. Consultado em 23 de abril de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Biografia nas Servas de Nossa Senhora de Fátima
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa religiosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.