Lula Lá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
"Lula Lá"
Canção de Hilton Acioli
Lançamento Eleição presidencial brasileira de 1989
Gravação 1989
Duração 1:27
Letra Hilton Acioli
Composição Hilton Acioli

"Lula Lá" (também conhecida como "Sem medo de ser feliz")[1] é uma canção escrita pelo cantor e compositor brasileiro Hilton Acioli para o segundo turno da campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores, em 1989. Apesar de Lula ter perdido a eleição para Fernando Collor de Mello, até hoje canção é bastante lembrada.

Composição[editar | editar código-fonte]

No início de 1989, Acioli – que havia criado os jingles de Luiza Erundina e Celso Daniel, petistas que saíram vitoriosos nas eleições municipais do ano anterior em São Paulo e Santo André, respectivamente – recebeu do publicitário Paulo Tarso Santos, coordenador de marketing da campanha presidencial do PT, a missão de criar um jingle para Lula.[2] A ideia de Santos era brincar com o nome do candidato.[2] Acioli não gostou da ideia e anotou "o Lula-lá por educação".[2]

Em seguida, Acioli concluiria de que não "havia nada melhor" do que a sugestão do publicitário e começou a trabalhar numa composição a partir da ideia.[2] Ele então compôs um samba-exaltação, intitulado "Vai lá e vê",[3] sobre os "planaltos, rios, verde-mares" do país, que continha como refrão a estrofe "Vai lá e vê que a alegria já esperou demais".[2] Após concluir esta composição, acabou escrevendo outra, que se tornaria o jingle definitivo da campanha.[2] Ele apresentou as duas canções para o comando da campanha petista, que escolheu a última e reservou o samba para ser usado de modo mais discreto durante a campanha.[2] De acordo com o jornalista Ricardo Kotscho, os dirigentes petistas tinham muita resistência à canção, que só acabou sendo aprovada por insistência do próprio Lula.[4]

Acioli compôs a canção de graça para a campanha petista, mas, graças à enorme repercussão do jingle, acabou sendo convidado por vários políticos para compor canções para eles.[2] De acordo com ele, "Lula Lá" foi sua "vitrine", já que "ficou 13 anos em cartaz, de 1989 até 2002".[2]

Utilização nas campanhas eleitorais[editar | editar código-fonte]

A canção foi originalmente apresentada por vários artistas – dentre eles Marieta Severo, Lucélia Santos, Gal Costa, Roberto Bonfim, Chico Buarque, Lídia Brondi, José Mayer, Cristina Pereira, Tássia Camargo, Cláudia Abreu, Malu Mader, Betty Faria, Walter Breda, Aracy Balabanian, Marcos Winter, Hugo Carvana, Joyce, Flávio Migliaccio, Chico Díaz, Beth Carvalho, Reginaldo Faria, Jonas Bloch, Arlete Salles, Otávio Müller, Felipe Camargo, Wagner Tiso, Carla Marins, Armando Bogus, Elba Ramalho, Adriana Esteves, Marcos Paulo, Guilherme Leme, Cláudio Marzo, Eliezer Motta e Joana Fomm – no horário eleitoral gratuito da Frente Brasil Popular (formada por PT, PCdoB e PSB) em rádio e televisão. O videoclipe foi produzido por Paulo Betti e Adair José e dirigido por Paulo José. Um outro videoclipe trazia Gilberto Gil, Chico Buarque e Djavan interpretando a canção.[5]

A canção também foi apresentada no segundo turno da campanha presidencial de 2002, eleição na qual Lula finalmente saiu vitorioso. Para esta campanha, a canção foi recauchutada por Gil em seu estúdio Nas Nuvens.

Em 2008, sua melodia foi aproveitada para o jingle do petista Alessandro Molon, candidato a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro[6]. Dois anos depois, durante o segundo turno da eleição presidencial de 2010, o compositor e maestro Wagner Tiso regravou o jingle como "Dilma lá", em homenagem à campanha de Dilma Rousseff.[1]

Referências

  1. a b [1]
  2. a b c d e f g h i «'Eu nunca falo no PT', conta compositor da música e da letra do jingle 'Lula-lá'». Haroldo Ceravolo Sereza. UOL Notícias. 12 de novembro de 2009. Consultado em 11 de novembro de 2018. 
  3. [2]
  4. «Folha errou, Lula-lá é de Hilton Acioly». IG. 25 de maio de 2010. Consultado em 11 de novembro de 2018. 
  5. [3]
  6. Noblat - Como Crivella, Molon usa Lula-lá

Ligações externas[editar | editar código-fonte]