Luzeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luzeiro
Atividade literatura de cordel, banda desenhada
Fundação 1952
Sede São Paulo, São Paulo, Brasil
Website oficial http://www.editoraluzeiro.com.br/

Editora Luzeiro é uma editora de São Paulo, conhecida por publicar os grandes clássicos da literatura de cordel do Brasil, fundada em 1952[1] pelos irmãos Arlindo Pinto de Souza e Armando Augusto Lopes como Editora Prelúdio.[2]


Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 1915, o português José Pinto de Souza fundou a Typographia Souza, publicando "modinhas e folhas soltas", na década de 1930, já com o nome de Editora Graphica Souza, publicando autores de cordéis brasileiros, em 1950, morre, José Pinto, em 1952, seus filhos Arlindo Pinto de Souza e Armando Augusto Lopes fundam a editora Prelúdio.[3][4] A editora inovou no formato, trocando o tradicional 11 x 16 cm por um formato de bolso: 13,5 x 18 cm, além de substituir as capas em xilogravura, por capas em policromia,[5] com desenhos de quadrinistas como Sérgio Lima e Eugênio Colonnese.[6]


Em 1965, o cordelista Manuel d'Almeida Filho passa a fazer parte da editora como selecionador de cordéis,[7] ficando até 1995, ano seu falecimento.[8]

Além de cordéis, a editora publicou histórias em quadrinhos, como Juvêncio, o justiceiro do sertão, baseado em uma série de rádio[9] com roteiros de Gedeone Malagola, Helena Fonseca, R. F. Lucchetti e Fred Jorge e desenhos de Sérgio Lima, Rodolfo Zalla, Eugênio Colonnese e Edmundo Rodrigues,[9] além de quadrinizações de cordéis por Nico Rosso e Sérgio Lima,[10] esse último, responsável por adaptar O Romance do Pavão Misterioso de José Camelo de Melo Rezende[11] e "A Chegada de Lampião no inferno" de José Pachêco.[12]

Em 1969, a editora lança a revista a revista em quadrinhos "O Estranho Mundo de Zé do Caixão", escrita por Rubens Francisco Luchetti (que também roteirizava seus filmes) com desenhos de Nico Rosso.[13][2] Com a revista de Zé do Caixão sendo transferida para a Editora Dorkas, a editora começa a década de 1970, com dificuldades financeiras,[2] nesse período, a editora passou a se chamar Editora Luzeiro,[8] Luchetti cria as revistas masculinas Mulheres em Preto e Branco, Mulheres para Fim de Semana, Mulheres Só para Homens, Show de Mulheres e Show Girl e roteirizou uma biografia em quadrinhos do apresentador e empresário Silvio Santos, com desenhos de Sérgio Lima.[14]

Em 1995, Arlindo vendeu a editora para Gregório Nicoló, que retoma a publicação de cordéis,[8] em 2010, republicou a quadrinização de Pavão Misterioso por Sérgio Lima em parceria com a editora cearense Tupynanquim do também cordelista e quadrinista Klévisson Viana, refez a paginação e incluiu balões de diálogo,[15] essa quadrinização foi descoberta pelo cordelista e pesquisador Marco Haurélio.[11]

Alguns títulos editados[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.