Marcia Tiburi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Márcia Tiburi)
Ir para: navegação, pesquisa
Márcia Tiburi
Márcia Tiburi em 2008, durante entrevista no programa Café Filosófico, da TV Cultura.
Nome completo Márcia Angelita Tiburi
Nascimento 6 de abril de 1970 (47 anos)
Vacaria
Residência São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileira
Ocupação Artista plástica, professora de Filosofia e escritora
Principais trabalhos O manto e Magnólia

Márcia Angelita Tiburi (Vacaria, 6 de abril de 1970) é uma artista plástica, professora de Filosofia e escritora brasileira.

Graduada em filosofia, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1990), e em artes plásticas, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996); mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1994) e doutora em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999) com ênfase em Filosofia Contemporânea. Seus principais temas são ética, estética, filosofia do conhecimento e feminismo.[1][2]

Publicou livros de filosofia, entre eles a antologia As Mulheres e a Filosofia e O Corpo Torturado, além de Uma outra história da razão. Pela editora Escritos, publicou, em co-autoria, Diálogo sobre o Corpo, em 2004, e individualmente Filosofia Cinza - a melancolia e o corpo nas dobras da escrita. Em 2005 publicou Metamorfoses do Conceito e o primeiro romance da série Trilogia Íntima, Magnólia, que foi finalista do Prêmio Jabuti em 2006.[3] No mesmo ano lançou o segundo volume A Mulher de Costas. Escreve também para jornais e revistas especializados, assim como para a grande imprensa. Seu livro Como Conversar com Um Fascista, publicado pela Editora Record, fala sobre temas como genocídio indígena, racismo e classismo, homofobia, feminicídio e manipulação de crianças.[1]

Márcia Tiburi também se apresentava, semanalmente, no programa de televisão Saia Justa, do canal por assinatura GNT. Uma de suas experiências no programa resultou no livro Olho de Vidro: A Televisão e o Estado de Exceção da Imagem, um estudo que faz análise da experiência visual a questões como alienação e hiperexposição na mídia.[4] Em 2012 publica o romance Era Meu esse Rosto pela Editora Record e os livros Diálogo/Dança eDiálogo/Fotografia pela editora do SENAC-SP.

É professora do Programa de Pós-Graduação em Educação, Arte e História da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie.[3]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • TIBURI, M.A.; Uma fuga perfeita é sem volta. 1. ed. Santa Catarina: Record, 2016.v.1. 616p
  • TIBURI, M.A. Como Conversar com Um Fascista - Reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro. 1.ed. São Paulo: Record, 2015. v.1 196p
  • TIBURI, M.A.; BORGES, Maria de Lourdes. Filosofia: machismos e feminismos. 1. ed. Santa Catarina: Editora UFSC, 2015.v.1. 324p
  • TIBURI, M.A.; Filosofia prática: Ética, vida cotidiana, vida virtual. 1.ed. São Paulo: Record, 2014. v.1. 320p
  • TIBURI, M. A. ; ROCHA, T. . Diálogo/Dança. 1. ed. São Paulo: Senac, 2012. v. 1. 179p
  • TIBURI, M. A. . Era meu esse rosto. 1. ed. Rio de Janeiro: Record, 2012. v. 1. 205p
  • TIBURI, M. A. ; ROCHA, T. . Diálogo/Dança. 1. ed. São Paulo: SENAC, 2012. v. 1. 129p
  • TIBURI, M. A. . Olho de vidro - A televisão e o estado de exceção da imagem. 1. ed. Rio de Janeiro: Record, 2011. v. 1. 349p
  • TIBURI, M. A. . Filosofia pop. 1. ed. São Paulo: Bregantini, 2011. v. 1. 87p
  • TIBURI, M. A. ; Menezes, Fernando Chuí . Diálogo/Desenho. 1. ed. São Paulo: SENAC, 2010. v. 1. 195p
  • TIBURI, M. A. ; Menezes, Fernando Chuí . Filosofia bricante. Rio de Janeiro: Record, 2010. v. 1. 62p
  • TIBURI, M. A. (Org.) ; DUARTE, R.A.P. (Org.) . Seis leituras sobre a dialética do conhecimento. 1. ed. Ijuí: Unijuí, 2009. v. 1. 120p
  • TIBURI, M. A. . O manto. 1. ed. Rio de Janeiro: Record, 2009. v. 1. 623p
  • TIBURI, M. A. (Org.) ; MATTAR, D. (Org.) . Maria Tomaselli. 1. ed. São Paulo: , 2009. v. 1. 270p
  • TIBURI, M. A. . Filosofia em Comum - Para ler junto. 1. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008. v. 1. 186 p.
  • TIBURI, M. A. . A Mulher de Costas - Trilogia Íntima Vol. 2 (romance). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. v. 1. 160 p.
  • TIBURI, M. A. . METAMORFOSES DO CONCEITO - ÉTICA E DIALÉTICA NEGATIVA EM THEODOR ADORNO. 1. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. v. 1. 272 p.
  • TIBURI, M. A. . Magnólia. - Trilogia Íntima Vol. 1 (romance). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
  • TIBURI, M. A. ; KEIL, Ivete . DIÁLOGO SOBRE O CORPO. 1. ed. Porto Alegre: Escritos, 2004. v. 1. 192 p.
  • TIBURI, M. A. (Org.) ; KEIL, Ivete (Org.) . O Corpo Torturado. 1. ed. Porto Alegre: Escritos, 2004. v. 1. 304 p.
  • TIBURI, M. A. . FILOSOFIA CINZA - A MELANCOLIA E O CORPO NAS DOBRAS DA ESCRITA . 1. ed. PORTO ALEGRE: ESCRITOS, 2004. v. 1. 302 p.
  • TIBURI, M. A. . UMA OUTRA HISTÓRIA DA RAZÃO. 1. ed. SÃO LEOPOLDO: UNISINOS, 2003. v. 1. 222 p.
  • TIBURI, M. A. (Org.) ; EGGERT, E. (Org.) ; MENEZES, M. (Org.) . AS MULHERES E A FILOSOFIA. 1. ed. SÃO LEOPOLDO: UNISINOS, 2002. v. 1. 285
  • TIBURI, M. A. . Crítica da Razão e Mímesis no pensamento de Th.W. Adorno . 1. ed. Porto Alegre: EDPUCRS, 1995. v. 1. 155 p.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b de Albuquerque, Fernando (27 de novembro de 2015). «Márcia Tiburi: O facismo, seus medos e contradições contemporâneas». O Grito. Consultado em 18 de junho de 2017 
  2. «Marcia Tiburi». Revista Cult. Consultado em 18 de junho de 2017 
  3. a b «Espaço Público entrevista a filósofa Marcia Tiburi». Espaço Público. EBC. 9 de dezembro de 2015. Consultado em 18 de junho de 2017 
  4. «Marcia Tiburi: "as pessoas têm medo de falar o que pensam"». MdeMulher. 22 de outubro de 2016. Consultado em 18 de junho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Márcia Tiburi