Mário Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mário Braga
Nome completo Mário Augusto de Almeida Braga
Nascimento 14 de julho de 1921
Coimbra
Morte 1 de outubro de 2016 (95 anos)
Lisboa
Nacionalidade Português
Prémios Prémio Ricardo Malheiros (1960)
Género literário Romance, conto
Magnum opus O livro das sombras

Mário Augusto de Almeida BragaGOIH • (Coimbra 14 de julho de 1921Lisboa, 1 de outubro de 2016) foi um escritor, tradutor e jornalista português[1][2].

Licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e lecionou durante alguns anos. Foi diretor-geral da secretaria de Estado da Comunicação Social, membro do Conselho Consultivo das Bibliotecas Itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian e tradutor de várias obras literárias (Elsa Triolet, Vercors, entre muitos outros autores). Foi, também, editor da revista coimbrã Vértice, de 1946 a 1965, aderindo ao grupo de escritores neorrealistas a ela ligados.

Estreou-se, em 1944, com o livro de contos Nevoeiro e, logo a seguir, a coletânea Serranos, vindo a confirmar a sua tendência para a narrativa breve, particularmente centrada nos dramas do trabalhador rural e nos seus conflitos sociais e económicos.

Mais tarde, em Quatro Reis, O Livro das Sombras e Corpo Ausente, a temática dos contos evoluiu para um ambiente mais citadino, atingindo com O Reino Circular a alegoria e a sátira de feição ideológica. Nunca deixando de refletir no âmbito cultural e político, como testemunham os dois volumes de As Ideias e a Vida, Braga escreveu ainda Momentos Doutrinais onde revela o seu percurso pela literatura e as ideias que juntou a partir das suas reflexões. Como autor dramático, é autor de duas farsas em um ato (O Pedido e Café Amargo, 1966) e da peça em três atos A Ponte Sobre a Vida.

A 12 de fevereiro de 1996, foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.[3]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Nevoeiro (contos) (1944)[4]
  • Caminhos sem Sol (novelas) (1948)
  • Serranos (contos) (1948)
  • O Pedido (teatro) (1949)
  • Platão e a Poética (ensaio) (1950)
  • Camilo e o Realismo (ensaio) (1957)
  • Mariana (novela) (1957)
  • Quatro Reis (contos) (1957)
  • Histórias da Vila (contos) (1958)
  • Vale de Crugens (novela) (1958)
  • O Cerco (novela) (1959)
  • O Livro das Sombras (narrativas) (1960)
  • O Gnomo (romance) (1962)
  • Corpo Ausente (novelas) (1961)
  • Viagem Incompleta (contos) (1963)
  • As Ideias e a Vida (crónicas) (1965)
  • A Ponte sobre a Vida (teatro) (1965)
  • Café Amargo (teatro) (1966)
  • Antes do Dilúvio (romance) (1967)
  • Os Olhos e as Vozes (novelas) (1971)
  • O Reino Circular (romance) (1971)
  • Entre Duas Tiranias: Uma Campanha Pouco Alegre em Prol da Democracia (ensaio) (1977)
  • O Intruso (contos e novelas) (1980)
  • Contos Escolhidos (1983)
  • As Rosas e a Pedra (crónicas) (1995)
  • Contos de Natal (1995)
  • Espólio Intacto (novela) (1996)
  • Momentos Doutrinais (ensaio) (1997)

Referências

  1. «Mário Braga». Infopédia. Consultado em 7 de Maio de 2014. Cópia arquivada em 7 de Maio de 2014 
  2. Morreu escritor Mário Braga TVi 24 - acessado em 1 de outubro de 2016
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Mário Augusto de Almeida Braga". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 17 de julho de 2019 
  4. «Mario Braga». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 7 de Maio de 2014. Cópia arquivada em 7 de Maio de 2014 

Ver também[editar | editar código-fonte]