Mário Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde maio de 2014) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mário Braga
Nome completo Mário Augusto de Almeida Braga
Nascimento 14 de julho de 1921
Coimbra
Morte 1 de outubro de 2016 (95 anos)
Lisboa
Nacionalidade português
Prémios Prémio Ricardo Malheiros (1960)
Género literário Romance, conto
Magnum opus O livro das sombras

Mário Augusto de Almeida Braga (Coimbra, 14 de julho de 1921 - Lisboa, 1 de outubro de 2016) foi um escritor, tradutor e jornalista português[1][2].

Licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e lecionou durante alguns anos. Foi diretor-geral da secretaria de Estado da Comunicação Social, membro do Conselho Consultivo das Bibliotecas Itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian e tradutor de várias obras literárias (Elsa Triolet, Vercors, entre muitos outros autores). Foi, também, editor da revista coimbrã Vértice, de 1946 a 1965, aderindo ao grupo de escritores neorrealistas a ela ligados.

Estreou-se, em 1944, com o livro de contos Nevoeiro e, logo a seguir, a coletânea Serranos, vindo a confirmar a sua tendência para a narrativa breve, particularmente centrada nos dramas do trabalhador rural e nos seus conflitos sociais e económicos.

Mais tarde, em Quatro Reis, O Livro das Sombras e Corpo Ausente, a temática dos contos evoluiu para um ambiente mais citadino, atingindo com O Reino Circular a alegoria e a sátira de feição ideológica. Nunca deixando de refletir no âmbito cultural e político, como testemunham os dois volumes de As Ideias e a Vida, Braga escreveu ainda Momentos Doutrinais onde revela o seu percurso pela literatura e as ideias que juntou a partir das suas reflexões. Como autor dramático, é autor de duas farsas em um ato (O Pedido e Café Amargo, 1966) e da peça em três atos A Ponte Sobre a Vida.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Nevoeiro (contos) (1944)[3]
  • Caminhos sem Sol (novelas) (1948)
  • Serranos (contos) (1948)
  • O Pedido (teatro) (1949)
  • Platão e a Poética (ensaio) (1950)
  • Camilo e o Realismo (ensaio) (1957)
  • Mariana (novela) (1957)
  • Quatro Reis (contos) (1957)
  • Histórias da Vila (contos) (1958)
  • Vale de Crugens (novela) (1958)
  • O Cerco (novela) (1959)
  • O Livro das Sombras (narrativas) (1960)
  • O Gnomo (romance) (1962)
  • Corpo Ausente (novelas) (1961)
  • Viagem Incompleta (contos) (1963)
  • As Ideias e a Vida (crónicas) (1965)
  • A Ponte sobre a Vida (teatro) (1965)
  • Café Amargo (teatro) (1966)
  • Antes do Dilúvio (romance) (1967)
  • Os Olhos e as Vozes (novelas) (1971)
  • O Reino Circular (romance) (1971)
  • Entre Duas Tiranias: Uma Campanha Pouco Alegre em Prol da Democracia (ensaio) (1977)
  • O Intruso (contos e novelas) (1980)
  • Contos Escolhidos (1983)
  • As Rosas e a Pedra (crónicas) (1995)
  • Contos de Natal (1995)
  • Espólio Intacto (novela) (1996)
  • Momentos Doutrinais (ensaio) (1997)

Referências

  1. «Mário Braga». Infopédia. Consultado em 7 de Maio de 2014. Cópia arquivada em 7 de Maio de 2014 
  2. Morreu escritor Mário Braga TVi 24 - acessado em 1 de outubro de 2016
  3. «Mario Braga». Biblioteca Nacional de Portugal. Consultado em 7 de Maio de 2014. Cópia arquivada em 7 de Maio de 2014 

Ver também[editar | editar código-fonte]