Mãe Carmem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mãe Carmen
Mãe Carmem no Gantois, 2012.
Nome completo Carmen Oliveira da Silva
Nascimento 29 de dezembro de 1928 (89 anos)[1]
Salvador, Bahia
 Brasil
Nacionalidade brasileira
Progenitores Mãe: Mãe Menininha
Pai: Álvaro MacDowell de Oliveira
Ocupação Sacerdotisa (Iyalorixá)
Prêmios Medalha 2 de Julho
Medalha da Diversidade Cultural - Unesco
Religião Candomblé
Portal da Religião

Carmen Oliveira da Silva, conhecida por Mãe Carmen do Gantois ou Mãe Carmen de Oxalá, (Salvador, 1928) é a Iyalorixá do Candomblé, do Terreiro do Gantois, na cidade de Salvador, Bahia, Brasil.

É a filha mais nova de Mãe Menininha do Gantois é a irmã caçula de Mãe Cleusa Millet. Passou toda sua vida se dedicando ao candomblé com a mãe. Carmen foi iniciada no Candomblé para Oxalá, seu pai de cabeça, quando ainda era criança e desde então, não parou mais de se aprofundar nos estudos religiosos e fazer suas obrigações espirituais. Após a morte de Mãe Cleusa de Nanã, em 15 de Outubro de 1997 e aí sim assumiu o posto de Iyalorixá do Terreiro mais famoso do Brasil.

Carmen Oliveira da Silva, funcionária aposentada do Tribunal de Contas do Estado, seguiu por alguns anos em sua carreira de contadora, mas o seu destino já havia sido traçado pelos orixás, e foi convocada para assumir o trono do Gantois. Filha caçula de Mãe Menininha, Mãe Carmen de Oxaguian foi iniciada aos 7 anos de idade, nasceu e cresceu dentro da Casa do Candomblé, e viveu grande parte de sua vida como Iyalaxé do Gantois. É mãe de 02 filhas, Ângela Ferreira Iyakekerê e Neli Cristina Iyadagan; tem 03 netos, sendo todos iniciados no candomblé, e 01 bisneta. Desde 2002, está no comando do Candomblé do Ilé Iyá Omi Asé Iyamasé – Terreiro do Gantois, na cidade de Salvador, Bahia, Brasil,quando assumiu o posto de Iyalorixá.

Ao longo dessa trajetória, tem desempenhado um papel fundamental na preservação das tradições de sua família, que possui ancestralidade africana, dando seguimento com muito respeito, amor e firmeza à missão que os Orixás designaram.

Recebeu a Medalha 02 de Julho, pela Prefeitura Municipal do Salvador, entregue a personalidades baianas de destaque. E, pelo Governo do Estado, possui o título de Grã Mestre Comendadora. Em virtude de todo o trabalho que tem desenvolvido para preservação das tradições numa perspectiva de diálogo inter-religioso, Mãe Carmen foi agraciada com a “Medalha dos 5 Continentes ou da Diversidade Cultural”, comenda entregue pela Unesco, através Presidente do Conselho Executivo da Unesco e Delegado Permanente do Benin, Embaixador OlabiyiBabalola Joseph Yai, em maio de 2010. Além da comenda,Mãe Carmen recebeu do Embaixador as faixas da Sociedade Secreta Gueledés, por ser uma liderança que salvaguarda a ancestralidade de matriz africana em sua comunidade.

Participou da coletânea de textos para o livro “Recomeços”, da jornalista e escritora Lina de Albuquerque, pela Saraiva Editora, com um depoimento de vida, relatando a trajetória determinada pela ancestralidade.

Além da parte religiosa, Mãe Carmen também promove ações sócio-educativas junto a comunidade do Gantois, realizando, juntamente com a Associação de São Jorge Ebé Oxossi, benfeitorias para a circunvizinhança.

Na parte cultural, empreendeu ações voltadas para acessibilidade à memória da religiosidade de matriz africana na Bahia, com cursos de ritmos e toques, dança, bordados tradicionais, dentre outros, intercâmbio com instituições culturais do Brasil e do exterior, principalmente África, Cuba, França e EEUU, que possuem eixos de trabalho e pesquisa voltados para a problemática do negro e de sua religiosidade. Com o tombamento do Gantois, em 2002, também voltou-se para os cuidados com a questão patrimonial material e imaterial existente no Memorial Mãe Menininha, cujo resultado pode ser conferido com a obra “Memorial Mãe Menininha do Gantois – Seleta do Acervo”, da qual é autora e que foi lançada em julho de 2010. Ainda no campo artístico, Mãe Carmen foi homenageada com a composição da música “A Força do Gantois”, composta pelo sambista Nelson Rufino, lançada em agosto de 2011. Em março de 2013 retornou ao cargo de Presidente da Associação de São Jorge Ebé Oxossi, entidade mantenedora da Casa do Gantois, tendo sido eleita pelos associados integrantes e pela comunidade-terreiro.

O livro Seleta de Acervo – Memorial Mãe Menininha do Gantois, foi idealizado por Carmem Oliveira da Silva e organizado por Raul Lody[2][3]

Referências

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]