Módulo de Comando e Serviço Apollo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde dezembro de 2012). Ajude e colabore com a tradução.


Apollo Command/Service Module
Apollo CSM lunar orbit.jpg
CSM da Apollo 15 em órbita lunar, em 02 de agosto de 1971.
Descrição
Tipo Módulo de comando
Módulo de serviço
Operador(es) Estados Unidos NASA
Propriedades
Fabricante Estados Unidos North American Aviation
Estados Unidos North American Rockwell
Massa de lançamento Na Terra: 14,690 kg
Na Lua: 28,800 kg
Massa 11,900 kg
Altura 11,0 m
Diâmetro 3,9 m
Potência de energia Normal: 563-1,420 watts
Máximo: 2,300 watts
Geração de energia Célula de combustível
Módulos 2
Tripulação 3 astronautas
Volume 6,2
Vida útil 14 dias
Capacidade de armazenamento 1,050 kg
Projetista Estados Unidos Maxime Faget
Aplicações Programa Apollo
Produção
Estado de produção Encerrada
Unidades fabricadas 35 unidades
Lançadas 19 unidades
Operacionais 19 unidades
Falhadas 2 unidades
Perdidas 1 unidade
Primeiro lançamento 26 de fevereiro de 1966
Último lançamento 15 de julho de 1975
Retirada de serviço 24 de julho de 1975
Antecessor Estados Unidos Gemini
Sucessor Estados Unidos Orion


Módulo de Comando e Serviço Apollo era uma das partes da nave usada no Projeto Apollo (a outra parte era o Módulo Lunar Apollo). Ele era formado de duas partes: Módulo de Comando e Módulo de Serviço. Ambos atuam sempre em conjunto, desconectando-se apenas na reentrada na atmosfera terrestre.

O Módulo de Comando é a cápsula, ela tem o formato cônico, que os astronautas ocupavam durante a maior parte da viagem, e era a única parte que reentrava na atmosfera terrestre, caindo de pára-quedas. O Módulo de Serviço, em formato cilíndrico, continha os equipamentos de manutenção de vida (como os cilindros de oxigênio) e motores. Estes dois módulos atuavam juntos, formando um conjunto cujo objetivo era manter os astronautas em segurança durante a viagem e para a reeentrada na atmosfera terrestre.

Para a reentrada na atmosfera terrestre, o Módulo de Comando possuía um escudo de calor, que permitia ao veículo resistir às altas temperaturas geradas pela reentrada, e um sistema de pára-quedas.

O Módulo de Comando era o centro de controle da nave Apollo e o espaço para manter os astronautas da Apollo durante as missões. Ele continha a cabine principal pressurizada, as poltronas da tripulação, o painel de instrumentos e controle, os sistemas de direção eletrônica e ótica, sistemas de comunicações, sistema de controle de ambiente, baterias, escudo térmico, sistema de controle de reação, dispositivo de acoplamento, cinco janelas e o sistema de pára-quedas.

O Módulo de Serviço era a parte da espaçonave que não era pressurizada e continha as células de combustível, baterias, antena de alto ganho, radiadores, água, oxigênio, hidrogênio, sistema de controle de reação, propelente para abandonar a órbita lunar, e sistema de propulsão de serviço. Nas missões Apollo 15, Apollo 16 e Apollo 17 ele também carregou um pacote de instrumentos científicos, câmera de mapeamento e um pequeno sub-satélite para estudar a Lua.

A maior parte do Módulo de Serviço Apollo é tomada pelo propelente e o motor de foguete principal que coloca a nave na órbita lunar e depois a retorna a Terra. O motor principal é usado também para correções de curso durante a viagem para a Lua.

O Módulo de Serviço permanece acoplado ao Módulo de Comando durante toda a missão, desligando-se dele apenas para a reentrada na atmosfera terrestre (apenas o Módulo de Comando reentra).

O Módulo de Comando e Serviço Apollo foi projetado e fabricado pela "North American Aviation", uma empresa fabricante de aviões dos Estados Unidos, e que anteriormente já havia fabricado alguns aviões experimentais para a Nasa.