Música do Níger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

[1] Níger é um país africano habitado por uma mistura de grupos étnicos, trazendo cada um tradições musicais desenvolvidas para a cultura nacional.

Estilos musicais tradicionais[editar | editar código-fonte]

O povo hauçá, que constitui mais da metade da população do país, utiliza a duma (instrumento de percussão local) e o molo (um alaúde) em suas tradições Griot, juntamente com o Ganga, a alghaïta (instrumento de sopro) e o kakaki (trompete) para cerimônias formais, de luta e de Estado. Um exemplo disso é o uso cerimonial de trombetas para marcar a ampla autoridade do Sultanato de Damagaram na região sudeste de Zinder.

Mais de 20% da população do Níger são povos Zarma, enquanto os Tuaregues e os Fulani somavam em torno de 1 milhão no início do século 21, sendo pouco menos de 10% cada. Os Kanuri são pouco mais de 4%, enquanto os Toubou, os Diffa e os Gurma são pequenas populações de menos de meio por cento cada.[2]

Os Zarma habitam a área ao redor da capital, Niamey. Eles tocam, no geral individualmente, uma variedade de alaúdes (xalam ou molo), flautas e violinos, e, assim como os Fulas, perpetuam a tradição griô de cantores e músicos de louvor pertencentes às bases das castas. A música tradicional de Songhai foi tema de amplo estudo realizado no final do período colonial e início da independência.[3]

Os tuaregues do norte são conhecidos por sua poesia romântica, informal cantada/falada, Interpretada tanto por homens quanto por mulheres, com vozes acompanhadas por palmas, tambores tinde (nas canções das mulheres) e o viol de uma corda (nas canções dos homens).

Os Fula e Wodaabe, subgrupo nômade do deserto de Fula, entoam repetidamente cantos com várias vozes, que são acompanhadas por palmas, batidas e sinos. O festival Wodaabe Gerewol é um exemplo dessa tradicional percussão repetitiva e hipnótica de coral. Os berberes também são conhecidos por sua complexa polifonia no cantar.

Música contemporânea (moderna) do Níger[editar | editar código-fonte]

A música de entretenimento não foi prontamente aceita pelo governo do Níger, embora as restrições tenham afrouxado desde a morte de Seyni Kountché em 1987. Uma competição musical chamada de Prêmio Dan Gourmou ajudou a inspirar um renascimento musical no país. Em 1990, foi fundado o Centro de Formação e Promoção Musical, através da utilização de uma concessão do Fundo Europeu de Desenvolvimento, o que contribuiu para impulsionar esse processo. Músicos formaram bandas a fim de alcançar fama, tanto nacional quanto internacional, entre os quais o de maior sucesso foi o grupo Takeda, formado pelo cantor de reggae Adams Junior[4] [5] e por Saâdou Bori, Fati Mariko, Mamoudou Abdousalam, Sani Aboussa, John Sofakolé, Moussa Poussy e Yacouba Moumouni.

Em meados dos anos 1990, o produtor de discos Ibrahima Sylla, de renome internacional, viajou para Niamey e acabou assinando com Poussy e Saadou Bori. Desde então, ele também ajudou na liberação de registros de Adams Junior e do Mamar Kassey (talvez o grupo nigerense mais conhecido fora do país), que combinam os estilos tradicionais Songhai com o jazz moderno.

Formou-se em 2004, no Festival no Deserto (Festival au Désert[6] ), A banda Etran Finatawa ("As Estrelas da Tradição"), composto por tuaregues e membros Wodaabe.

Desde 2008, a Tal Nacional tem sido a banda contemporânea mais popular no Níger. Eles são de Niamey. Seu álbum A-Na Waya (2008) alcançou o topo das paradas no Níger e ganhou inúmeros prêmios. Em 2013, a banda assinou um contrato internacional com a gravadora Fat Cat Records para produzir o álbum "Kaani".

Blues Tuaregue[editar | editar código-fonte]

o Blues Tuaregue (Tuareg Blues) é provavelmente o estilo musical tuaregue mais conhecido no mundo. Emergindo dos campos de refugiados das rebeliões dos tuaregues da década de 1990, o Blues Tuaregue foi exportado para a Europa, mais notadamente pela banda Tinariwen, do Mali. Entre os artistas nigerenses desse estilo, estão o pioneiro guitarrista Abdallah ag Oumbadougou, de Agadez, com sua banda Takrist n'Akal, além de Bombino, também de Agadez, Toumast (de Moussa ag Keyna), Mdou Moctar e Mouma Bob .

Referências

  1. Ver artigo wiki francês Blues touareg
  2. UN Demographic Yerbooks.
  3. Ver os trabalhos de Jean Rouch, assim como os de Bernard Surugue. Contribution a l'etude de la musique sacree zarma songhay (Republique du Niger). Etudes nigeriennes; no 30. Niamey, Centre nigerien de recherches en sciences humaines, 1972.
  4. Le reggae nigérien perd un de ses meilleurs musiciens. M. S. Abandé Moctar. Le Sahel (Niamey). 2 April 2009
  5. Disparition de Adams Junior. Fofo Magazine. 30 March 2009.
  6. Festival au Désert.
  • Bensignor, François. "Sounds of the Sahel". 2000. In Broughton, Simon and Ellingham, Mark with McConnachie, James and Duane, Orla (Ed.), World Music, Vol. 1: Africa, Europe and the Middle East, pp 585–587. Rough Guides Ltd, Penguin Books. ISBN 1-85828-636-0
  • Samuel Decalo. Historical Dictionary of Niger. Scarecrow Press, London and New Jersey (1979). ISBN 0810812290
  • Jolijn Geels. Niger. Bradt London and Globe Pequot New York (2006). ISBN 1841621528.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

a Niamey based Rap Nigerien label.
Niger Hip hop portal.
Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.