M61 Vulcan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2015). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
M61 Vulcan
Vulcan1.jpg
M61 Vulcan desmontado
Tipo Canhão Rotativo Gatling
Local de origem  Estados Unidos
História operacional
Em serviço 1959
Utilizadores  Estados Unidos
Guerras Guerra do Vietnã
Guerra do Golfo
Guerra ao Terror
Histórico de produção
Criador General Electric
Data de criação 1946
Especificações
Calibre 20 mm
Cadência de tiro 6.000 tpm

M61 Vulcan é um canhão automático de 20 mm acionado hidráulica ou pneumáticamente, resfriado a ar, disparado elétricamente e com uma cadência de tiro extremamente alta. Ele tem sido o principal armamento de canhão das aeronaves militares de asa fixa das Forças Armadas dos Estados Unidos nos últimos 50 anos.[1]

O M61 foi originalmente produzido pela General Electric, e depois de várias fusões e aquisições é atualmente produzido pela General Dynamics.[2]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

No final da II Guerra Mundial,o exército americano começou a considerar novos rumos para futuras aeronaves e armas militares.As maiores velocidades alcancadas pelos jatos significava que alcançar um número efetivo de missões seria extremamente difícil sem um volume grande de poder de fogo.Enquanto projetos alemães capturados (principalmente a Mauser MG 213C) mostraram o potencial do canhão de barril único,a taxa de de prática de fogo de uma tal concepção ainda era limitada pela alimentação de munições e preocupação pelo desgaste do barril.O Exército queria algo melhor,combinando poder de fogo extremo e confiabilidade total.Em 1947,a Força Aérea Americana torno-seu um ramo separado das Forças Armadas.A nova Força Aérea apresentou um pedido de uma nova arma para seus aviões.Uma lição aprendida na Segunda Guerra foi que os caças alemães,italianos e japoneses poderiam atacar aeronaves americanas de longa distância com seus canhões principais.Caças americanos com .50 como arma principal,como os P-51s e P-47s tinham que estar bem próximos aos seus inimigos para efeturarem danos.A 20mm Hispano transportada pelo P-38 era formidável contra aviões de hélice,mas contra aeronaves a jatos a mesma era notoriamente pouco confiável.

Em resposta a esta exigência, a Divisão de Armamentos da General Electric ressuscitou uma velha ideia: A Gautling Multi-barril.A metralhadora Gatling original tinha caído em desuso por causa da necessidade de uma fonte de alimentação externa para girar o barril,mas a nova geração de caças a jato movido a energia elétrica ofereciam energia suficiente para operar a arma, e a operação elétrica se mostrou mais confiável do que a gás.Com vários barris,a taxa de incêndio por barril poderia ser menor do que um canhão com apenas um barril,proporcionando uma maior taxa global de poder de fogo.A ideia de alimentar uma metralhadora giratória com uma fonte de energia elétrica externa não era uma ideia nova,no final da II Guerra Mundial,como Richard Jordan Gatling mesmo tinha feito isso em 1893,com uma patente que ele apresentou.

Em 1946 o Exército emitiu um contrato com a General Electric para o "Projeto Vulcan",uma metralhadora de 6 barris giratórios capaz de disparar 7200 tiros por minuto[3] .Apesar dos designers europeus estarem se preparando com armas mais pesadas,como as metralhadoras 30mm,os americanos inicialmente se concentraram em um poderoso cartucho de 0,60 polegadas (15mm) projetado para um rifle anti-tanque pré-guerra,esperando que a alta velocidade do projétil seja benéfica para melhorar a taxa de acerto em alvos de alta velocidade.

Os primeiros protótipos da GE de 15mm chamados de T45 foram testados em 1949,com um desenpenho de 2500 tiros por minuto,no qual foi aumentado para 4000 tiros por minuto em 1950.No início da década de 50 a Força Aérea decidiu que sozinha a alta velocidade pode não ser suficiente para assegurar a destruição do alvo e,consequentemente testaram alternativas de calibre de cartucho baseadas no 15mm (20mm e 27mm) .Essas variantes ficaram conhecidas como T171 e T150 respectivamente,e foram testadas em 1952.Eventualmente,o cartucho 20 x102mm foi determinado a ter os necessários equilíbrios de projétil e carga explosiva além da velocidade adequada.

O desenvolvimento do Lockheed F-104 Starfighter revelou que o T171 Vulcan (atual M61 Vulcan) sofreu problemas com a sua munição,sendo propenso a má alimentação e objetos estranhos danosos.Diante desse problema foi desenvolvido o sistema de alimentação linkless para o M61A1 atualizado,que posteriormente tornou-se o canhão padrão dos caças americanos.

Em 1993 a General Electric vendeu sua divisão aeroespacial,incluindo a General Electric Armament Systems e o conjunto de ferramentas de design e produção do M61 e outro canhão similar para a Martin Marietta. Após a fusão da Lockheed com a Martin Marietta o canhão giratório M61 passou a ser responsabilidade da Lockheed Martin Armament Systems.Lockheed Martin Armament Systems foi posteriormente adquirida pela General Dynamics,que atualmente produzem o M61 e suas variantes[4] .

Referências

  1. Sobre o M61 Vulcan
  2. M61 20mm cannon Federation of American Scientists (23 de Abril de 2000).
  3. The Gatling Gun.
  4. M61 20mm cannon.
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.